23 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Ursos são presos em fazenda chinesa para a retirada da bile

Imagens divulgadas nesta quarta-feira mostram um grupo de ursos negros preso em uma fazenda de Hui’an, no sudoeste da China. Os animais são mantidos em cativeiro para a coleta da bile pela empresa Guizhentang, uma tradicional companhia de medicamentos chinesa.

A bile do urso é muito usada pela milenar medicina chinesa para tratar de problemas no fígado, infecções nos olhos, febre e outros sintomas, embora sua eficácia seja contestada. Ativistas criticam o procedimento, que segundo eles é extremamente doloroso para os animais.

Diversas entidades ligadas à proteção dos ursos trabalham para o fechamento das fazendas, que mantém os animais em pequenas jaulas improvisadas. O material coletado tem grande demanda na China, no Japão e na Coreia, mas atualmente, segundo ativistas, já existem substitutos naturais e sintéticos.

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile. Foto: AFP

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile Foto: AFP

Com informações das agências AFP e AP.


18 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Infrações contra a flora em MT motivam R$ 696 milhões em multas

As infrações cometidas contra a flora mato-grossense no ano de 2011 geraram uma cifra milionária em multas emitidas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama). Ao todo, foram lavradas autuações que superaram meio milhão de reais (R$ 696.802.758,80). Na lista das agressões praticadas aos diferentes tipos de vegetação estão os desmatamentos ilegais, queimadas e também o transporte ilegal de madeira, segundo o órgão. O número faz parte de um balanço apresentado pela superintendência do Ibama no estado.

“Em Mato Grosso o que mais motiva as multas é a infração cometida contra a flora”, citou Eduardo Engelmann, chefe do setor de fiscalização. Ao todo, foram 1.359 autos de infração lavrados pelo órgão ambiental na unidade federada, conforme apontou o balanço. O exercício de atividades ilegais, como o desmatamento, provocou o embargo de 59.927,752 hectares em Mato Grosso.

Além de multas e embargos, as operações realizadas pelo Instituto Brasileiro na repressão aos crimes e infrações ambientais acarretaram ainda na apreensão de madeira, veículos e equipamentos utilizados para a prática. No estado, o volume total de madeira em tora apreendida somou 26.619 metros cúbicos, enquanto a de serrada alcançou 6.855 metros cúbicos.

Segundo o órgão, 20 tratores que auxiliavam no processo de derrubada das matas foram apreendidos, ao lado de 31 caminhões e outras 42 motosserras. Os dados são referentes ao período compreendido entre 1º de janeiro a 20 de dezembro de 2011.

Conforme Engelmann, uma característica marcou as ocorrências de desmate . “Acaba sendo mais comum onde a pessoa faz a extração das árvores em pontos onde não tem nenhuma autorização. É uma área particular de outra pessoa, ou uma área pública de estado”, frisou.

Embora o Ibama mantenha as ações de combate ao desmatamento, os números do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal – PRODES – revelaram uma alta nos casos desta natureza entre os anos de 2010 e 2011. A área atingida avançou de 871 quilômetros quadrados para 1.126 quilômetros quadrados, deixando a unidade federada na segunda posição, atrás apenas do Pará, que desmatou 2.870 quilômetros quadrados.

Em toda Amazônia, foram 6.238 quilômetros quadrados, um recuo de 11% frente a 2010, que registrou 7 mil quilômetros quadrados. Para o chefe do setor de fiscalização do Ibama em Mato Grosso, apenas as multas não sanam o problema do desmatamento no estado. Elas são a última instância utilizada para repreender infratores.

“Quando se aplica uma multa, significa que o fato aconteceu. O melhor caminho é você monitorar, detectar a tempo o problema. Para que se tenha esse controle do desmatamento irregular é necessário ter monitoramento frequente, como o Deter”, frisou Eduardo.

Agronegócio – Engelmann diz não ser possível atribuir todas as ocorrências de desmates em função da atividade agropecuária. “Existem produtores rurais que são conscientes e existem aqueles que ignoraram. A posição do próprio setor é reprovar esse tipo de comportamento que se coloca como isolado, de um outro, enquanto a maioria respeita [a legislação]“, pontuou.

Gargalo – Para o coordenador do departamento de GeoTecnologia do Instituto Centro de Vida (ICV), Ricardo Mendonça, só será possível combater o desmatamento se haver, pelos órgãos públicos, maior responsabilização dos autores. Ele fala em reduzir, pela lei, as brechas existentes.

“Na esfera administrativa ainda existe um espaço muito grande para os recursos e nunca é resolvida a situação. A responsabilização pelos danos ambientais continua sendo o maior gargalo”, citou o representante.

Fonte: Leandro J. Nascimento/ G1


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Plantações de palmeiras na Indonésia ameaçam orangotangos

Habitat natural dos animais está sendo destruído para dar lugar a cultivo das árvores.

A bebê orangotango de 8 meses Elaine é uma entre tantos animais que estão sendo ameaçados pelo avanço do cultivo de palmeiras em áreas que outrora abrigavam florestas naIndonésia.

Muitos dos orangotangos continuam vivendo em regiões em que há um grande número de plantações de palmeiras, usadas para extração de óleo de dendê, mas estão sujeitos a diversos atos de violência. Click e veja o vídeo: http://www.bbc.co.uk/worldservice/emp/pop.shtml?l=pt&t=video&r=1&p=/portuguese/meta/dps/2011/12/emp/111227_orangotangos_indonesia_bg.emp.xml

Ambientalistas contam que muitos animais sofrem espancamentos e são mortos por funcionários de empresas locais de plantações de palmeiras.

Um trabalhador rural disse à BBC que colegas seus são pagos para afugentar os animais da região em que o cultivo se dá, já que as companhias consideram os orangotangos uma ameaça às suas plantações.

Orangotanto Elaine (Foto: Reprodução/BBC)

A filhote fêmea de orangotanto batizada de Elaine é uma entre tantos animais ameaçados pelo avanço do cultivo de palmeiras na Indonésia (Foto: Reprodução/BBC)

Fonte: BBC Brasil

 


8 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Tucano que teve as asas mutiladas em MT corre risco de não voar mais

Ave passa por processo doloroso para retirada dos restos das penas.
Biólogo disse que pássaro foi resgatado de residência após denúncia.

Um tucano que teve as duas asas mutiladas passa por um processo de recuperação extremamente lento e doloroso para que possa ter chances de retornar ao habitat natural, como explica o biólogo responsável pelos animais apreendidos pelo Batalhão Ambiental de Mato Grosso, cabo José Ronoaldo Ferreira. Vítima de maus-tratos, a ave foi resgatada em uma residência localizada em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, há quase um ano.

O tucano teve as asas cortadas rente à pele e para que nasçam novas penas é preciso retirar os pedaços que ficaram. “Quando são cortadas somente as pontas das penas, elas nascem de novo e permite que o animal voe novamente, mas nesse caso é preciso arrancar os restos das penas aos poucos para evitar que o animal sofra muito”, afirmou o biólogo, em entrevista ao G1, ao comentar sobre o risco que o pássaro corre de não voar mais caso não passe por esse processo.

O animal foi apreendido por meio de uma  denúncia anônima feita à Polícia Ambiental e o responsável pelo crime foi autuado.

O caso foi encaminhado para a Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema) e a Justiça é quem vai definir sobre a penalidade aplicada ao autor dos maus tratos contra a ave. Conforme a Lei 9.605 de 1998, dos Crimes Ambientais, maus-tratos contra animais domésticos, nativos ou exóticos caracterizam crime e podem render pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Atrofiamento
Apesar de não terem sido mutiladas, quatro araras que também encontram-se sob os cuidados do órgão ambiental também passam por problemas. Elas não tem chance de voltar à natureza porque não sabem se quer voar. Segundo o cabo Ronoaldo, as aves criadas desde pequenas em cativeiro foram deixadas no Batalhão há cerca de 10 meses.

“Embora não tenham as asas cortadas, elas não voam de modo algum porque viviam em espaços muito pequenos”, frisou. Por causa desse atrofiamento, as duas araras-azuis e as duas da espécie canindé terão de viver para sempre no abrigo.

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Fonte: Pollyana Araújo, G1, MT


22 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Chevron pode ser responsabilizada em quatro esferas diferentes, diz OAB

Investigações criminal e cível foram abertas contra companhia.
Empresa foi multada pelo Ibama e ANP avalia punições.

Representantes de órgãos públicos e especialistas ouvidos pelo G1 apontam que a companhia norte-americana Chevron pode ser responsabilizada em ao menos quatro diferentes esferas pelo vazamento de óleo que ocorre desde o último dia 8 no Campo de Frade, na Bacia de Campos (RJ).

O problema ocorreu devido a uma falha durante exploração de petróleo. Nesta segunda, o presidente da Chevron disse que a empresa  age de acordo com a lei brasileira e dentro das normas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

A Chevron foi autuada na terça-feira (22) com multa de R$ 50 milhões aplicada pelo Ibama. Ela também é alvo de inquérito instaurado pela Polícia Federal e de processo administrativo aberto pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). Além disso, o Ministério Público Federal também abriu investigação que pode culminar em uma ação civil pública.

“A lei brasileira prevê que essas esferas ajam de forma independente. No caso da ação de coletividade, não existe um teto máximo para pagamento de prejuízos que podem ser causados a comunidades de pescadores, por exemplo”, diz Flávio Ahmed, presidente da Comissão de Direito Ambiental da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro.

Arte Vazamento Chevron Rio (Foto: Arte/G1)

Crime ambiental
O processo cível foi implementado na última sexta-feira (18) pelo procurador da República Eduardo Santos de Oliveira, do MPF de Campos do Goytacazes, cidade que está a 120 km do local onde foi detectado o vazamento.

Segundo a assessoria de imprensa do MPF do Rio de Janeiro, requerimentos foram enviados ao Ibama e à Petrobras e nesta segunda-feira (21) foram emitidos ofícios à Polícia Federal, para informar o andamento dos trabalhos, e à Chevron, para explicar as causas do acidente.

O secretário de Estado do Ambiente do Rio, Carlos Minc, anunciou que ingressará na Justiça com ação civil pública pedindo indenização pelos prejuízos causados à biodiversidade marinha e aos bens costeiros. “Num primeiro olhar pode chegar a R$ 100 milhões”, disse Minc na segunda-feira.

Segundo Ahmed, outras entidades e organizações de defesa do meio ambiente poderão procurar o MP para participar da mesma ação no intuito de reparar eventuais danos causados.

Segundo o representante da OAB, devido à gravidade do acidente é possível que a petrolífera norte-americana seja considerada culpada nas diferentes esferas. “Vivemos em um momento diferente, com um amadurecimento na cultura judicial, um melhor aparelhamento do Judiciário, além de uma maior pressão da sociedade para a causa ambiental”, afirma.

“Provavelmente a empresa será indiciada pela Polícia Federal pelo crime de poluição por resíduos. É uma penalidade que está na lei de crimes ambientais e que pode ser aplicada em pessoas físicas e jurídicas que acarretaram a poluição”, disse.

De acordo com o delegado Fábio Scliar, da Delegacia do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal (Delemaph-PF), ainda não há previsão para o término da investigação.

“Vamos analisar a documentação que virá de diversos órgãos, inclusive os documentos da Chevron. Nós vamos verificar o Estudo de Impacto Ambiental, o planejamento da perfuração e os relatórios que serão produzidos sobre o acidente”, disse Scliar.

Revisão do pré-sal
A ANP informou nesta segunda-feira que a agência deverá rever prerrogativas da Chevron na exploração do pré-sal. Segundo Haroldo Lima, diretor-geral da ANP, a empresa poderá atingir a camada do pré-sal desde que tenha um projeto específico aprovado pela ANP. Esse projeto já foi apresentado e deverá ser avaliado pela agência em reunião na próxima quarta (23).

Além disso, a ANP decidiu aplicar duas autuações à companhia por infrações que poderão chegar a até R$ 100 milhões em multas. O teto de cada penalidade é de R$ 50 milhões, mas o valor final a ser desembolsado pela petroleira só será definido após a conclusão do processo administrativo.

O presidente da Chevron Brasil, George Buck, afirmou em entrevista coletiva que a empresa está agindo de acordo com a legislação brasileira e dentro das normas do Ibama. A Polícia Federal investiga as denúncias de que a empresa usou a técnica de jateamento de areia para limpar a área onde houve vazamento de óleo.

Ação do governo
O especialista em direito ambiental afirma ainda que o Poder Executivo também puniu a empresa por meio do Ibama, ligado ao Ministério do Meio Ambiente. A ministra Izabella Teixeira anunciou em Brasília nesta tarde que outras multas poderão ser aplicadas à Chevron, além da autuação de R$ 50 milhões.

“O valor da multa é arbitrado na Lei de Crimes Ambientais. Não quer dizer que eu não posso autuar em vários artigos. Pode ter uma [multa] de R$ 50 [milhões], outra de R$ 10 [milhões]. Não posso dizer quantas multas e qual valor. Posso dizer que o Ibama já multou pelo dano, que está caracterizado,” explicou.

Mas para a coordenadora da campanha de clima e energia da organização Greenpeace, Leandra Gonçalves, o teto de multa de R$ 50 mihões é baixo. “Assim, o crime compensa”, diz a ativista. Ela ressalta tratar-se do único vazamento já documentado em alto mar no Brasil.

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, São Paulo

 


7 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Peixes ameaçados de extinção são vendidos em feira de Inhumas (GO)

Entre as espécies apreendidas estava a pirarara, cuja pesca é proibida.
Em Goiânia, policiais aprenderam 200 aves, algumas em extinção.

A polícia fez dois flagrantes de crimes contra o meio ambiente no domingo (6). Em Inhumas, na Região Metropolitana de Goiânia, peixes ameaçados de extinção – de pesca proibida – estavam sendo vendidos em uma feira livre. Na capital, cerca de 200 filhotes de pássaros foram aprendidos em uma pensão próxima à rodoviária, no Setor Norte Ferroviário.

Entre os peixes apreendidos, um exemplar de pirarara chamou atenção dos policiais pelo tamanho, cerca de 15 quilos. A pirarara é um peixe em extinção e sua a pesca é proibida. O produto foi levado para o 20º Distrito Policial, no Setor Sudoeste, em Goiânia.

Uma mala foi adaptada com uma caixa de isopor para transportar o pescado sem levantar suspeita. Uma pessoa foi detida e vai responder por crime ambiental.

“Eles vão ser enquadrados na lei nº 6.905, artigo nº 29, vão responder por isso [crime ambiental] juridicamente, administrativamente também. Existe uma multa em cima dessa prática. Esse pescado vai ser encaminhado para filantropia”, informa o comandante do policiamento ambiental urbano, sargento Manoel Assunção Gomes Almeida.

Pássaros
Os pássaros foram encontrados em um quarto de hotel. Nas pequenas caixas de madeiras estavam pelo menos 200 filhotes de papa-capim e curió. Alguns já estavam mortos dentro das caixas.

Também foram apreendidos cinco papagaios, inclusive de uma espécie em extinção. Os papagaios foram retirados das caixas e alimentados pelos policiais.

“Nos deparamos com a porta fechada e conseguimos abrir. No interior, localizamos vários pássaros”, relata o sargento Guedes, do 9º Batalhão da Polícia Militar.

O quarto era ocupado por duas pessoas que fugiram do local assim que perceberam a movimentação da polícia, mas deixaram para trás telefones celulares e anotações.

Os policiais reforçam que a denúncia é sempre importante porque ajuda a desmantelar esquemas criminosos. O telefone para denúncia em casos de maus-tratos a animais é o 0800-62-2121.

Fonte: G1


27 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Correios de MG encontram cobras em encomenda enviada para SC

Segundo Correios, caixa seguia de Pouso Alegre (MG) para Caçador (SC).
Ao passar encomenda no raio x, gerente de agência encontrou os animais.

Cobras foram encontradas em encomenda (Foto: Reprodução/TV Globo)

Cobras devem ser encaminhadas para Fundação Ezequiel Dias, em BH (Foto: Reprodução/EPTV)

Duas cobras foram encontradas dentro de uma caixa em uma agência dos Correios de Varginha, na Região Sul de Minas Gerais, nesta terça-feira (25). Segundo informações da assessoria dos Correios, a encomenda seguia de Pouso Alegre para a cidade de Caçador, no estado de Santa Catarina.

Ainda de acordo com os Correios, ao passar a caixa pelo equipamento de raio x, o gerente da agência desconfiou do conteúdo e acionou a Policia Militar do Meio Ambiente. A polícia vai  investigar o caso.

De acordo com a polícia, as cobras,  devem ser encaminhadas para a Fundação Ezequial Dias, em Belo Horizonte. Os Correios informaram que não transportam animais vivos, exceto os admitidos em convenção internacional ratificada pelo Brasil.

 

 

Correios acionaram a Polícia Militar do Meio Ambiente para abrir a encomenda (Foto: Reprodução/TV Globo)

Correios acionaram a Polícia Militar do Meio Ambiente para abrir a encomenda (Foto: Reprodução/EPTV)

Fonte: Do G1 Minas Gerais, com informações da EPTV


14 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

IPEVS realiza atendimento de aves apreendidas no Norte do Paraná

A Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes, realizou dia 27/09, uma abordagem a um veículo de Querência do Norte / PR, conduzido por Marcelo Ribeiro Brito, de 37 anos.   No veículo foram encontrados 90 pássaros silvestres da espécie papagaio, escondidos em caixas de papelão.

Os policias efetuaram a prisão do acusado e acionaram o IAP (Instituto Ambiental do Paraná), escritório Cornélio Procópio para resgatar os animais.

Em depoimento Marcelo afirmou que as aves seriam levadas para Santos no litoral do Estado de São Paulo e que também receberia o valor de mil e quinhentos reais para o transporte. O mesmo foi preso em flagrante e liberado logo em seguida após efetuar o pagamento de fiança. Foi autuado por  tráfico de animais e multado pelo órgão competente em noventa mil reais.

De acordo com o IAP, as aves serão posteriormente encaminhadas para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) na cidade de Tijuca do Sul, área de responsabilidade da Universidade Católica de Curitiba.

Aves apreendidas pela Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes. (Foto: IPEVS)

 

O IPEVS, que atua como parceiro do IAP, esteve na sede do escritório regional de Cornélio Procópio após apreensão de 90 papagaios realizada pela Polícia Estadual de Bandeirantes na última terça-feira (27/09).

As aves apresentavam diferentes estágios de crescimento e encontravam-se amontoados em caixas de papelão em péssimas condições e sem receber alimentação.

Aves apresentavam diferentes estágios de crescimento. (Foto: IPEVS)

A equipe do IPEVS foi chamada no local para identificação, atendimento e alimentação das aves. Segundo Rafael Haddad, as aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. A espécie tem ocorrência em nossa região, mas há vários anos não são mais avistados bandos desta espécie por aqui.

 

As aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. (Foto: IPEVS)

 

Durante os exames clínicos Haddad relatou que os animais demonstravam-se desidratados, fracos e famintos, alguns apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. Em laudo emitido pelo médico veterinário, Rafael ressalta as condições de transporte precárias, e que a distância percorrida informada pelo infrator comprova que os animais foram mantidos por várias horas dentro do porta-malas do veículo sob o calor provocado pelo sol intenso (condição climática apresentada durante todo o dia), fato este que agravou a condição dos filhotes.

Alguns animais apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. (Foto IPEVS)

 

Parte das aves será encaminhada para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) em Tijuca do Sul – PR, e o restante continuará na Mata São Francisco, local onde os animais foram encaminhados após apreensão, recebendo atendimento e tratamento adequado pelo IPEVS e IAP para fazerem parte de um programa de reintrodução local.

 

Fonte: Ascom IPEVS

 


14 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Polícia Ambiental apreende 342 ovos de quelônios no Porto de Manaus

Policiais também encontraram três tracajás na mesma embarcação.
Barco ‘Arcanjo’ vinha de Boa Vista do Ramos, a 369 Km da capital.

Uma ação de rotina da Polícia Ambiental, realizada no início da noite desta quarta-feira (12), resultou na apreensão de 342 ovos de tracajás e mais três quelônios dessa mesma espécie, no Porto Privatizado de Manaus. Eles vinham em uma embarcação identificada como ‘Arcanjo’, proveniente de Boa Vista dos Ramos, a 269 km da capital.

De acordo informações do cabo Carlos Samuel , da 2ª Companhia Fluvial do Batalhão, os animais foram encontrados em situação de maus tratos. “Os quelônios estavam amarrados com fios de barbante, enrolados em sacolas plásticas e dispostos em caixas, juntamente com os ovos”, informou.

Na avaliação do policial, trata-se de uma tentativa de camuflar a presença dos animais, durante as abordagens de rotina dos militares da Companhia. “Suspeitamos logo no início do procedimento de ‘varredura’ feito na embarcação, por conta do odor dos tracajás”, disse.

Policiais encontraram animais em situação de maus-tratos (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

Policiais encontraram animais em situação de maus-tratos (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

Wilson Roberto Almeida, de 29 anos, e Maria Edineuza Fonseca, de 34 anos, identificados pela Polícia Ambiental como o responsável e a conferente de carga da embarcação, respectivamente, foram conduzidos ao 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

“Eles podem responder pelo crime de maus-tratos a animais, conforme o artigo 32, da Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que trata de crimes ambientais”, destacou Samuel. A pena, conforme a legislação, é de detenção, de três meses a um ano, e multa.

No 1º DIP, onde foi feito um termo circunstancial de ocorrência, o casal prestou esclarecimento e já foi liberado.

 

Fonte: Anderson Vasconcelos, G1, AM


27 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Polícia apreende carga com 97 pangolins em cidade da Tailândia

Animais seriam exportados para a China, considerado principal comprador.
Comércio ilegal pode acarretar na extinção desta espécie.

A polícia da Tailândia apreendeu neste domingo (25) um carregamento com 97 pangolins em uma província no sudeste do país. A carga, estimada em US$ 32 mil, seria enviada para a China. Nesta segunda-feira (26), as autoridades do país participaram de coletiva de imprensa em Bangcoc, onde os animais foram apresentados.

Na semana passada, cinco toneladas de carne deste animal foram confiscadas por autoridades da Indonésia em uma pequena cidade do país e o material foi enterrado. Ocorrências envolvendo os pangolins, uma espécie de tatu que existe apenas no Sudeste Asiático, têm se tornado constantes e coloca em risco este animal.

Existe uma grande movimentação ilegal envolvendo principalmente comerciantes da China, que adquirem estes animais acreditando que eles podem curar uma série de doenças e aumentar a potência sexual. Suas escamas também são utilizadas e vendidas à população.

O comércio desta espécie foi proibido em 2002, por meio da Convenção Internacional sobre espécies ameaçadas. Apesar da legislação, o crime continua sendo cometido por caçadores rurais, incluindo os trabalhadores nas plantações da Indonésia.

Autoridade da Tailândia mostra exemplar de pangolim que estava dentro de embalagem, pronto para ser enviado à China. A polícia apreendeu 97 animais neste fim de semana (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

Autoridade da Tailândia mostra exemplar de pangolim que estava dentro de embalagem, pronto para ser enviado à China. A polícia apreendeu 97 animais neste fim de semana (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

A espécie corre risco de ser extinta devido ao comércio ilegal entre países do Sudeste Asiático e a China (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

A espécie corre risco de ser extinta devido ao comércio ilegal entre países do Sudeste Asiático e a China (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


Próxima página »« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

setembro 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

23 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Ursos são presos em fazenda chinesa para a retirada da bile

Imagens divulgadas nesta quarta-feira mostram um grupo de ursos negros preso em uma fazenda de Hui’an, no sudoeste da China. Os animais são mantidos em cativeiro para a coleta da bile pela empresa Guizhentang, uma tradicional companhia de medicamentos chinesa.

A bile do urso é muito usada pela milenar medicina chinesa para tratar de problemas no fígado, infecções nos olhos, febre e outros sintomas, embora sua eficácia seja contestada. Ativistas criticam o procedimento, que segundo eles é extremamente doloroso para os animais.

Diversas entidades ligadas à proteção dos ursos trabalham para o fechamento das fazendas, que mantém os animais em pequenas jaulas improvisadas. O material coletado tem grande demanda na China, no Japão e na Coreia, mas atualmente, segundo ativistas, já existem substitutos naturais e sintéticos.

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile. Foto: AFP

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile Foto: AFP

Com informações das agências AFP e AP.


18 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Infrações contra a flora em MT motivam R$ 696 milhões em multas

As infrações cometidas contra a flora mato-grossense no ano de 2011 geraram uma cifra milionária em multas emitidas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama). Ao todo, foram lavradas autuações que superaram meio milhão de reais (R$ 696.802.758,80). Na lista das agressões praticadas aos diferentes tipos de vegetação estão os desmatamentos ilegais, queimadas e também o transporte ilegal de madeira, segundo o órgão. O número faz parte de um balanço apresentado pela superintendência do Ibama no estado.

“Em Mato Grosso o que mais motiva as multas é a infração cometida contra a flora”, citou Eduardo Engelmann, chefe do setor de fiscalização. Ao todo, foram 1.359 autos de infração lavrados pelo órgão ambiental na unidade federada, conforme apontou o balanço. O exercício de atividades ilegais, como o desmatamento, provocou o embargo de 59.927,752 hectares em Mato Grosso.

Além de multas e embargos, as operações realizadas pelo Instituto Brasileiro na repressão aos crimes e infrações ambientais acarretaram ainda na apreensão de madeira, veículos e equipamentos utilizados para a prática. No estado, o volume total de madeira em tora apreendida somou 26.619 metros cúbicos, enquanto a de serrada alcançou 6.855 metros cúbicos.

Segundo o órgão, 20 tratores que auxiliavam no processo de derrubada das matas foram apreendidos, ao lado de 31 caminhões e outras 42 motosserras. Os dados são referentes ao período compreendido entre 1º de janeiro a 20 de dezembro de 2011.

Conforme Engelmann, uma característica marcou as ocorrências de desmate . “Acaba sendo mais comum onde a pessoa faz a extração das árvores em pontos onde não tem nenhuma autorização. É uma área particular de outra pessoa, ou uma área pública de estado”, frisou.

Embora o Ibama mantenha as ações de combate ao desmatamento, os números do Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal – PRODES – revelaram uma alta nos casos desta natureza entre os anos de 2010 e 2011. A área atingida avançou de 871 quilômetros quadrados para 1.126 quilômetros quadrados, deixando a unidade federada na segunda posição, atrás apenas do Pará, que desmatou 2.870 quilômetros quadrados.

Em toda Amazônia, foram 6.238 quilômetros quadrados, um recuo de 11% frente a 2010, que registrou 7 mil quilômetros quadrados. Para o chefe do setor de fiscalização do Ibama em Mato Grosso, apenas as multas não sanam o problema do desmatamento no estado. Elas são a última instância utilizada para repreender infratores.

“Quando se aplica uma multa, significa que o fato aconteceu. O melhor caminho é você monitorar, detectar a tempo o problema. Para que se tenha esse controle do desmatamento irregular é necessário ter monitoramento frequente, como o Deter”, frisou Eduardo.

Agronegócio – Engelmann diz não ser possível atribuir todas as ocorrências de desmates em função da atividade agropecuária. “Existem produtores rurais que são conscientes e existem aqueles que ignoraram. A posição do próprio setor é reprovar esse tipo de comportamento que se coloca como isolado, de um outro, enquanto a maioria respeita [a legislação]“, pontuou.

Gargalo – Para o coordenador do departamento de GeoTecnologia do Instituto Centro de Vida (ICV), Ricardo Mendonça, só será possível combater o desmatamento se haver, pelos órgãos públicos, maior responsabilização dos autores. Ele fala em reduzir, pela lei, as brechas existentes.

“Na esfera administrativa ainda existe um espaço muito grande para os recursos e nunca é resolvida a situação. A responsabilização pelos danos ambientais continua sendo o maior gargalo”, citou o representante.

Fonte: Leandro J. Nascimento/ G1


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Plantações de palmeiras na Indonésia ameaçam orangotangos

Habitat natural dos animais está sendo destruído para dar lugar a cultivo das árvores.

A bebê orangotango de 8 meses Elaine é uma entre tantos animais que estão sendo ameaçados pelo avanço do cultivo de palmeiras em áreas que outrora abrigavam florestas naIndonésia.

Muitos dos orangotangos continuam vivendo em regiões em que há um grande número de plantações de palmeiras, usadas para extração de óleo de dendê, mas estão sujeitos a diversos atos de violência. Click e veja o vídeo: http://www.bbc.co.uk/worldservice/emp/pop.shtml?l=pt&t=video&r=1&p=/portuguese/meta/dps/2011/12/emp/111227_orangotangos_indonesia_bg.emp.xml

Ambientalistas contam que muitos animais sofrem espancamentos e são mortos por funcionários de empresas locais de plantações de palmeiras.

Um trabalhador rural disse à BBC que colegas seus são pagos para afugentar os animais da região em que o cultivo se dá, já que as companhias consideram os orangotangos uma ameaça às suas plantações.

Orangotanto Elaine (Foto: Reprodução/BBC)

A filhote fêmea de orangotanto batizada de Elaine é uma entre tantos animais ameaçados pelo avanço do cultivo de palmeiras na Indonésia (Foto: Reprodução/BBC)

Fonte: BBC Brasil

 


8 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Tucano que teve as asas mutiladas em MT corre risco de não voar mais

Ave passa por processo doloroso para retirada dos restos das penas.
Biólogo disse que pássaro foi resgatado de residência após denúncia.

Um tucano que teve as duas asas mutiladas passa por um processo de recuperação extremamente lento e doloroso para que possa ter chances de retornar ao habitat natural, como explica o biólogo responsável pelos animais apreendidos pelo Batalhão Ambiental de Mato Grosso, cabo José Ronoaldo Ferreira. Vítima de maus-tratos, a ave foi resgatada em uma residência localizada em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, há quase um ano.

O tucano teve as asas cortadas rente à pele e para que nasçam novas penas é preciso retirar os pedaços que ficaram. “Quando são cortadas somente as pontas das penas, elas nascem de novo e permite que o animal voe novamente, mas nesse caso é preciso arrancar os restos das penas aos poucos para evitar que o animal sofra muito”, afirmou o biólogo, em entrevista ao G1, ao comentar sobre o risco que o pássaro corre de não voar mais caso não passe por esse processo.

O animal foi apreendido por meio de uma  denúncia anônima feita à Polícia Ambiental e o responsável pelo crime foi autuado.

O caso foi encaminhado para a Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema) e a Justiça é quem vai definir sobre a penalidade aplicada ao autor dos maus tratos contra a ave. Conforme a Lei 9.605 de 1998, dos Crimes Ambientais, maus-tratos contra animais domésticos, nativos ou exóticos caracterizam crime e podem render pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Atrofiamento
Apesar de não terem sido mutiladas, quatro araras que também encontram-se sob os cuidados do órgão ambiental também passam por problemas. Elas não tem chance de voltar à natureza porque não sabem se quer voar. Segundo o cabo Ronoaldo, as aves criadas desde pequenas em cativeiro foram deixadas no Batalhão há cerca de 10 meses.

“Embora não tenham as asas cortadas, elas não voam de modo algum porque viviam em espaços muito pequenos”, frisou. Por causa desse atrofiamento, as duas araras-azuis e as duas da espécie canindé terão de viver para sempre no abrigo.

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Fonte: Pollyana Araújo, G1, MT


22 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Chevron pode ser responsabilizada em quatro esferas diferentes, diz OAB

Investigações criminal e cível foram abertas contra companhia.
Empresa foi multada pelo Ibama e ANP avalia punições.

Representantes de órgãos públicos e especialistas ouvidos pelo G1 apontam que a companhia norte-americana Chevron pode ser responsabilizada em ao menos quatro diferentes esferas pelo vazamento de óleo que ocorre desde o último dia 8 no Campo de Frade, na Bacia de Campos (RJ).

O problema ocorreu devido a uma falha durante exploração de petróleo. Nesta segunda, o presidente da Chevron disse que a empresa  age de acordo com a lei brasileira e dentro das normas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama).

A Chevron foi autuada na terça-feira (22) com multa de R$ 50 milhões aplicada pelo Ibama. Ela também é alvo de inquérito instaurado pela Polícia Federal e de processo administrativo aberto pela Agência Nacional de Petróleo (ANP). Além disso, o Ministério Público Federal também abriu investigação que pode culminar em uma ação civil pública.

“A lei brasileira prevê que essas esferas ajam de forma independente. No caso da ação de coletividade, não existe um teto máximo para pagamento de prejuízos que podem ser causados a comunidades de pescadores, por exemplo”, diz Flávio Ahmed, presidente da Comissão de Direito Ambiental da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro.

Arte Vazamento Chevron Rio (Foto: Arte/G1)

Crime ambiental
O processo cível foi implementado na última sexta-feira (18) pelo procurador da República Eduardo Santos de Oliveira, do MPF de Campos do Goytacazes, cidade que está a 120 km do local onde foi detectado o vazamento.

Segundo a assessoria de imprensa do MPF do Rio de Janeiro, requerimentos foram enviados ao Ibama e à Petrobras e nesta segunda-feira (21) foram emitidos ofícios à Polícia Federal, para informar o andamento dos trabalhos, e à Chevron, para explicar as causas do acidente.

O secretário de Estado do Ambiente do Rio, Carlos Minc, anunciou que ingressará na Justiça com ação civil pública pedindo indenização pelos prejuízos causados à biodiversidade marinha e aos bens costeiros. “Num primeiro olhar pode chegar a R$ 100 milhões”, disse Minc na segunda-feira.

Segundo Ahmed, outras entidades e organizações de defesa do meio ambiente poderão procurar o MP para participar da mesma ação no intuito de reparar eventuais danos causados.

Segundo o representante da OAB, devido à gravidade do acidente é possível que a petrolífera norte-americana seja considerada culpada nas diferentes esferas. “Vivemos em um momento diferente, com um amadurecimento na cultura judicial, um melhor aparelhamento do Judiciário, além de uma maior pressão da sociedade para a causa ambiental”, afirma.

“Provavelmente a empresa será indiciada pela Polícia Federal pelo crime de poluição por resíduos. É uma penalidade que está na lei de crimes ambientais e que pode ser aplicada em pessoas físicas e jurídicas que acarretaram a poluição”, disse.

De acordo com o delegado Fábio Scliar, da Delegacia do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal (Delemaph-PF), ainda não há previsão para o término da investigação.

“Vamos analisar a documentação que virá de diversos órgãos, inclusive os documentos da Chevron. Nós vamos verificar o Estudo de Impacto Ambiental, o planejamento da perfuração e os relatórios que serão produzidos sobre o acidente”, disse Scliar.

Revisão do pré-sal
A ANP informou nesta segunda-feira que a agência deverá rever prerrogativas da Chevron na exploração do pré-sal. Segundo Haroldo Lima, diretor-geral da ANP, a empresa poderá atingir a camada do pré-sal desde que tenha um projeto específico aprovado pela ANP. Esse projeto já foi apresentado e deverá ser avaliado pela agência em reunião na próxima quarta (23).

Além disso, a ANP decidiu aplicar duas autuações à companhia por infrações que poderão chegar a até R$ 100 milhões em multas. O teto de cada penalidade é de R$ 50 milhões, mas o valor final a ser desembolsado pela petroleira só será definido após a conclusão do processo administrativo.

O presidente da Chevron Brasil, George Buck, afirmou em entrevista coletiva que a empresa está agindo de acordo com a legislação brasileira e dentro das normas do Ibama. A Polícia Federal investiga as denúncias de que a empresa usou a técnica de jateamento de areia para limpar a área onde houve vazamento de óleo.

Ação do governo
O especialista em direito ambiental afirma ainda que o Poder Executivo também puniu a empresa por meio do Ibama, ligado ao Ministério do Meio Ambiente. A ministra Izabella Teixeira anunciou em Brasília nesta tarde que outras multas poderão ser aplicadas à Chevron, além da autuação de R$ 50 milhões.

“O valor da multa é arbitrado na Lei de Crimes Ambientais. Não quer dizer que eu não posso autuar em vários artigos. Pode ter uma [multa] de R$ 50 [milhões], outra de R$ 10 [milhões]. Não posso dizer quantas multas e qual valor. Posso dizer que o Ibama já multou pelo dano, que está caracterizado,” explicou.

Mas para a coordenadora da campanha de clima e energia da organização Greenpeace, Leandra Gonçalves, o teto de multa de R$ 50 mihões é baixo. “Assim, o crime compensa”, diz a ativista. Ela ressalta tratar-se do único vazamento já documentado em alto mar no Brasil.

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, São Paulo

 


7 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Peixes ameaçados de extinção são vendidos em feira de Inhumas (GO)

Entre as espécies apreendidas estava a pirarara, cuja pesca é proibida.
Em Goiânia, policiais aprenderam 200 aves, algumas em extinção.

A polícia fez dois flagrantes de crimes contra o meio ambiente no domingo (6). Em Inhumas, na Região Metropolitana de Goiânia, peixes ameaçados de extinção – de pesca proibida – estavam sendo vendidos em uma feira livre. Na capital, cerca de 200 filhotes de pássaros foram aprendidos em uma pensão próxima à rodoviária, no Setor Norte Ferroviário.

Entre os peixes apreendidos, um exemplar de pirarara chamou atenção dos policiais pelo tamanho, cerca de 15 quilos. A pirarara é um peixe em extinção e sua a pesca é proibida. O produto foi levado para o 20º Distrito Policial, no Setor Sudoeste, em Goiânia.

Uma mala foi adaptada com uma caixa de isopor para transportar o pescado sem levantar suspeita. Uma pessoa foi detida e vai responder por crime ambiental.

“Eles vão ser enquadrados na lei nº 6.905, artigo nº 29, vão responder por isso [crime ambiental] juridicamente, administrativamente também. Existe uma multa em cima dessa prática. Esse pescado vai ser encaminhado para filantropia”, informa o comandante do policiamento ambiental urbano, sargento Manoel Assunção Gomes Almeida.

Pássaros
Os pássaros foram encontrados em um quarto de hotel. Nas pequenas caixas de madeiras estavam pelo menos 200 filhotes de papa-capim e curió. Alguns já estavam mortos dentro das caixas.

Também foram apreendidos cinco papagaios, inclusive de uma espécie em extinção. Os papagaios foram retirados das caixas e alimentados pelos policiais.

“Nos deparamos com a porta fechada e conseguimos abrir. No interior, localizamos vários pássaros”, relata o sargento Guedes, do 9º Batalhão da Polícia Militar.

O quarto era ocupado por duas pessoas que fugiram do local assim que perceberam a movimentação da polícia, mas deixaram para trás telefones celulares e anotações.

Os policiais reforçam que a denúncia é sempre importante porque ajuda a desmantelar esquemas criminosos. O telefone para denúncia em casos de maus-tratos a animais é o 0800-62-2121.

Fonte: G1


27 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Correios de MG encontram cobras em encomenda enviada para SC

Segundo Correios, caixa seguia de Pouso Alegre (MG) para Caçador (SC).
Ao passar encomenda no raio x, gerente de agência encontrou os animais.

Cobras foram encontradas em encomenda (Foto: Reprodução/TV Globo)

Cobras devem ser encaminhadas para Fundação Ezequiel Dias, em BH (Foto: Reprodução/EPTV)

Duas cobras foram encontradas dentro de uma caixa em uma agência dos Correios de Varginha, na Região Sul de Minas Gerais, nesta terça-feira (25). Segundo informações da assessoria dos Correios, a encomenda seguia de Pouso Alegre para a cidade de Caçador, no estado de Santa Catarina.

Ainda de acordo com os Correios, ao passar a caixa pelo equipamento de raio x, o gerente da agência desconfiou do conteúdo e acionou a Policia Militar do Meio Ambiente. A polícia vai  investigar o caso.

De acordo com a polícia, as cobras,  devem ser encaminhadas para a Fundação Ezequial Dias, em Belo Horizonte. Os Correios informaram que não transportam animais vivos, exceto os admitidos em convenção internacional ratificada pelo Brasil.

 

 

Correios acionaram a Polícia Militar do Meio Ambiente para abrir a encomenda (Foto: Reprodução/TV Globo)

Correios acionaram a Polícia Militar do Meio Ambiente para abrir a encomenda (Foto: Reprodução/EPTV)

Fonte: Do G1 Minas Gerais, com informações da EPTV


14 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

IPEVS realiza atendimento de aves apreendidas no Norte do Paraná

A Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes, realizou dia 27/09, uma abordagem a um veículo de Querência do Norte / PR, conduzido por Marcelo Ribeiro Brito, de 37 anos.   No veículo foram encontrados 90 pássaros silvestres da espécie papagaio, escondidos em caixas de papelão.

Os policias efetuaram a prisão do acusado e acionaram o IAP (Instituto Ambiental do Paraná), escritório Cornélio Procópio para resgatar os animais.

Em depoimento Marcelo afirmou que as aves seriam levadas para Santos no litoral do Estado de São Paulo e que também receberia o valor de mil e quinhentos reais para o transporte. O mesmo foi preso em flagrante e liberado logo em seguida após efetuar o pagamento de fiança. Foi autuado por  tráfico de animais e multado pelo órgão competente em noventa mil reais.

De acordo com o IAP, as aves serão posteriormente encaminhadas para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) na cidade de Tijuca do Sul, área de responsabilidade da Universidade Católica de Curitiba.

Aves apreendidas pela Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes. (Foto: IPEVS)

 

O IPEVS, que atua como parceiro do IAP, esteve na sede do escritório regional de Cornélio Procópio após apreensão de 90 papagaios realizada pela Polícia Estadual de Bandeirantes na última terça-feira (27/09).

As aves apresentavam diferentes estágios de crescimento e encontravam-se amontoados em caixas de papelão em péssimas condições e sem receber alimentação.

Aves apresentavam diferentes estágios de crescimento. (Foto: IPEVS)

A equipe do IPEVS foi chamada no local para identificação, atendimento e alimentação das aves. Segundo Rafael Haddad, as aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. A espécie tem ocorrência em nossa região, mas há vários anos não são mais avistados bandos desta espécie por aqui.

 

As aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. (Foto: IPEVS)

 

Durante os exames clínicos Haddad relatou que os animais demonstravam-se desidratados, fracos e famintos, alguns apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. Em laudo emitido pelo médico veterinário, Rafael ressalta as condições de transporte precárias, e que a distância percorrida informada pelo infrator comprova que os animais foram mantidos por várias horas dentro do porta-malas do veículo sob o calor provocado pelo sol intenso (condição climática apresentada durante todo o dia), fato este que agravou a condição dos filhotes.

Alguns animais apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. (Foto IPEVS)

 

Parte das aves será encaminhada para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) em Tijuca do Sul – PR, e o restante continuará na Mata São Francisco, local onde os animais foram encaminhados após apreensão, recebendo atendimento e tratamento adequado pelo IPEVS e IAP para fazerem parte de um programa de reintrodução local.

 

Fonte: Ascom IPEVS

 


14 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Polícia Ambiental apreende 342 ovos de quelônios no Porto de Manaus

Policiais também encontraram três tracajás na mesma embarcação.
Barco ‘Arcanjo’ vinha de Boa Vista do Ramos, a 369 Km da capital.

Uma ação de rotina da Polícia Ambiental, realizada no início da noite desta quarta-feira (12), resultou na apreensão de 342 ovos de tracajás e mais três quelônios dessa mesma espécie, no Porto Privatizado de Manaus. Eles vinham em uma embarcação identificada como ‘Arcanjo’, proveniente de Boa Vista dos Ramos, a 269 km da capital.

De acordo informações do cabo Carlos Samuel , da 2ª Companhia Fluvial do Batalhão, os animais foram encontrados em situação de maus tratos. “Os quelônios estavam amarrados com fios de barbante, enrolados em sacolas plásticas e dispostos em caixas, juntamente com os ovos”, informou.

Na avaliação do policial, trata-se de uma tentativa de camuflar a presença dos animais, durante as abordagens de rotina dos militares da Companhia. “Suspeitamos logo no início do procedimento de ‘varredura’ feito na embarcação, por conta do odor dos tracajás”, disse.

Policiais encontraram animais em situação de maus-tratos (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

Policiais encontraram animais em situação de maus-tratos (Foto: Divulgação/Polícia Ambiental)

Wilson Roberto Almeida, de 29 anos, e Maria Edineuza Fonseca, de 34 anos, identificados pela Polícia Ambiental como o responsável e a conferente de carga da embarcação, respectivamente, foram conduzidos ao 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

“Eles podem responder pelo crime de maus-tratos a animais, conforme o artigo 32, da Lei 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, que trata de crimes ambientais”, destacou Samuel. A pena, conforme a legislação, é de detenção, de três meses a um ano, e multa.

No 1º DIP, onde foi feito um termo circunstancial de ocorrência, o casal prestou esclarecimento e já foi liberado.

 

Fonte: Anderson Vasconcelos, G1, AM


27 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Polícia apreende carga com 97 pangolins em cidade da Tailândia

Animais seriam exportados para a China, considerado principal comprador.
Comércio ilegal pode acarretar na extinção desta espécie.

A polícia da Tailândia apreendeu neste domingo (25) um carregamento com 97 pangolins em uma província no sudeste do país. A carga, estimada em US$ 32 mil, seria enviada para a China. Nesta segunda-feira (26), as autoridades do país participaram de coletiva de imprensa em Bangcoc, onde os animais foram apresentados.

Na semana passada, cinco toneladas de carne deste animal foram confiscadas por autoridades da Indonésia em uma pequena cidade do país e o material foi enterrado. Ocorrências envolvendo os pangolins, uma espécie de tatu que existe apenas no Sudeste Asiático, têm se tornado constantes e coloca em risco este animal.

Existe uma grande movimentação ilegal envolvendo principalmente comerciantes da China, que adquirem estes animais acreditando que eles podem curar uma série de doenças e aumentar a potência sexual. Suas escamas também são utilizadas e vendidas à população.

O comércio desta espécie foi proibido em 2002, por meio da Convenção Internacional sobre espécies ameaçadas. Apesar da legislação, o crime continua sendo cometido por caçadores rurais, incluindo os trabalhadores nas plantações da Indonésia.

Autoridade da Tailândia mostra exemplar de pangolim que estava dentro de embalagem, pronto para ser enviado à China. A polícia apreendeu 97 animais neste fim de semana (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

Autoridade da Tailândia mostra exemplar de pangolim que estava dentro de embalagem, pronto para ser enviado à China. A polícia apreendeu 97 animais neste fim de semana (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

A espécie corre risco de ser extinta devido ao comércio ilegal entre países do Sudeste Asiático e a China (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

A espécie corre risco de ser extinta devido ao comércio ilegal entre países do Sudeste Asiático e a China (Foto: Chaiwat Subprasom/Reuters)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


Próxima página »« Página anterior