28 de dezembro de 2012 | nenhum comentário »

IPEVS resgata coruja buraqueira

Na véspera do Natal, dia 24 de dezembro, a equipe do IPEVS foi acionada para resgatar uma coruja buraqueira (Athene cunicularia) em um condomínio localizado na cidade de Cornélio Procópio.

Ao chegar ao local o morador relatou que o animal vive no residencial e percebendo que a ave estava ferida recolheu o animal em uma gaiola e entrou em contato com o IPEVS.

A coruja foi examinada pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad que constatou que a asa da coruja foi fraturada, mas o osso estava consolidado, ou seja, a fratura foi reparada pelo próprio organismo do animal e os procedimentos realizados foram a limpeza da lesão e aplicação de pomada cicatrizante. A buraqueira está em recuperação sobre os cuidados da equipe do IPEVS e posteriormente retornará ao local onde vivia.

Coruja buraqueira resgatada pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

A coruja recebeu atendimento realizado pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad. Foto: IPEVS

 

Saiba mais: A coruja buraqueira ocorre em quase todo o Brasil, exceto a região amazônica. Alimenta-se com frequência de artrópodes como besouros, mas pode caçar pequenos roedores, aves, répteis e anfíbios. Coruja terrícola, com atividade diurna e crepuscular. A coruja buraqueira geralmente cava seus próprios buracos e os utilizam como abrigo e para  construir seus ninhos.

 

Fonte: Ascom IPEVS


5 de setembro de 2012 | nenhum comentário »

IPEVS realiza soltura de animais

No mês de julho o IPEVS realizou a soltura de alguns animais resgatados pela instituição. Após receberem os cuidados e constatado que os animais estavam aptos para voltarem a seu habitat natural o IPEVS em parceria com o IAP – Instituto Ambiental do Paraná realizou a soltura de um de gato mourisco, um cágado, um ratão do banhado, cobra d’água e um gato do mato.  Os animais foram soltos em uma reserva indicada pelo IAP.

Gato Mourisco – (Puma yagouaroundi)

Gato mourisco que recebeu os cuidados da equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

Felino de atividade predominantemente diurna, com dieta carnívora, de ocorrência em todo o Brasil exceto o sul do Rio Grande do Sul. O gato mourisco possui uma coloração escura, geralmente marrom-acinzentada, avermelhada ou quase preta. As orelhas são arredondadas e a perna é curta. Como a maioria dos felinos, o gato mourisco é solitário, exceto em épocas reprodução. O período de gestação é de aproximadamente 2 meses e após o nascimento a mãe ensina aos filhotes as noções de sobrevivência e alimentação na floresta.

Esta espécie é a única entre os felinos brasileiros que não se encontra na Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Sendo a principal ameaça para sobrevivência da espécie a destruição e fragmentação dos habitats.

Em 2011 o IPEVS resgatou 2 filhotes de gato mourisco em Cornélio Procópio (click e veja a noticia http://ipevs.org.br/blog/?p=8738). Infelizmente um dos filhotes veio a óbito. O outro filhote continuou recebendo os cuidados da equipe do IPEVS, principalmente dos graduandos de Ciências Biológicas e estagiários do IPEVS Naiara Palumbo e Eduardo Alves. Este filhote tratava-se de uma fêmea que cresceu saudável e após o trabalho de reabilitação a gata estava apta a voltar a seu habitat natural.

Após trabalho de reabilitação o animal estava apto para voltar ao seu habitat natural. Foto: IPEVS

 

Cágado de barbicha – (Phrynops geoffroanus)

Cágado de barbicha. Foto: IPEVS

O cágado de barbicha é uma espécie de quelônios de ampla distribuição na América do Sul, ocupando diversos habitats inclusive rios degradados pela ação de poluentes gerados pelo homem. O cágado de barbicha alimenta-se de frutos, moluscos e pequenos peixes.

O IPEVS recebe com frequência cágados que são levados até o instituto principalmente capturados por pescadores, sendo os cágados atraídos pela isca fixada no anzol.  Os exemplares recebem tratamento necessário e posteriormente são encaminhados para soltura.

O cágado de barbicha é uma espécie de quelônios que ocorre em nossa região. Foto: IPEVS

 

Ratão do Banhado – (Myocastor coypus)

Grande espécie de roedor, o ratão do banhado vive próximo a cursos d'água. Foto: IPEVS

O Ratão do banhado é uma grande espécie de roedor encontrado na América do Sul, no Brasil ocorre originalmente no Rio Grande do Sul, atualmente é encontrada também até o estado de São Paulo.  Vivem próximos a cursos d’água e deslocam-se principalmente na água. Animal de atividade noturna, alimenta-se principalmente de capim, raízes e plantas aquáticas, realizando o controle populacional de várias espécies vegetais.

O IPEVS resgatou um individuo da espécie no final do mês de julho, em Cornélio Procópio, o animal foi atendido pelo médico veterinário do IPEVS, atestando que o animal estava em perfeitas condições, possibilitando a soltura do exemplar.

Espécie captura na cidade de Cornélio Procópio - PR e encaminhada para soltura. Foto: IPEVS

 

Cobra d’água (Helicops infrataeniatus)

Helicops é um gênero de serpentes que apresenta olhos e narinas posicionados próximo a região anterior da cabeça, como adaptação ao hábito exclusivamente aquático, são popularmente conhecidas como cobra d’água. Alimentam-se de peixes e anfíbios.  Este grupo de serpentes não apresenta veneno ou perigo ao homem.

Livea Samara de Almeida, bióloga e diretora administrativa do IPEVS que atualmente é estudante do curso de medicina veterinária da UENP – Campus Bandeirantes, recebeu a serpente no campus da universidade. A cobra d’água estava com um anzol preso na região da boca. O anzol foi removido e a serpente encaminhada para o IPEVS permanecendo em cativeiro para cuidados da região oral atingida pelo anzol e após a cicatrização do ferimento foi encaminhada para soltura.

Após cuidados a cobra d'água foi encaminhada para soltura. Foto: IPEVS

 

Gato – do – mato (Leopardus tigrinus)

Gato-do-mato resgatado em Cornélio Procópio - PR. Foto: IPEVS

O gato-do-mato ocorre em todo o Brasil, podendo habitar regiões próximas a áreas agrícolas. Felino de hábito solitário e atividade predominantemente noturna. Alimenta-se de pequenos vertebrados, como mamíferos, aves e lagartos.

Devido à destruição de seu habitat, á caça predatória para comercialização de peles e o grande número de atropelamentos esta espécie é considerada como vulnerável no estado do Paraná.

O IPEVS realizou o resgate de um gato-do- mato em Cornélio Procópio também no mês de julho de 2012. Depois de avaliado o felino foi translocado para uma área de mata afastada.

Depois de avaliado o felino foi translocado para uma área de mata afastada. Foto: IPEVS

 

Fonte: Ascom IPEVS


30 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Resgates, atendimentos e solturas realizados pelo IPEVS no 1º semestre de 2012.

O IPEVS – Instituto de Pesquisa em Vida Selvagem e Meio Ambiente realiza em nossa cidade e região resgates, atendimentos e solturas de animais silvestres. Estes são realizados em parceria com o IAP – Instituto Ambiental do Paraná e Corpo de Bombeiros que acionam a equipe do IPEVS e também com a colaboração de cidadãos que quando se deparam com esses animais entram em contato com o IPEVS.

Os animais são resgatados e posteriormente realizados exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, e quando constatado que estes se encontram em perfeita sanidade são encaminhados para soltura. E alguns animais são mantidos em cativeiro devido à impossibilidade de serem devolvidos ao seu habitat natural.

Confira o trabalho de resgates, atendimentos e soltura realizado pela equipe do IPEVS no primeiro semestre de 2012.

 

Gambá no telhado de uma residência em Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Gambá (Didelphis Albiventris)

No mês de maio, em um mesmo dia, o IPEVS realizou 2 resgates de gambá em Cornélio Procópio, um na Vila Santa Terezinha e outro no Jardim Fortunato Cibin.

Os gambás são mamíferos marsupiais, ou seja, apresentam uma bolsa abdominal a qual os filhotes permanecem por um período de desenvolvimento, semelhante ao canguru. Sua presença na região urbana está relacionada principalmente à disponibilidade de restos de alimentos, insetos e abrigos (forros de casa, porões). Os 2 gambás foram capturados e passaram por exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, após constatar que os animais encontravam-se saudáveis estes foram encaminhados para soltura.

 

Gambá captura e encaminhado para soltura, resgate realizado pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Falsa-coral, espécie de serpente que ocorre em nossa região. Foto: IPEVS

 

Falsa- Coral (Oxyrhopus guibei)

A falsa coral é uma serpente muito comum em nossa região, com coloração avermelhada com faixas pretas alternadas. O nome falsa- coral é devido sua semelhança com as corais verdadeiras. Sendo diferenciadas pelo tamanho dos olhos, formato da cauda e da cabeça e principal pela posição dos dentes inoculadores de veneno. A falsa – coral apresenta dentição opistóglifa, ou seja, os dentes inoculadores de veneno ficam localizados no fundo da boca.

A captura desta espécie é realizada constantemente pela equipe do IPEVS, graças à pessoas conscientes que ao encontrarem as serpentes próximas de suas residências ou em seus locais de trabalho, entram em contato com o IPEVS ou Corpo de Bombeiros.

 

A serpente foi encontrada por Aldecir Costa, em uma manopla da Sanepar. Aldecir que conhece o trabalho realizado pelo IPEVS, entrou em contato com a equipe para realizar a captura. Foto: IPEVS

 

A serpente captura está sendo mantida em cativeiro no CEAMA - Centro de Educação Ambiental Mundo Animal, projeto coordenado pelo IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tentativa de resgate onça parda em junho de 2012. Foto: IPEVS

 

Onça Parda (Puma concolor)

No dia 18 de junho de 2012, o IAP entrou em contato com o IPEVS para realização de resgate de uma onça parda ou suçuarana em uma propriedade de Cornélio Procópio. A equipe do IPEVS junto com a equipe do IAP esteve no local para realizar a captura.

Para o resgate de animais como onça são necessários alguns equipamentos como zarabatana ou rifle para aplicação de dardos tranquilizantes com a função de sedar o animal. Na ocasião os dardos foram adaptados para a utilização do equipamento, um dos motivos que dificultou o processo de captura, não sendo possível a realização do resgate.

Já no mês de julho, o IPEVS recebeu outro chamado do IAP para resgate  de outra onça parda em nossa região, após captura e atestado a sanidade do animal este foi encaminhado para soltura.  Click  http://ipevs.org.br/blog/?p=10358 para acessar informações e imagens sobre este resgate.

A onça estava em uma propriedade de Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Tucano do bico verde, exemplar atendido pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tucano do Bico Verde

( Ramphastos dicolorus)

O Tucano do bico verde ocorre em áreas florestadas, desde o litoral até zonas montanhosas. Possui hábito alimentar onívoro, alimentando-se de insetos, pequenos vertebrados e principalmente frutos, atuando como dispersor de sementes.

O IPEVS recebeu um exemplar de Tucano do bico verde, este encontrava-se muito debilitado, mesmo com todo o cuidado e tratamento realizado pela equipe do IPEVS o tucano infelizmente não resistiu e veio a óbito.

 

Mesmo com todo cuidado da equipe o tucano do bico verde não resistiu. Foto: IPEVS

 

Ao encontrar animais silvestres próximo a sua residência entre em contato com os órgãos responsáveis para esse trabalho. Em Cornélio Procópio você pode acionar o IPEVS, IAP ou Corpo de Bombeiros.

 

Fonte: Ascom do IPEVS

 


26 de junho de 2012 | nenhum comentário »

CFMV ELABORA O GUIA BRASILEIRO DE BOAS PRÁTICAS PARA EUTANÁSIA EM ANIMAIS

Diante da necessidade de especificar, detalhadamente, os conceitos e procedimentos da eutanásia em animais, de forma a dar suporte consultivo aos interessados no tema, visto que várias são as espécies submetidas a estes procedimentos, o Conselho Federal de Medicina Veterinária elaborou o “Guia Brasileiro de Boas Práticas para Eutanásia em Animais”. O texto final já está disponível para consulta no Portal do CFMV.

 Esse é o primeiro guia brasileiro sobre o tema. Foi elaborado pela Comissão de Ética Bioética e Bem-Estar Animal (CEBEA/CFMV) e consultores de reconhecido saber na área, para colaborar com detalhamentos que possam orientar, de forma consistente, os Médicos Veterinários e todas as pessoas envolvidas no processo da eutanásia em animais. Para a redação desse documento, foi realizada uma ampla consulta na legislação nacional e internacional, bem como, na literatura científica, incluindo os guias já existentes, conhecidos como “guidelines for euthanasia”, utilizados mundialmente como embasamento científico para normatização do tema.
“Esse documento foi editado com objetivo orientador, principalmente para uniformizar os procedimentos, sempre observando a diversidade de espécies envolvidas e a multiplicidade de métodos aplicados”, comentou o Presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda. Ele enfatiza que a eutanásia de animais é um procedimento clínico que compete privativamente ao Médico Veterinário.
Recentemente, o CFMV também atualizou métodos e procedimentos existentes na legislação sobre a partir da Resolução no. 1000/2012. Essa foi uma segunda atualização do primeiro documento, editado em 2002 (Resolução no. 714), o qual instituiu normas reguladoras de procedimentos relativos à eutanásia em animais.
Fonte: Assessoria do CFMV

26 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Contaminado por chumbo, condor-da-Califórnia corre risco de extinção

Espécie é uma das maiores aves voadoras do mundo.
Chumbo usado em munições está contaminando população.

A recuperação do condor-da-Califórnia, uma espécie extremamente ameaçada de extinção, esbarra na contaminação pelo chumbo encontrado em munições, informa uma pesquisa científica divulgada na edição desta terça-feira (26) da revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

Essa espécie de condor é uma das maiores aves voadoras do mundo e está sob risco de extinção. Em 1982, segundo o estudo, apenas 22 exemplares restavam. Após um intenso trabalho de recuperação, o número saltou para 400 animais no final de 2010 – ainda muito baixo para manter uma população estável.

Agora, o estudo apresentado por Myra Finkelstein, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, indica que, sem intervenção humana para tratar a contaminação, a espécie pode desaparecer em poucas décadas.

Os condores se alimentam de carcaças, da mesma maneira que urubus e abutres. Uma de suas principais fontes de alimentação são mamíferos de grande porte abatidos por caçadores, como os veados. Segundo a pesquisa, as aves se contaminam ao ingerir fragmentos das balas usadas na caça.

Os cientistas capturam regularmente condores-da-Califórnia para tratamento. Anualmente, uma em cada cinco aves encontradas precisa ser desintoxicada. Após o apoio veterinário, ela é devolvida ao meio ambiente.

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

Fonte: Globo Natureza


17 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Conselho de veterinária cria novas regras para a eutanásia de animais

Resolução traz princípios éticos para conduzir a morte do animal.
Texto reforça a importância da presença de um veterinário no processo.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou nesta quinta-feira (17) uma nova resolução para regulamentar a eutanásia de animais. O texto, que traz uma série de princípios éticos para a prática, define eutanásia como a morte do animal “por meio de método tecnicamente aceitável e cientificamente comprovado”.

A resolução reforça a importância do médico veterinário para avaliar se a eutanásia é mesmo necessária e conduzir o processo dentro do regulamento.

A prática só será permitida se o animal estiver comprometido de forma irreversível, se os custos do tratamento forem incompatíveis com a atividade econômica que ele exerce, se ele fizer parte de alguma atividade científica previamente aprovada ou se representar algum risco ou à saúde pública ou ao meio ambiente.

O texto descreve como o veterinário deve proceder para matar diferentes tipos de animais, sejam eles silvestres, domesticados ou cobaias de laboratório. Em quase todos os casos, a orientação é de que o profissional aplique a anestesia geral antes de matar o animal.

Fonte: G1


10 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Raio-x revela anzol dentro de jacaré no litoral de São Paulo

Biólogos estudam fazer endoscopia para tentar retirar o material.
Animal recebe tratamento em aquário de Peruíbe.

Jacaré recebe tratamento em aquário de Peruíbe (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Jacaré recebe tratamento em aquário de Peruíbe (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Um anzol foi encontrado dentro de um jacaré capturado na cidade de Itanhaém, no litoral sul de São Paulo. O animal, que está recebendo tratamento no aquário de Peruíbe desde o fim de abril, foi submetido a um exame de raio-x para avaliar o estado de saúde e confirmar as suspeitas de que havia um objeto dentro dele. As imagens foram divulgadas pelo aquário nesta quarta (9).

De acordo com Thiago Nascimento, biólogo do aquário de Peruíbe, o animal foi capturado pela Polícia Ambiental no dia 20. Ele estava em um rio no bairro Gaivota com ferimentos.

Logo após ser levado ao aquário, o jacaré teve um anzol retirado da boca. “Depois percebemos que tinha outro material dentro, mas conseguimos apenas observar a linha”, diz. No dia seguinte, o jacaré foi levado a uma clínica veterinária particular, onde foi feito um exame de raio-x e a suspeita foi confirmada. Um outro anzol, de aproximadamente cinco centímetros, estava alojado próximo ao estômago do animal.

Uma cirurgia para a retirada do objeto é considerada de grande risco. Por isso, os biológos devem realizar uma endoscopia, como a feita em seres humanos. Como Peruíbe não possui um hospital veterinário para realizar o procedimento, os biólogos estudam a possibilidade de levá-lo a Santos ou a São Paulo.

 

 

 

Jacaré é encontrado com anzol dentro do corpo (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Jacaré é encontrado com anzol dentro do corpo (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Fonte: G1


11 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de Pica Pau do Campo é atendido pelo IPEVS

A espécie Colaptes campestris conhecida popularmente como pica-pau do campo ou chã-chã, ocorre desde o nordeste do Brasil ao Uruguai, podendo ser avistado também no Paraguai, na Bolívia, na Argentina e no baixo Amazonas, inclusive no Suriname. Sendo existentes duas subespécies que se distinguem pela cor da garganta. C. campestris campestroides de cor branca e C. campestris campestris de cor negra.  Espécie terrícola, comum nos campos e áreas onde existem perturbações antrópicas. Alimenta-se de insetos, principalmente formigas e cupins. A secreção de sua glândula mandibular é como uma cola que faz com que a língua funcione como uma vara de fisgo para capturar os insetos.

Após o último forte temporal em Cornélio Procópio, no fim do mês de outubro, o professor de artes marciais Junior Vidal encontrou um filhote Pica-pau do Campo caído do ninho na região central da cidade. Júnior cuidou inicialmente do animal e posteriormente entrou em contato com a equipe do IPEVS para que a mesma fornecesse os cuidados e desse o destino adequado à ave.

Quando filhotes, os pica-paus do campo são alimentados com bolas de insetos e larvas de cupins, regurgitadas pelos pais. Quando não estão em ambiente natural, recebem como alimentação uma mistura própria para aves.  O pica-pau do campo continua sob os cuidados da equipe do IPEVS, sob os cuidados atentos de Renata Alfredo e Mayara Almeida, e passa bem, tendo ganhado peso e terminado o empenamento. A espécie não se encontra entre aves ameaçadas de extinção e tão logo aprenda a alimentar-se sozinha, será encaminhada para a reabilitação.

Pica-pau do Campo, filhote foi encontrado no centro da cidade de Cornélio Procópio

 

Confira aqui o vídeo do filhote sendo alimentado: http://www.youtube.com/watch?v=V1C-PLpjJxc

Fonte: Ascom IPEVS

 

 


1 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Lobo guará é encontrado em Angatuba, SP

Animal estava fraco e tinha ferimentos.
Lobo foi levado para parque em Sorocaba.

Um lobo guará foi encontrado em um sítio em Angatuba, a 150 km de São Paulo. O animal estava fraco e tinha alguns ferimentos. O lobo foi capturado pela Polícia Ambiental e foi levado para o Parque Quinzinho de Barros, em Sorocaba, também no interior paulista. Quando estiver melhor, ele será solto.

Click e veja o vídeo: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/10/lobo-guara-e-encontrado-em-alambari-sp.html

 

Fonte: G1, SP


1 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Cirurgia retira pedras da barriga de raro kiwi branco

Ave, que é símbolo da Nova Zelândia, se recupera em hospital.

O rato branco de apenas seis meses sobreviveu a operações para tirar pedras na barriga. (Foto: Getty Images / via BBC)

O raro kiwi branco de apenas seis meses sobreviveu a operações para tirar pedras na barriga. (Foto: Getty Images / via BBC)

Um raro kiwi branco de apenas seis meses de idade sobreviveu a operações para retirar pedras de sua barriga, na Nova Zelândia.

Cerca de uma semana atrás, funcionários do Centro de Vida Selvagem Pukaha Mount Bruce notaram que Manukura não estava se alimentando.

Um exame de raio-x revelou que duas pedras grandes estavam obstruindo o sistema digestivo da ave.

Em duas cirurgias diferentes, veterinários no hospital de Wellington usaram raio laser para quebrar as pedras e as retiraram da barriga de Manukura usando endoscopia.

Cativeiro
Funcionários disseram que houve um momento tenso durante os procedimentos, quando o coração do pequeno kiwi passou a bater mais devagar, mas Manukura sobreviveu e está se recuperando isolado dos outros animais.

Kiwis são a ave-símbolo da Nova Zelândia e, como outras aves, podem engolir pedras para ajudar em sua digestão.

Segundo os especialistas, no entanto, Manukura escolheu pedras grandes demais.

O filhote é um de 13 kiwis a nascer em cativeiro no centro de Pukaha Mount Bruce este ano.

A direção do local acredita que ele seja o primeiro kiwi branco a nascer em cativeiro no mundo.

O nome Manukura – que quer dizer aquele de status importante – foi escolhido pela comunidade indígena local Rangitane o Wairarapa. Os idosos do grupo veem a ave como um sinal de um “novo começo”.

Fonte: BBC


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

setembro 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

28 de dezembro de 2012 | nenhum comentário »

IPEVS resgata coruja buraqueira

Na véspera do Natal, dia 24 de dezembro, a equipe do IPEVS foi acionada para resgatar uma coruja buraqueira (Athene cunicularia) em um condomínio localizado na cidade de Cornélio Procópio.

Ao chegar ao local o morador relatou que o animal vive no residencial e percebendo que a ave estava ferida recolheu o animal em uma gaiola e entrou em contato com o IPEVS.

A coruja foi examinada pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad que constatou que a asa da coruja foi fraturada, mas o osso estava consolidado, ou seja, a fratura foi reparada pelo próprio organismo do animal e os procedimentos realizados foram a limpeza da lesão e aplicação de pomada cicatrizante. A buraqueira está em recuperação sobre os cuidados da equipe do IPEVS e posteriormente retornará ao local onde vivia.

Coruja buraqueira resgatada pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

A coruja recebeu atendimento realizado pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad. Foto: IPEVS

 

Saiba mais: A coruja buraqueira ocorre em quase todo o Brasil, exceto a região amazônica. Alimenta-se com frequência de artrópodes como besouros, mas pode caçar pequenos roedores, aves, répteis e anfíbios. Coruja terrícola, com atividade diurna e crepuscular. A coruja buraqueira geralmente cava seus próprios buracos e os utilizam como abrigo e para  construir seus ninhos.

 

Fonte: Ascom IPEVS


5 de setembro de 2012 | nenhum comentário »

IPEVS realiza soltura de animais

No mês de julho o IPEVS realizou a soltura de alguns animais resgatados pela instituição. Após receberem os cuidados e constatado que os animais estavam aptos para voltarem a seu habitat natural o IPEVS em parceria com o IAP – Instituto Ambiental do Paraná realizou a soltura de um de gato mourisco, um cágado, um ratão do banhado, cobra d’água e um gato do mato.  Os animais foram soltos em uma reserva indicada pelo IAP.

Gato Mourisco – (Puma yagouaroundi)

Gato mourisco que recebeu os cuidados da equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

Felino de atividade predominantemente diurna, com dieta carnívora, de ocorrência em todo o Brasil exceto o sul do Rio Grande do Sul. O gato mourisco possui uma coloração escura, geralmente marrom-acinzentada, avermelhada ou quase preta. As orelhas são arredondadas e a perna é curta. Como a maioria dos felinos, o gato mourisco é solitário, exceto em épocas reprodução. O período de gestação é de aproximadamente 2 meses e após o nascimento a mãe ensina aos filhotes as noções de sobrevivência e alimentação na floresta.

Esta espécie é a única entre os felinos brasileiros que não se encontra na Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Sendo a principal ameaça para sobrevivência da espécie a destruição e fragmentação dos habitats.

Em 2011 o IPEVS resgatou 2 filhotes de gato mourisco em Cornélio Procópio (click e veja a noticia http://ipevs.org.br/blog/?p=8738). Infelizmente um dos filhotes veio a óbito. O outro filhote continuou recebendo os cuidados da equipe do IPEVS, principalmente dos graduandos de Ciências Biológicas e estagiários do IPEVS Naiara Palumbo e Eduardo Alves. Este filhote tratava-se de uma fêmea que cresceu saudável e após o trabalho de reabilitação a gata estava apta a voltar a seu habitat natural.

Após trabalho de reabilitação o animal estava apto para voltar ao seu habitat natural. Foto: IPEVS

 

Cágado de barbicha – (Phrynops geoffroanus)

Cágado de barbicha. Foto: IPEVS

O cágado de barbicha é uma espécie de quelônios de ampla distribuição na América do Sul, ocupando diversos habitats inclusive rios degradados pela ação de poluentes gerados pelo homem. O cágado de barbicha alimenta-se de frutos, moluscos e pequenos peixes.

O IPEVS recebe com frequência cágados que são levados até o instituto principalmente capturados por pescadores, sendo os cágados atraídos pela isca fixada no anzol.  Os exemplares recebem tratamento necessário e posteriormente são encaminhados para soltura.

O cágado de barbicha é uma espécie de quelônios que ocorre em nossa região. Foto: IPEVS

 

Ratão do Banhado – (Myocastor coypus)

Grande espécie de roedor, o ratão do banhado vive próximo a cursos d'água. Foto: IPEVS

O Ratão do banhado é uma grande espécie de roedor encontrado na América do Sul, no Brasil ocorre originalmente no Rio Grande do Sul, atualmente é encontrada também até o estado de São Paulo.  Vivem próximos a cursos d’água e deslocam-se principalmente na água. Animal de atividade noturna, alimenta-se principalmente de capim, raízes e plantas aquáticas, realizando o controle populacional de várias espécies vegetais.

O IPEVS resgatou um individuo da espécie no final do mês de julho, em Cornélio Procópio, o animal foi atendido pelo médico veterinário do IPEVS, atestando que o animal estava em perfeitas condições, possibilitando a soltura do exemplar.

Espécie captura na cidade de Cornélio Procópio - PR e encaminhada para soltura. Foto: IPEVS

 

Cobra d’água (Helicops infrataeniatus)

Helicops é um gênero de serpentes que apresenta olhos e narinas posicionados próximo a região anterior da cabeça, como adaptação ao hábito exclusivamente aquático, são popularmente conhecidas como cobra d’água. Alimentam-se de peixes e anfíbios.  Este grupo de serpentes não apresenta veneno ou perigo ao homem.

Livea Samara de Almeida, bióloga e diretora administrativa do IPEVS que atualmente é estudante do curso de medicina veterinária da UENP – Campus Bandeirantes, recebeu a serpente no campus da universidade. A cobra d’água estava com um anzol preso na região da boca. O anzol foi removido e a serpente encaminhada para o IPEVS permanecendo em cativeiro para cuidados da região oral atingida pelo anzol e após a cicatrização do ferimento foi encaminhada para soltura.

Após cuidados a cobra d'água foi encaminhada para soltura. Foto: IPEVS

 

Gato – do – mato (Leopardus tigrinus)

Gato-do-mato resgatado em Cornélio Procópio - PR. Foto: IPEVS

O gato-do-mato ocorre em todo o Brasil, podendo habitar regiões próximas a áreas agrícolas. Felino de hábito solitário e atividade predominantemente noturna. Alimenta-se de pequenos vertebrados, como mamíferos, aves e lagartos.

Devido à destruição de seu habitat, á caça predatória para comercialização de peles e o grande número de atropelamentos esta espécie é considerada como vulnerável no estado do Paraná.

O IPEVS realizou o resgate de um gato-do- mato em Cornélio Procópio também no mês de julho de 2012. Depois de avaliado o felino foi translocado para uma área de mata afastada.

Depois de avaliado o felino foi translocado para uma área de mata afastada. Foto: IPEVS

 

Fonte: Ascom IPEVS


30 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Resgates, atendimentos e solturas realizados pelo IPEVS no 1º semestre de 2012.

O IPEVS – Instituto de Pesquisa em Vida Selvagem e Meio Ambiente realiza em nossa cidade e região resgates, atendimentos e solturas de animais silvestres. Estes são realizados em parceria com o IAP – Instituto Ambiental do Paraná e Corpo de Bombeiros que acionam a equipe do IPEVS e também com a colaboração de cidadãos que quando se deparam com esses animais entram em contato com o IPEVS.

Os animais são resgatados e posteriormente realizados exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, e quando constatado que estes se encontram em perfeita sanidade são encaminhados para soltura. E alguns animais são mantidos em cativeiro devido à impossibilidade de serem devolvidos ao seu habitat natural.

Confira o trabalho de resgates, atendimentos e soltura realizado pela equipe do IPEVS no primeiro semestre de 2012.

 

Gambá no telhado de uma residência em Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Gambá (Didelphis Albiventris)

No mês de maio, em um mesmo dia, o IPEVS realizou 2 resgates de gambá em Cornélio Procópio, um na Vila Santa Terezinha e outro no Jardim Fortunato Cibin.

Os gambás são mamíferos marsupiais, ou seja, apresentam uma bolsa abdominal a qual os filhotes permanecem por um período de desenvolvimento, semelhante ao canguru. Sua presença na região urbana está relacionada principalmente à disponibilidade de restos de alimentos, insetos e abrigos (forros de casa, porões). Os 2 gambás foram capturados e passaram por exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, após constatar que os animais encontravam-se saudáveis estes foram encaminhados para soltura.

 

Gambá captura e encaminhado para soltura, resgate realizado pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Falsa-coral, espécie de serpente que ocorre em nossa região. Foto: IPEVS

 

Falsa- Coral (Oxyrhopus guibei)

A falsa coral é uma serpente muito comum em nossa região, com coloração avermelhada com faixas pretas alternadas. O nome falsa- coral é devido sua semelhança com as corais verdadeiras. Sendo diferenciadas pelo tamanho dos olhos, formato da cauda e da cabeça e principal pela posição dos dentes inoculadores de veneno. A falsa – coral apresenta dentição opistóglifa, ou seja, os dentes inoculadores de veneno ficam localizados no fundo da boca.

A captura desta espécie é realizada constantemente pela equipe do IPEVS, graças à pessoas conscientes que ao encontrarem as serpentes próximas de suas residências ou em seus locais de trabalho, entram em contato com o IPEVS ou Corpo de Bombeiros.

 

A serpente foi encontrada por Aldecir Costa, em uma manopla da Sanepar. Aldecir que conhece o trabalho realizado pelo IPEVS, entrou em contato com a equipe para realizar a captura. Foto: IPEVS

 

A serpente captura está sendo mantida em cativeiro no CEAMA - Centro de Educação Ambiental Mundo Animal, projeto coordenado pelo IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tentativa de resgate onça parda em junho de 2012. Foto: IPEVS

 

Onça Parda (Puma concolor)

No dia 18 de junho de 2012, o IAP entrou em contato com o IPEVS para realização de resgate de uma onça parda ou suçuarana em uma propriedade de Cornélio Procópio. A equipe do IPEVS junto com a equipe do IAP esteve no local para realizar a captura.

Para o resgate de animais como onça são necessários alguns equipamentos como zarabatana ou rifle para aplicação de dardos tranquilizantes com a função de sedar o animal. Na ocasião os dardos foram adaptados para a utilização do equipamento, um dos motivos que dificultou o processo de captura, não sendo possível a realização do resgate.

Já no mês de julho, o IPEVS recebeu outro chamado do IAP para resgate  de outra onça parda em nossa região, após captura e atestado a sanidade do animal este foi encaminhado para soltura.  Click  http://ipevs.org.br/blog/?p=10358 para acessar informações e imagens sobre este resgate.

A onça estava em uma propriedade de Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Tucano do bico verde, exemplar atendido pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tucano do Bico Verde

( Ramphastos dicolorus)

O Tucano do bico verde ocorre em áreas florestadas, desde o litoral até zonas montanhosas. Possui hábito alimentar onívoro, alimentando-se de insetos, pequenos vertebrados e principalmente frutos, atuando como dispersor de sementes.

O IPEVS recebeu um exemplar de Tucano do bico verde, este encontrava-se muito debilitado, mesmo com todo o cuidado e tratamento realizado pela equipe do IPEVS o tucano infelizmente não resistiu e veio a óbito.

 

Mesmo com todo cuidado da equipe o tucano do bico verde não resistiu. Foto: IPEVS

 

Ao encontrar animais silvestres próximo a sua residência entre em contato com os órgãos responsáveis para esse trabalho. Em Cornélio Procópio você pode acionar o IPEVS, IAP ou Corpo de Bombeiros.

 

Fonte: Ascom do IPEVS

 


26 de junho de 2012 | nenhum comentário »

CFMV ELABORA O GUIA BRASILEIRO DE BOAS PRÁTICAS PARA EUTANÁSIA EM ANIMAIS

Diante da necessidade de especificar, detalhadamente, os conceitos e procedimentos da eutanásia em animais, de forma a dar suporte consultivo aos interessados no tema, visto que várias são as espécies submetidas a estes procedimentos, o Conselho Federal de Medicina Veterinária elaborou o “Guia Brasileiro de Boas Práticas para Eutanásia em Animais”. O texto final já está disponível para consulta no Portal do CFMV.

 Esse é o primeiro guia brasileiro sobre o tema. Foi elaborado pela Comissão de Ética Bioética e Bem-Estar Animal (CEBEA/CFMV) e consultores de reconhecido saber na área, para colaborar com detalhamentos que possam orientar, de forma consistente, os Médicos Veterinários e todas as pessoas envolvidas no processo da eutanásia em animais. Para a redação desse documento, foi realizada uma ampla consulta na legislação nacional e internacional, bem como, na literatura científica, incluindo os guias já existentes, conhecidos como “guidelines for euthanasia”, utilizados mundialmente como embasamento científico para normatização do tema.
“Esse documento foi editado com objetivo orientador, principalmente para uniformizar os procedimentos, sempre observando a diversidade de espécies envolvidas e a multiplicidade de métodos aplicados”, comentou o Presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda. Ele enfatiza que a eutanásia de animais é um procedimento clínico que compete privativamente ao Médico Veterinário.
Recentemente, o CFMV também atualizou métodos e procedimentos existentes na legislação sobre a partir da Resolução no. 1000/2012. Essa foi uma segunda atualização do primeiro documento, editado em 2002 (Resolução no. 714), o qual instituiu normas reguladoras de procedimentos relativos à eutanásia em animais.
Fonte: Assessoria do CFMV

26 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Contaminado por chumbo, condor-da-Califórnia corre risco de extinção

Espécie é uma das maiores aves voadoras do mundo.
Chumbo usado em munições está contaminando população.

A recuperação do condor-da-Califórnia, uma espécie extremamente ameaçada de extinção, esbarra na contaminação pelo chumbo encontrado em munições, informa uma pesquisa científica divulgada na edição desta terça-feira (26) da revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

Essa espécie de condor é uma das maiores aves voadoras do mundo e está sob risco de extinção. Em 1982, segundo o estudo, apenas 22 exemplares restavam. Após um intenso trabalho de recuperação, o número saltou para 400 animais no final de 2010 – ainda muito baixo para manter uma população estável.

Agora, o estudo apresentado por Myra Finkelstein, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, indica que, sem intervenção humana para tratar a contaminação, a espécie pode desaparecer em poucas décadas.

Os condores se alimentam de carcaças, da mesma maneira que urubus e abutres. Uma de suas principais fontes de alimentação são mamíferos de grande porte abatidos por caçadores, como os veados. Segundo a pesquisa, as aves se contaminam ao ingerir fragmentos das balas usadas na caça.

Os cientistas capturam regularmente condores-da-Califórnia para tratamento. Anualmente, uma em cada cinco aves encontradas precisa ser desintoxicada. Após o apoio veterinário, ela é devolvida ao meio ambiente.

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

Fonte: Globo Natureza


17 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Conselho de veterinária cria novas regras para a eutanásia de animais

Resolução traz princípios éticos para conduzir a morte do animal.
Texto reforça a importância da presença de um veterinário no processo.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou nesta quinta-feira (17) uma nova resolução para regulamentar a eutanásia de animais. O texto, que traz uma série de princípios éticos para a prática, define eutanásia como a morte do animal “por meio de método tecnicamente aceitável e cientificamente comprovado”.

A resolução reforça a importância do médico veterinário para avaliar se a eutanásia é mesmo necessária e conduzir o processo dentro do regulamento.

A prática só será permitida se o animal estiver comprometido de forma irreversível, se os custos do tratamento forem incompatíveis com a atividade econômica que ele exerce, se ele fizer parte de alguma atividade científica previamente aprovada ou se representar algum risco ou à saúde pública ou ao meio ambiente.

O texto descreve como o veterinário deve proceder para matar diferentes tipos de animais, sejam eles silvestres, domesticados ou cobaias de laboratório. Em quase todos os casos, a orientação é de que o profissional aplique a anestesia geral antes de matar o animal.

Fonte: G1


10 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Raio-x revela anzol dentro de jacaré no litoral de São Paulo

Biólogos estudam fazer endoscopia para tentar retirar o material.
Animal recebe tratamento em aquário de Peruíbe.

Jacaré recebe tratamento em aquário de Peruíbe (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Jacaré recebe tratamento em aquário de Peruíbe (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Um anzol foi encontrado dentro de um jacaré capturado na cidade de Itanhaém, no litoral sul de São Paulo. O animal, que está recebendo tratamento no aquário de Peruíbe desde o fim de abril, foi submetido a um exame de raio-x para avaliar o estado de saúde e confirmar as suspeitas de que havia um objeto dentro dele. As imagens foram divulgadas pelo aquário nesta quarta (9).

De acordo com Thiago Nascimento, biólogo do aquário de Peruíbe, o animal foi capturado pela Polícia Ambiental no dia 20. Ele estava em um rio no bairro Gaivota com ferimentos.

Logo após ser levado ao aquário, o jacaré teve um anzol retirado da boca. “Depois percebemos que tinha outro material dentro, mas conseguimos apenas observar a linha”, diz. No dia seguinte, o jacaré foi levado a uma clínica veterinária particular, onde foi feito um exame de raio-x e a suspeita foi confirmada. Um outro anzol, de aproximadamente cinco centímetros, estava alojado próximo ao estômago do animal.

Uma cirurgia para a retirada do objeto é considerada de grande risco. Por isso, os biológos devem realizar uma endoscopia, como a feita em seres humanos. Como Peruíbe não possui um hospital veterinário para realizar o procedimento, os biólogos estudam a possibilidade de levá-lo a Santos ou a São Paulo.

 

 

 

Jacaré é encontrado com anzol dentro do corpo (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Jacaré é encontrado com anzol dentro do corpo (Foto: Divulgação/Aquário de Peruíbe)

Fonte: G1


11 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de Pica Pau do Campo é atendido pelo IPEVS

A espécie Colaptes campestris conhecida popularmente como pica-pau do campo ou chã-chã, ocorre desde o nordeste do Brasil ao Uruguai, podendo ser avistado também no Paraguai, na Bolívia, na Argentina e no baixo Amazonas, inclusive no Suriname. Sendo existentes duas subespécies que se distinguem pela cor da garganta. C. campestris campestroides de cor branca e C. campestris campestris de cor negra.  Espécie terrícola, comum nos campos e áreas onde existem perturbações antrópicas. Alimenta-se de insetos, principalmente formigas e cupins. A secreção de sua glândula mandibular é como uma cola que faz com que a língua funcione como uma vara de fisgo para capturar os insetos.

Após o último forte temporal em Cornélio Procópio, no fim do mês de outubro, o professor de artes marciais Junior Vidal encontrou um filhote Pica-pau do Campo caído do ninho na região central da cidade. Júnior cuidou inicialmente do animal e posteriormente entrou em contato com a equipe do IPEVS para que a mesma fornecesse os cuidados e desse o destino adequado à ave.

Quando filhotes, os pica-paus do campo são alimentados com bolas de insetos e larvas de cupins, regurgitadas pelos pais. Quando não estão em ambiente natural, recebem como alimentação uma mistura própria para aves.  O pica-pau do campo continua sob os cuidados da equipe do IPEVS, sob os cuidados atentos de Renata Alfredo e Mayara Almeida, e passa bem, tendo ganhado peso e terminado o empenamento. A espécie não se encontra entre aves ameaçadas de extinção e tão logo aprenda a alimentar-se sozinha, será encaminhada para a reabilitação.

Pica-pau do Campo, filhote foi encontrado no centro da cidade de Cornélio Procópio

 

Confira aqui o vídeo do filhote sendo alimentado: http://www.youtube.com/watch?v=V1C-PLpjJxc

Fonte: Ascom IPEVS

 

 


1 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Lobo guará é encontrado em Angatuba, SP

Animal estava fraco e tinha ferimentos.
Lobo foi levado para parque em Sorocaba.

Um lobo guará foi encontrado em um sítio em Angatuba, a 150 km de São Paulo. O animal estava fraco e tinha alguns ferimentos. O lobo foi capturado pela Polícia Ambiental e foi levado para o Parque Quinzinho de Barros, em Sorocaba, também no interior paulista. Quando estiver melhor, ele será solto.

Click e veja o vídeo: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2011/10/lobo-guara-e-encontrado-em-alambari-sp.html

 

Fonte: G1, SP


1 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Cirurgia retira pedras da barriga de raro kiwi branco

Ave, que é símbolo da Nova Zelândia, se recupera em hospital.

O rato branco de apenas seis meses sobreviveu a operações para tirar pedras na barriga. (Foto: Getty Images / via BBC)

O raro kiwi branco de apenas seis meses sobreviveu a operações para tirar pedras na barriga. (Foto: Getty Images / via BBC)

Um raro kiwi branco de apenas seis meses de idade sobreviveu a operações para retirar pedras de sua barriga, na Nova Zelândia.

Cerca de uma semana atrás, funcionários do Centro de Vida Selvagem Pukaha Mount Bruce notaram que Manukura não estava se alimentando.

Um exame de raio-x revelou que duas pedras grandes estavam obstruindo o sistema digestivo da ave.

Em duas cirurgias diferentes, veterinários no hospital de Wellington usaram raio laser para quebrar as pedras e as retiraram da barriga de Manukura usando endoscopia.

Cativeiro
Funcionários disseram que houve um momento tenso durante os procedimentos, quando o coração do pequeno kiwi passou a bater mais devagar, mas Manukura sobreviveu e está se recuperando isolado dos outros animais.

Kiwis são a ave-símbolo da Nova Zelândia e, como outras aves, podem engolir pedras para ajudar em sua digestão.

Segundo os especialistas, no entanto, Manukura escolheu pedras grandes demais.

O filhote é um de 13 kiwis a nascer em cativeiro no centro de Pukaha Mount Bruce este ano.

A direção do local acredita que ele seja o primeiro kiwi branco a nascer em cativeiro no mundo.

O nome Manukura – que quer dizer aquele de status importante – foi escolhido pela comunidade indígena local Rangitane o Wairarapa. Os idosos do grupo veem a ave como um sinal de um “novo começo”.

Fonte: BBC


« Página anterior