27 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Gorila de 5 anos se enforca por acidente e morre em zoo de Praga

Tatu brincava na manhã desta sexta-feira (27) em estrutura feita de corda.
Nascimento do primata foi transmitido ao vivo pela internet, em 2007.

Um gorila de 5 anos se enforcou acidentalmente e morreu na manhã desta sexta-feira (27) no Zoológico de Praga, na República Tcheca.

Gorila 1 (Foto: Michael Cizek/AFP)

Gorila Tatu aparece em foto de 7 agosto de 2007, com nove semanas de idade (Foto: Michael Cizek/AFP)

Na ocasião, Tatu brincava em uma estrutura feita de corda na ala dos gorilas.

Gorila 2 (Foto: Michael Cizek/AFP)

Ainda filhote, animal aparece sendo segurado pela mãe, Kijivu, no zoo de Praga (Foto: Michael Cizek/AFP)

O primata ficou famoso em 2007, quando seu nascimento foi transmitido ao vivo pela internet. Na foto acima, Tatu é segurado pela mãe, Kijivu.

Fonte: Globo Natureza

 


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Desastres naturais ameaçam o mundo que está despreparado, adverte agência britânica

O mundo está “perigosamente” despreparado para lidar com futuros desastres naturais, advertiu a agência de desenvolvimento internacional da Grã-Bretanha. A agência britânica informou que o despreparo é causado pela ausência de contribuição dos países ricos ao fundo de emergência mundial.

O fundo de emergência é uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), criada como resposta a tsunamis, com o objetivo de auxiliar regiões afetadas por desastres naturais.

De acordo com informações de funcionários da ONU, o fundo emergencial sofre com um déficit equivalente a R$ 130,5 milhões para 2012.

A escassez do fundo, segundo especialistas, tem relação direta com a série de tragédias naturais que ocorreram ao longo de 2011, como o tsunami seguido por terremoto no Japão; a sequência de tremores de terra na Nova Zelândia, enchentes no Paquistão e nas Filipinas e fome no Chifre da África.

Na segunda-feira (26) peritos japoneses e estrangeiros concluíram que medidas de precaução adequadas poderiam ter evitado os acidentes radioativos, na Usina de Fukushima Daiichi, no Nordeste do Japão, em 11 de março deste ano. Na ocasião, um terremoto seguido por tsunami causou danos nos reatores da usina provocando explosões e vazamentos.

A conclusão foi divulgada durante um painel de peritos no Japão. Nos debates, os especialistas disseram que os acidentes demonstraram a necessidade de ampliar as medidas de prevenção referentes às ações de emergência relativas à usina. Segundo eles, houve falhas no que se refere às influências de terremotos e tsunamis na estrutura física da usina. 

Fonte: Renata Giraldi/ Agência Brasil


29 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Multa à Chevron por vazamento de óleo é irrisória, diz Ibama

O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, afirmou nesta terça-feira que a multa de R$ 50 milhões aplicada à Chevron pelo vazamento de óleo no campo de Frade é irrisória para recuperar danos causados ao meio ambiente.

“A multa administrativa de R$ 50 milhões é pequena, não tem finalidade indenizatória. Ela tem finalidade pedagógica, dissuasória, e não garante a recomposição do dano causado ao meio ambiente”, disse, durante audiência pública no Senado sobre o acidente.

Trennepohl afirmou que possivelmente haverá mais autuações à petroleira americana. Em dois dias, o órgão ambiental deve concluir a análise do cumprimento do plano de emergência individual da empresa. Se verificado que não seguiu a sequência de práticas de emergência descrita no plano, poderá ser multada em mais R$ 10 milhões.

Ainda há a chance de cobrar mais R$ 50 milhões por danos ambientais. A primeira autuação não se refere à legislação ambiental, mas à lei do óleo, pelo vazamento em si, explicou.

“Um grupo de trabalho está analisando a hipótese mais um auto de infração com base na legislação ambiental”, disse o presidente. Segundo ele, apesar de nenhum peixe ou ave ter morrido, derramamentos de óleo podem trazer resultados negativos em longo prazo, por isso a necessidade de um grupo técnico para mensurar os danos.

Trennepohl reconheceu o baixo valor das multas previstas na legislação brasileira, e criticou a dificuldade de conseguir uma indenização nesses casos. Segundo ele, é necessário que o Ministério Público Federal entre com uma ação civil pública para tentar uma indenização capaz de cobrir os danos ambientais.

A Chevron não enviou nenhum de seus presidentes para a audiência. O representante da empresa, Luiz Alberto Bastos, reforçou que o vazamento está controlado, que há apenas a liberação de óleo residual.

Bastos afirmou que a empresa cumpriu à risca o plano de emergência individual, e que vai analisar os detalhes do acidente para compartilhar essas informações com o setor.

Editoria de Arte/Folhapress

Fonte: Folha.com


26 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Após acidente, 20 milhões de abelhas fogem de caminhão nos EUA

Insetos eram levados para outra fazenda quando veículo capotou; apicultores tentam evitar que elas alcancem cidades.

Foto genérica de abelhas (Foto: BBC)

Foto genérica de abelhas (Foto: BBC)

Ao menos 20 milhões de abelhas escaparam do caminhão que as transportava, depois que o veículo capotou em uma rodovia no estado americano de Utah.

A estrada ficou fechada durantes várias horas no domingo à noite, enquanto apicultores locais tentavam recapturar as abelhas ou ao menos evitar que elas alcançassem as cidades da região.

As abelhas estavam sendo levadas para a Califórnia, onde seriam usadas para fazer a polinização em uma plantação de amêndoas.

O motorista do caminhão e dois policiais foram picados, mas ninguém ficou seriamente ferido.

Janelas fechadas
‘O motorista perdeu o controle do caminhão, bateu em uma barreira de concreto e capotou’, disse o policial Todd Johnson. ‘Daí, obviamente, as abelhas se espalharam por toda a parte.’

O oficial informou que a rodovia foi reaberta na manhã de segunda-feira, mas as autoridades alertaram os motoristas a manterem as janelas do carro fechadas.

‘Tentamos mover as abelhas para o mais longe possível das áreas metropolitanas’, disse o apicultor Melvin Taylor à agência de notícias Reuters, em referências às abelhas que continuavam em suas colmeias.

Juntamente com outros produtores, eles transportaram as colmeias que ainda estavam nos compartimentos transportados pelo caminhão, para depois devolvê-las ao apicultor dono dos insetos.

 

Fonte: Da BBC


17 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Operação para tirar tigresa de poço dura 28 horas na Índia

Animal caiu há quatro dias no buraco de 6 metros de profundidade.
Incidente aconteceu em Nagpur, no oeste do país.

Foi necessária uma operação de resgate de 28 horas de duração para tirar esta tigresa de 3 anos de idade de um poço de 6 metros de profundidade em Nagpur na Índia. O animal estava preso no buraco havia quatro dias e foi resgatado nesta sexta-feira (14). (Foto: AFP)

Foi necessária uma operação de resgate de 28 horas de duração para tirar esta tigresa de 3 anos de idade de um poço d'água de 6 metros de profundidade em Nagpur, na Índia. O animal estava preso no buraco havia quatro dias. A fotografia foi tirada nesta quinta-feira (13). (Foto: AFP)

Fonte: Da AFP


13 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Golfinho com prótese de cauda vira ‘hit’, salva aquário e inspira filme

O golfinho fêmea Winter, que ficou famoso no aquário marinho de Clearwater, na Flórida, por ter se adaptado a uma prótese após perder sua cauda em um acidente com uma armadilha para caranguejos, vai parar nas telas de cinema. A história dela originou o filme em 3D “Dolphin Tale” (“Conto de Golfinho”), que estreia este mês nos Estados Unidos e conta com estrelas como Morgan Freeman e Ashley Judd no elenco.

A protagonista é a própria Winter, golfinho-nariz-de-garrafa que interpreta a si mesma. O roteiro é baseado na história de superação do animal.

Winter chegou ao aquário Clearwater Marine no final de 2005, quando o local sem fins lucrativos passava por uma séria crise e corria risco de ser fechado. Ela tinha enroscado a cauda em uma linha de armadilha para captura de caranguejos, e acabou tendo o rabo amputado.

Mesmo assim, ela aprendeu a nadar sem o órgão e depois ainda se adaptou a uma revolucionária prótese feita sob medida. A presença de Winter quadruplicou o público do aquário, e originou uma linha de brinquedos, livros e outros produtos que permitiram que o aquário permanecesse aberto.

A treinadora Abby Stone brinca com Winter, em foto de 31 de agosto (Foto: Chris O'Meara/AP)

A treinadora Abby Stone brinca com Winter, em foto de 31 de agosto (Foto: Chris O'Meara/AP)

O diretor do aquário, David Yates, mostra a prótese de Winter. à direita, treinadora beija o golfinho fêmea (Foto: AP)

O diretor do aquário, David Yates, mostra a prótese de Winter. À direita, treinadora beija o golfinho fêmea (Foto: AP)

Fonte: Do G1, com AP.


29 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Consequências de Fukushima

Acidente deve causar uma parada nos programas nucleares de vários países, mas não decreta o fim dessa forma de produção de energia, nem no Brasil.

O acidente nuclear na usina de Fukushima, causado por um terremoto seguido de tsunami, que atingiram o Japão no dia 11 de março passado, deve causar uma parada acentuada nos programas nucleares de vários países, mas não decretará o fim dessa forma de produção de energia, nem no Brasil.
A opinião é do engenheiro civil e Ph. D. em Engenharia Nuclear, Odilon Antonio Marcuzzo do Canto, presidente da Secao Latino-Americana da Sociedade Americana de Energia Nuclear (LAS/ANS).
Ele fala sobre o assunto em sua conferência Olhando para o futuro após o acidente de Fukushima, que profere na 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que se realiza de 10 a 15 de julho, na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia (GO).

 

Marcuzzo do Canto vai discorrer sobre as iniciativas tomadas pelas autoridades japonesas e pelos organismos internacionais competentes e as possíveis consequências para as pessoas e o meio ambiente.

 

“A partir dessa visão, tentarei esclarecer as consequências que são esperadas para o setor nuclear no Brasil e no mundo”, diz. A intenção é repassar de forma ordenada uma grande quantidade de informações disponíveis em diversas fontes, como jornais especializados, revistas e internet”, diz ele, acrescentando que também deverá fazer comentários sobre as conclusões da Conferencia Ministerial sobre Fukushima, realizada de 20 a 24 de junho, em Viena, da qual participou.

 

Marcuzzo do Canto baseia sua convicção de que o mundo não abandonará de todo a energia nuclear no fato de que muitos países precisam dela. “A demanda de energia mundial vai obrigar algumas nações a continuar com a produção nucleoelétrica, pois é a única fonte com densidade de energia suficiente para atender suas necessidades”, explica. “As fontes ditas alternativas como eólica e solar certamente podem desempenhar um papel importante, mas não têm densidade energética capaz de atender grandes demandas.”

 

No caso do Brasil, Marcuzzo do Canto diz que o País tem grandes possibilidades com a biomassa e, portanto, faz sentido imaginar que na matriz energética nacional a energia nuclear nunca terá papel preponderante. Apesar disso, ressalta que ela é importante para o Brasil. “Só existem três países no mundo que têm, ao mesmo tempo, a capacidade tecnológica de desenvolver o ciclo completo do combustível nuclear e reservas consideráveis de urânio”, diz. “Esses países são Estados Unidos, Rússia e o nosso. Dessa forma, não faz sentido abrirmos mão de tamanha riqueza.”

 

Há outra razão para que o País não despreze essa forma de energia. “Tecnologia nuclear não se compra, ou se desenvolve internamente ou se abre mão dela”, explica. “Portanto, é importante que o Brasil dê continuidade ao seu programa nuclear. O desenvolvimento do projeto do reator multipropósito brasileiro é um passo importante nessa direção. O aumento da capacidade cientifica, tecnológica e industrial no setor nuclear é também fundamental para garantir o Brasil quanto a outras aplicações da energia nuclear, principalmente na indústria e na saúde.”

Fonte: Jornal da Ciência


15 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Autoridades investigam origem de onça atropelada perto de Nova York

Espécie de felino foi declarada extinta em março no leste dos EUA.
Suspeita é de que animal fugiu de cativeiro ilegal, mas faltam evidências.

Autoridades ambientais americanas investigam a origem de uma onça-parda atropelada no último sábado (11) em Milford, a cerca de 115 km de Nova York. O animal foi atingido por um carro e morreu dos ferimentos decorrentes do atropelamento.

Em março deste ano, a subespécie de onça-parda que vivia no leste dos EUA foi oficialmente declara extinta, onde é conhecida como leão da montanha. Ela foi retirada da lista de espécies ameaçadas.

Por isso, é improvável que o animal seja selvagem. Supõe-se que era criado ilegalmente em cativeiro. No entanto, o corpo do animal não apresentava evidências de que vivesse domesticado. Na última semana, já havia relatos de uma onça rondando outra cidade próxima, assustando moradores. É provável que o animal avistado pelos moradores seja o que acabou morrendo no acidente.

Onça-parda foi atropelada e morreu; o motorista saiu ileso. (Foto: Reuters)

Onça-parda foi atropelada e morreu; o motorista saiu ileso. (Foto: Reuters)

Fonte: Globo Natureza, em São Paulo


5 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Peixes resgatados em acidente ambiental na Bahia vão para viveiro

Cerca de 8 mil peixes resgatados vivos no acidente ambiental que aconteceu na última segunda-feira (2), no rio Jacuípe, em São Gonçalo dos Campos, na Bahia, foram transferidos nesta quarta-feira (4) para um viveiro artificial nas proximidades do rio.

De acordo com o engenheiro de pesca Bruno Vinhas, que faz parte do projeto que estudava os peixes, os animais foram colocados no Rio Jacuípe em janeiro de 2011 para que se desenvolvessem no habitat natural.

Ainda segundo o engenheiro de pesca, em 2010, no mesmo projeto, foram colocadas cerca de 20 toneladas de peixes e crustáceos no Rio Jacuípe e grande parte apareceu morta no período de chuva do mesmo ano.

Análise – Um técnico do Instituto do Meio Ambiente (IMA) foi ao local do acidente ambiental nesta terça-feira (3). Segundo o órgão, o técnico fez inspeção com coleta da água do rio e de peixes.

De acordo com o IMA, o técnico informou que as mortes de segunda-feira (2) ficaram restritas à área em que acontece o projeto de piscicultura e que a situação está normalizada. Os resultados da análise estão previstos para ficarem prontos em 9 dias.

Fonte: G1


23 de março de 2011 | nenhum comentário »

Laudo conclui que incêndio no Instituto Butantan foi acidental

O laudo do IC (Instituto de Criminalística) concluiu que o incêndio que atingiu o Instituto Butantan, em São Paulo, em maio do ano passado, foi acidental, segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública). Na ocasião, foi destruído parte do acervo de 85 mil cobras e 450 mil aranhas e escorpiões, reunido em um século de pesquisas.

A pasta disse ainda que o laudo concluiu que o fogo teve início devido ao superaquecimento de pedras de calor que eram utilizadas em ambientes artificiais para aquecer as cobras. Todas as testemunhas já foram ouvidas e o inquérito deve ser relatado à Justiça nesta terça-feira.

O local destruído pelo fogo guardava sobretudo serpentes. Os espécimes eram conservados dentro de tubos de vidro com álcool ou formol. Na coleção, que era usada por biólogos e alunos de medicina para estudo, havia espécimes antigos que serviam para estudo de filogenia –a história evolutiva de uma espécie.

watch sin city high quality

O Instituto Butantan iniciou neste mês a construção de um novo prédio de coleções, após o incêndio ter destruído o edifício. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, o novo prédio está orçado em R$ 3 milhões e terá dois andares, com uma área total de 1.600m2.

A parte do prédio que abrigará as coleções será dividida em sete salas. Cinco com 50m2, sendo quatro para a coleção de herpetologia e uma para a coleção de artrópodes, e duas de 20m2, das quais uma para a coleção de insetos e uma para a coleção de banco de tecidos.

Fonte: Folha.com


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

julho 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

27 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Gorila de 5 anos se enforca por acidente e morre em zoo de Praga

Tatu brincava na manhã desta sexta-feira (27) em estrutura feita de corda.
Nascimento do primata foi transmitido ao vivo pela internet, em 2007.

Um gorila de 5 anos se enforcou acidentalmente e morreu na manhã desta sexta-feira (27) no Zoológico de Praga, na República Tcheca.

Gorila 1 (Foto: Michael Cizek/AFP)

Gorila Tatu aparece em foto de 7 agosto de 2007, com nove semanas de idade (Foto: Michael Cizek/AFP)

Na ocasião, Tatu brincava em uma estrutura feita de corda na ala dos gorilas.

Gorila 2 (Foto: Michael Cizek/AFP)

Ainda filhote, animal aparece sendo segurado pela mãe, Kijivu, no zoo de Praga (Foto: Michael Cizek/AFP)

O primata ficou famoso em 2007, quando seu nascimento foi transmitido ao vivo pela internet. Na foto acima, Tatu é segurado pela mãe, Kijivu.

Fonte: Globo Natureza

 


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Desastres naturais ameaçam o mundo que está despreparado, adverte agência britânica

O mundo está “perigosamente” despreparado para lidar com futuros desastres naturais, advertiu a agência de desenvolvimento internacional da Grã-Bretanha. A agência britânica informou que o despreparo é causado pela ausência de contribuição dos países ricos ao fundo de emergência mundial.

O fundo de emergência é uma iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), criada como resposta a tsunamis, com o objetivo de auxiliar regiões afetadas por desastres naturais.

De acordo com informações de funcionários da ONU, o fundo emergencial sofre com um déficit equivalente a R$ 130,5 milhões para 2012.

A escassez do fundo, segundo especialistas, tem relação direta com a série de tragédias naturais que ocorreram ao longo de 2011, como o tsunami seguido por terremoto no Japão; a sequência de tremores de terra na Nova Zelândia, enchentes no Paquistão e nas Filipinas e fome no Chifre da África.

Na segunda-feira (26) peritos japoneses e estrangeiros concluíram que medidas de precaução adequadas poderiam ter evitado os acidentes radioativos, na Usina de Fukushima Daiichi, no Nordeste do Japão, em 11 de março deste ano. Na ocasião, um terremoto seguido por tsunami causou danos nos reatores da usina provocando explosões e vazamentos.

A conclusão foi divulgada durante um painel de peritos no Japão. Nos debates, os especialistas disseram que os acidentes demonstraram a necessidade de ampliar as medidas de prevenção referentes às ações de emergência relativas à usina. Segundo eles, houve falhas no que se refere às influências de terremotos e tsunamis na estrutura física da usina. 

Fonte: Renata Giraldi/ Agência Brasil


29 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Multa à Chevron por vazamento de óleo é irrisória, diz Ibama

O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, afirmou nesta terça-feira que a multa de R$ 50 milhões aplicada à Chevron pelo vazamento de óleo no campo de Frade é irrisória para recuperar danos causados ao meio ambiente.

“A multa administrativa de R$ 50 milhões é pequena, não tem finalidade indenizatória. Ela tem finalidade pedagógica, dissuasória, e não garante a recomposição do dano causado ao meio ambiente”, disse, durante audiência pública no Senado sobre o acidente.

Trennepohl afirmou que possivelmente haverá mais autuações à petroleira americana. Em dois dias, o órgão ambiental deve concluir a análise do cumprimento do plano de emergência individual da empresa. Se verificado que não seguiu a sequência de práticas de emergência descrita no plano, poderá ser multada em mais R$ 10 milhões.

Ainda há a chance de cobrar mais R$ 50 milhões por danos ambientais. A primeira autuação não se refere à legislação ambiental, mas à lei do óleo, pelo vazamento em si, explicou.

“Um grupo de trabalho está analisando a hipótese mais um auto de infração com base na legislação ambiental”, disse o presidente. Segundo ele, apesar de nenhum peixe ou ave ter morrido, derramamentos de óleo podem trazer resultados negativos em longo prazo, por isso a necessidade de um grupo técnico para mensurar os danos.

Trennepohl reconheceu o baixo valor das multas previstas na legislação brasileira, e criticou a dificuldade de conseguir uma indenização nesses casos. Segundo ele, é necessário que o Ministério Público Federal entre com uma ação civil pública para tentar uma indenização capaz de cobrir os danos ambientais.

A Chevron não enviou nenhum de seus presidentes para a audiência. O representante da empresa, Luiz Alberto Bastos, reforçou que o vazamento está controlado, que há apenas a liberação de óleo residual.

Bastos afirmou que a empresa cumpriu à risca o plano de emergência individual, e que vai analisar os detalhes do acidente para compartilhar essas informações com o setor.

Editoria de Arte/Folhapress

Fonte: Folha.com


26 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Após acidente, 20 milhões de abelhas fogem de caminhão nos EUA

Insetos eram levados para outra fazenda quando veículo capotou; apicultores tentam evitar que elas alcancem cidades.

Foto genérica de abelhas (Foto: BBC)

Foto genérica de abelhas (Foto: BBC)

Ao menos 20 milhões de abelhas escaparam do caminhão que as transportava, depois que o veículo capotou em uma rodovia no estado americano de Utah.

A estrada ficou fechada durantes várias horas no domingo à noite, enquanto apicultores locais tentavam recapturar as abelhas ou ao menos evitar que elas alcançassem as cidades da região.

As abelhas estavam sendo levadas para a Califórnia, onde seriam usadas para fazer a polinização em uma plantação de amêndoas.

O motorista do caminhão e dois policiais foram picados, mas ninguém ficou seriamente ferido.

Janelas fechadas
‘O motorista perdeu o controle do caminhão, bateu em uma barreira de concreto e capotou’, disse o policial Todd Johnson. ‘Daí, obviamente, as abelhas se espalharam por toda a parte.’

O oficial informou que a rodovia foi reaberta na manhã de segunda-feira, mas as autoridades alertaram os motoristas a manterem as janelas do carro fechadas.

‘Tentamos mover as abelhas para o mais longe possível das áreas metropolitanas’, disse o apicultor Melvin Taylor à agência de notícias Reuters, em referências às abelhas que continuavam em suas colmeias.

Juntamente com outros produtores, eles transportaram as colmeias que ainda estavam nos compartimentos transportados pelo caminhão, para depois devolvê-las ao apicultor dono dos insetos.

 

Fonte: Da BBC


17 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Operação para tirar tigresa de poço dura 28 horas na Índia

Animal caiu há quatro dias no buraco de 6 metros de profundidade.
Incidente aconteceu em Nagpur, no oeste do país.

Foi necessária uma operação de resgate de 28 horas de duração para tirar esta tigresa de 3 anos de idade de um poço de 6 metros de profundidade em Nagpur na Índia. O animal estava preso no buraco havia quatro dias e foi resgatado nesta sexta-feira (14). (Foto: AFP)

Foi necessária uma operação de resgate de 28 horas de duração para tirar esta tigresa de 3 anos de idade de um poço d'água de 6 metros de profundidade em Nagpur, na Índia. O animal estava preso no buraco havia quatro dias. A fotografia foi tirada nesta quinta-feira (13). (Foto: AFP)

Fonte: Da AFP


13 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Golfinho com prótese de cauda vira ‘hit’, salva aquário e inspira filme

O golfinho fêmea Winter, que ficou famoso no aquário marinho de Clearwater, na Flórida, por ter se adaptado a uma prótese após perder sua cauda em um acidente com uma armadilha para caranguejos, vai parar nas telas de cinema. A história dela originou o filme em 3D “Dolphin Tale” (“Conto de Golfinho”), que estreia este mês nos Estados Unidos e conta com estrelas como Morgan Freeman e Ashley Judd no elenco.

A protagonista é a própria Winter, golfinho-nariz-de-garrafa que interpreta a si mesma. O roteiro é baseado na história de superação do animal.

Winter chegou ao aquário Clearwater Marine no final de 2005, quando o local sem fins lucrativos passava por uma séria crise e corria risco de ser fechado. Ela tinha enroscado a cauda em uma linha de armadilha para captura de caranguejos, e acabou tendo o rabo amputado.

Mesmo assim, ela aprendeu a nadar sem o órgão e depois ainda se adaptou a uma revolucionária prótese feita sob medida. A presença de Winter quadruplicou o público do aquário, e originou uma linha de brinquedos, livros e outros produtos que permitiram que o aquário permanecesse aberto.

A treinadora Abby Stone brinca com Winter, em foto de 31 de agosto (Foto: Chris O'Meara/AP)

A treinadora Abby Stone brinca com Winter, em foto de 31 de agosto (Foto: Chris O'Meara/AP)

O diretor do aquário, David Yates, mostra a prótese de Winter. à direita, treinadora beija o golfinho fêmea (Foto: AP)

O diretor do aquário, David Yates, mostra a prótese de Winter. À direita, treinadora beija o golfinho fêmea (Foto: AP)

Fonte: Do G1, com AP.


29 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Consequências de Fukushima

Acidente deve causar uma parada nos programas nucleares de vários países, mas não decreta o fim dessa forma de produção de energia, nem no Brasil.

O acidente nuclear na usina de Fukushima, causado por um terremoto seguido de tsunami, que atingiram o Japão no dia 11 de março passado, deve causar uma parada acentuada nos programas nucleares de vários países, mas não decretará o fim dessa forma de produção de energia, nem no Brasil.
A opinião é do engenheiro civil e Ph. D. em Engenharia Nuclear, Odilon Antonio Marcuzzo do Canto, presidente da Secao Latino-Americana da Sociedade Americana de Energia Nuclear (LAS/ANS).
Ele fala sobre o assunto em sua conferência Olhando para o futuro após o acidente de Fukushima, que profere na 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que se realiza de 10 a 15 de julho, na Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia (GO).

 

Marcuzzo do Canto vai discorrer sobre as iniciativas tomadas pelas autoridades japonesas e pelos organismos internacionais competentes e as possíveis consequências para as pessoas e o meio ambiente.

 

“A partir dessa visão, tentarei esclarecer as consequências que são esperadas para o setor nuclear no Brasil e no mundo”, diz. A intenção é repassar de forma ordenada uma grande quantidade de informações disponíveis em diversas fontes, como jornais especializados, revistas e internet”, diz ele, acrescentando que também deverá fazer comentários sobre as conclusões da Conferencia Ministerial sobre Fukushima, realizada de 20 a 24 de junho, em Viena, da qual participou.

 

Marcuzzo do Canto baseia sua convicção de que o mundo não abandonará de todo a energia nuclear no fato de que muitos países precisam dela. “A demanda de energia mundial vai obrigar algumas nações a continuar com a produção nucleoelétrica, pois é a única fonte com densidade de energia suficiente para atender suas necessidades”, explica. “As fontes ditas alternativas como eólica e solar certamente podem desempenhar um papel importante, mas não têm densidade energética capaz de atender grandes demandas.”

 

No caso do Brasil, Marcuzzo do Canto diz que o País tem grandes possibilidades com a biomassa e, portanto, faz sentido imaginar que na matriz energética nacional a energia nuclear nunca terá papel preponderante. Apesar disso, ressalta que ela é importante para o Brasil. “Só existem três países no mundo que têm, ao mesmo tempo, a capacidade tecnológica de desenvolver o ciclo completo do combustível nuclear e reservas consideráveis de urânio”, diz. “Esses países são Estados Unidos, Rússia e o nosso. Dessa forma, não faz sentido abrirmos mão de tamanha riqueza.”

 

Há outra razão para que o País não despreze essa forma de energia. “Tecnologia nuclear não se compra, ou se desenvolve internamente ou se abre mão dela”, explica. “Portanto, é importante que o Brasil dê continuidade ao seu programa nuclear. O desenvolvimento do projeto do reator multipropósito brasileiro é um passo importante nessa direção. O aumento da capacidade cientifica, tecnológica e industrial no setor nuclear é também fundamental para garantir o Brasil quanto a outras aplicações da energia nuclear, principalmente na indústria e na saúde.”

Fonte: Jornal da Ciência


15 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Autoridades investigam origem de onça atropelada perto de Nova York

Espécie de felino foi declarada extinta em março no leste dos EUA.
Suspeita é de que animal fugiu de cativeiro ilegal, mas faltam evidências.

Autoridades ambientais americanas investigam a origem de uma onça-parda atropelada no último sábado (11) em Milford, a cerca de 115 km de Nova York. O animal foi atingido por um carro e morreu dos ferimentos decorrentes do atropelamento.

Em março deste ano, a subespécie de onça-parda que vivia no leste dos EUA foi oficialmente declara extinta, onde é conhecida como leão da montanha. Ela foi retirada da lista de espécies ameaçadas.

Por isso, é improvável que o animal seja selvagem. Supõe-se que era criado ilegalmente em cativeiro. No entanto, o corpo do animal não apresentava evidências de que vivesse domesticado. Na última semana, já havia relatos de uma onça rondando outra cidade próxima, assustando moradores. É provável que o animal avistado pelos moradores seja o que acabou morrendo no acidente.

Onça-parda foi atropelada e morreu; o motorista saiu ileso. (Foto: Reuters)

Onça-parda foi atropelada e morreu; o motorista saiu ileso. (Foto: Reuters)

Fonte: Globo Natureza, em São Paulo


5 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Peixes resgatados em acidente ambiental na Bahia vão para viveiro

Cerca de 8 mil peixes resgatados vivos no acidente ambiental que aconteceu na última segunda-feira (2), no rio Jacuípe, em São Gonçalo dos Campos, na Bahia, foram transferidos nesta quarta-feira (4) para um viveiro artificial nas proximidades do rio.

De acordo com o engenheiro de pesca Bruno Vinhas, que faz parte do projeto que estudava os peixes, os animais foram colocados no Rio Jacuípe em janeiro de 2011 para que se desenvolvessem no habitat natural.

Ainda segundo o engenheiro de pesca, em 2010, no mesmo projeto, foram colocadas cerca de 20 toneladas de peixes e crustáceos no Rio Jacuípe e grande parte apareceu morta no período de chuva do mesmo ano.

Análise – Um técnico do Instituto do Meio Ambiente (IMA) foi ao local do acidente ambiental nesta terça-feira (3). Segundo o órgão, o técnico fez inspeção com coleta da água do rio e de peixes.

De acordo com o IMA, o técnico informou que as mortes de segunda-feira (2) ficaram restritas à área em que acontece o projeto de piscicultura e que a situação está normalizada. Os resultados da análise estão previstos para ficarem prontos em 9 dias.

Fonte: G1


23 de março de 2011 | nenhum comentário »

Laudo conclui que incêndio no Instituto Butantan foi acidental

O laudo do IC (Instituto de Criminalística) concluiu que o incêndio que atingiu o Instituto Butantan, em São Paulo, em maio do ano passado, foi acidental, segundo a SSP (Secretaria de Segurança Pública). Na ocasião, foi destruído parte do acervo de 85 mil cobras e 450 mil aranhas e escorpiões, reunido em um século de pesquisas.

A pasta disse ainda que o laudo concluiu que o fogo teve início devido ao superaquecimento de pedras de calor que eram utilizadas em ambientes artificiais para aquecer as cobras. Todas as testemunhas já foram ouvidas e o inquérito deve ser relatado à Justiça nesta terça-feira.

O local destruído pelo fogo guardava sobretudo serpentes. Os espécimes eram conservados dentro de tubos de vidro com álcool ou formol. Na coleção, que era usada por biólogos e alunos de medicina para estudo, havia espécimes antigos que serviam para estudo de filogenia –a história evolutiva de uma espécie.

watch sin city high quality

O Instituto Butantan iniciou neste mês a construção de um novo prédio de coleções, após o incêndio ter destruído o edifício. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, o novo prédio está orçado em R$ 3 milhões e terá dois andares, com uma área total de 1.600m2.

A parte do prédio que abrigará as coleções será dividida em sete salas. Cinco com 50m2, sendo quatro para a coleção de herpetologia e uma para a coleção de artrópodes, e duas de 20m2, das quais uma para a coleção de insetos e uma para a coleção de banco de tecidos.

Fonte: Folha.com


« Página anterior