8 de novembro de 2012 | nenhum comentário »

Acidentes com animais venenosos crescem 157% em 10 anos, diz Saúde

Levantamento reúne picadas de bichos como cobras, escorpiões e aranhas.
Só no ano passado, foram registrados 139 mil casos e 293 mortes no país.

Um levantamento feito pela unidade de Zoonoses do Ministério da Saúde aponta que, entre os meses mais quentes – de novembro e março – dos últimos dez anos, houve um aumento de 157% nos acidentes no país envolvendo animais venenosos, como cobras, escorpiões, aranhas, abelhas e lagartas.

Só no ano passado, foram mais de 139 mil casos, entre os quais 293 mortes. Segundo o ministério, o desequilíbrio ecológico é uma das principais causas desse crescimento. Isso porque as chuvas de verão desalojam das tocas os animais, que acabam procurando abrigo em casas, e também é nesse período que muitos deles se reproduzem.

Além desses fatores, esses meses coincidem com uma intensificação de atividades agrícolas e passeios por trilhas e cachoeiras, locais propícios para incidentes com cobras e outros bichos peçonhentos.

Apesar disso, os acidentes são mais frequentes nas cidades que no campo. A Região Nordeste concentra o maior número de casos de picadas de escorpiões, com mais de 30 mil registros no ano passado. Entre os estados do país, Minas Gerais lidera, com quase 60% das ocorrências de todo o Sudeste.

Cuidados
Em caso de acidente, o Ministério da Saúde recomenda ir direto para o hospital. Enquanto a vítima não recebe atendimento, deve lavar o ferimento com água e sabão, deixar o membro em uma posição mais alta que o resto do corpo e evitar se mexer.

Ao lidar com jardins ou lavouras, é preciso usar sempre botas de cano longo e luvas de couro. Em casa, é importante examinar as roupas de cama e banho, vedar frestas e buracos em paredes, forros e rodapés, pôr telas nas janelas, fechar os ralos, evitar andar descalço, limpar terrenos baldios e preservar predadores naturais, como pássaros, galinhas, corujas, sapos e lagartixas.

Se houver queimadura por água-viva ou caravela no mar, é necessário aplicar uma compressa de água salgada ou vinagre. Nunca se deve colocar xixi, cachaça, café ou outro tipo de produto sobre a pele, pois isso pode causar infecções.

Escorpião amarelo (Foto: CBN)

Escorpião amarelo é típico do Sudeste e a principal espécie a causar acidentes graves e mortes(Foto: CBN)

Fonte: Globo Natureza


7 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Após ataques, França vai caçar tubarões na ilha Reunião

Após série de incidentes, moradores pediram ajuda às autoridades para caçar peixes, que teriam se multiplicado nos últimos anos

A França vai contratar pescadores profissionais para matar nesta semana cerca de 20 tubarões na costa da ilha Reunião, território francês no oceano Índico, na esperança de entender uma série de ataques nesse paraíso dos surfistas.

Dois deles foram atacados por tubarões em menos de uma semana. Um deles, mordido no domingo, sobreviveu por pouco, mas perdeu uma mão e um pé. O outro morreu na segunda-feira (30) da semana passada.

Autoridades municipais de Saint-Leu, perto do local do ataque de domingo, pediram a governos de nível superior que abatessem as populações de tubarões-tigres e tubarões-cabeça-chata, que teriam se multiplicado no último ano.

Cerca de 300 moradores e surfistas fizeram um protesto em frente à principal delegacia de polícia da ilha, pedindo o abate dos tubarões.

O governo francês, porém, descartou um abate generalizado, dizendo que é preciso realizar estudos científicos sobre uma toxina que existe na carne dos tubarões, e que desestimula sua pesca.

O tubarão-cabeça-chata é uma das espécies que mais ataca humanos. Brian J. Skerry / National Geographic Image Sales

Fonte: Portal iG


4 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Invasão de aranhas gigantes espalha o pânico em aldeia indiana

Moradores de Sadiya, no estado de Assam, dizem desconhecer a espécie.
Dez pessoas foram hospitalizadas; há suspeita de duas mortes por picadas.

Os moradores de um povoado indiano situado em um local recôndito do país afirmam ser vítimas de uma invasão de aranhas gigantes muito parecidas com as tarântulas, mas pertencentes a uma espécie desconhecida para os especialistas locais.

Segundo a imprensa local, cerca de dez pessoas foram hospitalizadas depois de serem picadas por estas aranhas. Outras duas teriam morrido, mas esta informação não foi confirmada.

“Primeiro acharam que era uma brincadeira, mas depois muitos habitantes foram picados por esta espécie particular”, declarou por telefone à AFP um sábio da aldeia de Sadiya, no estado de Assam (leste).

Uma equipe científica viajou ao local dos incidentes, a cerca de 600 km da capital de Assam, Guwahati.

“Inspecionamos o local e vimos que (a aranha) é parecida com uma migala, mas ainda não estamos certos da espécie”, declarou L. R. Saikia, um cientista do departamento de ciências da universidade de Dibrugarh, em Assam.

“Parece uma aranha agressiva dotada de ganchos mais potentes que a variedade normal dos aracnídeos”, explicou.

Foram enviadas várias amostras destas aranhas para serem analisadas por especialistas em aracnologia fora de Assam.

O professor Ratul Rajkhowa, do departamento de zoologia da faculdade Cotton, mostra uma aranha que seria da espécie que tem se proliferado na vila de Assam (Foto: AFP/Stringer)

O professor Ratul Rajkhowa, do departamento de zoologia da faculdade Cotton, mostra uma aranha que seria da espécie que tem se proliferado na vila de Assam (Foto: AFP/Stringer)

Fonte: AFP


4 de junho de 2012 | nenhum comentário »

PAÍS TEM 4 BATIDAS DE AVIÕES EM AVES POR DIA

Um levantamento feito pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), órgão que atua na investigação e prevenção de acidentes aéreos, aponta que, em média, quatro aviões atingem Aves por dia no país. Um dos casos mais recentes aconteceu no último dia 15, quando uma aeronave com 118 passageiros precisou retornar ao aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto, após colidir com um pássaro.
O aumento dos casos está fazendo com que os aeroportos busquem soluções. Cachorros, falcões e até mesmo robôs estão sendo utilizados na tentativa de espantar os animais. Segundo o Cenipa, só neste ano já foram registradas 657 colisões. Neste ritmo, o número de acidentes pode chegar aos 1,7 mil casos, superando o recorde de 1.460 do ano passado.

Para o chefe de gerenciamento do risco aviário do Cenipa, major Francisco José Morais, a presença de focos atrativos para Aves perto dos aeroportos como lixões e matadouros clandestinos, além do aumento de espécies, podem ser as causas do crescimento dos acidentes.

Fonte: EBAND


16 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Equador tenta evitar que aviões atropelem iguanas em Galápagos

As autoridades do Parque Nacional Galápagos (PNG) do Equador e os operadores do aeroporto da ilha de Baltra buscam mecanismos para evitar que aviões atropelem iguanas terrestres nesse campo de aviação. Desde o último mês de julho foram encontradas cinco iguanas mortas na área do aeroporto. Aparentemente, três delas foram atropeladas por aviões e as outras por outros veículos que operam no aeroporto, segundo Víctor Carrión, responsável pelo processo de conservação e restauração dos ecossistemas insulanos do PNG.

Por essa razão, a empresa operadora do aeroporto em Baltra autorizou uma inspeção da pista de aterrissagem. Embora a medida ainda seja um projeto piloto, Carrión considerou que é um bom mecanismo para diminuir o risco de morte das iguanas. O funcionário antecipou que espera manter conversas com as companhias aéreas que operam na região para que capacitem pilotos a fim de que tenham maior precaução.

“Acho que vale a pena perder cinco minutos para proteger uma iguana”, disse, consciente que esse pouco tempo pode significar muito dinheiro para as empresas aéreas. Assim, os trabalhadores saberão que antes de subir ao veículo devem revisar, por exemplo, que, sob o avião, não esteja nenhuma iguana se protegendo do sol.

Também é estudada a possibilidade de pôr ao redor do aeroporto algum dispositivo que não permita que as iguanas entrem na pista, plataforma e estacionamentos.

Carrión lembrou que nos anos 1980 o PNG e a Fundação Charles Darwin realizaram um programa de reprodução e criação de iguanas em Baltra e, graças a isso, agora há aproximadamente mil animais dessa espécie na ilha.

O arquipélago das Galápagos, situado cerca de mil quilômetros do litoral continental do Equador, foi o laboratório natural no qual o cientista inglês Charles Darwin se inspirou para desenvolver sua teoria sobre a seleção natural e a evolução das espécies. As ilhas Galápagos foram declaradas, em 1978, Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.

Fonte: Portal Terra


4 de abril de 2011 | nenhum comentário »

Número de acidentes com animais peçonhentos dobra em dez anos

Em dez anos, o número de ataques de animais peçonhentos aumentou 112,4% no estado de São Paulo. Em 2010, foram 14,6 mil acidentes contra 6,8 mil registrados no ano 2000. Quase a metade dos casos do ano passado foi causada por escorpiões, 6,7 mil.

O principal motivo do aumento da ocorrência de acidentes é a degradação dos ambientes naturais, o habitat de animais como escorpiões, aranhas e cobras. “Hoje em dia, com o avanço da urbanização, o escorpião está perdendo o ambiente natural dele”, explica João Gustavo Eisenberger, biólogo do Instituto Butantan.

Ele conta que a espécie que tem causado mais problemas é o escorpião-amarelo – Tityus serrulatus. As fêmeas dessa espécie são capazes de se reproduzir sem parceiro, necessitando apenas de um ambiente propício.

Montes de lixo e entulho servem de casa para os escorpiões, além de atraírem baratas, uma das principais presas do bicho. “Se [o animal] tiver alimento e abrigo, você está dando o ambiente perfeito”, explica Eisenberger.

Uma picada do escorpião-amarelo pode até matar no caso de uma vítima frágil, como um idoso ou uma criança. “O adulto vai sentir muita dor, espasmos musculares na região, náusea e febre”, explica o biólogo.

Para prevenir o problema, Eisenberger recomenda que a população evite acumular lixo e entulho. E, em caso de acidente, deve-se procurar atendimento médico o mais rápido possível.

Fonte: Daniel Mello/ Agência Brasil

dvd blade runner

17 de maio de 2009 | nenhum comentário »

IPEVS ministra palestra sobre Acidentes com Animais Peçonhentos para curso de Medicina Veterinária

Alunos da disciplina de Toxicologia Veterinária do curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus Luiz Meneghel, em Bandeirantes, participaram da palestra intitulada “Acidentes por animais venenosos e peçonhentos” ministrada por Rafael Haddad no dia 24 de abril.

A palestra foi dividida em duas parte, a parte teórica ocorreu nas dependências do Colégio Dom Bosco, instituição parceira do IPEVS, e a parte prática foi desenvolvida no Centro de Ed. Ambiental Mundo Animal.

Durante a palestra os alunos puderam aprender sobre os principais acidentes com animais venenosos e peçonhentos que acometem animais e humanos, suas sintomatologias e possíveis tratamentos. Durante a prática, acompanhada pela Bióloga Livea Almeida, os alunos puderam conhecer as diferentes espécies causadores detes acidentes.

A disciplina de Toxicologia Veterinária do curso de Medicina Veterinária da UENP é ministrada pela Prof. Ellen Marquez, idealizadora desta palestra.dsc00074

tangled movie





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

setembro 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

8 de novembro de 2012 | nenhum comentário »

Acidentes com animais venenosos crescem 157% em 10 anos, diz Saúde

Levantamento reúne picadas de bichos como cobras, escorpiões e aranhas.
Só no ano passado, foram registrados 139 mil casos e 293 mortes no país.

Um levantamento feito pela unidade de Zoonoses do Ministério da Saúde aponta que, entre os meses mais quentes – de novembro e março – dos últimos dez anos, houve um aumento de 157% nos acidentes no país envolvendo animais venenosos, como cobras, escorpiões, aranhas, abelhas e lagartas.

Só no ano passado, foram mais de 139 mil casos, entre os quais 293 mortes. Segundo o ministério, o desequilíbrio ecológico é uma das principais causas desse crescimento. Isso porque as chuvas de verão desalojam das tocas os animais, que acabam procurando abrigo em casas, e também é nesse período que muitos deles se reproduzem.

Além desses fatores, esses meses coincidem com uma intensificação de atividades agrícolas e passeios por trilhas e cachoeiras, locais propícios para incidentes com cobras e outros bichos peçonhentos.

Apesar disso, os acidentes são mais frequentes nas cidades que no campo. A Região Nordeste concentra o maior número de casos de picadas de escorpiões, com mais de 30 mil registros no ano passado. Entre os estados do país, Minas Gerais lidera, com quase 60% das ocorrências de todo o Sudeste.

Cuidados
Em caso de acidente, o Ministério da Saúde recomenda ir direto para o hospital. Enquanto a vítima não recebe atendimento, deve lavar o ferimento com água e sabão, deixar o membro em uma posição mais alta que o resto do corpo e evitar se mexer.

Ao lidar com jardins ou lavouras, é preciso usar sempre botas de cano longo e luvas de couro. Em casa, é importante examinar as roupas de cama e banho, vedar frestas e buracos em paredes, forros e rodapés, pôr telas nas janelas, fechar os ralos, evitar andar descalço, limpar terrenos baldios e preservar predadores naturais, como pássaros, galinhas, corujas, sapos e lagartixas.

Se houver queimadura por água-viva ou caravela no mar, é necessário aplicar uma compressa de água salgada ou vinagre. Nunca se deve colocar xixi, cachaça, café ou outro tipo de produto sobre a pele, pois isso pode causar infecções.

Escorpião amarelo (Foto: CBN)

Escorpião amarelo é típico do Sudeste e a principal espécie a causar acidentes graves e mortes(Foto: CBN)

Fonte: Globo Natureza


7 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Após ataques, França vai caçar tubarões na ilha Reunião

Após série de incidentes, moradores pediram ajuda às autoridades para caçar peixes, que teriam se multiplicado nos últimos anos

A França vai contratar pescadores profissionais para matar nesta semana cerca de 20 tubarões na costa da ilha Reunião, território francês no oceano Índico, na esperança de entender uma série de ataques nesse paraíso dos surfistas.

Dois deles foram atacados por tubarões em menos de uma semana. Um deles, mordido no domingo, sobreviveu por pouco, mas perdeu uma mão e um pé. O outro morreu na segunda-feira (30) da semana passada.

Autoridades municipais de Saint-Leu, perto do local do ataque de domingo, pediram a governos de nível superior que abatessem as populações de tubarões-tigres e tubarões-cabeça-chata, que teriam se multiplicado no último ano.

Cerca de 300 moradores e surfistas fizeram um protesto em frente à principal delegacia de polícia da ilha, pedindo o abate dos tubarões.

O governo francês, porém, descartou um abate generalizado, dizendo que é preciso realizar estudos científicos sobre uma toxina que existe na carne dos tubarões, e que desestimula sua pesca.

O tubarão-cabeça-chata é uma das espécies que mais ataca humanos. Brian J. Skerry / National Geographic Image Sales

Fonte: Portal iG


4 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Invasão de aranhas gigantes espalha o pânico em aldeia indiana

Moradores de Sadiya, no estado de Assam, dizem desconhecer a espécie.
Dez pessoas foram hospitalizadas; há suspeita de duas mortes por picadas.

Os moradores de um povoado indiano situado em um local recôndito do país afirmam ser vítimas de uma invasão de aranhas gigantes muito parecidas com as tarântulas, mas pertencentes a uma espécie desconhecida para os especialistas locais.

Segundo a imprensa local, cerca de dez pessoas foram hospitalizadas depois de serem picadas por estas aranhas. Outras duas teriam morrido, mas esta informação não foi confirmada.

“Primeiro acharam que era uma brincadeira, mas depois muitos habitantes foram picados por esta espécie particular”, declarou por telefone à AFP um sábio da aldeia de Sadiya, no estado de Assam (leste).

Uma equipe científica viajou ao local dos incidentes, a cerca de 600 km da capital de Assam, Guwahati.

“Inspecionamos o local e vimos que (a aranha) é parecida com uma migala, mas ainda não estamos certos da espécie”, declarou L. R. Saikia, um cientista do departamento de ciências da universidade de Dibrugarh, em Assam.

“Parece uma aranha agressiva dotada de ganchos mais potentes que a variedade normal dos aracnídeos”, explicou.

Foram enviadas várias amostras destas aranhas para serem analisadas por especialistas em aracnologia fora de Assam.

O professor Ratul Rajkhowa, do departamento de zoologia da faculdade Cotton, mostra uma aranha que seria da espécie que tem se proliferado na vila de Assam (Foto: AFP/Stringer)

O professor Ratul Rajkhowa, do departamento de zoologia da faculdade Cotton, mostra uma aranha que seria da espécie que tem se proliferado na vila de Assam (Foto: AFP/Stringer)

Fonte: AFP


4 de junho de 2012 | nenhum comentário »

PAÍS TEM 4 BATIDAS DE AVIÕES EM AVES POR DIA

Um levantamento feito pelo Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), órgão que atua na investigação e prevenção de acidentes aéreos, aponta que, em média, quatro aviões atingem Aves por dia no país. Um dos casos mais recentes aconteceu no último dia 15, quando uma aeronave com 118 passageiros precisou retornar ao aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto, após colidir com um pássaro.
O aumento dos casos está fazendo com que os aeroportos busquem soluções. Cachorros, falcões e até mesmo robôs estão sendo utilizados na tentativa de espantar os animais. Segundo o Cenipa, só neste ano já foram registradas 657 colisões. Neste ritmo, o número de acidentes pode chegar aos 1,7 mil casos, superando o recorde de 1.460 do ano passado.

Para o chefe de gerenciamento do risco aviário do Cenipa, major Francisco José Morais, a presença de focos atrativos para Aves perto dos aeroportos como lixões e matadouros clandestinos, além do aumento de espécies, podem ser as causas do crescimento dos acidentes.

Fonte: EBAND


16 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Equador tenta evitar que aviões atropelem iguanas em Galápagos

As autoridades do Parque Nacional Galápagos (PNG) do Equador e os operadores do aeroporto da ilha de Baltra buscam mecanismos para evitar que aviões atropelem iguanas terrestres nesse campo de aviação. Desde o último mês de julho foram encontradas cinco iguanas mortas na área do aeroporto. Aparentemente, três delas foram atropeladas por aviões e as outras por outros veículos que operam no aeroporto, segundo Víctor Carrión, responsável pelo processo de conservação e restauração dos ecossistemas insulanos do PNG.

Por essa razão, a empresa operadora do aeroporto em Baltra autorizou uma inspeção da pista de aterrissagem. Embora a medida ainda seja um projeto piloto, Carrión considerou que é um bom mecanismo para diminuir o risco de morte das iguanas. O funcionário antecipou que espera manter conversas com as companhias aéreas que operam na região para que capacitem pilotos a fim de que tenham maior precaução.

“Acho que vale a pena perder cinco minutos para proteger uma iguana”, disse, consciente que esse pouco tempo pode significar muito dinheiro para as empresas aéreas. Assim, os trabalhadores saberão que antes de subir ao veículo devem revisar, por exemplo, que, sob o avião, não esteja nenhuma iguana se protegendo do sol.

Também é estudada a possibilidade de pôr ao redor do aeroporto algum dispositivo que não permita que as iguanas entrem na pista, plataforma e estacionamentos.

Carrión lembrou que nos anos 1980 o PNG e a Fundação Charles Darwin realizaram um programa de reprodução e criação de iguanas em Baltra e, graças a isso, agora há aproximadamente mil animais dessa espécie na ilha.

O arquipélago das Galápagos, situado cerca de mil quilômetros do litoral continental do Equador, foi o laboratório natural no qual o cientista inglês Charles Darwin se inspirou para desenvolver sua teoria sobre a seleção natural e a evolução das espécies. As ilhas Galápagos foram declaradas, em 1978, Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.

Fonte: Portal Terra


4 de abril de 2011 | nenhum comentário »

Número de acidentes com animais peçonhentos dobra em dez anos

Em dez anos, o número de ataques de animais peçonhentos aumentou 112,4% no estado de São Paulo. Em 2010, foram 14,6 mil acidentes contra 6,8 mil registrados no ano 2000. Quase a metade dos casos do ano passado foi causada por escorpiões, 6,7 mil.

O principal motivo do aumento da ocorrência de acidentes é a degradação dos ambientes naturais, o habitat de animais como escorpiões, aranhas e cobras. “Hoje em dia, com o avanço da urbanização, o escorpião está perdendo o ambiente natural dele”, explica João Gustavo Eisenberger, biólogo do Instituto Butantan.

Ele conta que a espécie que tem causado mais problemas é o escorpião-amarelo – Tityus serrulatus. As fêmeas dessa espécie são capazes de se reproduzir sem parceiro, necessitando apenas de um ambiente propício.

Montes de lixo e entulho servem de casa para os escorpiões, além de atraírem baratas, uma das principais presas do bicho. “Se [o animal] tiver alimento e abrigo, você está dando o ambiente perfeito”, explica Eisenberger.

Uma picada do escorpião-amarelo pode até matar no caso de uma vítima frágil, como um idoso ou uma criança. “O adulto vai sentir muita dor, espasmos musculares na região, náusea e febre”, explica o biólogo.

Para prevenir o problema, Eisenberger recomenda que a população evite acumular lixo e entulho. E, em caso de acidente, deve-se procurar atendimento médico o mais rápido possível.

Fonte: Daniel Mello/ Agência Brasil

dvd blade runner

17 de maio de 2009 | nenhum comentário »

IPEVS ministra palestra sobre Acidentes com Animais Peçonhentos para curso de Medicina Veterinária

Alunos da disciplina de Toxicologia Veterinária do curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus Luiz Meneghel, em Bandeirantes, participaram da palestra intitulada “Acidentes por animais venenosos e peçonhentos” ministrada por Rafael Haddad no dia 24 de abril.

A palestra foi dividida em duas parte, a parte teórica ocorreu nas dependências do Colégio Dom Bosco, instituição parceira do IPEVS, e a parte prática foi desenvolvida no Centro de Ed. Ambiental Mundo Animal.

Durante a palestra os alunos puderam aprender sobre os principais acidentes com animais venenosos e peçonhentos que acometem animais e humanos, suas sintomatologias e possíveis tratamentos. Durante a prática, acompanhada pela Bióloga Livea Almeida, os alunos puderam conhecer as diferentes espécies causadores detes acidentes.

A disciplina de Toxicologia Veterinária do curso de Medicina Veterinária da UENP é ministrada pela Prof. Ellen Marquez, idealizadora desta palestra.dsc00074

tangled movie