20 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Extinção do mamute lanoso não foi repentina

Estudo aponta combinação de fatores para explicar o fim dos mamíferos gigantes, como elevação das temperaturas, mudança na vegetação e a caça

Um novo estudo, publicado na edição desta semana da revista Nature Communications,contesta as pesquisas que afirmaram que os mamutes lanosos foram extintos brutalmente. De acordo com o trabalho, a extinção dessa espécie aconteceu de forma lenta e progressiva e não teve uma única causa. Os fatores levaram ao fim da espécie são a elevação das temperaturas, a mudança na vegetação e a dispersão dos caçadores humanos.

Os cientistas já levantaram diversas hipóteses para explicar a extinção desses mamíferos gigantes que habitaram a Terra principalmente durante o Pleistoceno. Alguns cientistas dizem que o motivo foi a mudança climática, outros apostam na pressão da crescente população humana e há pesquisadores que acreditam em um cataclismo causado pelo impacto de um meteoro.

Um estudo publicado em agosto de 2010, por pesquisadores da Universidade de Durham (Inglaterra), indicava que os humanos não tiveram influência no processo de extinção dos mamutes. De acordo com este estudo, as mudanças da paisagem, como redução de pastagens e a expansão das florestas, foram responsáveis pelo fim dos mamutes.

O estudo atual não nega totalmente algumas dessas outras explicações, mas defende que foram múltiplos os fatores que levaram à extinção dos mamutes. “Não houve uma única causa que os eliminou de uma vez”, declarou o autor principal do estudo, Glen MacDonald, da Universidade da Califórnia.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores fizeram usaram uma base de dados de datações feitas por radiocarbono. Os resultados mostram declínio e ascensão da espécie em diferentes momentos e locais geográficos, indicando um processo lento e irregular.

Períodos de extinção — O estudo mostrou, por exemplo, que os mamutes de Bering (estreito que unia o atual Alasca e a Sibéria) eram abundantes entre 45.000 e 30.000 anos atrás. Durante o pico da Era do Gelo, 25.000 anos atrás, as populações do Norte diminuíram enquanto as que viviam na Sibéria aumentaram. A partir desse período, esses animais tiveram um longo declínio, enfrentando mudanças climáticas, de habitat e a presença humana. A maioria desapareceu por volta de 10.000 anos atrás e foram extintos definitivamente há 4.000 anos.

Saiba mais

MAMUTE LANOSO
O mamute lanoso (Mammtuhus primigenius) é uma espécie adaptada ao frio da Sibéria. Esses animais tinham o corpo coberto por pelos castanhos longos que formavam uma cobertura espessa contra o clima gelado. Compunham a megafauna do Pleistoceno e são parentes próximos dos elefantes asiáticos e africanos.

ERA DO GELO
É todo período geológico em que ocorre significativa diminuição na temperatura da Terra. Mantos de gelo se expandem pelos continentes e glaciações atingem a superfície e a atmosfera do planeta. Nos últimos milhões de anos, a Terra viveu várias eras glaciais, ocorrendo a intervalos de 10 mil a 100 mil anos. A última grande era glacial teve seu pico há 25.000 anos e terminou 11.000 anos atrás, aproximadamente.

PLEISTOCENO
Corresponde ao intervalo entre 1,8 milhão e 11.500 anos atrás. Na escala geológica, faz parte do período Quaternário da era Cenozoica. Aves e mamíferos gigantes, como mamutes e búfalos, caracterizam essa época. No pleistoceno ocorreram as mais recentes Eras do Gelo.

Mamute-lanoso

Novo estudo diz que os mamutes lanosos foram extintos lentamente e por uma combinação de fatores como alterações climáticas e a dispersão humana pelo planeta (Photoresearchers/Latinstock)

Fonte: Veja Ciência


27 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Confinados a espaços menores, coalas enfrentam doença fatal

Cientistas afirmam que infecção bacteriana tem capacidade de acabar com a espécie na Austrália

Uma das criaturas mais apreciadas da Austrália, o coala enfrenta sérios problemas. Em face da perda de seu habitat, das alterações climáticas e de doenças causadas por bactérias, ele está sendo forçado a ocupar regiões cada vez menores do país. No vasto estado de Queensland, que fica no extremo nordeste do país, pesquisas sugerem que de 2001 a 2008 o número de coalas diminuiu até 45 por cento nas áreas urbanas e 15 por cento no cerrado.

Além disso, embora as mudanças climáticas e a perda de habitat também afetem muitos outros animais exclusivos da Austrália – de pássaros e rãs a marsupiais como os vombates, pequenos cangurus e bandicoots – o que vem preocupando vários cientistas em relação ao destino dos coalas é uma infecção bacteriana.

“A doença é uma assassina de certa forma silenciosa e possui potencial bastante real para acabar com a população de coalas de Queensland”, afirmou a Dra. Amber Gillett, veterinária do Hospital da Vida Selvagem do Zoológico da Austrália, em Beerwah, Queensland.

A culpada pelas mortes é a clamídia, gênero de bactérias muito mais conhecido por causar doenças venéreas em humanos do que por devastar populações de coalas. Pesquisas recentes em Queensland mostraram o desenvolvimento de sintomas da doença em até 50 por cento dos coalas selvagens do estado, e muitos outros provavelmente estão infectados, mas sem apresentar os sintomas.

A bactéria é transmitida durante o nascimento, através do acasalamento e talvez em disputas, e as duas cepas encontradas são diferentes das causadoras da forma humana da doença. A primeira éChlamydia pecorum, que vem causando a maior parte dos problemas de saúde dos coalas do estado de Queensland, e a segunda e menos comum é a C. pneumoniae.

Ao contrário da C. pecorum, a cepa pneumoniae pode ser transmitida a outras espécies, mas até agora não há evidências de que tenha passado dos coalas para os seres humanos ou vice-versa.

A clamídia causa diversos sintomas nos coalas, incluindo infecção nos olhos, que pode levar à cegueira, tornando difícil a procura pelas escassas folhas de eucalipto, sua principal fonte de alimentação. A bactéria também pode produzir infecções respiratórias, junto com cistos que podem tornar as fêmeas de coalas inférteis.

A epidemia tem sido particularmente grave em Queensland, onde quase todos os animais estão infectados por um retrovírus, afirmou Gillett. O retrovírus que atinge os coalas é uma infecção semelhante ao HIV, que suprime o sistema imunológico e interfere na capacidade de lutar contra a clamídia.

“Nas populações de coalas do sul do país, onde a predominância do retrovírus é bem menor, funções imunes normais tendem a resultar em poucos casos de clamídia”, afirmou Gillett.

Tratar a clamídia em coalas selvagens é um desafio, afirmou Gillett. A doença é tão devastadora que apenas uma porcentagem pequena de animais pode ser tratada com sucesso e devolvida à natureza. Além disso, as fêmeas infectadas ficam muitas vezes inférteis – como a condição é irreversível, o crescimento futuro das populações também é afetado.

Não há tratamento disponível para o retrovírus dos coalas, contudo, pesquisadores estão trabalhando para testar uma vacina que ajudaria a evitar uma maior propagação da infecção por clamídia nos coalas de Queensland.

Um estudo publicado em 2010 no The American Journal of Reproductive Immunology descobriu que a vacina é segura e eficaz no tratamento de fêmeas de coala saudáveis. Mais trabalhos estão sendo realizados para testá-la em coalas infectados.

Professor de microbiologia da Universidade de Tecnologia de Queensland, Peter Timms está na liderança dos esforços para testar a vacina contra a clamídia em coalas, e tem esperanças de que outros testes da vacina sejam realizados este ano em coalas machos em cativeiro e posteriormente em coalas selvagens. Se tudo correr bem, os planos de distribuir a vacina mais amplamente podem ser postos em ação.

“Será impossível vacinar todos os coalas da natureza”, afirmou.

Não há um plano para salvar os coalas na Austrália. Cabe a cada região estabelecer planos de manejo para a sua população de coalas. Por isso, assim que for demonstrado que a vacina é totalmente segura e eficaz, Timms sugere a aplicação em populações específicas e ameaçadas, de locais que facilitem a captura e a soltura dos animais, como as populações cujas áreas estão totalmente delimitadas por estradas e empreendimentos habitacionais.

Timms também está trabalhando em uma vacina de dose única, para tornar mais viável a vacinação dos coalas selvagens.

Outra possibilidade seria tornar a distribuição da vacina parte da rotina no tratamento dos milhares de coalas trazidos aos centros de assistência todos os anos, após terem sido atropelados ou atacados por cães, afirmou Timms.

Embora seja uma combinação de problemas o que aflige a população de coalas selvagens, para muitos especialistas a vacina seria um passo importante a fim de contribuir para que sobrevivam por mais tempo. Ela pode proporcionar ganho de tempo suficiente para fornecer aos pesquisadores a oportunidade de resolver alguns dos outros problemas que os coalas enfrentam na Austrália.

“Nas situações em que estão associadas diminuição de habitat, ataques de cães domésticos e atropelamentos à infecção grave por clamídia, as consequências podem ser devastadoras”, afirmou Gillett.

Foto: National Geographic

Fonte: The New York Times






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

novembro 2021
S T Q Q S S D
« mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

20 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Extinção do mamute lanoso não foi repentina

Estudo aponta combinação de fatores para explicar o fim dos mamíferos gigantes, como elevação das temperaturas, mudança na vegetação e a caça

Um novo estudo, publicado na edição desta semana da revista Nature Communications,contesta as pesquisas que afirmaram que os mamutes lanosos foram extintos brutalmente. De acordo com o trabalho, a extinção dessa espécie aconteceu de forma lenta e progressiva e não teve uma única causa. Os fatores levaram ao fim da espécie são a elevação das temperaturas, a mudança na vegetação e a dispersão dos caçadores humanos.

Os cientistas já levantaram diversas hipóteses para explicar a extinção desses mamíferos gigantes que habitaram a Terra principalmente durante o Pleistoceno. Alguns cientistas dizem que o motivo foi a mudança climática, outros apostam na pressão da crescente população humana e há pesquisadores que acreditam em um cataclismo causado pelo impacto de um meteoro.

Um estudo publicado em agosto de 2010, por pesquisadores da Universidade de Durham (Inglaterra), indicava que os humanos não tiveram influência no processo de extinção dos mamutes. De acordo com este estudo, as mudanças da paisagem, como redução de pastagens e a expansão das florestas, foram responsáveis pelo fim dos mamutes.

O estudo atual não nega totalmente algumas dessas outras explicações, mas defende que foram múltiplos os fatores que levaram à extinção dos mamutes. “Não houve uma única causa que os eliminou de uma vez”, declarou o autor principal do estudo, Glen MacDonald, da Universidade da Califórnia.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores fizeram usaram uma base de dados de datações feitas por radiocarbono. Os resultados mostram declínio e ascensão da espécie em diferentes momentos e locais geográficos, indicando um processo lento e irregular.

Períodos de extinção — O estudo mostrou, por exemplo, que os mamutes de Bering (estreito que unia o atual Alasca e a Sibéria) eram abundantes entre 45.000 e 30.000 anos atrás. Durante o pico da Era do Gelo, 25.000 anos atrás, as populações do Norte diminuíram enquanto as que viviam na Sibéria aumentaram. A partir desse período, esses animais tiveram um longo declínio, enfrentando mudanças climáticas, de habitat e a presença humana. A maioria desapareceu por volta de 10.000 anos atrás e foram extintos definitivamente há 4.000 anos.

Saiba mais

MAMUTE LANOSO
O mamute lanoso (Mammtuhus primigenius) é uma espécie adaptada ao frio da Sibéria. Esses animais tinham o corpo coberto por pelos castanhos longos que formavam uma cobertura espessa contra o clima gelado. Compunham a megafauna do Pleistoceno e são parentes próximos dos elefantes asiáticos e africanos.

ERA DO GELO
É todo período geológico em que ocorre significativa diminuição na temperatura da Terra. Mantos de gelo se expandem pelos continentes e glaciações atingem a superfície e a atmosfera do planeta. Nos últimos milhões de anos, a Terra viveu várias eras glaciais, ocorrendo a intervalos de 10 mil a 100 mil anos. A última grande era glacial teve seu pico há 25.000 anos e terminou 11.000 anos atrás, aproximadamente.

PLEISTOCENO
Corresponde ao intervalo entre 1,8 milhão e 11.500 anos atrás. Na escala geológica, faz parte do período Quaternário da era Cenozoica. Aves e mamíferos gigantes, como mamutes e búfalos, caracterizam essa época. No pleistoceno ocorreram as mais recentes Eras do Gelo.

Mamute-lanoso

Novo estudo diz que os mamutes lanosos foram extintos lentamente e por uma combinação de fatores como alterações climáticas e a dispersão humana pelo planeta (Photoresearchers/Latinstock)

Fonte: Veja Ciência


27 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Confinados a espaços menores, coalas enfrentam doença fatal

Cientistas afirmam que infecção bacteriana tem capacidade de acabar com a espécie na Austrália

Uma das criaturas mais apreciadas da Austrália, o coala enfrenta sérios problemas. Em face da perda de seu habitat, das alterações climáticas e de doenças causadas por bactérias, ele está sendo forçado a ocupar regiões cada vez menores do país. No vasto estado de Queensland, que fica no extremo nordeste do país, pesquisas sugerem que de 2001 a 2008 o número de coalas diminuiu até 45 por cento nas áreas urbanas e 15 por cento no cerrado.

Além disso, embora as mudanças climáticas e a perda de habitat também afetem muitos outros animais exclusivos da Austrália – de pássaros e rãs a marsupiais como os vombates, pequenos cangurus e bandicoots – o que vem preocupando vários cientistas em relação ao destino dos coalas é uma infecção bacteriana.

“A doença é uma assassina de certa forma silenciosa e possui potencial bastante real para acabar com a população de coalas de Queensland”, afirmou a Dra. Amber Gillett, veterinária do Hospital da Vida Selvagem do Zoológico da Austrália, em Beerwah, Queensland.

A culpada pelas mortes é a clamídia, gênero de bactérias muito mais conhecido por causar doenças venéreas em humanos do que por devastar populações de coalas. Pesquisas recentes em Queensland mostraram o desenvolvimento de sintomas da doença em até 50 por cento dos coalas selvagens do estado, e muitos outros provavelmente estão infectados, mas sem apresentar os sintomas.

A bactéria é transmitida durante o nascimento, através do acasalamento e talvez em disputas, e as duas cepas encontradas são diferentes das causadoras da forma humana da doença. A primeira éChlamydia pecorum, que vem causando a maior parte dos problemas de saúde dos coalas do estado de Queensland, e a segunda e menos comum é a C. pneumoniae.

Ao contrário da C. pecorum, a cepa pneumoniae pode ser transmitida a outras espécies, mas até agora não há evidências de que tenha passado dos coalas para os seres humanos ou vice-versa.

A clamídia causa diversos sintomas nos coalas, incluindo infecção nos olhos, que pode levar à cegueira, tornando difícil a procura pelas escassas folhas de eucalipto, sua principal fonte de alimentação. A bactéria também pode produzir infecções respiratórias, junto com cistos que podem tornar as fêmeas de coalas inférteis.

A epidemia tem sido particularmente grave em Queensland, onde quase todos os animais estão infectados por um retrovírus, afirmou Gillett. O retrovírus que atinge os coalas é uma infecção semelhante ao HIV, que suprime o sistema imunológico e interfere na capacidade de lutar contra a clamídia.

“Nas populações de coalas do sul do país, onde a predominância do retrovírus é bem menor, funções imunes normais tendem a resultar em poucos casos de clamídia”, afirmou Gillett.

Tratar a clamídia em coalas selvagens é um desafio, afirmou Gillett. A doença é tão devastadora que apenas uma porcentagem pequena de animais pode ser tratada com sucesso e devolvida à natureza. Além disso, as fêmeas infectadas ficam muitas vezes inférteis – como a condição é irreversível, o crescimento futuro das populações também é afetado.

Não há tratamento disponível para o retrovírus dos coalas, contudo, pesquisadores estão trabalhando para testar uma vacina que ajudaria a evitar uma maior propagação da infecção por clamídia nos coalas de Queensland.

Um estudo publicado em 2010 no The American Journal of Reproductive Immunology descobriu que a vacina é segura e eficaz no tratamento de fêmeas de coala saudáveis. Mais trabalhos estão sendo realizados para testá-la em coalas infectados.

Professor de microbiologia da Universidade de Tecnologia de Queensland, Peter Timms está na liderança dos esforços para testar a vacina contra a clamídia em coalas, e tem esperanças de que outros testes da vacina sejam realizados este ano em coalas machos em cativeiro e posteriormente em coalas selvagens. Se tudo correr bem, os planos de distribuir a vacina mais amplamente podem ser postos em ação.

“Será impossível vacinar todos os coalas da natureza”, afirmou.

Não há um plano para salvar os coalas na Austrália. Cabe a cada região estabelecer planos de manejo para a sua população de coalas. Por isso, assim que for demonstrado que a vacina é totalmente segura e eficaz, Timms sugere a aplicação em populações específicas e ameaçadas, de locais que facilitem a captura e a soltura dos animais, como as populações cujas áreas estão totalmente delimitadas por estradas e empreendimentos habitacionais.

Timms também está trabalhando em uma vacina de dose única, para tornar mais viável a vacinação dos coalas selvagens.

Outra possibilidade seria tornar a distribuição da vacina parte da rotina no tratamento dos milhares de coalas trazidos aos centros de assistência todos os anos, após terem sido atropelados ou atacados por cães, afirmou Timms.

Embora seja uma combinação de problemas o que aflige a população de coalas selvagens, para muitos especialistas a vacina seria um passo importante a fim de contribuir para que sobrevivam por mais tempo. Ela pode proporcionar ganho de tempo suficiente para fornecer aos pesquisadores a oportunidade de resolver alguns dos outros problemas que os coalas enfrentam na Austrália.

“Nas situações em que estão associadas diminuição de habitat, ataques de cães domésticos e atropelamentos à infecção grave por clamídia, as consequências podem ser devastadoras”, afirmou Gillett.

Foto: National Geographic

Fonte: The New York Times