26 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Desmatamento reduz em junho, mas MT ainda lidera degradação florestal

De acordo com Imazon, estado concentra 80% da degradação florestal.
Em 11 meses foram 1.587 km2 no estado frente aos 1.974 km2 da região.

Área desmatada possuia árvores em extinção (Foto: Divulgação)

Desmatamento em junho somou 2 km2 no estado (Foto: Divulgação)

Mato Grosso perdeu dois quilômetros quadrados de Floresta Amazônica em junho e tornou-se o menor do ano, apontou o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. O resultado verificado no mês passado superou o desempenho de janeiro, quando foram quatro quilômetros quadrados e à época era o mais baixo. Altas e baixas marcam os níveis de desmates no semestre no estado, revelou o Imazon.

Enquanto em janeiro a floresta perdeu 4 km2, em fevereiro as ocorrências tornaram-se maiores e atingiram uma área de 70 km2, fazendo a unidade federada liderar o ranking dos maiores desmatadores da Amazônia Legal. Em março, o desmatamento atingiu 32 km2, indo a outros 50 km2 em abril e 11 km2 em maio.

Apesar de comemorar reduções, Mato Grosso ainda é campeão no quesito degradação florestal. Como explica João Andrade, coordenador do Programa Governança Florestal do Instituto Centro de Vida (ICV), a degradação corresponde ao chamado pré-desmatamento e mostra que a destruição da floresta ainda continua.

“É um indicador futuro, pois é o primeiro sinal do desmatamento. Os dados se contrapõem e mostram que a ilegalidade continua”, disse ao G1 o representante. Ao avaliar a degradação florestal acumulada entre agosto de 2011 a junho de 2012 (o chamado ano do desmatamento), o Imazon constatou que na Amazônia Legal chegou a 1.974 km2. Somente em Mato Grosso foram 1.587 km2 ou pouco mais de 80% do volume total.

Mesmo com uma redução na ordem de 58% na degradação florestal, quando comparado aos 3.779 km2 registrados entre agosto de 2010 a junho de 2011, a unidade matogrossense continua liderando o ranking dos estados que mais degradaram a floresta nestes meses avaliados. O Pará, com 239 km2 degradados, apareceu na segunda posição, seguida por Rondônia com 101 km2.

Para João Andrade, do ICV, a degradação fomenta também o comércio ilegal de madeira e mantém vivos os crimes contra a floresta. No entender do representante do Instituto Centro de Vida, dois fatores estão influenciando diretamente a continuidade das ações ilegais.

“Um é a fiscalização e a outra é a responsabilização. Muitas vezes uma pessoa é autuada, mas não necessariamente paga a multa, pois pode prescrever. Ou também porque houve problemas na hora da fiscalização e acham-se brechas [jurídicas]. Se há a maior responsabilização vai se pensar duas vezes [antes de agir]“, afirma o coordenador do Programa Governança Florestal.

Desmatamento acumulado
Ao avaliar o acumulado dos chamados dez meses do calendário de desmatamento, ou seja, de agosto de 2011 a junho de 2012 o Imazon aponta o Pará (34%) como líder, seguido por Mato Grosso (32%), Rondônia (18%) e Amazonas (9%). Juntos, os quatro estados foram responsáveis por 93% do desmatamento ocorrido na Amazônia Legal nesse período.

Segundo o Imazon, houve recuo de 41% nos desmates quando comparado com o período anterior (agosto de 2010 a junho de 2011). Queda em termos relativos no Acre (-64%), Amazonas (-54%), Mato Grosso (-50%), Rondônia (48%) e Pará (20%). Contudo, avanço de 194% em Roraima e 61% no Tocantins.

Já em termos absolutos quem lidera o ranking do desmatamento no acumulado é o estado do Pará, com 309 km2, seguido por Mato Grosso (293 km2), Rondônia (167 km2), Amazonas (81 km2), Roraima (23 km2), Acre (20 km2) e Tocantins (14 km2).

 

Fonte: G1


11 de abril de 2012 | nenhum comentário »

Amazônia Legal tem 188% de seu território desmatado apenas no 1° trimestre

Na última quinta-feira (5), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) apresentou dados sobre o desmatamento na Amazônia Legal. De acordo com o levantamento, no período entre janeiro e março deste ano, o desmatamento na região apresentou crescimento de 188% em comparação ao mesmo período de 2011, o que representa a perda de 389 quilômetros quadrados (km²) da cobertura florestal.

Somente no mês de fevereiro foram desmatados na Amazônia Legal do Estado 281,56 km². Já o segundo colocado da lista, o Estado do Pará, desmatou no mesmo mês 12,11 km².

Em Mato Grosso, cerca de 637 quilômetros quadrados de floresta foram desmatados entre agosto de 2011 e março de 2012. Se comparado com o mesmo período do ano anterior, houve um aumento de 96% na devastação da cobertura vegetal no Estado, quando foram desmatados 325 km². O MMA alegou que a tendência é que Estado encerre 2012 com uma taxa de desmatamento inferior a de 2011.

O alto índice de desmatamento na Amazônia Legal até o momento, segundo o Ministério, está relacionada às condições de visibilidade dos satélites, pois o excesso de nuvens teria prejudicado os números de 2011.

De acordo com a ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, os números absolutos para esta região não chegam a ser relevantes. “Mesmo assim, o resultado chamou a nossa atenção e já estamos em campo, com a Polícia Federal e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para detectar o perfil desse desmatamento”, afirmou.

A ministra informou ainda que segundo pesquisas dos profissionais que vão a campo, diversos proprietários das áreas afetadas dizem desmatar porque acham que a aprovação do novo Código Florestal pode anistiá-los. Para outros, o Ibama não tem mais competência para fiscalizar e aplicar multas.

Fonte: Amda


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Ibama flagra em MT desmate em área equivalente a 700 campos de futebol

Operação no noroeste do estado identificou áreas de floresta destruídas.
Agentes mantêm monitoramento de região atingida por desmate.

Mais de R$ 3 milhões em multas e embargo de 700 hectares em áreas desmatadas ilegalmente. Este é o saldo da operação realizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), no noroeste de Mato Grosso. A ação, finalizada na semana passada, foi concentrada entre as cidades de Colniza e de Juara, distantes a 1.065 km e 690 km de Cuiabá. Durante duas semanas os fiscais do órgão identificaram desmate em uma área semelhante a 700 campos de futebol, de acordo com o instituto.

O Ibama informou ainda que foram percorridas distâncias de até 150 quilômetros do centro dos municípios, além de vistoriadas áreas em assentamentos da região. O foco foi coibir o desmatamento ilegal da floresta na chamada Amazônia Legal, formada pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Mato Grosso ocupa vice-liderança nos desmates, segundo Inpe (Foto: Assessoria/Ibama)

Mato Grosso ocupa vice-liderança nos desmates, segundo Inpe (Foto: Assessoria/Ibama)

Somente em Mato Grosso, o desmate cresceu 20% entre agosto de 2010 e julho de 2011, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O estado figura na vice-liderança do ranking dos maiores desmatadores com 1.126 quilômetros quadrados. O Pará encabeça a lista, com 2.870 quilômetros quadrados.

O chefe de fiscalização do Ibama em Juína, Edilson Paz Fagundes, aponta que a falta de licenciamento e de regularização fundiária são considerados problemas para a fiscalização pelo órgão. Isto porque, na maior parte das vezes, os reais responsáveis pelo dano provocado na mata não são localizados.

“Tudo passa pela regularização fundiária”, resumiu Johnny Alex Drehmer, gerente executivo do Ibama em Juína, ao G1. De acordo com o representante, as ocorrências identificadas na região referem-se em sua maior parte ao desmate ilegal de áreas de floresta. No entanto, foram encontrados pontos onde se impedia a regeneração da mata.

A operação contou com apoio de agentes ambientais federais de Minas Gerais, Tocantins e do Rio Grande do Norte, além de equipes Cuiabá, Juína e Aripuanã.

Fiscalização
A mesma região já foi alvo de operações ambientais pelo órgão este ano. Entre os meses de outubro e novembro o Ibama já havia aplicado R$ 2,6 milhões em multas por desmatamento ilegal na região de Colniza. Na ocasião, empresas do setor madeireiro também foram autuadas porque apresentavam diferença no saldo de madeira, exerciam atividade sem licenciamento ambiental ou por estarem descumprindo determinações do instituto. De acordo com o Ibama, na ocasião foram três empresas embargadas e lacradas. Ao todo, apreendidos 2.533 m³ de madeira em toras e 470 m³ de madeira serrada.

Amazônia Legal
No começo de dezembro, um balanço apresentado pelo Inpe mostrou que o desmatamento na Amazônia Legal atingiu 6.238 quilômetros quadrados entre agosto de 2010 e julho de 2011. O número equivale a uma queda de 11% frente ao mesmo período de agosto de 2009 a julho de 2010.

Conforme o instituto, essa foi a menor área desde que se passou a monitorar o desmatamento na região, em 1988. Os dados foram mensurados a partir do sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal).

Além do Pará e Mato Grosso, que figuraram nas primeiras posições do ranking que mediu o desmatamento na Amazônia Legal no respectivo intervalo, o Inpe aponta que em Rondônia um total de 869 quilômetros quadrados foram destruídos entre agosto de 2010 e julho de 2011. O número foi o terceiro maior dentre os estados membros da Amazônia Legal.

Desmatamento foi flagrado por agentes do Ibama durante operação (Foto: Assessoria/Ibama)

Desmatamento foi flagrado por agentes do Ibama durante operação (Foto: Assessoria/Ibama)

  (Foto:  )

Fonte: Leandro J. Nascimento, G1, São Paulo


6 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Ambientalistas veem com cautela queda do desmate na Amazônia

‘Satisfação é provisória’, afirma coordenador do Greenpeace.
Desmate anual da Amazônia Legal caiu 11% segundo o Prodes, do Inpe.

A queda de 11% no desmatamento anual da Amazônia Legal, anunciada em Brasília nesta segunda-feira (5) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi recebida com otimismo e cautela por ambientalistas brasileiros, que ainda aguardam a consolidação das informações do Prodes para constatar se houve redução na devastação da floresta comparado a períodos anteriores.

Segundo o Inpe, entre agosto de 2010 e julho de 2011 a Amazônia Legal perdeu 6.238 km² de sua cobertura, número inferior aos 7 mil km² referente ao período de agosto de 2009 a julho de 2010. Essa é a menor área desmatada no período desde que o sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) começou a monitorar a região, em 1988, informou o Inpe.

Porém, segundo Paulo Adário, coordenador da campanha de Amazônia do Greenpeace, a informação sobre a diminuição do desmate é uma “satisfação provisória, já que os dados são provisórios”. Ele afirma que com a consolidação das informações por parte do governo, que será divulgada apenas em 2012, há risco de aumentar o índice de devastação da Amazônia Legal.

“No ano passado o governo comemorou por meses um número, que foi corrigido para cima há pouco tempo. Mas se de fato houve essa queda de 11%, é uma ótima notícia e significa que quando o governo quer, coloca a governança em prática e faz o desmatamento cair”, disse Adário, se referindo à correção do Prodes anunciada em outubro passado, que elevou em 549 km² a área de floresta derrubada no período de 12 meses.

Ritmo estável
Segundo Adalberto Veríssimo, pesquisador-sênior do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o ritmo de derrubada da vegetação permaneceu estável e a queda não significa que a situação está resolvida.

“Temos em evidência a votação do Código Florestal no Senado (que deve acontecer nesta quarta-feira (6). Aliás, se as modificações da nova lei ambiental não fossem discutidas neste ano, o desmate poderia ser ainda menor, ficando em torno dos 5 mil km²”, disse o pesquisador.

Levantamento paralelo feito pelo Imazon por meio de imagens de satélite apontava crescimento de 9% na degradação da Amazônia Legal no período de agosto de 2010 a julho de 2011. “Mas sabemos que o governo entrou com operações pesadas de fiscalização após registrar alta nas ilegalidades entre março e abril, principalmente em Mato Grosso. Isto pode ter impactado nesta ligeira queda”, explicou.

Diferenças
O Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) estima a taxa anual e a extensão do desmatamento bruto. O Inpe também trabalha com o sistema de detecção do desmatamento em tempo real (Deter), que aponta mensalmente os locais onde ocorreram derrubadas de vegetação no bioma e serve para direcionar operações do Ministério do Meio Ambiente no combate a práticas ilegais.

Segundo o Deter, na comparação entre os mesmos 12 meses analisados pelo Prodes, houve aumento de 15% no desmatamento, o que iniciou uma especulação de uma possível elevação no índice anual de devastação.

Pelo Twitter, Gilberto Câmara, diretor do Inpe, afirmou que os grandes desmates vistos pelo sistema Deter aumentaram neste ano e fizeram a diferença, principalmente, em março e abril, quando foi constatada uma disparada na devastação em MT, estado que teve 480 km² dos 590 km² de área derrubada no bimestre na região amazônica.

Na época, o Ministério do Meio Ambiente montou um gabinete de crise para combater as ilegalidades na região, o que contribuiu para a diminuição do desmate no mês seguinte (267,9 km²).

Desmatamento e queimada registrados em setembro de 2010 na região de Lábrea, no Sul do estado do Amazonas. Sistema de medição do Inpe detectou devastação de 7 mil km² em 2010 (Foto: Divulgação/Greenpeace/Marizilda Cruppe/EVE )

Sistema de medição do Inpe detectou devastação de 6.238 km² entre agosto de 2010 e julho de 2011. Na comparação com o período anterior, houve queda de 11% (Foto: Divulgação/Greenpeace/Marizilda Cruppe/EVE )

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, São Paulo


6 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Desmatamento na Amazônia Legal cai 11%, diz Inpe

Área desmatada atingiu 6.238 km² entre agosto de 2010 e julho de 2011.
Mato Grosso e Rondônia foram únicos estados que tiveram alta no desmate.

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, informou nesta segunda-feira (5) que o desmatamento na Amazônia Legal atingiu área de 6.238 quilômetros quadrados entre agosto de 2010 e julho de 2011, uma queda de 11% na comparação com o período de agosto de 2009 a julho de 2010.

Essa é a menor área desmatada no período desde que o sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) começou a monitorar o desmatamento na região, em 1988, informou o Inpe.

Os dados foram divulgados no Palácio do Planalto, em Brasília, após os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia) e Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e os presidentes do Inpe e do Ibama reunirem-se com a presidente Dilma Rousseff.

A Amazônia Legal compreende áreas de nove estados – Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Conforme o Inpe, as informações foram coletadas pelo sistema Prodes, que usa 96 imagens que cobre 90% de toda a Amazônia. O Prodes estima a taxa anual e a extensão do desmatamento bruto e divulga na rede o banco de dados digital.

A presidente DIlma Rousseff em reunião com os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e o diretor do Inpe, Gilberto Câmara (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)

A presidente DIlma Rousseff em reunião com os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e o diretor do Inpe, Gilberto Câmara (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)

Entre os estados que encabeçam a lista dos maiores desmatadores, o Pará está em primeiro lugar, com 2.870 quilômetros quadrados de área desmatada entre agosto de 2010 e julho de 2011. Os únicos dois estados que registraram aumento da área em relação ao ano passado foram Mato Grosso (20% de crescimento) e Rondônia, que, em 2011, dobrou a área desmatada.

A situação particular de Rondônia – cuja área desmatada foi de 1.126 quilômetros quadrados no período – “precisa ser esclarecida”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. “Precisamos saber quais são as causas. Rondônia nunca experimentou dobrar o desmatamento”.

Para Aloizio Mercadante, os dois estados despertam preocupação por serem os únicos estados a terem aumento nos dados.

  (Foto:  )

Apreensões
O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, apresentou os números das apreensões realizadas na Amazônia legal durante o período de agosto de 2010 a julho de 2011. Foram 42 mil metros cúbicos de toras de árvores, 79 mil hectares embargados, 72 tratores e 325 caminhões.

O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, disse que a queda no desmatamento se deve a um “combate implacável” do governo contra a prática.

“De fato havia um processo de aumento [do desmatamento] em curso, que foi detido pela competência dessa coordenação que o Meio Ambiente, junto com Ibama, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional”.

Fonte: Priscilla Mendes, G1, Brasília


24 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Desmatamento da Amazônia Legal cai 40% em julho, segundo Imazon

Comparação é em relação ao mesmo mês do ano passado.
Ainda assim, em 12 meses, floresta perdeu área similar à da cidade de SP.

O desmatamento na Amazônia Legal em julho de 2011 caiu 40% em comparação ao mesmo mês de 2010, mas nos últimos 12 meses a devastação do bioma cresceu 9%, de acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que faz um monitoramento paralelo ao oficial da cobertura florestal da região.

Segundo os dados divulgados nesta terça-feira (23), no mês passado a floresta perdeu uma área de 93 km², cinco vezes o tamanho da Ilha de Fernando de Noronha. Deste total, 41% ocorreu no Pará, seguido de Mato Grosso (23%), Rondônia (18%) e Amazonas (14%).

A queda no desmatamento também foi percebida pelo sistema de monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em julho passado, 224,9 km² de floresta foram derrubados na região no período, número 54% menor que o índice do mesmo mês de 2010.

Mapa produzido pelo Imazon mostra em vermelho os pontos de desmatamento detectados pelos técnicos do instituto no mês de junho (Foto: Divulgação/Imazon)

Mapa produzido pelo Imazon mostra em vermelho os pontos de desmatamento detectados pelos técnicos do instituto no mês de junho (Foto: Divulgação/Imazon)

De acordo com a pesquisadora Sanae Hayashi, do Imazon, o Pará foi o estado que mais apresentou decréscimo no último mês (queda de 51% na devastação), seguido de Mato Grosso (redução de 40%).

“Desde que foi detectado o avanço na destruição da floresta (em meados de março e abril), sentimos uma desaceleração no ritmo do desmatamento. Operações federais e programas que combatem a pecuária em áreas ilegais e a venda de madeira extraída de forma clandestina parecem ter dado algum resultado”, disse.

Balanço anual
No acumulado do ano (medição feita entre agosto/2010 a julho/2011), a floresta amazônica perdeu um total de 1.627 km², área maior que o tamanho da cidade de São Paulo. O montante é 9% superior ao número detectado pelo Imazon entre agosto/2009 e julho/2010.

Entretanto, a pesquisadora da organização ambiental alerta que os números de devastação poderão ser maiores. A confirmação ocorrerá apenas em meados de outubro, com os dados do Prodes, divulgados pelo Inpe e utilizados pelo Ministério do Meio Ambiente como dados oficiais.

No período de agosto/2009 a julho/2010, o Prodes identificou a perda de 6.451 km² de cobertura vegetal da Amazônia. “A nossa expectativa é que ocorra aumento. O governo tem que abrir os olhos e continuar com a fiscalização pesada, principalmente nestes meses de seca na Amazônia e com grande ocorrência de queimadas”, disse Sanae.

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


18 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Desmate cresce 27% na Amazônia; governo exime Código Florestal

O sistema de monitoramento por satélite Deter, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), conseguiu detectar um aumento de aproximadamente 27% do desmatamento nos nove Estados da Amazônia Legal entre agosto do ano passado e abril, se comparado com o mesmo período anterior.

A área desmatada passou de 1.455 km2 para 1.848 km2.

Durante a divulgação dos dados nesta quarta-feira, Izabella Teixeira, ministra do Meio Ambiente, classificou a situação de preocupante e disse que o governo criou um gabinete de crise para lidar com o aumento, mas negou que ele tenha relação com a discussão sobre o Código Florestal.

Essa versão já vinha sendo adotada pelo próprio Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Proprietários estariam desmatando na expectativa de serem futuramente anistiados pelas reformas no código.

Agora, Teixeira afirma não ter elementos para chegar à mesma conclusão. Ela esperará o relato de fiscais e as explicações dos governos estaduais para entender as causas do aumento.

O que mais chamou a atenção, disse, é o crescimento “anormal” de 47% em Mato Grosso.

No Estado, o desmate ocorreu com técnicas antigas e agressivas, como o “correntão”, na qual tratores ligados por uma corrente varrem a floresta, derrubando as árvores no caminho.

Só entre março e abril, o salto no Estado foi de 444%: saiu de 75 km2 para 408 km2. É o maior número desde, ao menos, agosto de 2008.

Ela também se surpreendeu com o fato de algumas derrubadas terem ocorrido em propriedades com licenciamento ambiental. “Isso é inaceitável”, disse.

OPERAÇÕES

O aumento detectado pelo Deter fez com que o Ibama concentrasse suas operações na Amazônia, conforme revelado pela Folha.

Se entre janeiro e maio de 2010 foram feitas 25 operações e embargados 4 mil hectares, nos primeiros cinco meses deste ano foram 58 operações e embargados 37 mil hectares.

Ela afirmou que o corte de R$ 50 bilhões do Orçamento não afetará essas ações de fiscalização.

Fonte: João Carlos Magalhães, De Brasília


18 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Desmatamento disparou em MT em março e abril, confirma Inpe

Estado teve 80% do total da devastação detectada na Amazônia Legal.
Floresta perdeu o equivalente a 370 vezes o Parque Ibirapuera, em SP.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou nesta quarta-feira (18) o relatório de seu sistema de monitoramento de desmatamento em tempo real da Amazônia Legal (Deter) para março e abril, confirmando uma disparada da devastação em Mato Grosso.

Ao todo, o estado teve 480,3 km² dos 593,0 km² de desmatamento detectados no período na região, o que equivale a 80%. Somente em abril, foram detectados 405,5 km² de polígonos de devastação em território mato-grossense.

No mesmo bimestre do ano passado, o instituto espacial registrou 103,6 km² de derrubadas na Amazônia Legal. Portanto, o incremento foi de 572% em 2011, embora esse tipo de comparação não possa ser feita de forma exata, já que o Inpe faz a ressalva de que seu sistema não é voltado à aferição precisa de áreas, mas mais focado na emissão de alertas para que as autoridades ambientais possam verificar focos de derrubada de mata em terra.

Para dar uma referência, a área total desmatada detectada em março e abril para a Amazônia Legal equivale a 370 vezes o Parque Ibirapuera, em São Paulo, ou 1,4 vez a Ilha de Santa Catarina, onde se localiza Florianópolis.

Visibilidade
A alta extrema em abril em Mato Grosso se deve, em parte, à boa visibilidade alcançada pelas imagens de satélite naquele mês, quando a cobertura de nuvens ficou abaixo dos 10%. As condições densamente nubladas da Amazônia impedem que os técnicos do Inpe chequem o desmatamento desde o espaço durante boa parte do ano.

O Pará, em março e abril, por exemplo, não chegou a ter menos de 75% de cobertura de nuvens, o que significa que pelo menos três quartos de seu território não puderam ser verificados no período.

Situação grave
A gravidade da situação em Mato Grosso já era de conhecimento do Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pela fiscalização. O instituto recentemente dobrou o número de fiscais no estado, subindo para 520 o efetivo total na Amazônia Legal, como informou ao Globo Natureza seu diretor de Proteção Ambiental, Luciano Evaristo.

O diretor considera que uma alta do desmatamento está ocorrendo porque no ano passado a devastação foi relativamente baixa e há uma demanda reprimida por novas áreas agricultáveis, em especial com os altos preços das commodities no mercado internacional. Ele promete autuar os desmatadores ilegais “um por um”.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, deve comentar a disparada do desmatamento ainda nesta quarta-feira (18), em Brasília.

Área atingida por queimada no Mato Grosso, estado que mais desmatou em março e abril  (Foto: Ibama)

Área atingida por queimada no Mato Grosso, estado que mais desmatou em março e abril (Foto: Ibama)

 

Fonte: Dennis Barbosa, do Globo Natureza, em São Paulo






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

dezembro 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

26 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Desmatamento reduz em junho, mas MT ainda lidera degradação florestal

De acordo com Imazon, estado concentra 80% da degradação florestal.
Em 11 meses foram 1.587 km2 no estado frente aos 1.974 km2 da região.

Área desmatada possuia árvores em extinção (Foto: Divulgação)

Desmatamento em junho somou 2 km2 no estado (Foto: Divulgação)

Mato Grosso perdeu dois quilômetros quadrados de Floresta Amazônica em junho e tornou-se o menor do ano, apontou o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. O resultado verificado no mês passado superou o desempenho de janeiro, quando foram quatro quilômetros quadrados e à época era o mais baixo. Altas e baixas marcam os níveis de desmates no semestre no estado, revelou o Imazon.

Enquanto em janeiro a floresta perdeu 4 km2, em fevereiro as ocorrências tornaram-se maiores e atingiram uma área de 70 km2, fazendo a unidade federada liderar o ranking dos maiores desmatadores da Amazônia Legal. Em março, o desmatamento atingiu 32 km2, indo a outros 50 km2 em abril e 11 km2 em maio.

Apesar de comemorar reduções, Mato Grosso ainda é campeão no quesito degradação florestal. Como explica João Andrade, coordenador do Programa Governança Florestal do Instituto Centro de Vida (ICV), a degradação corresponde ao chamado pré-desmatamento e mostra que a destruição da floresta ainda continua.

“É um indicador futuro, pois é o primeiro sinal do desmatamento. Os dados se contrapõem e mostram que a ilegalidade continua”, disse ao G1 o representante. Ao avaliar a degradação florestal acumulada entre agosto de 2011 a junho de 2012 (o chamado ano do desmatamento), o Imazon constatou que na Amazônia Legal chegou a 1.974 km2. Somente em Mato Grosso foram 1.587 km2 ou pouco mais de 80% do volume total.

Mesmo com uma redução na ordem de 58% na degradação florestal, quando comparado aos 3.779 km2 registrados entre agosto de 2010 a junho de 2011, a unidade matogrossense continua liderando o ranking dos estados que mais degradaram a floresta nestes meses avaliados. O Pará, com 239 km2 degradados, apareceu na segunda posição, seguida por Rondônia com 101 km2.

Para João Andrade, do ICV, a degradação fomenta também o comércio ilegal de madeira e mantém vivos os crimes contra a floresta. No entender do representante do Instituto Centro de Vida, dois fatores estão influenciando diretamente a continuidade das ações ilegais.

“Um é a fiscalização e a outra é a responsabilização. Muitas vezes uma pessoa é autuada, mas não necessariamente paga a multa, pois pode prescrever. Ou também porque houve problemas na hora da fiscalização e acham-se brechas [jurídicas]. Se há a maior responsabilização vai se pensar duas vezes [antes de agir]“, afirma o coordenador do Programa Governança Florestal.

Desmatamento acumulado
Ao avaliar o acumulado dos chamados dez meses do calendário de desmatamento, ou seja, de agosto de 2011 a junho de 2012 o Imazon aponta o Pará (34%) como líder, seguido por Mato Grosso (32%), Rondônia (18%) e Amazonas (9%). Juntos, os quatro estados foram responsáveis por 93% do desmatamento ocorrido na Amazônia Legal nesse período.

Segundo o Imazon, houve recuo de 41% nos desmates quando comparado com o período anterior (agosto de 2010 a junho de 2011). Queda em termos relativos no Acre (-64%), Amazonas (-54%), Mato Grosso (-50%), Rondônia (48%) e Pará (20%). Contudo, avanço de 194% em Roraima e 61% no Tocantins.

Já em termos absolutos quem lidera o ranking do desmatamento no acumulado é o estado do Pará, com 309 km2, seguido por Mato Grosso (293 km2), Rondônia (167 km2), Amazonas (81 km2), Roraima (23 km2), Acre (20 km2) e Tocantins (14 km2).

 

Fonte: G1


11 de abril de 2012 | nenhum comentário »

Amazônia Legal tem 188% de seu território desmatado apenas no 1° trimestre

Na última quinta-feira (5), o Ministério do Meio Ambiente (MMA) apresentou dados sobre o desmatamento na Amazônia Legal. De acordo com o levantamento, no período entre janeiro e março deste ano, o desmatamento na região apresentou crescimento de 188% em comparação ao mesmo período de 2011, o que representa a perda de 389 quilômetros quadrados (km²) da cobertura florestal.

Somente no mês de fevereiro foram desmatados na Amazônia Legal do Estado 281,56 km². Já o segundo colocado da lista, o Estado do Pará, desmatou no mesmo mês 12,11 km².

Em Mato Grosso, cerca de 637 quilômetros quadrados de floresta foram desmatados entre agosto de 2011 e março de 2012. Se comparado com o mesmo período do ano anterior, houve um aumento de 96% na devastação da cobertura vegetal no Estado, quando foram desmatados 325 km². O MMA alegou que a tendência é que Estado encerre 2012 com uma taxa de desmatamento inferior a de 2011.

O alto índice de desmatamento na Amazônia Legal até o momento, segundo o Ministério, está relacionada às condições de visibilidade dos satélites, pois o excesso de nuvens teria prejudicado os números de 2011.

De acordo com a ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, os números absolutos para esta região não chegam a ser relevantes. “Mesmo assim, o resultado chamou a nossa atenção e já estamos em campo, com a Polícia Federal e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) para detectar o perfil desse desmatamento”, afirmou.

A ministra informou ainda que segundo pesquisas dos profissionais que vão a campo, diversos proprietários das áreas afetadas dizem desmatar porque acham que a aprovação do novo Código Florestal pode anistiá-los. Para outros, o Ibama não tem mais competência para fiscalizar e aplicar multas.

Fonte: Amda


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Ibama flagra em MT desmate em área equivalente a 700 campos de futebol

Operação no noroeste do estado identificou áreas de floresta destruídas.
Agentes mantêm monitoramento de região atingida por desmate.

Mais de R$ 3 milhões em multas e embargo de 700 hectares em áreas desmatadas ilegalmente. Este é o saldo da operação realizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama), no noroeste de Mato Grosso. A ação, finalizada na semana passada, foi concentrada entre as cidades de Colniza e de Juara, distantes a 1.065 km e 690 km de Cuiabá. Durante duas semanas os fiscais do órgão identificaram desmate em uma área semelhante a 700 campos de futebol, de acordo com o instituto.

O Ibama informou ainda que foram percorridas distâncias de até 150 quilômetros do centro dos municípios, além de vistoriadas áreas em assentamentos da região. O foco foi coibir o desmatamento ilegal da floresta na chamada Amazônia Legal, formada pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Mato Grosso ocupa vice-liderança nos desmates, segundo Inpe (Foto: Assessoria/Ibama)

Mato Grosso ocupa vice-liderança nos desmates, segundo Inpe (Foto: Assessoria/Ibama)

Somente em Mato Grosso, o desmate cresceu 20% entre agosto de 2010 e julho de 2011, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O estado figura na vice-liderança do ranking dos maiores desmatadores com 1.126 quilômetros quadrados. O Pará encabeça a lista, com 2.870 quilômetros quadrados.

O chefe de fiscalização do Ibama em Juína, Edilson Paz Fagundes, aponta que a falta de licenciamento e de regularização fundiária são considerados problemas para a fiscalização pelo órgão. Isto porque, na maior parte das vezes, os reais responsáveis pelo dano provocado na mata não são localizados.

“Tudo passa pela regularização fundiária”, resumiu Johnny Alex Drehmer, gerente executivo do Ibama em Juína, ao G1. De acordo com o representante, as ocorrências identificadas na região referem-se em sua maior parte ao desmate ilegal de áreas de floresta. No entanto, foram encontrados pontos onde se impedia a regeneração da mata.

A operação contou com apoio de agentes ambientais federais de Minas Gerais, Tocantins e do Rio Grande do Norte, além de equipes Cuiabá, Juína e Aripuanã.

Fiscalização
A mesma região já foi alvo de operações ambientais pelo órgão este ano. Entre os meses de outubro e novembro o Ibama já havia aplicado R$ 2,6 milhões em multas por desmatamento ilegal na região de Colniza. Na ocasião, empresas do setor madeireiro também foram autuadas porque apresentavam diferença no saldo de madeira, exerciam atividade sem licenciamento ambiental ou por estarem descumprindo determinações do instituto. De acordo com o Ibama, na ocasião foram três empresas embargadas e lacradas. Ao todo, apreendidos 2.533 m³ de madeira em toras e 470 m³ de madeira serrada.

Amazônia Legal
No começo de dezembro, um balanço apresentado pelo Inpe mostrou que o desmatamento na Amazônia Legal atingiu 6.238 quilômetros quadrados entre agosto de 2010 e julho de 2011. O número equivale a uma queda de 11% frente ao mesmo período de agosto de 2009 a julho de 2010.

Conforme o instituto, essa foi a menor área desde que se passou a monitorar o desmatamento na região, em 1988. Os dados foram mensurados a partir do sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal).

Além do Pará e Mato Grosso, que figuraram nas primeiras posições do ranking que mediu o desmatamento na Amazônia Legal no respectivo intervalo, o Inpe aponta que em Rondônia um total de 869 quilômetros quadrados foram destruídos entre agosto de 2010 e julho de 2011. O número foi o terceiro maior dentre os estados membros da Amazônia Legal.

Desmatamento foi flagrado por agentes do Ibama durante operação (Foto: Assessoria/Ibama)

Desmatamento foi flagrado por agentes do Ibama durante operação (Foto: Assessoria/Ibama)

  (Foto:  )

Fonte: Leandro J. Nascimento, G1, São Paulo


6 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Ambientalistas veem com cautela queda do desmate na Amazônia

‘Satisfação é provisória’, afirma coordenador do Greenpeace.
Desmate anual da Amazônia Legal caiu 11% segundo o Prodes, do Inpe.

A queda de 11% no desmatamento anual da Amazônia Legal, anunciada em Brasília nesta segunda-feira (5) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi recebida com otimismo e cautela por ambientalistas brasileiros, que ainda aguardam a consolidação das informações do Prodes para constatar se houve redução na devastação da floresta comparado a períodos anteriores.

Segundo o Inpe, entre agosto de 2010 e julho de 2011 a Amazônia Legal perdeu 6.238 km² de sua cobertura, número inferior aos 7 mil km² referente ao período de agosto de 2009 a julho de 2010. Essa é a menor área desmatada no período desde que o sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) começou a monitorar a região, em 1988, informou o Inpe.

Porém, segundo Paulo Adário, coordenador da campanha de Amazônia do Greenpeace, a informação sobre a diminuição do desmate é uma “satisfação provisória, já que os dados são provisórios”. Ele afirma que com a consolidação das informações por parte do governo, que será divulgada apenas em 2012, há risco de aumentar o índice de devastação da Amazônia Legal.

“No ano passado o governo comemorou por meses um número, que foi corrigido para cima há pouco tempo. Mas se de fato houve essa queda de 11%, é uma ótima notícia e significa que quando o governo quer, coloca a governança em prática e faz o desmatamento cair”, disse Adário, se referindo à correção do Prodes anunciada em outubro passado, que elevou em 549 km² a área de floresta derrubada no período de 12 meses.

Ritmo estável
Segundo Adalberto Veríssimo, pesquisador-sênior do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o ritmo de derrubada da vegetação permaneceu estável e a queda não significa que a situação está resolvida.

“Temos em evidência a votação do Código Florestal no Senado (que deve acontecer nesta quarta-feira (6). Aliás, se as modificações da nova lei ambiental não fossem discutidas neste ano, o desmate poderia ser ainda menor, ficando em torno dos 5 mil km²”, disse o pesquisador.

Levantamento paralelo feito pelo Imazon por meio de imagens de satélite apontava crescimento de 9% na degradação da Amazônia Legal no período de agosto de 2010 a julho de 2011. “Mas sabemos que o governo entrou com operações pesadas de fiscalização após registrar alta nas ilegalidades entre março e abril, principalmente em Mato Grosso. Isto pode ter impactado nesta ligeira queda”, explicou.

Diferenças
O Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) estima a taxa anual e a extensão do desmatamento bruto. O Inpe também trabalha com o sistema de detecção do desmatamento em tempo real (Deter), que aponta mensalmente os locais onde ocorreram derrubadas de vegetação no bioma e serve para direcionar operações do Ministério do Meio Ambiente no combate a práticas ilegais.

Segundo o Deter, na comparação entre os mesmos 12 meses analisados pelo Prodes, houve aumento de 15% no desmatamento, o que iniciou uma especulação de uma possível elevação no índice anual de devastação.

Pelo Twitter, Gilberto Câmara, diretor do Inpe, afirmou que os grandes desmates vistos pelo sistema Deter aumentaram neste ano e fizeram a diferença, principalmente, em março e abril, quando foi constatada uma disparada na devastação em MT, estado que teve 480 km² dos 590 km² de área derrubada no bimestre na região amazônica.

Na época, o Ministério do Meio Ambiente montou um gabinete de crise para combater as ilegalidades na região, o que contribuiu para a diminuição do desmate no mês seguinte (267,9 km²).

Desmatamento e queimada registrados em setembro de 2010 na região de Lábrea, no Sul do estado do Amazonas. Sistema de medição do Inpe detectou devastação de 7 mil km² em 2010 (Foto: Divulgação/Greenpeace/Marizilda Cruppe/EVE )

Sistema de medição do Inpe detectou devastação de 6.238 km² entre agosto de 2010 e julho de 2011. Na comparação com o período anterior, houve queda de 11% (Foto: Divulgação/Greenpeace/Marizilda Cruppe/EVE )

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, São Paulo


6 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Desmatamento na Amazônia Legal cai 11%, diz Inpe

Área desmatada atingiu 6.238 km² entre agosto de 2010 e julho de 2011.
Mato Grosso e Rondônia foram únicos estados que tiveram alta no desmate.

O diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, informou nesta segunda-feira (5) que o desmatamento na Amazônia Legal atingiu área de 6.238 quilômetros quadrados entre agosto de 2010 e julho de 2011, uma queda de 11% na comparação com o período de agosto de 2009 a julho de 2010.

Essa é a menor área desmatada no período desde que o sistema Prodes (Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal) começou a monitorar o desmatamento na região, em 1988, informou o Inpe.

Os dados foram divulgados no Palácio do Planalto, em Brasília, após os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia) e Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e os presidentes do Inpe e do Ibama reunirem-se com a presidente Dilma Rousseff.

A Amazônia Legal compreende áreas de nove estados – Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Conforme o Inpe, as informações foram coletadas pelo sistema Prodes, que usa 96 imagens que cobre 90% de toda a Amazônia. O Prodes estima a taxa anual e a extensão do desmatamento bruto e divulga na rede o banco de dados digital.

A presidente DIlma Rousseff em reunião com os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e o diretor do Inpe, Gilberto Câmara (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)

A presidente DIlma Rousseff em reunião com os ministros Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Izabella Teixeira (Meio Ambiente) e o diretor do Inpe, Gilberto Câmara (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)

Entre os estados que encabeçam a lista dos maiores desmatadores, o Pará está em primeiro lugar, com 2.870 quilômetros quadrados de área desmatada entre agosto de 2010 e julho de 2011. Os únicos dois estados que registraram aumento da área em relação ao ano passado foram Mato Grosso (20% de crescimento) e Rondônia, que, em 2011, dobrou a área desmatada.

A situação particular de Rondônia – cuja área desmatada foi de 1.126 quilômetros quadrados no período – “precisa ser esclarecida”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. “Precisamos saber quais são as causas. Rondônia nunca experimentou dobrar o desmatamento”.

Para Aloizio Mercadante, os dois estados despertam preocupação por serem os únicos estados a terem aumento nos dados.

  (Foto:  )

Apreensões
O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, apresentou os números das apreensões realizadas na Amazônia legal durante o período de agosto de 2010 a julho de 2011. Foram 42 mil metros cúbicos de toras de árvores, 79 mil hectares embargados, 72 tratores e 325 caminhões.

O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, disse que a queda no desmatamento se deve a um “combate implacável” do governo contra a prática.

“De fato havia um processo de aumento [do desmatamento] em curso, que foi detido pela competência dessa coordenação que o Meio Ambiente, junto com Ibama, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional”.

Fonte: Priscilla Mendes, G1, Brasília


24 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Desmatamento da Amazônia Legal cai 40% em julho, segundo Imazon

Comparação é em relação ao mesmo mês do ano passado.
Ainda assim, em 12 meses, floresta perdeu área similar à da cidade de SP.

O desmatamento na Amazônia Legal em julho de 2011 caiu 40% em comparação ao mesmo mês de 2010, mas nos últimos 12 meses a devastação do bioma cresceu 9%, de acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que faz um monitoramento paralelo ao oficial da cobertura florestal da região.

Segundo os dados divulgados nesta terça-feira (23), no mês passado a floresta perdeu uma área de 93 km², cinco vezes o tamanho da Ilha de Fernando de Noronha. Deste total, 41% ocorreu no Pará, seguido de Mato Grosso (23%), Rondônia (18%) e Amazonas (14%).

A queda no desmatamento também foi percebida pelo sistema de monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em julho passado, 224,9 km² de floresta foram derrubados na região no período, número 54% menor que o índice do mesmo mês de 2010.

Mapa produzido pelo Imazon mostra em vermelho os pontos de desmatamento detectados pelos técnicos do instituto no mês de junho (Foto: Divulgação/Imazon)

Mapa produzido pelo Imazon mostra em vermelho os pontos de desmatamento detectados pelos técnicos do instituto no mês de junho (Foto: Divulgação/Imazon)

De acordo com a pesquisadora Sanae Hayashi, do Imazon, o Pará foi o estado que mais apresentou decréscimo no último mês (queda de 51% na devastação), seguido de Mato Grosso (redução de 40%).

“Desde que foi detectado o avanço na destruição da floresta (em meados de março e abril), sentimos uma desaceleração no ritmo do desmatamento. Operações federais e programas que combatem a pecuária em áreas ilegais e a venda de madeira extraída de forma clandestina parecem ter dado algum resultado”, disse.

Balanço anual
No acumulado do ano (medição feita entre agosto/2010 a julho/2011), a floresta amazônica perdeu um total de 1.627 km², área maior que o tamanho da cidade de São Paulo. O montante é 9% superior ao número detectado pelo Imazon entre agosto/2009 e julho/2010.

Entretanto, a pesquisadora da organização ambiental alerta que os números de devastação poderão ser maiores. A confirmação ocorrerá apenas em meados de outubro, com os dados do Prodes, divulgados pelo Inpe e utilizados pelo Ministério do Meio Ambiente como dados oficiais.

No período de agosto/2009 a julho/2010, o Prodes identificou a perda de 6.451 km² de cobertura vegetal da Amazônia. “A nossa expectativa é que ocorra aumento. O governo tem que abrir os olhos e continuar com a fiscalização pesada, principalmente nestes meses de seca na Amazônia e com grande ocorrência de queimadas”, disse Sanae.

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


18 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Desmate cresce 27% na Amazônia; governo exime Código Florestal

O sistema de monitoramento por satélite Deter, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), conseguiu detectar um aumento de aproximadamente 27% do desmatamento nos nove Estados da Amazônia Legal entre agosto do ano passado e abril, se comparado com o mesmo período anterior.

A área desmatada passou de 1.455 km2 para 1.848 km2.

Durante a divulgação dos dados nesta quarta-feira, Izabella Teixeira, ministra do Meio Ambiente, classificou a situação de preocupante e disse que o governo criou um gabinete de crise para lidar com o aumento, mas negou que ele tenha relação com a discussão sobre o Código Florestal.

Essa versão já vinha sendo adotada pelo próprio Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Proprietários estariam desmatando na expectativa de serem futuramente anistiados pelas reformas no código.

Agora, Teixeira afirma não ter elementos para chegar à mesma conclusão. Ela esperará o relato de fiscais e as explicações dos governos estaduais para entender as causas do aumento.

O que mais chamou a atenção, disse, é o crescimento “anormal” de 47% em Mato Grosso.

No Estado, o desmate ocorreu com técnicas antigas e agressivas, como o “correntão”, na qual tratores ligados por uma corrente varrem a floresta, derrubando as árvores no caminho.

Só entre março e abril, o salto no Estado foi de 444%: saiu de 75 km2 para 408 km2. É o maior número desde, ao menos, agosto de 2008.

Ela também se surpreendeu com o fato de algumas derrubadas terem ocorrido em propriedades com licenciamento ambiental. “Isso é inaceitável”, disse.

OPERAÇÕES

O aumento detectado pelo Deter fez com que o Ibama concentrasse suas operações na Amazônia, conforme revelado pela Folha.

Se entre janeiro e maio de 2010 foram feitas 25 operações e embargados 4 mil hectares, nos primeiros cinco meses deste ano foram 58 operações e embargados 37 mil hectares.

Ela afirmou que o corte de R$ 50 bilhões do Orçamento não afetará essas ações de fiscalização.

Fonte: João Carlos Magalhães, De Brasília


18 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Desmatamento disparou em MT em março e abril, confirma Inpe

Estado teve 80% do total da devastação detectada na Amazônia Legal.
Floresta perdeu o equivalente a 370 vezes o Parque Ibirapuera, em SP.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou nesta quarta-feira (18) o relatório de seu sistema de monitoramento de desmatamento em tempo real da Amazônia Legal (Deter) para março e abril, confirmando uma disparada da devastação em Mato Grosso.

Ao todo, o estado teve 480,3 km² dos 593,0 km² de desmatamento detectados no período na região, o que equivale a 80%. Somente em abril, foram detectados 405,5 km² de polígonos de devastação em território mato-grossense.

No mesmo bimestre do ano passado, o instituto espacial registrou 103,6 km² de derrubadas na Amazônia Legal. Portanto, o incremento foi de 572% em 2011, embora esse tipo de comparação não possa ser feita de forma exata, já que o Inpe faz a ressalva de que seu sistema não é voltado à aferição precisa de áreas, mas mais focado na emissão de alertas para que as autoridades ambientais possam verificar focos de derrubada de mata em terra.

Para dar uma referência, a área total desmatada detectada em março e abril para a Amazônia Legal equivale a 370 vezes o Parque Ibirapuera, em São Paulo, ou 1,4 vez a Ilha de Santa Catarina, onde se localiza Florianópolis.

Visibilidade
A alta extrema em abril em Mato Grosso se deve, em parte, à boa visibilidade alcançada pelas imagens de satélite naquele mês, quando a cobertura de nuvens ficou abaixo dos 10%. As condições densamente nubladas da Amazônia impedem que os técnicos do Inpe chequem o desmatamento desde o espaço durante boa parte do ano.

O Pará, em março e abril, por exemplo, não chegou a ter menos de 75% de cobertura de nuvens, o que significa que pelo menos três quartos de seu território não puderam ser verificados no período.

Situação grave
A gravidade da situação em Mato Grosso já era de conhecimento do Ibama, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pela fiscalização. O instituto recentemente dobrou o número de fiscais no estado, subindo para 520 o efetivo total na Amazônia Legal, como informou ao Globo Natureza seu diretor de Proteção Ambiental, Luciano Evaristo.

O diretor considera que uma alta do desmatamento está ocorrendo porque no ano passado a devastação foi relativamente baixa e há uma demanda reprimida por novas áreas agricultáveis, em especial com os altos preços das commodities no mercado internacional. Ele promete autuar os desmatadores ilegais “um por um”.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, deve comentar a disparada do desmatamento ainda nesta quarta-feira (18), em Brasília.

Área atingida por queimada no Mato Grosso, estado que mais desmatou em março e abril  (Foto: Ibama)

Área atingida por queimada no Mato Grosso, estado que mais desmatou em março e abril (Foto: Ibama)

 

Fonte: Dennis Barbosa, do Globo Natureza, em São Paulo