26 de fevereiro de 2015 | nenhum comentário »

Tráfico de animais silvestres moveu R$ 7 bilhões no Brasil em 10 anos

Quadrilhas desafiam autoridades e alimentam lucrativo mercado criminoso.
Centenas de animais, muitos em risco de extinção, são capturados.

As quadrilhas desafiam as autoridades e alimentam um mercado lucrativo e criminoso.

Centenas de animais, muitos em risco de extinção, são capturados diariamente, e muitos acabam morrendo antes de chegar ao destino final.

Em dez anos, quase seis milhões de pássaros foram comercializados ilegalmente no país, um mercado que movimentou R$ 7 bilhões na última década.

A reportagem é de Carlos de Lannoy, Mahomed Saigg, Junior Alves e Felipe Wainer.

Uma pequena armadilha, uma simples arapuca. “Como esses animais são territoriais, os machos vai atrair o outro. Se ele pousar aqui, desarma a armadilha”, afirma.

O Ibama diz que o tráfico de aves começa com caçadores que capturam e escondem as aves em depósitos improvisados no meio da mata.

Agente: Tem arma em casa?
Homem: Arma? Não.

O fiscal encontra três armas – todas carregadas – e dezenas de curiós, canários, coleiros, trinca-ferros e dois periquitos. As gaiolas estão sujas, os animais, amontoados, falta comida: sinais de maus-tratos.

Deraldo Gomes dos Santos diz que mora no local e nega envolvimento com o tráfico.

Repórter: Passarinho que canta não vale muito dinheiro?
Homem: Um curió custa mais de R$ 2 mil, não é isso. Eu não vendo passarinho, eu tenho passarinho para me divertir dentro de casa. Abre a porta, só o que eu tenho é uma televisão, uma geladeira e pronto, e os passarinhos cantando.

Os fiscais identificam cada uma das aves. É um trabalho minucioso que só termina no início da noite. As gaiolas viram uma imensa fogueira.

Preso em flagrante, Deraldo foi levado para Santanópolis, a 160 quilômetros de Salvador, mas os agentes encontram a delegacia fechada e recebem a informação de que a cidade está sem delegado. “O que acontece é que é que a gente saindo do município não existe garantia que uma delegacia de outro município vá receber. Então ele vai ser liberado e a gente vai encaminhar a denúncia para o Ministério Público”, explica o agente federal do Ibama Roberto Cabral Borges.

A impunidade é a regra. Comerciantes ganham dinheiro oferecendo animais livremente em feiras do interior.

Produtor: Posso dar uma olhadinha?
Vendedor: Pode.
Produtor: Está quanto ele?
Vendedor: R$ 50.

Em um mercado de Feira de Santana, na Bahia, homens, mulheres e até menores vendem passarinhos…

Produtor: Canário está quanto?
Vendedor: R$ 40.

… macacos…

Produtor: Tem quantos aqui?
Vendedora: Três. É porque é pequenininho, é próprio para criar mesmo.

… e papagaios por encomenda.

Produtor: Papagaio eu consigo aqui?
Vendedor: Consegue.
Produtor: Quanto é?
Vendedor: Mas é mais difícil de achar.
Produtor: Mas, quanto o papagaio?
Vendedor: R$ 400, depende do papagaio.

Milhões de aves são capturadas todos os anos no Brasil. A maioria, segundo o Ibama, cai na mão de traficantes que alimentam um mercado estimado em cerca de R$ 7 bilhões. Ver um periquito rei voltar para a natureza é um privilégio. Chega a ser emocionante.

Um estudo do Ibama apontou que a exploração das aves que tem o dom de cantar é uma das principais causas de perda da biodiversidade no país, e os pesquisadores chegaram a uma surpreendente constatação: a criação legalizada vem contribuindo com o tráfico de animais silvestres.

“Fiscalização do Ibama, a gente veio olhar o plantel dele de passarinho. Abre a casa por favor”, afirma um agente.

As irregularidades atingem parte dos 400 mil criadores autorizados no país. Segundo o Ibama, cada um possui em média 20 pássaros, o que dá um total de aproximadamente 8 milhões de aves em cativeiro.

A inspeção em um criadouro de Feira de Santana dá a dimensão do problema: eles checam notas fiscais, medem o tamanho e conferem os números das anilhas de cada passarinho.

O problema é que o Ibama autoriza apenas uma anilha por animal. Para aumentar a quantidade de animais, os criadores falsificam anilhas com a mesma numeração e, para não levantar suspeitas, trocam esses animais entre si. Ou seja, a mesma numeração pode estar espalhada em mais de um criadouro, com diferentes passarinhos, dando uma aparência de legalidade a um animal capturado de maneira criminosa.

“Esses trinca-ferros aqui, você tem as anilhas todas falsificadas. Nenhuma dessas anilhas daqui são anilhas do Ibama. Isso significa que todos esses animais aqui foram capturados na natureza e inserida a anilha neles para acobertar”, explica um agente do Ibama.

Um proprietário tem uma estante carregada de troféus. São títulos conquistados em torneios de canto de pássaros, atividade muito comum no Brasil. Ele admite que participa do comércio de aves entre criadores, o que é ilegal.

Inspetor do Ibama: Esses pássaros você comprou aonde?
Proprietário dos pássaros: A gente vai comprando na mão de criador. Um vai passando para o outro, vai passando para o outro.

O criador de Feira de Santana disse que trouxe aves de Belo Horizonte e Recife.

O Ibama diz que aves muito valorizadas no Brasil acabam sendo vendidas para os Estados Unidos e a Europa. A principal rota de entrada é Portugal. Aranhas, insetos e répteis são enviados até pelos Correios.

A jiboia princesa diamante, uma espécie rara de pele branca e olhos negros avaliada em US$ 1 milhão, foi levada para os Estados Unidos em 2011. O americano que comprou a jiboia informou que ela morreu no cativeiro.

“Ele já foi processado nos Estados Unidos, e atualmente as negociações estão para repatriamento dos filhotes desse animal. Ele informou que o animal morreu. Nós temos dúvidas em reação a isso, porque temos alguns vídeos que tratam esse animal como se ele ainda estivesse vivo”, afirma um agente do Ibama.

No Brasil, as aves apreendidas pelo Ibama, que não têm condições de se readaptar à natureza, são levadas para centros de triagem de animais silvestres. As demais são libertadas e fazem o trabalho de fiscalização valer a pena.

“Cada passarinho que a gente resgata, cada animal que a gente resgata, ver o animal voltando a voar, ver a alegria do animal de recuperar a liberdade. Isso vale a pena”, comemora o agente do Ibama.

Acesse e veja o vídeo: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/01/trafico-de-animais-silvestres-moveu-r-7-bilhoes-no-brasil-em-10-anos.html

 

Fonte: Bom dia Brasil


14 de novembro de 2012 | nenhum comentário »

Ibama apreende 362 tartarugas que seriam vendidas em Manaus

Fiscais localizaram ‘currais’ de quelônios, em Roraima.
Operação de fiscalização ocorre na região do Baixo Rio Branco.

Tartarugas apreendidas durante a ação. (Foto: Diego Bueno/Ibama)

Tartarugas apreendidas durante a ação (Foto: Diego Bueno/Ibama)

Uma operação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), com apoio da Policia Federal, apreendeu 362 tartarugas da Amazônia que seriam vendidas em Manaus. Quatro “tartarugueiros” foram presos. Segundo o órgão, a fiscalização é realizada na região do Baixo Rio Branco, em Roraima, desde o mês de outubro.

Foram resgatados até o momento um total de 378 quelônios, dos quais 362 foram devolvidos à natureza. Desses, 115 chegavam a pesar mais de 50 kg, alguns com idade estimada em mais de 100 anos.

Até o momento foram descobertos três “currais” de quelônios, que são estruturas de madeira construídas pelos caçadores próximos das margens, feitos com finalidade depositar as tartarugas recém capturadas.

A operação, iniciada no dia 29 de outubro, no município de Caracaraí, deverá se estender até o final de dezembro. O início da fiscalização coincide com o momento que as tartarugas estão “assoalhando”, escolhendo os melhores bancos de areia, também conhecidos como tabuleiros, para desovar.

O caçador de quelônios está sujeito a ser autuado administrativamente pelo Ibama e ser preso em flagrante por crime contra a fauna e formação de quadrilha. As penas somadas chegam a 6 anos de reclusão. A multa é de R$ 5 mil por animal apreendido, com agravante caso o flagrante se dê dentro de uma Unidade de Conservação.

 

 

Fonte: Globo Natureza


1 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Indonésia liberta 85 pangolins que seriam contrabandeados

Controladores de pragas, animais são encontrados na Ásia e África.
Entre os exemplares resgatados havia filhotes.

Ambientalistas da Indonésia devolveram à natureza nesta terça-feira (31) 85 exemplares de pangolins que foram resgatados de contrabandistas no último dia 28 na cidade de Medan. Eles foram libertados em uma floresta no distrito de Karo.

De acordo com o governo local, espécimes adultos e filhotes estavam amontoados em 14 sacos dentro de um ônibus. Havia animais mortos entre eles. Pouco estudada e considerada uma espécie ícone, os pangolins são encontrados na Ásia e África. Eles são controladores naturais de pragas, engolindo formigas e cupins.

Entretanto, autoridades da Indonésia tentam combater o tráfico que está intenso para países como China e Vietnã, que utilizam esses animais como alimentos e medicamentos.

Os chineses acreditam que o animal pode curar uma série de doenças e aumentar a potência sexual. Por conta disto, a população da espécie reduziu drasticamente e hoje são encontradas apenas em poucas regiões da Indonésia, Filipinas, além de partes da Malásia e Índia.

O comércio desta espécie foi proibido em 2002, por meio da Convenção Internacional sobre espécies ameaçadas. Apesar da legislação, o crime continua sendo cometido por caçadores rurais, incluindo os trabalhadores nas plantações da Indonésia.

Além da China, Vietnã e Coreia do Sul também figuram na lista das encomendas ilegais.
Se comparados aos lucros obtidos pela venda dos animais, as penas para o tráfico são baixas. Um pangolim inteiro poderia ser comprado na Indonésia por US$ 275. Já as escamas eram arrematadas por até US$ 750 o quilo na China

De acordo com o governo da Indonésia, as penas para crimes ambientais deverão ser endurecidas. Embora as apreensões e prisões de pequenos contrabandistas tenham aumentado substancialmente, quase nenhum dos principais compradores foram colocados atrás das grades.

Filhote de pangolim resgatado de traficantes na última semana foi libertado em área de floresta na província de Sumatra, na Indonésia. (Foto: AFP)

Filhote de pangolim resgatado de traficantes na última semana foi libertado em área de floresta na província de Sumatra, na Indonésia. (Foto: AFP)

No total, foram encontrados 85 exemplares vivos dentro de um ônibus. Esses animais são contrabandeados para países como China e Vietnã. (Foto: AFP)

No total, foram encontrados 85 exemplares vivos dentro de um ônibus. Esses animais são contrabandeados para países como China e Vietnã. (Foto: AFP)

Fonte: Globo Natureza


27 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Polícia indonésia apreende 14 corpos preservados de tigres-de-sumatra

Espécie natural da região está criticamente ameaçada de extinção.
Em casa ao sul de Jacarta também havia corpos de leão, ursos e cervos.

Catorze corpos preservados de tigres-de-sumatra (Panthera tigris sumatrae) foram apreendidos pela polícia da Indonésia em uma residência na cidade suburbana de Cibubur, localizada ao sul da capital Jacarta.

A espécie natural da região está criticamente ameaçada. Ambientalistas temem que esses felinos sejam extintos na próxima década em decorrência da caça ilegal e da perda do habitat natural, por causa do desmatamento para exploração de madeira ou plantação de palmeiras. Estima-se que existam apenas 400 tigres-de-sumatra livres na natureza.

Além dos tigres, foram apreendidos corpos preservados de outras espécies, como leão, ursos e cervos.

Tigres sumatra (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Corpos de tigres-de-sumatra foram preservados para virar objeto de 'decoração' (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Tigres sumatra 2 (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Espécie natural da Ilha de Sumatra, na Indonésia, está ameaçada de extinção (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Tigres sumatra 3 (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

No local de apreensão dos tigres, também havia leão, ursos e cervos preservados (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Fonte: Globo Natureza


4 de junho de 2012 | nenhum comentário »

IAP apreende aves silvestres na região de Sertaneja e Andirá

Na quarta-feira (30), o chefe do IAP (Instituto Ambiental do Paraná) em Cornélio Procópio, Devanil José Bonni, relatou ao portal CN sobre a apreensão de pássaros silvestres em nossa região.
A equipe de fiscalização do IAP esteve em apoio às polícias civil e militar nos municípios de Sertaneja e Andirá, onde foram encontradas aves silvestres em cativeiro.

Na cidade de Sertaneja foram apreendidos 04 pássaros no interior de uma residência e encaminhados para o IAP, já no município de Andirá foram apreendidos um total de 10 pássaros, os quais não podem permanecer em cativeiro por serem nativos da fauna brasileira.

As pessoas envolvidas não tem a documentação das aves, portanto perderam esses pássaros.
O tráfico de animais silvestres existe em nossa região, porém o IAP vem trabalhando para combater esse tipo de crime.

Click http://www.cornelionoticias.com.br/posts/10434/destaque/iap_apreende_aves_silvestres_na_regiao_de_sertaneja_e_andira/  e ouça a entrevista com Devanil José Bonni (Chefe do IAP)

 

Fonte: Cornélio Notícias


19 de abril de 2012 | nenhum comentário »

Mais de 400 tartarugas são apreendidas em malas em Bangladesh

Autoridades aduaneiras de Bangladesh apreenderam mais de 400 tartarugas, encontradas em malas que tinham a Tailândia como destino.

Após uma denúncia, funcionários do aeroporto de Daca abriram a bagagem de dois passageiros que estavam voando para Bancoc.

As tartarugas encontradas, algumas de espécies ameaçadas de extinção, tem valor estimado de US$ 35 mil (R$ 65 mil) no mercado negro, já que são populares como bichos de estimação e sua carne pode ser utilizada na medicina oriental.

Duas pessoas de nacionalidade indiana foram presas após o incidente.

Acredita-se que os animais tenham saído da Índia. Segundo ativistas, Daca tem sido cada vez mais usada como rota para o transporte ilegal de animais selvagens.

No ano passado, autoridades na Tailândia encontraram centenas de tartarugas e crocodilos em uma mala que chegou em um voo vindo de Bangladesh.

Fonte: BBC Brasil


13 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Ibama encontra 74 pássaros silvestres em cativeiro no ES

O Ibama encontrou ontem 74 pássaros silvestres no Estado do Espírito Santo em duas operações para verificar se os animais eram mantidos de forma irregular em cativeiro. No total, foram aplicados R$ 103 mil em multas, segundo o órgão.

Em uma das operações, o Ibama encontrou 12 pássaros em um torneio de canto na cidade de Jerônimo Monteiro, no sul do Estado. Segundo os agentes que participaram da operação, alguns aproveitam os torneios, nos quais os pássaros estão em evidência, para realizar negócios. De acordo com o órgão, a atividade é permitida pela lei, desde que seja realizada de forma amadora.

Em outra operação, 62 pássaros foram resgatados de cativeiros ilegais em Jerônimo Monteiro.

Para o chefe do escritório do órgão em Cachoeiro do Itapemirim, Guanadir Gonçalves da Silva Sobrinho, o maior problema foi a descoberta de anilhas (anel fornecido pelo Ibama que fica em torno da pata da ave e onde consta a procedência do animal) falsificadas ou adulteradas pelos criadores.

“Nos casos em que há constatação de que as anilhas são falsas, há ainda a comunicação para a Polícia Federal para apuração do crime de falsificação de selo público”. De acordo com Sobrinho, a pena para esse crime vai de dois a seis anos de prisão.

As aves foram encaminhadas para o Cetas Espírito Santo, para serem tratadas antes da reintegração à natureza. Os criadores irão responder por crime ambiental, podendo pegar de seis meses a um ano de prisão e multa, e estão proibidos de participarem de torneios ou realizarem negociações envolvendo animais.

Pássaros resgatados do cativeiro pelo Ibama no Espírito Santo. 74 aves foram encontradas pelo órgão

Pássaros resgatados do cativeiro pelo Ibama no Espírito Santo. 74 aves foram encontradas pelo órgão. Foto: Divulgação/Ibama

Fonte: Folha.com


14 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Batalhão Ambiental apreende caminhão com madeira no AM

O Batalhão de Policiamento Ambiental apreendeu dez metros cúbicos de madeira na madrugada desta sexta-feira (13) em Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus). A madeira era transportada em um caminhão.

Os policiais interceptaram a carga no bairro Terra Preta durante uma fiscalização de rotina. Segundo o Batalhão, o motorista do caminhão não informou para onde levaria o material.

O motorista será encaminhado ao Batalhão Ambiental em Manaus para prestar esclarecimentos. De acordo com o Artigo 46 da Lei de Crimes Ambientais, é proibido receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais, madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem exigir a exibição de licença do vendedor, autorizada, e sem munir-se da via que deverá acompanhar o produto até final beneficiamento. A legislação prevê pena de detenção, de seis meses a um ano, e multa.

O mesmo artigo também enquadra quem vende, expõe à venda, tem em depósito, transporta ou guarda madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem licença válida para todo o tempo da viagem ou do armazenamento, autorizada.

De acordo com o cabo Waldisney Lima da Silvam, Manacapuru está entre os municípios do Amazonas com altos índices de crimes ambientais.

Fonte: Portal Amazônia


8 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Tucano que teve as asas mutiladas em MT corre risco de não voar mais

Ave passa por processo doloroso para retirada dos restos das penas.
Biólogo disse que pássaro foi resgatado de residência após denúncia.

Um tucano que teve as duas asas mutiladas passa por um processo de recuperação extremamente lento e doloroso para que possa ter chances de retornar ao habitat natural, como explica o biólogo responsável pelos animais apreendidos pelo Batalhão Ambiental de Mato Grosso, cabo José Ronoaldo Ferreira. Vítima de maus-tratos, a ave foi resgatada em uma residência localizada em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, há quase um ano.

O tucano teve as asas cortadas rente à pele e para que nasçam novas penas é preciso retirar os pedaços que ficaram. “Quando são cortadas somente as pontas das penas, elas nascem de novo e permite que o animal voe novamente, mas nesse caso é preciso arrancar os restos das penas aos poucos para evitar que o animal sofra muito”, afirmou o biólogo, em entrevista ao G1, ao comentar sobre o risco que o pássaro corre de não voar mais caso não passe por esse processo.

O animal foi apreendido por meio de uma  denúncia anônima feita à Polícia Ambiental e o responsável pelo crime foi autuado.

O caso foi encaminhado para a Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema) e a Justiça é quem vai definir sobre a penalidade aplicada ao autor dos maus tratos contra a ave. Conforme a Lei 9.605 de 1998, dos Crimes Ambientais, maus-tratos contra animais domésticos, nativos ou exóticos caracterizam crime e podem render pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Atrofiamento
Apesar de não terem sido mutiladas, quatro araras que também encontram-se sob os cuidados do órgão ambiental também passam por problemas. Elas não tem chance de voltar à natureza porque não sabem se quer voar. Segundo o cabo Ronoaldo, as aves criadas desde pequenas em cativeiro foram deixadas no Batalhão há cerca de 10 meses.

“Embora não tenham as asas cortadas, elas não voam de modo algum porque viviam em espaços muito pequenos”, frisou. Por causa desse atrofiamento, as duas araras-azuis e as duas da espécie canindé terão de viver para sempre no abrigo.

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Fonte: Pollyana Araújo, G1, MT


7 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Peixes ameaçados de extinção são vendidos em feira de Inhumas (GO)

Entre as espécies apreendidas estava a pirarara, cuja pesca é proibida.
Em Goiânia, policiais aprenderam 200 aves, algumas em extinção.

A polícia fez dois flagrantes de crimes contra o meio ambiente no domingo (6). Em Inhumas, na Região Metropolitana de Goiânia, peixes ameaçados de extinção – de pesca proibida – estavam sendo vendidos em uma feira livre. Na capital, cerca de 200 filhotes de pássaros foram aprendidos em uma pensão próxima à rodoviária, no Setor Norte Ferroviário.

Entre os peixes apreendidos, um exemplar de pirarara chamou atenção dos policiais pelo tamanho, cerca de 15 quilos. A pirarara é um peixe em extinção e sua a pesca é proibida. O produto foi levado para o 20º Distrito Policial, no Setor Sudoeste, em Goiânia.

Uma mala foi adaptada com uma caixa de isopor para transportar o pescado sem levantar suspeita. Uma pessoa foi detida e vai responder por crime ambiental.

“Eles vão ser enquadrados na lei nº 6.905, artigo nº 29, vão responder por isso [crime ambiental] juridicamente, administrativamente também. Existe uma multa em cima dessa prática. Esse pescado vai ser encaminhado para filantropia”, informa o comandante do policiamento ambiental urbano, sargento Manoel Assunção Gomes Almeida.

Pássaros
Os pássaros foram encontrados em um quarto de hotel. Nas pequenas caixas de madeiras estavam pelo menos 200 filhotes de papa-capim e curió. Alguns já estavam mortos dentro das caixas.

Também foram apreendidos cinco papagaios, inclusive de uma espécie em extinção. Os papagaios foram retirados das caixas e alimentados pelos policiais.

“Nos deparamos com a porta fechada e conseguimos abrir. No interior, localizamos vários pássaros”, relata o sargento Guedes, do 9º Batalhão da Polícia Militar.

O quarto era ocupado por duas pessoas que fugiram do local assim que perceberam a movimentação da polícia, mas deixaram para trás telefones celulares e anotações.

Os policiais reforçam que a denúncia é sempre importante porque ajuda a desmantelar esquemas criminosos. O telefone para denúncia em casos de maus-tratos a animais é o 0800-62-2121.

Fonte: G1


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

maio 2017
S T Q Q S S D
« mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

26 de fevereiro de 2015 | nenhum comentário »

Tráfico de animais silvestres moveu R$ 7 bilhões no Brasil em 10 anos

Quadrilhas desafiam autoridades e alimentam lucrativo mercado criminoso.
Centenas de animais, muitos em risco de extinção, são capturados.

As quadrilhas desafiam as autoridades e alimentam um mercado lucrativo e criminoso.

Centenas de animais, muitos em risco de extinção, são capturados diariamente, e muitos acabam morrendo antes de chegar ao destino final.

Em dez anos, quase seis milhões de pássaros foram comercializados ilegalmente no país, um mercado que movimentou R$ 7 bilhões na última década.

A reportagem é de Carlos de Lannoy, Mahomed Saigg, Junior Alves e Felipe Wainer.

Uma pequena armadilha, uma simples arapuca. “Como esses animais são territoriais, os machos vai atrair o outro. Se ele pousar aqui, desarma a armadilha”, afirma.

O Ibama diz que o tráfico de aves começa com caçadores que capturam e escondem as aves em depósitos improvisados no meio da mata.

Agente: Tem arma em casa?
Homem: Arma? Não.

O fiscal encontra três armas – todas carregadas – e dezenas de curiós, canários, coleiros, trinca-ferros e dois periquitos. As gaiolas estão sujas, os animais, amontoados, falta comida: sinais de maus-tratos.

Deraldo Gomes dos Santos diz que mora no local e nega envolvimento com o tráfico.

Repórter: Passarinho que canta não vale muito dinheiro?
Homem: Um curió custa mais de R$ 2 mil, não é isso. Eu não vendo passarinho, eu tenho passarinho para me divertir dentro de casa. Abre a porta, só o que eu tenho é uma televisão, uma geladeira e pronto, e os passarinhos cantando.

Os fiscais identificam cada uma das aves. É um trabalho minucioso que só termina no início da noite. As gaiolas viram uma imensa fogueira.

Preso em flagrante, Deraldo foi levado para Santanópolis, a 160 quilômetros de Salvador, mas os agentes encontram a delegacia fechada e recebem a informação de que a cidade está sem delegado. “O que acontece é que é que a gente saindo do município não existe garantia que uma delegacia de outro município vá receber. Então ele vai ser liberado e a gente vai encaminhar a denúncia para o Ministério Público”, explica o agente federal do Ibama Roberto Cabral Borges.

A impunidade é a regra. Comerciantes ganham dinheiro oferecendo animais livremente em feiras do interior.

Produtor: Posso dar uma olhadinha?
Vendedor: Pode.
Produtor: Está quanto ele?
Vendedor: R$ 50.

Em um mercado de Feira de Santana, na Bahia, homens, mulheres e até menores vendem passarinhos…

Produtor: Canário está quanto?
Vendedor: R$ 40.

… macacos…

Produtor: Tem quantos aqui?
Vendedora: Três. É porque é pequenininho, é próprio para criar mesmo.

… e papagaios por encomenda.

Produtor: Papagaio eu consigo aqui?
Vendedor: Consegue.
Produtor: Quanto é?
Vendedor: Mas é mais difícil de achar.
Produtor: Mas, quanto o papagaio?
Vendedor: R$ 400, depende do papagaio.

Milhões de aves são capturadas todos os anos no Brasil. A maioria, segundo o Ibama, cai na mão de traficantes que alimentam um mercado estimado em cerca de R$ 7 bilhões. Ver um periquito rei voltar para a natureza é um privilégio. Chega a ser emocionante.

Um estudo do Ibama apontou que a exploração das aves que tem o dom de cantar é uma das principais causas de perda da biodiversidade no país, e os pesquisadores chegaram a uma surpreendente constatação: a criação legalizada vem contribuindo com o tráfico de animais silvestres.

“Fiscalização do Ibama, a gente veio olhar o plantel dele de passarinho. Abre a casa por favor”, afirma um agente.

As irregularidades atingem parte dos 400 mil criadores autorizados no país. Segundo o Ibama, cada um possui em média 20 pássaros, o que dá um total de aproximadamente 8 milhões de aves em cativeiro.

A inspeção em um criadouro de Feira de Santana dá a dimensão do problema: eles checam notas fiscais, medem o tamanho e conferem os números das anilhas de cada passarinho.

O problema é que o Ibama autoriza apenas uma anilha por animal. Para aumentar a quantidade de animais, os criadores falsificam anilhas com a mesma numeração e, para não levantar suspeitas, trocam esses animais entre si. Ou seja, a mesma numeração pode estar espalhada em mais de um criadouro, com diferentes passarinhos, dando uma aparência de legalidade a um animal capturado de maneira criminosa.

“Esses trinca-ferros aqui, você tem as anilhas todas falsificadas. Nenhuma dessas anilhas daqui são anilhas do Ibama. Isso significa que todos esses animais aqui foram capturados na natureza e inserida a anilha neles para acobertar”, explica um agente do Ibama.

Um proprietário tem uma estante carregada de troféus. São títulos conquistados em torneios de canto de pássaros, atividade muito comum no Brasil. Ele admite que participa do comércio de aves entre criadores, o que é ilegal.

Inspetor do Ibama: Esses pássaros você comprou aonde?
Proprietário dos pássaros: A gente vai comprando na mão de criador. Um vai passando para o outro, vai passando para o outro.

O criador de Feira de Santana disse que trouxe aves de Belo Horizonte e Recife.

O Ibama diz que aves muito valorizadas no Brasil acabam sendo vendidas para os Estados Unidos e a Europa. A principal rota de entrada é Portugal. Aranhas, insetos e répteis são enviados até pelos Correios.

A jiboia princesa diamante, uma espécie rara de pele branca e olhos negros avaliada em US$ 1 milhão, foi levada para os Estados Unidos em 2011. O americano que comprou a jiboia informou que ela morreu no cativeiro.

“Ele já foi processado nos Estados Unidos, e atualmente as negociações estão para repatriamento dos filhotes desse animal. Ele informou que o animal morreu. Nós temos dúvidas em reação a isso, porque temos alguns vídeos que tratam esse animal como se ele ainda estivesse vivo”, afirma um agente do Ibama.

No Brasil, as aves apreendidas pelo Ibama, que não têm condições de se readaptar à natureza, são levadas para centros de triagem de animais silvestres. As demais são libertadas e fazem o trabalho de fiscalização valer a pena.

“Cada passarinho que a gente resgata, cada animal que a gente resgata, ver o animal voltando a voar, ver a alegria do animal de recuperar a liberdade. Isso vale a pena”, comemora o agente do Ibama.

Acesse e veja o vídeo: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/01/trafico-de-animais-silvestres-moveu-r-7-bilhoes-no-brasil-em-10-anos.html

 

Fonte: Bom dia Brasil


14 de novembro de 2012 | nenhum comentário »

Ibama apreende 362 tartarugas que seriam vendidas em Manaus

Fiscais localizaram ‘currais’ de quelônios, em Roraima.
Operação de fiscalização ocorre na região do Baixo Rio Branco.

Tartarugas apreendidas durante a ação. (Foto: Diego Bueno/Ibama)

Tartarugas apreendidas durante a ação (Foto: Diego Bueno/Ibama)

Uma operação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), com apoio da Policia Federal, apreendeu 362 tartarugas da Amazônia que seriam vendidas em Manaus. Quatro “tartarugueiros” foram presos. Segundo o órgão, a fiscalização é realizada na região do Baixo Rio Branco, em Roraima, desde o mês de outubro.

Foram resgatados até o momento um total de 378 quelônios, dos quais 362 foram devolvidos à natureza. Desses, 115 chegavam a pesar mais de 50 kg, alguns com idade estimada em mais de 100 anos.

Até o momento foram descobertos três “currais” de quelônios, que são estruturas de madeira construídas pelos caçadores próximos das margens, feitos com finalidade depositar as tartarugas recém capturadas.

A operação, iniciada no dia 29 de outubro, no município de Caracaraí, deverá se estender até o final de dezembro. O início da fiscalização coincide com o momento que as tartarugas estão “assoalhando”, escolhendo os melhores bancos de areia, também conhecidos como tabuleiros, para desovar.

O caçador de quelônios está sujeito a ser autuado administrativamente pelo Ibama e ser preso em flagrante por crime contra a fauna e formação de quadrilha. As penas somadas chegam a 6 anos de reclusão. A multa é de R$ 5 mil por animal apreendido, com agravante caso o flagrante se dê dentro de uma Unidade de Conservação.

 

 

Fonte: Globo Natureza


1 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Indonésia liberta 85 pangolins que seriam contrabandeados

Controladores de pragas, animais são encontrados na Ásia e África.
Entre os exemplares resgatados havia filhotes.

Ambientalistas da Indonésia devolveram à natureza nesta terça-feira (31) 85 exemplares de pangolins que foram resgatados de contrabandistas no último dia 28 na cidade de Medan. Eles foram libertados em uma floresta no distrito de Karo.

De acordo com o governo local, espécimes adultos e filhotes estavam amontoados em 14 sacos dentro de um ônibus. Havia animais mortos entre eles. Pouco estudada e considerada uma espécie ícone, os pangolins são encontrados na Ásia e África. Eles são controladores naturais de pragas, engolindo formigas e cupins.

Entretanto, autoridades da Indonésia tentam combater o tráfico que está intenso para países como China e Vietnã, que utilizam esses animais como alimentos e medicamentos.

Os chineses acreditam que o animal pode curar uma série de doenças e aumentar a potência sexual. Por conta disto, a população da espécie reduziu drasticamente e hoje são encontradas apenas em poucas regiões da Indonésia, Filipinas, além de partes da Malásia e Índia.

O comércio desta espécie foi proibido em 2002, por meio da Convenção Internacional sobre espécies ameaçadas. Apesar da legislação, o crime continua sendo cometido por caçadores rurais, incluindo os trabalhadores nas plantações da Indonésia.

Além da China, Vietnã e Coreia do Sul também figuram na lista das encomendas ilegais.
Se comparados aos lucros obtidos pela venda dos animais, as penas para o tráfico são baixas. Um pangolim inteiro poderia ser comprado na Indonésia por US$ 275. Já as escamas eram arrematadas por até US$ 750 o quilo na China

De acordo com o governo da Indonésia, as penas para crimes ambientais deverão ser endurecidas. Embora as apreensões e prisões de pequenos contrabandistas tenham aumentado substancialmente, quase nenhum dos principais compradores foram colocados atrás das grades.

Filhote de pangolim resgatado de traficantes na última semana foi libertado em área de floresta na província de Sumatra, na Indonésia. (Foto: AFP)

Filhote de pangolim resgatado de traficantes na última semana foi libertado em área de floresta na província de Sumatra, na Indonésia. (Foto: AFP)

No total, foram encontrados 85 exemplares vivos dentro de um ônibus. Esses animais são contrabandeados para países como China e Vietnã. (Foto: AFP)

No total, foram encontrados 85 exemplares vivos dentro de um ônibus. Esses animais são contrabandeados para países como China e Vietnã. (Foto: AFP)

Fonte: Globo Natureza


27 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Polícia indonésia apreende 14 corpos preservados de tigres-de-sumatra

Espécie natural da região está criticamente ameaçada de extinção.
Em casa ao sul de Jacarta também havia corpos de leão, ursos e cervos.

Catorze corpos preservados de tigres-de-sumatra (Panthera tigris sumatrae) foram apreendidos pela polícia da Indonésia em uma residência na cidade suburbana de Cibubur, localizada ao sul da capital Jacarta.

A espécie natural da região está criticamente ameaçada. Ambientalistas temem que esses felinos sejam extintos na próxima década em decorrência da caça ilegal e da perda do habitat natural, por causa do desmatamento para exploração de madeira ou plantação de palmeiras. Estima-se que existam apenas 400 tigres-de-sumatra livres na natureza.

Além dos tigres, foram apreendidos corpos preservados de outras espécies, como leão, ursos e cervos.

Tigres sumatra (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Corpos de tigres-de-sumatra foram preservados para virar objeto de 'decoração' (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Tigres sumatra 2 (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Espécie natural da Ilha de Sumatra, na Indonésia, está ameaçada de extinção (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Tigres sumatra 3 (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

No local de apreensão dos tigres, também havia leão, ursos e cervos preservados (Foto: Bay Ismoyo/AFP)

Fonte: Globo Natureza


4 de junho de 2012 | nenhum comentário »

IAP apreende aves silvestres na região de Sertaneja e Andirá

Na quarta-feira (30), o chefe do IAP (Instituto Ambiental do Paraná) em Cornélio Procópio, Devanil José Bonni, relatou ao portal CN sobre a apreensão de pássaros silvestres em nossa região.
A equipe de fiscalização do IAP esteve em apoio às polícias civil e militar nos municípios de Sertaneja e Andirá, onde foram encontradas aves silvestres em cativeiro.

Na cidade de Sertaneja foram apreendidos 04 pássaros no interior de uma residência e encaminhados para o IAP, já no município de Andirá foram apreendidos um total de 10 pássaros, os quais não podem permanecer em cativeiro por serem nativos da fauna brasileira.

As pessoas envolvidas não tem a documentação das aves, portanto perderam esses pássaros.
O tráfico de animais silvestres existe em nossa região, porém o IAP vem trabalhando para combater esse tipo de crime.

Click http://www.cornelionoticias.com.br/posts/10434/destaque/iap_apreende_aves_silvestres_na_regiao_de_sertaneja_e_andira/  e ouça a entrevista com Devanil José Bonni (Chefe do IAP)

 

Fonte: Cornélio Notícias


19 de abril de 2012 | nenhum comentário »

Mais de 400 tartarugas são apreendidas em malas em Bangladesh

Autoridades aduaneiras de Bangladesh apreenderam mais de 400 tartarugas, encontradas em malas que tinham a Tailândia como destino.

Após uma denúncia, funcionários do aeroporto de Daca abriram a bagagem de dois passageiros que estavam voando para Bancoc.

As tartarugas encontradas, algumas de espécies ameaçadas de extinção, tem valor estimado de US$ 35 mil (R$ 65 mil) no mercado negro, já que são populares como bichos de estimação e sua carne pode ser utilizada na medicina oriental.

Duas pessoas de nacionalidade indiana foram presas após o incidente.

Acredita-se que os animais tenham saído da Índia. Segundo ativistas, Daca tem sido cada vez mais usada como rota para o transporte ilegal de animais selvagens.

No ano passado, autoridades na Tailândia encontraram centenas de tartarugas e crocodilos em uma mala que chegou em um voo vindo de Bangladesh.

Fonte: BBC Brasil


13 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Ibama encontra 74 pássaros silvestres em cativeiro no ES

O Ibama encontrou ontem 74 pássaros silvestres no Estado do Espírito Santo em duas operações para verificar se os animais eram mantidos de forma irregular em cativeiro. No total, foram aplicados R$ 103 mil em multas, segundo o órgão.

Em uma das operações, o Ibama encontrou 12 pássaros em um torneio de canto na cidade de Jerônimo Monteiro, no sul do Estado. Segundo os agentes que participaram da operação, alguns aproveitam os torneios, nos quais os pássaros estão em evidência, para realizar negócios. De acordo com o órgão, a atividade é permitida pela lei, desde que seja realizada de forma amadora.

Em outra operação, 62 pássaros foram resgatados de cativeiros ilegais em Jerônimo Monteiro.

Para o chefe do escritório do órgão em Cachoeiro do Itapemirim, Guanadir Gonçalves da Silva Sobrinho, o maior problema foi a descoberta de anilhas (anel fornecido pelo Ibama que fica em torno da pata da ave e onde consta a procedência do animal) falsificadas ou adulteradas pelos criadores.

“Nos casos em que há constatação de que as anilhas são falsas, há ainda a comunicação para a Polícia Federal para apuração do crime de falsificação de selo público”. De acordo com Sobrinho, a pena para esse crime vai de dois a seis anos de prisão.

As aves foram encaminhadas para o Cetas Espírito Santo, para serem tratadas antes da reintegração à natureza. Os criadores irão responder por crime ambiental, podendo pegar de seis meses a um ano de prisão e multa, e estão proibidos de participarem de torneios ou realizarem negociações envolvendo animais.

Pássaros resgatados do cativeiro pelo Ibama no Espírito Santo. 74 aves foram encontradas pelo órgão

Pássaros resgatados do cativeiro pelo Ibama no Espírito Santo. 74 aves foram encontradas pelo órgão. Foto: Divulgação/Ibama

Fonte: Folha.com


14 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Batalhão Ambiental apreende caminhão com madeira no AM

O Batalhão de Policiamento Ambiental apreendeu dez metros cúbicos de madeira na madrugada desta sexta-feira (13) em Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus). A madeira era transportada em um caminhão.

Os policiais interceptaram a carga no bairro Terra Preta durante uma fiscalização de rotina. Segundo o Batalhão, o motorista do caminhão não informou para onde levaria o material.

O motorista será encaminhado ao Batalhão Ambiental em Manaus para prestar esclarecimentos. De acordo com o Artigo 46 da Lei de Crimes Ambientais, é proibido receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais, madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem exigir a exibição de licença do vendedor, autorizada, e sem munir-se da via que deverá acompanhar o produto até final beneficiamento. A legislação prevê pena de detenção, de seis meses a um ano, e multa.

O mesmo artigo também enquadra quem vende, expõe à venda, tem em depósito, transporta ou guarda madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal, sem licença válida para todo o tempo da viagem ou do armazenamento, autorizada.

De acordo com o cabo Waldisney Lima da Silvam, Manacapuru está entre os municípios do Amazonas com altos índices de crimes ambientais.

Fonte: Portal Amazônia


8 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Tucano que teve as asas mutiladas em MT corre risco de não voar mais

Ave passa por processo doloroso para retirada dos restos das penas.
Biólogo disse que pássaro foi resgatado de residência após denúncia.

Um tucano que teve as duas asas mutiladas passa por um processo de recuperação extremamente lento e doloroso para que possa ter chances de retornar ao habitat natural, como explica o biólogo responsável pelos animais apreendidos pelo Batalhão Ambiental de Mato Grosso, cabo José Ronoaldo Ferreira. Vítima de maus-tratos, a ave foi resgatada em uma residência localizada em Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá, há quase um ano.

O tucano teve as asas cortadas rente à pele e para que nasçam novas penas é preciso retirar os pedaços que ficaram. “Quando são cortadas somente as pontas das penas, elas nascem de novo e permite que o animal voe novamente, mas nesse caso é preciso arrancar os restos das penas aos poucos para evitar que o animal sofra muito”, afirmou o biólogo, em entrevista ao G1, ao comentar sobre o risco que o pássaro corre de não voar mais caso não passe por esse processo.

O animal foi apreendido por meio de uma  denúncia anônima feita à Polícia Ambiental e o responsável pelo crime foi autuado.

O caso foi encaminhado para a Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema) e a Justiça é quem vai definir sobre a penalidade aplicada ao autor dos maus tratos contra a ave. Conforme a Lei 9.605 de 1998, dos Crimes Ambientais, maus-tratos contra animais domésticos, nativos ou exóticos caracterizam crime e podem render pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Atrofiamento
Apesar de não terem sido mutiladas, quatro araras que também encontram-se sob os cuidados do órgão ambiental também passam por problemas. Elas não tem chance de voltar à natureza porque não sabem se quer voar. Segundo o cabo Ronoaldo, as aves criadas desde pequenas em cativeiro foram deixadas no Batalhão há cerca de 10 meses.

“Embora não tenham as asas cortadas, elas não voam de modo algum porque viviam em espaços muito pequenos”, frisou. Por causa desse atrofiamento, as duas araras-azuis e as duas da espécie canindé terão de viver para sempre no abrigo.

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Tucano foi mutilado e corre o risco de ficar sem voar (Foto: Pollyana Araújo / G1)

Fonte: Pollyana Araújo, G1, MT


7 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Peixes ameaçados de extinção são vendidos em feira de Inhumas (GO)

Entre as espécies apreendidas estava a pirarara, cuja pesca é proibida.
Em Goiânia, policiais aprenderam 200 aves, algumas em extinção.

A polícia fez dois flagrantes de crimes contra o meio ambiente no domingo (6). Em Inhumas, na Região Metropolitana de Goiânia, peixes ameaçados de extinção – de pesca proibida – estavam sendo vendidos em uma feira livre. Na capital, cerca de 200 filhotes de pássaros foram aprendidos em uma pensão próxima à rodoviária, no Setor Norte Ferroviário.

Entre os peixes apreendidos, um exemplar de pirarara chamou atenção dos policiais pelo tamanho, cerca de 15 quilos. A pirarara é um peixe em extinção e sua a pesca é proibida. O produto foi levado para o 20º Distrito Policial, no Setor Sudoeste, em Goiânia.

Uma mala foi adaptada com uma caixa de isopor para transportar o pescado sem levantar suspeita. Uma pessoa foi detida e vai responder por crime ambiental.

“Eles vão ser enquadrados na lei nº 6.905, artigo nº 29, vão responder por isso [crime ambiental] juridicamente, administrativamente também. Existe uma multa em cima dessa prática. Esse pescado vai ser encaminhado para filantropia”, informa o comandante do policiamento ambiental urbano, sargento Manoel Assunção Gomes Almeida.

Pássaros
Os pássaros foram encontrados em um quarto de hotel. Nas pequenas caixas de madeiras estavam pelo menos 200 filhotes de papa-capim e curió. Alguns já estavam mortos dentro das caixas.

Também foram apreendidos cinco papagaios, inclusive de uma espécie em extinção. Os papagaios foram retirados das caixas e alimentados pelos policiais.

“Nos deparamos com a porta fechada e conseguimos abrir. No interior, localizamos vários pássaros”, relata o sargento Guedes, do 9º Batalhão da Polícia Militar.

O quarto era ocupado por duas pessoas que fugiram do local assim que perceberam a movimentação da polícia, mas deixaram para trás telefones celulares e anotações.

Os policiais reforçam que a denúncia é sempre importante porque ajuda a desmantelar esquemas criminosos. O telefone para denúncia em casos de maus-tratos a animais é o 0800-62-2121.

Fonte: G1


« Página anterior