28 de dezembro de 2012 | nenhum comentário »

Corujinha-do-mato é resgatada pelo IPEVS

Na noite de 26 de dezembro de 2012, o IPEVS recebeu um chamado para resgatar uma corujinha-do-mato (Megascops choliba). Ao chegar ao local em uma residência da cidade de Cornélio Procópio, o morador relatou que após a chuva forte que ocorreu naquele dia a coruja foi avistada no solo com dificuldades para voar.  A bióloga do IPEVS Renata Alfredo, recolheu a corujinha deslocando-a para o instituto.  A corujinha não apresentava nenhum ferimento e está em observação. Posteriormente será realizada a soltura da ave.

Corujinha-do-mato recolhida pelo IPEVS. Foto: IPEVS

 

Sem ferimentos a corujinha está em observação e em breve voltará para natureza. Foto: IPEVS

 

Fonte: Ascom IPEVS


28 de dezembro de 2012 | nenhum comentário »

IPEVS resgata coruja buraqueira

Na véspera do Natal, dia 24 de dezembro, a equipe do IPEVS foi acionada para resgatar uma coruja buraqueira (Athene cunicularia) em um condomínio localizado na cidade de Cornélio Procópio.

Ao chegar ao local o morador relatou que o animal vive no residencial e percebendo que a ave estava ferida recolheu o animal em uma gaiola e entrou em contato com o IPEVS.

A coruja foi examinada pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad que constatou que a asa da coruja foi fraturada, mas o osso estava consolidado, ou seja, a fratura foi reparada pelo próprio organismo do animal e os procedimentos realizados foram a limpeza da lesão e aplicação de pomada cicatrizante. A buraqueira está em recuperação sobre os cuidados da equipe do IPEVS e posteriormente retornará ao local onde vivia.

Coruja buraqueira resgatada pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

A coruja recebeu atendimento realizado pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad. Foto: IPEVS

 

Saiba mais: A coruja buraqueira ocorre em quase todo o Brasil, exceto a região amazônica. Alimenta-se com frequência de artrópodes como besouros, mas pode caçar pequenos roedores, aves, répteis e anfíbios. Coruja terrícola, com atividade diurna e crepuscular. A coruja buraqueira geralmente cava seus próprios buracos e os utilizam como abrigo e para  construir seus ninhos.

 

Fonte: Ascom IPEVS


26 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Contaminado por chumbo, condor-da-Califórnia corre risco de extinção

Espécie é uma das maiores aves voadoras do mundo.
Chumbo usado em munições está contaminando população.

A recuperação do condor-da-Califórnia, uma espécie extremamente ameaçada de extinção, esbarra na contaminação pelo chumbo encontrado em munições, informa uma pesquisa científica divulgada na edição desta terça-feira (26) da revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

Essa espécie de condor é uma das maiores aves voadoras do mundo e está sob risco de extinção. Em 1982, segundo o estudo, apenas 22 exemplares restavam. Após um intenso trabalho de recuperação, o número saltou para 400 animais no final de 2010 – ainda muito baixo para manter uma população estável.

Agora, o estudo apresentado por Myra Finkelstein, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, indica que, sem intervenção humana para tratar a contaminação, a espécie pode desaparecer em poucas décadas.

Os condores se alimentam de carcaças, da mesma maneira que urubus e abutres. Uma de suas principais fontes de alimentação são mamíferos de grande porte abatidos por caçadores, como os veados. Segundo a pesquisa, as aves se contaminam ao ingerir fragmentos das balas usadas na caça.

Os cientistas capturam regularmente condores-da-Califórnia para tratamento. Anualmente, uma em cada cinco aves encontradas precisa ser desintoxicada. Após o apoio veterinário, ela é devolvida ao meio ambiente.

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

Fonte: Globo Natureza


31 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Veterinários usam a criatividade para salvar animais em Uberaba

Foram criadas rodas para locomoção, casco de resina e perna mecânica.
Profissionais ajudam até no enfrentamento de doenças como o câncer.

Lobo-guara analisado por estudante no Hospital Veterinário de Uberaba (Foto: Veterinário Cláudio Yudi)

Lobo-guara analisado por estudante no Hospital Veterinário (Foto: Cláudio Yudi/Divulgação)

O Hospital Veterinário de Uberaba, no Triângulo Mineiro, tem chamado a atenção pelo cuidado com os animais e pela criatividade nas técnicas adotadas em tratamentos. Para ajudar os bichos sobreviverem a problemas de saúde como câncer e deficiências físicas, os profissionais já fizeram rodinhas para jabuti, criaram casco de resina, têm ensinado filhotes de cachorros a andar com duas patas, implantaram cauda em beija-flor e até perna mecânica em um lobo-guará, animal típico da região do Cerrado.

saiba mais

Os animais são para muita gente parte da família, tanto que quando estão doentes a intenção é fazer o que antes parecia impossível se tornar possível. Recentemente veterinários da cidade tentam ajudar três filhotes de cachorro a andar. Bethoven, Pitoco e Vitória têm um problema genético chamado amelia, que causa a falta dos membros superiores. A deficiência é causada tanto por fatores genéticos quanto pelo ambiente. O caso, que é uma raridade na ciência, despertou a atenção dos pesquisadores do Hospital Veterinário: eles não têm as patas da frente.

Segundo o veterinário Cláudio Yudi, filhotes de uma mesma ninhada nasceram com a mesma deficiência, que é algo raro. “Os dois machos já conseguiram andar só com as duas patas de trás, mas a fêmea ainda enfrenta dificuldades e talvez seja preciso a implantação de uma prótese”, explicou. Ainda conforme Yudi, a prótese deve ser uma espécie de cadeira de rodas que irá dar suporte para o animal onde seriam as patas dianteiras. Quando atingirem a idade adulta os animais serão castrados para evitar que as futuras gerações sejam afetadas pelo mesmo problema.

Jabuti rodinhas irmã Maria Helena em Uberaba (Foto: Luiz Vieira/G1)

Irmã Maria Helena e jabuti rodinhas em Uberaba (Foto: Luiz Vieira/G1)

Jabutis ganham nova vida 
Eles têm a fama de serem lentos e até preguiçosos, mas a história de Miguinho, um jabuti que vive na Congregação das Irmãs Dominicanas em Uberaba, é um pouco diferente. Após sofrer um acidente ao passar próximo de um fio de cerca elétrica, o animal pegou uma infecção e perdeu uma das patas. Ele foi um dos pacientes do Hospital Veterinário e lá ganhou vida nova, ou melhor, rodinhas. Foram feitas duas adaptações, a primeira delas implantada no início de março deste ano, onde foi implantada uma rodinha para substituir o membro amputado.

Como o animal demonstrou certa dificuldade de locomoção, uma semana depois foi implantada outra rodinha para dar estabilidade aos movimentos. Hoje Miguinho não enfrenta mais dificuldades, passa apenas por algumas manutenções nas rodinhas no hospital, quando necessário. Segundo a irmã dominicaca, Maria Helena Salazar, o jabuti esta cada vez melhor. “Ele está mais ligeiro, temos que ficar atentos e deixar ele em local plano como foi recomendado pelo veterinário. Quando ele fica solto é preciso ficar atento pra não perder ele no jardim.”-completa.

Outro jabuti que recebeu atenção especial foi Jabite, de apenas oito anos. O animal teve 95% do corpo queimado em um incêndio e não sobreviveria sem a carapaça. Para não sacrificá-lo, a equipe desenvolveu um casco feito com resina odontológica. Foi necessário aproximadamente um ano de tratamento para que Jabite ficasse recuperado e a prótese ajustada. Hoje são necessárias apenas algumas revisões, pois o jabuti ainda é jovem e deverá triplicar de tamanho, ou seja, o novo casco pode quebrar se não for ajustado constantemente. “É preciso um acompanhamento para ver o estado da prótese de resina, pois Jabite ainda deve crescer e pode quebrar o casco. Será preciso fazer pequenos reparos”, ressaltou Cláudio Yudi.

Papagaio passa por cirurgia após ser diagnosticado com câncer
Há alguns anos o papagaio Frederico foi diagnosticado com dois nódulos causados pela fumaça do cigarro. A família que vive com a ave há 19 anos têm vários fumantes e isso transformou Frederico em um fumante passivo. O animal foi tratado no Hospital Veterinário de Uberaba e lá passou por uma cirurgia. Hoje curado vive bem ao lado da família, que dispensou o cigarro quando está perto do falante Frederico.

Beija-flor recebe transplante de cauda
Outro caso curioso tratado pelos especialistas de Uberaba foi o transplante de cauda feito em um beija-flor. A ave teve a cauda arrancada após um ataque de um cachorro. No hospital foi feito um implante para que o beija-flor voltasse a voar normalmente. A cauda do pássaro foi recuperada e colada com cola cirúrgica especial, depois disso ele foi solto.

Animal típico do cerrado, lobo-guará ganha perna mecânica 
Um lobo guará de aproximadamente dois anos foi encontrado em uma fazenda no município de Veríssimo, no Triângulo Mineiro. O animal foi resgatado pela 5ª Companhia da Polícia Militar, muito ferido e com dificuldade para andar. A suspeita é que ele tenha sido atropelado numa rodovia que corta a região.

Após exames foi constatado que o animal estava debilitado, desidratado e com uma fratura exposta no tornozelo da pata traseira esquerda. “A fratura é antiga, ou seja, já existem pontos de cicatrização do osso, mas infelizmente de forma inadequada, o que impede uma possível cirurgia para a correção”, explicou o veterinário Cláudio. O lobo-guará foi encaminhado para o setor de quarentena do zoológico de Uberaba. Uma prótese metálica está sendo fabricada na cidade para que o animal volte a andar normalmente. Dependendo de como o animal reagir à prótese não será preciso amputar a perna. O lobo-guará é uma espécie ameaçada de extinção.

Enquanto as próteses não ficam prontas, a equipe do Hospital Veterinário de Uberaba, composta por especialistas e estudantes, continua desenvolvendo novas ideias e equipamentos para garantir a qualidade de vida dos animais. Para o professor Cláudio Yudi é uma oportunidade para que os alunos tenham contato com a rotina da profissão e também com as mais variadas alternativas de tratamento. “O contato com esses animais é sem dúvida nenhuma um aprendizado para todos nós”, afirmou o veterinário.

 

Fonte: Luiz Vieira, G1, Triângulo Mineiro


20 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Jaguatirica sobrevive a atropelamento em Caxias do Sul

O filhote foi salvo por um motorista no final de semana.
Equipe do zoo de Caxias do Sul (RS) examinou o animal.

A jaguatirica fêmea resgatado no sábado (17), no Rio Grande do Sul, está livre de fraturas. O animal foi atropelado na rodovia que liga Caxias do Sul ao litoral do estado. Resgatado por um motorista o animal foi levado para o zoológico da cidade.

O animal teve uma lesão muscular pelo trauma da pancada, mas apesar da dificuldade para apoiar uma das patas, não sofreu nenhum traumatismo. A jaguatirica foi sedada e examinada pelos veterinários do zoológico nesta desta segunda-feira (19).

A jaguatirica deve permanecer em observação por pelo menos mais uma semana. A fêmea resgatada é adulta e pesa 8,7 quilos. O bicho será tratado e, se apresentar condições, será solto na natureza.

A espécie é encontrada em todo o Brasil, mas no Sul do país é considerada ameaçada pela perda de habitat por causa do desmatamento.

Jaguatirica foi sedada para exame no Zoológico da Universidade de Caxias do Sul (Foto: Roni Rigon/Agência RBS)

Jaguatirica foi sedada para exame no zoológico da Universidade de Caxias do Sul (Foto: Roni Rigon/Agência RBS)

 

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


16 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Zoo da Colômbia monta operação para levar leão ao dentista

Tyson foi anestesiado e levado à clínica veterinária de Medellin.
Vários profissionais foram envolvidos no tratamento, nesta quinta-feira.

Com 20 anos, o leão Tyson é anestesiado para receber tratamento dentário em clínica veterinária de Medellin, na Colômbia. O animal vive no zoológico Santafe (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

Com 20 anos, o leão Tyson é anestesiado nesta quinta-feira (15) para receber tratamento dentário em clínica veterinária de Medellin, na Colômbia. O animal vive no zoológico Santafe (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

 

Veterinária manuseia equipamento que será utilizado no tratamento dentário do leão Tyson, nesta quinta-feira (15) em Medellin, na Colômbia (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

Veterinária manuseia equipamento que será utilizado no tratamento dentário do leão Tyson, em Medellin, na Colômbia (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

Fonte: Globo Natureza

 


18 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de tamanduá-bandeira é internado após ser atacado por cão

Filhote vai ser transferido para hospital veterinário em Uberlândia.
Espécie é ameaçada de extinção.

Um filhote de tamanduá-bandeira que foi mordido por um cachorro está internado no Hospital Veterinário de Uberaba, no Triângulo Mineiro, nesta quinta-feira (17). O animal é de uma espécie ameaçada de extinção. É um filhote com quatro meses, é macho e pesa dois quilos.

Segundo o veterinário que cuida do animal, ele estava numa fazenda perto de Uberaba, quando foi atacado. O dono da propriedade chamou a Polícia de Meio Ambiente, que levou o filhote para o hospital. Ele recebeu atendimento, se alimenta normalmente e vai ser transferido para a Universidade Federal de Uberlândia.

Na terça-feira (16), um filhote de tamanduá-bandeira morreu mesmo após receber tratamento em um hospital veterinário. Ele foi abandonado na zona rural de Uberaba, no Triângulo Mineiro. Ele teve uma diarréia muito forte e não conseguiu resistir. O animal, ameaçado de extinção, foi encontrado no início deste mês na zona rural da cidade e entregue a um batalhão da Polícia Militar.

Fonte: Do G1 MG, com informações da Rede Integração


11 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

EUA oferecem R$ 16 mil por agressor de tartaruga ameaçada

Empresas, organizações não-governamentais (ONGs) e pessoas físicas se uniram para oferecer uma recompensa de US$ 10 mil (R$ 16 mil) para pistas que levem à prisão de uma pessoa que feriu com um arpão uma tartaruga protegida por lei nos Estados Unidos. As informações são da agência AP.

A tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) foi tratado no Hospital da Tartaruga, em Florida Keys, e, de acordo com os médicos veterinários, deve ter uma recuperação total após um arpão atravessar a cabeça.

Segundo a TV WSVN, a recompensa arrecadada foi encaminhada às autoridades de proteção à vida selvagem, que procuram o suspeito pela agressão. O arpão atingiu a cabeça do animal logo atrás de um dos olhos.

Médicos veterinários retiram arpão da cabeça de tartaruga no último dia 4. A imagem foi divulgada nesta quarta-feira. Foto: AP

Médicos veterinários retiram arpão da cabeça de tartaruga no último dia 4. A imagem foi divulgada nesta quarta-feira. Foto:AP

Fonte: Portal Terra


10 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Coruja presa em linha de pipa é resgatada em Vitória

Segundo moradores do bairro Joana D’arc, linha tinha cerol.
Corpo de Bombeiros foi ao local para resgatar o animal.

Coruja fica presa em linha de pipa em Joana D'arc (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Coruja fica presa em linha de pipa em Joana D'arc (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Uma coruja se enrolou em uma linha de pipa no alto de uma árvore no bairro Joana D’arc em Vitória. A aposentada Sueli Abrantes foi acordada às 6h pelo sobrinho, que avistou o animal agarrado na linha se debatendo. Vários órgãos foram chamados, mas, só às 9h, uma equipe do Corpo de Bombeiros foi ao local para resgatar o animal.

De acordo com a aposentada, foi angustiante ver o animal do jeito que estava. “A coruja ficou lá no alto, pendurada pela asa por mais de 3h. Foi muito triste, uma angústia para todos os moradores que acompanharam o sofrimento do animal”, contou a Sueli.

Os moradores disseram que não sabiam como fazer o resgate, já que a coruja se mostrava muito arisca. “Nos galhos da árvore tem muita linha de pipa com cerol (mistura de cola e vidro) que as crianças soltam e, por isso, achamos melhor chamar alguém capacitado para fazer o resgate. Até o bombeiro teve dificuldades. Mas no fim deu tudo certo”, disse a aposentada.

Depois de resgatada, a coruja foi colocada pelos bombeiros dentro de uma gaiola e deixada na casa da aposentada. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) destinará o animal a um lugar adequado. “Enquanto isso a gente fica esperando. Já tentei dar água mas ela não toma. Já não sei mais o que faço. Estou com medo dela morrer aqui. Ela está muito machucada”, disse.

De acordo com o médico veterinário Vinícius Queiroz, uma equipe do Ibama vai levar coruja para o Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama, que fica no bairro Barcelona na Serra. “Só os bombeiros, possuem o material necessário para remover animais em situação de perigo. Em vários casos os bichos não conseguem ser resgatados à tempo. Neste caso vamos avaliar se a coruja precisa passar por alguma cirurgia. Não adianta oferecer água para a coruja, elas não tomam”, contou o veterinário.

Segundo moradores, linha que prendeu coruja tinha cerol (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Segundo moradores, linha que prendeu coruja tinha cerol (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Coruja é resgatada pelo Corpo de Bombeiros (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Coruja é resgatada pelo Corpo de Bombeiros (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Fonte: Juirana  Nobres, G1, Es


4 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Tartaruga é lançada no mar após cirurgia para reconstruir casco

Encontrado em praia da Flórida, animal foi submetido a tratamento inédito durante um ano.

A tartaruga-marinha Andre será devolvida ao mar da Flórida, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira (3), depois de ter seu casco reconstruído com tecnologias nunca utilizadas antes em animais. Andre foi encontrado por banhistas na praia de Juno, em 2010, com o casco rompido e a parte interna do corpo exposta.

Ele foi levado ao instituto de conservação Loggerhead Marinelife Center, onde passou por um tratamento que incluiu uma cirurgia para a recuperação dos órgãos internos e a aplicação de um tecido sintético para proteger o organismo após a cirurgia.

Recuperado dos ferimentos, o animal recebeu aplicações ortodônticas no casco, para garantir que o tecido se reconstruiria corretamente. “Precisávamos de algo para criar tensão em algumas áreas da carapaça e movimento em outras”, disse a veterinária Nancy Metee, que cuidou de Andre.

“A Ortodontia faz isso no crânio humano, então pensei que as aplicações pudessem funcionar no casco da tartaruga”. Durante um ano de tratamento, os funcionários do centro Loggerhead registraram o progresso de Andre em seu site.

Mais de 200 pessoas em todo o mundo fizeram doações para o tratamento da tartaruga e acompanhavam sua recuperação por uma câmera instalada em cima de seu tanque. O animal chegou a receber cartões desejando melhoras pelo correio.

Andre, exemplar de tartaruga-marinha que foi encontrado em 2010 com casco rompido nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

Andre, exemplar de tartaruga-marinha que foi encontrado em 2010 com casco rompido nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

O animal durante cirurgia de reparação do casco (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

O animal durante cirurgia de reparação do casco (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

A tartaruga-marinha após cirurgia. Biólogos vão devolver exemplar ao mar nesta quarta-feira (3), nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

A tartaruga-marinha após cirurgia. Biólogos vão devolver exemplar ao mar nesta quarta-feira (3), nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

Fonte:


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

julho 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

28 de dezembro de 2012 | nenhum comentário »

Corujinha-do-mato é resgatada pelo IPEVS

Na noite de 26 de dezembro de 2012, o IPEVS recebeu um chamado para resgatar uma corujinha-do-mato (Megascops choliba). Ao chegar ao local em uma residência da cidade de Cornélio Procópio, o morador relatou que após a chuva forte que ocorreu naquele dia a coruja foi avistada no solo com dificuldades para voar.  A bióloga do IPEVS Renata Alfredo, recolheu a corujinha deslocando-a para o instituto.  A corujinha não apresentava nenhum ferimento e está em observação. Posteriormente será realizada a soltura da ave.

Corujinha-do-mato recolhida pelo IPEVS. Foto: IPEVS

 

Sem ferimentos a corujinha está em observação e em breve voltará para natureza. Foto: IPEVS

 

Fonte: Ascom IPEVS


28 de dezembro de 2012 | nenhum comentário »

IPEVS resgata coruja buraqueira

Na véspera do Natal, dia 24 de dezembro, a equipe do IPEVS foi acionada para resgatar uma coruja buraqueira (Athene cunicularia) em um condomínio localizado na cidade de Cornélio Procópio.

Ao chegar ao local o morador relatou que o animal vive no residencial e percebendo que a ave estava ferida recolheu o animal em uma gaiola e entrou em contato com o IPEVS.

A coruja foi examinada pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad que constatou que a asa da coruja foi fraturada, mas o osso estava consolidado, ou seja, a fratura foi reparada pelo próprio organismo do animal e os procedimentos realizados foram a limpeza da lesão e aplicação de pomada cicatrizante. A buraqueira está em recuperação sobre os cuidados da equipe do IPEVS e posteriormente retornará ao local onde vivia.

Coruja buraqueira resgatada pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

A coruja recebeu atendimento realizado pelo médico veterinário do IPEVS Rafael Haddad. Foto: IPEVS

 

Saiba mais: A coruja buraqueira ocorre em quase todo o Brasil, exceto a região amazônica. Alimenta-se com frequência de artrópodes como besouros, mas pode caçar pequenos roedores, aves, répteis e anfíbios. Coruja terrícola, com atividade diurna e crepuscular. A coruja buraqueira geralmente cava seus próprios buracos e os utilizam como abrigo e para  construir seus ninhos.

 

Fonte: Ascom IPEVS


26 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Contaminado por chumbo, condor-da-Califórnia corre risco de extinção

Espécie é uma das maiores aves voadoras do mundo.
Chumbo usado em munições está contaminando população.

A recuperação do condor-da-Califórnia, uma espécie extremamente ameaçada de extinção, esbarra na contaminação pelo chumbo encontrado em munições, informa uma pesquisa científica divulgada na edição desta terça-feira (26) da revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

Essa espécie de condor é uma das maiores aves voadoras do mundo e está sob risco de extinção. Em 1982, segundo o estudo, apenas 22 exemplares restavam. Após um intenso trabalho de recuperação, o número saltou para 400 animais no final de 2010 – ainda muito baixo para manter uma população estável.

Agora, o estudo apresentado por Myra Finkelstein, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, indica que, sem intervenção humana para tratar a contaminação, a espécie pode desaparecer em poucas décadas.

Os condores se alimentam de carcaças, da mesma maneira que urubus e abutres. Uma de suas principais fontes de alimentação são mamíferos de grande porte abatidos por caçadores, como os veados. Segundo a pesquisa, as aves se contaminam ao ingerir fragmentos das balas usadas na caça.

Os cientistas capturam regularmente condores-da-Califórnia para tratamento. Anualmente, uma em cada cinco aves encontradas precisa ser desintoxicada. Após o apoio veterinário, ela é devolvida ao meio ambiente.

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

Condor-da-Califórnia é uma das maiores aves do mundo. (Foto: Cortesia/Joe Burnett )

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

O condor-da-Califórnia, ameaçado de extinção. (Foto: Cortesia/Daniel George)

Fonte: Globo Natureza


31 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Veterinários usam a criatividade para salvar animais em Uberaba

Foram criadas rodas para locomoção, casco de resina e perna mecânica.
Profissionais ajudam até no enfrentamento de doenças como o câncer.

Lobo-guara analisado por estudante no Hospital Veterinário de Uberaba (Foto: Veterinário Cláudio Yudi)

Lobo-guara analisado por estudante no Hospital Veterinário (Foto: Cláudio Yudi/Divulgação)

O Hospital Veterinário de Uberaba, no Triângulo Mineiro, tem chamado a atenção pelo cuidado com os animais e pela criatividade nas técnicas adotadas em tratamentos. Para ajudar os bichos sobreviverem a problemas de saúde como câncer e deficiências físicas, os profissionais já fizeram rodinhas para jabuti, criaram casco de resina, têm ensinado filhotes de cachorros a andar com duas patas, implantaram cauda em beija-flor e até perna mecânica em um lobo-guará, animal típico da região do Cerrado.

saiba mais

Os animais são para muita gente parte da família, tanto que quando estão doentes a intenção é fazer o que antes parecia impossível se tornar possível. Recentemente veterinários da cidade tentam ajudar três filhotes de cachorro a andar. Bethoven, Pitoco e Vitória têm um problema genético chamado amelia, que causa a falta dos membros superiores. A deficiência é causada tanto por fatores genéticos quanto pelo ambiente. O caso, que é uma raridade na ciência, despertou a atenção dos pesquisadores do Hospital Veterinário: eles não têm as patas da frente.

Segundo o veterinário Cláudio Yudi, filhotes de uma mesma ninhada nasceram com a mesma deficiência, que é algo raro. “Os dois machos já conseguiram andar só com as duas patas de trás, mas a fêmea ainda enfrenta dificuldades e talvez seja preciso a implantação de uma prótese”, explicou. Ainda conforme Yudi, a prótese deve ser uma espécie de cadeira de rodas que irá dar suporte para o animal onde seriam as patas dianteiras. Quando atingirem a idade adulta os animais serão castrados para evitar que as futuras gerações sejam afetadas pelo mesmo problema.

Jabuti rodinhas irmã Maria Helena em Uberaba (Foto: Luiz Vieira/G1)

Irmã Maria Helena e jabuti rodinhas em Uberaba (Foto: Luiz Vieira/G1)

Jabutis ganham nova vida 
Eles têm a fama de serem lentos e até preguiçosos, mas a história de Miguinho, um jabuti que vive na Congregação das Irmãs Dominicanas em Uberaba, é um pouco diferente. Após sofrer um acidente ao passar próximo de um fio de cerca elétrica, o animal pegou uma infecção e perdeu uma das patas. Ele foi um dos pacientes do Hospital Veterinário e lá ganhou vida nova, ou melhor, rodinhas. Foram feitas duas adaptações, a primeira delas implantada no início de março deste ano, onde foi implantada uma rodinha para substituir o membro amputado.

Como o animal demonstrou certa dificuldade de locomoção, uma semana depois foi implantada outra rodinha para dar estabilidade aos movimentos. Hoje Miguinho não enfrenta mais dificuldades, passa apenas por algumas manutenções nas rodinhas no hospital, quando necessário. Segundo a irmã dominicaca, Maria Helena Salazar, o jabuti esta cada vez melhor. “Ele está mais ligeiro, temos que ficar atentos e deixar ele em local plano como foi recomendado pelo veterinário. Quando ele fica solto é preciso ficar atento pra não perder ele no jardim.”-completa.

Outro jabuti que recebeu atenção especial foi Jabite, de apenas oito anos. O animal teve 95% do corpo queimado em um incêndio e não sobreviveria sem a carapaça. Para não sacrificá-lo, a equipe desenvolveu um casco feito com resina odontológica. Foi necessário aproximadamente um ano de tratamento para que Jabite ficasse recuperado e a prótese ajustada. Hoje são necessárias apenas algumas revisões, pois o jabuti ainda é jovem e deverá triplicar de tamanho, ou seja, o novo casco pode quebrar se não for ajustado constantemente. “É preciso um acompanhamento para ver o estado da prótese de resina, pois Jabite ainda deve crescer e pode quebrar o casco. Será preciso fazer pequenos reparos”, ressaltou Cláudio Yudi.

Papagaio passa por cirurgia após ser diagnosticado com câncer
Há alguns anos o papagaio Frederico foi diagnosticado com dois nódulos causados pela fumaça do cigarro. A família que vive com a ave há 19 anos têm vários fumantes e isso transformou Frederico em um fumante passivo. O animal foi tratado no Hospital Veterinário de Uberaba e lá passou por uma cirurgia. Hoje curado vive bem ao lado da família, que dispensou o cigarro quando está perto do falante Frederico.

Beija-flor recebe transplante de cauda
Outro caso curioso tratado pelos especialistas de Uberaba foi o transplante de cauda feito em um beija-flor. A ave teve a cauda arrancada após um ataque de um cachorro. No hospital foi feito um implante para que o beija-flor voltasse a voar normalmente. A cauda do pássaro foi recuperada e colada com cola cirúrgica especial, depois disso ele foi solto.

Animal típico do cerrado, lobo-guará ganha perna mecânica 
Um lobo guará de aproximadamente dois anos foi encontrado em uma fazenda no município de Veríssimo, no Triângulo Mineiro. O animal foi resgatado pela 5ª Companhia da Polícia Militar, muito ferido e com dificuldade para andar. A suspeita é que ele tenha sido atropelado numa rodovia que corta a região.

Após exames foi constatado que o animal estava debilitado, desidratado e com uma fratura exposta no tornozelo da pata traseira esquerda. “A fratura é antiga, ou seja, já existem pontos de cicatrização do osso, mas infelizmente de forma inadequada, o que impede uma possível cirurgia para a correção”, explicou o veterinário Cláudio. O lobo-guará foi encaminhado para o setor de quarentena do zoológico de Uberaba. Uma prótese metálica está sendo fabricada na cidade para que o animal volte a andar normalmente. Dependendo de como o animal reagir à prótese não será preciso amputar a perna. O lobo-guará é uma espécie ameaçada de extinção.

Enquanto as próteses não ficam prontas, a equipe do Hospital Veterinário de Uberaba, composta por especialistas e estudantes, continua desenvolvendo novas ideias e equipamentos para garantir a qualidade de vida dos animais. Para o professor Cláudio Yudi é uma oportunidade para que os alunos tenham contato com a rotina da profissão e também com as mais variadas alternativas de tratamento. “O contato com esses animais é sem dúvida nenhuma um aprendizado para todos nós”, afirmou o veterinário.

 

Fonte: Luiz Vieira, G1, Triângulo Mineiro


20 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Jaguatirica sobrevive a atropelamento em Caxias do Sul

O filhote foi salvo por um motorista no final de semana.
Equipe do zoo de Caxias do Sul (RS) examinou o animal.

A jaguatirica fêmea resgatado no sábado (17), no Rio Grande do Sul, está livre de fraturas. O animal foi atropelado na rodovia que liga Caxias do Sul ao litoral do estado. Resgatado por um motorista o animal foi levado para o zoológico da cidade.

O animal teve uma lesão muscular pelo trauma da pancada, mas apesar da dificuldade para apoiar uma das patas, não sofreu nenhum traumatismo. A jaguatirica foi sedada e examinada pelos veterinários do zoológico nesta desta segunda-feira (19).

A jaguatirica deve permanecer em observação por pelo menos mais uma semana. A fêmea resgatada é adulta e pesa 8,7 quilos. O bicho será tratado e, se apresentar condições, será solto na natureza.

A espécie é encontrada em todo o Brasil, mas no Sul do país é considerada ameaçada pela perda de habitat por causa do desmatamento.

Jaguatirica foi sedada para exame no Zoológico da Universidade de Caxias do Sul (Foto: Roni Rigon/Agência RBS)

Jaguatirica foi sedada para exame no zoológico da Universidade de Caxias do Sul (Foto: Roni Rigon/Agência RBS)

 

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


16 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Zoo da Colômbia monta operação para levar leão ao dentista

Tyson foi anestesiado e levado à clínica veterinária de Medellin.
Vários profissionais foram envolvidos no tratamento, nesta quinta-feira.

Com 20 anos, o leão Tyson é anestesiado para receber tratamento dentário em clínica veterinária de Medellin, na Colômbia. O animal vive no zoológico Santafe (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

Com 20 anos, o leão Tyson é anestesiado nesta quinta-feira (15) para receber tratamento dentário em clínica veterinária de Medellin, na Colômbia. O animal vive no zoológico Santafe (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

 

Veterinária manuseia equipamento que será utilizado no tratamento dentário do leão Tyson, nesta quinta-feira (15) em Medellin, na Colômbia (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

Veterinária manuseia equipamento que será utilizado no tratamento dentário do leão Tyson, em Medellin, na Colômbia (Foto: Albeiro Lopera/Reuters)

Fonte: Globo Natureza

 


18 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de tamanduá-bandeira é internado após ser atacado por cão

Filhote vai ser transferido para hospital veterinário em Uberlândia.
Espécie é ameaçada de extinção.

Um filhote de tamanduá-bandeira que foi mordido por um cachorro está internado no Hospital Veterinário de Uberaba, no Triângulo Mineiro, nesta quinta-feira (17). O animal é de uma espécie ameaçada de extinção. É um filhote com quatro meses, é macho e pesa dois quilos.

Segundo o veterinário que cuida do animal, ele estava numa fazenda perto de Uberaba, quando foi atacado. O dono da propriedade chamou a Polícia de Meio Ambiente, que levou o filhote para o hospital. Ele recebeu atendimento, se alimenta normalmente e vai ser transferido para a Universidade Federal de Uberlândia.

Na terça-feira (16), um filhote de tamanduá-bandeira morreu mesmo após receber tratamento em um hospital veterinário. Ele foi abandonado na zona rural de Uberaba, no Triângulo Mineiro. Ele teve uma diarréia muito forte e não conseguiu resistir. O animal, ameaçado de extinção, foi encontrado no início deste mês na zona rural da cidade e entregue a um batalhão da Polícia Militar.

Fonte: Do G1 MG, com informações da Rede Integração


11 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

EUA oferecem R$ 16 mil por agressor de tartaruga ameaçada

Empresas, organizações não-governamentais (ONGs) e pessoas físicas se uniram para oferecer uma recompensa de US$ 10 mil (R$ 16 mil) para pistas que levem à prisão de uma pessoa que feriu com um arpão uma tartaruga protegida por lei nos Estados Unidos. As informações são da agência AP.

A tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta) foi tratado no Hospital da Tartaruga, em Florida Keys, e, de acordo com os médicos veterinários, deve ter uma recuperação total após um arpão atravessar a cabeça.

Segundo a TV WSVN, a recompensa arrecadada foi encaminhada às autoridades de proteção à vida selvagem, que procuram o suspeito pela agressão. O arpão atingiu a cabeça do animal logo atrás de um dos olhos.

Médicos veterinários retiram arpão da cabeça de tartaruga no último dia 4. A imagem foi divulgada nesta quarta-feira. Foto: AP

Médicos veterinários retiram arpão da cabeça de tartaruga no último dia 4. A imagem foi divulgada nesta quarta-feira. Foto:AP

Fonte: Portal Terra


10 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Coruja presa em linha de pipa é resgatada em Vitória

Segundo moradores do bairro Joana D’arc, linha tinha cerol.
Corpo de Bombeiros foi ao local para resgatar o animal.

Coruja fica presa em linha de pipa em Joana D'arc (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Coruja fica presa em linha de pipa em Joana D'arc (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Uma coruja se enrolou em uma linha de pipa no alto de uma árvore no bairro Joana D’arc em Vitória. A aposentada Sueli Abrantes foi acordada às 6h pelo sobrinho, que avistou o animal agarrado na linha se debatendo. Vários órgãos foram chamados, mas, só às 9h, uma equipe do Corpo de Bombeiros foi ao local para resgatar o animal.

De acordo com a aposentada, foi angustiante ver o animal do jeito que estava. “A coruja ficou lá no alto, pendurada pela asa por mais de 3h. Foi muito triste, uma angústia para todos os moradores que acompanharam o sofrimento do animal”, contou a Sueli.

Os moradores disseram que não sabiam como fazer o resgate, já que a coruja se mostrava muito arisca. “Nos galhos da árvore tem muita linha de pipa com cerol (mistura de cola e vidro) que as crianças soltam e, por isso, achamos melhor chamar alguém capacitado para fazer o resgate. Até o bombeiro teve dificuldades. Mas no fim deu tudo certo”, disse a aposentada.

Depois de resgatada, a coruja foi colocada pelos bombeiros dentro de uma gaiola e deixada na casa da aposentada. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) destinará o animal a um lugar adequado. “Enquanto isso a gente fica esperando. Já tentei dar água mas ela não toma. Já não sei mais o que faço. Estou com medo dela morrer aqui. Ela está muito machucada”, disse.

De acordo com o médico veterinário Vinícius Queiroz, uma equipe do Ibama vai levar coruja para o Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama, que fica no bairro Barcelona na Serra. “Só os bombeiros, possuem o material necessário para remover animais em situação de perigo. Em vários casos os bichos não conseguem ser resgatados à tempo. Neste caso vamos avaliar se a coruja precisa passar por alguma cirurgia. Não adianta oferecer água para a coruja, elas não tomam”, contou o veterinário.

Segundo moradores, linha que prendeu coruja tinha cerol (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Segundo moradores, linha que prendeu coruja tinha cerol (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Coruja é resgatada pelo Corpo de Bombeiros (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Coruja é resgatada pelo Corpo de Bombeiros (Foto: Ari Melo/ TV Gazeta)

Fonte: Juirana  Nobres, G1, Es


4 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Tartaruga é lançada no mar após cirurgia para reconstruir casco

Encontrado em praia da Flórida, animal foi submetido a tratamento inédito durante um ano.

A tartaruga-marinha Andre será devolvida ao mar da Flórida, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira (3), depois de ter seu casco reconstruído com tecnologias nunca utilizadas antes em animais. Andre foi encontrado por banhistas na praia de Juno, em 2010, com o casco rompido e a parte interna do corpo exposta.

Ele foi levado ao instituto de conservação Loggerhead Marinelife Center, onde passou por um tratamento que incluiu uma cirurgia para a recuperação dos órgãos internos e a aplicação de um tecido sintético para proteger o organismo após a cirurgia.

Recuperado dos ferimentos, o animal recebeu aplicações ortodônticas no casco, para garantir que o tecido se reconstruiria corretamente. “Precisávamos de algo para criar tensão em algumas áreas da carapaça e movimento em outras”, disse a veterinária Nancy Metee, que cuidou de Andre.

“A Ortodontia faz isso no crânio humano, então pensei que as aplicações pudessem funcionar no casco da tartaruga”. Durante um ano de tratamento, os funcionários do centro Loggerhead registraram o progresso de Andre em seu site.

Mais de 200 pessoas em todo o mundo fizeram doações para o tratamento da tartaruga e acompanhavam sua recuperação por uma câmera instalada em cima de seu tanque. O animal chegou a receber cartões desejando melhoras pelo correio.

Andre, exemplar de tartaruga-marinha que foi encontrado em 2010 com casco rompido nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

Andre, exemplar de tartaruga-marinha que foi encontrado em 2010 com casco rompido nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

O animal durante cirurgia de reparação do casco (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

O animal durante cirurgia de reparação do casco (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

A tartaruga-marinha após cirurgia. Biólogos vão devolver exemplar ao mar nesta quarta-feira (3), nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

A tartaruga-marinha após cirurgia. Biólogos vão devolver exemplar ao mar nesta quarta-feira (3), nos Estados Unidos (Foto: Loggerhead Marinelife Center/BBC)

Fonte:


« Página anterior