11 de abril de 2012 | nenhum comentário »

Liberar desova do salmão beneficia ursos e pescadores, diz estudo

Densidade demográfica de ursos cresce se há mais alimento disponível.
Além disso, número de peixes pode aumentar e contribuir com a pesca.

Companhias de pesca de salmão no noroeste do Pacífico costumam liberar a passagem de apenas um pequeno número de peixes para permitir a desova. Segundo um novo estudo publicado na terça-feira (10) no jornal “PLoS Biology”, a liberação de mais peixes pode beneficiar ursos e pescadores.

Para medir os impactos, os pesquisadores verificaram hábitos alimentares de ursos cinzentos, uma variedade de urso pardo, em seis regiões do Alasca e do Canadá. Quando a disponibilidade de salmão era elevada, maior era a densidade de ursos. Assim, liberar a desova beneficiaria o mamífero, argumenta a pesquisa, conduzida por cientistas de universidades americanas e canadenses.

Além disso, quando poucos salmões são liberados para desovar, os ursos se alimentam do peixe inteiro. Já quando a disponibilidade de alimento é maior, os ursos comem apenas algumas partes, como o cérebro. Segundo a pesquisa, este hábito contribui para o ecossistema, já que outros animais podem se beneficiar da sobra do salmão.

Ainda de acordo com o estudo, a medida também poderia aumentar, em alguns casos, o número de peixes no oceano, o que beneficiaria a pesca comercial. Em outras situações, liberar a desova poderia trazer prejuízos para a pesca – mas os benefícios para o ecossistema seriam muito maiores que as perdas econômicas, argumentam os cientistas.

Urso-pardo pesca salmão no Alasca (Foto: Jon Cornforth / Barcroft Media / Getty Images)

Urso-pardo pesca salmão no Alasca (Foto: Jon Cornforth / Barcroft Media / Getty Images)

Fonte: Globo Natureza


14 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Estudo com pássaros traz novos dados sobre infidelidade feminina

Fêmea de mandarim troca de parceiro sem benefício aparente.
Cientistas apontam origem genética para comportamento sexual.

Uma nova pesquisa aumenta a dúvida dos cientistas em relação ao comportamento sexual dos animais. A teoria mais aceita diz que todas as ações podem ser explicadas por alguma razão biológica. Tudo que um animal faz tem o objetivo implícito de obter alguma vantagem.

No entanto, uma outra corrente duvida dessa hipótese e diz que a explicação para o comportamento pode ser genética, sem ter relação direta com a necessidade da preservação das espécies. Um estudo liderado por Wolfgang Forstmeier, pesquisador de ornitologia do Instituto Max Planck, da Alemanha, publicado pela revista científica “PNAS”, dá força a essa teoria.

A equipe de Forstmeier acompanhou um grupo de mais de 1,5 mil mandarins em cativeiro durante oito anos. O mandarim é um pássaro de hábitos monogâmicos que na grande maioria das vezes estabelece laços de casal de longa duração. Contudo, apesar dos laços aparentes, as relações extraconjugais são comuns.

Segundo Forstmeier, que conversou com o G1, a explicação para a traição dos machos é “óbvia”. “Os machos querem ter o maior número possível de descendentes”, disse o pesquisador. No entanto, as fêmeas também têm esse comportamento, e os cientistas não encontram nenhuma explicação lógica para isso.

A pesquisa alemã mostrou que as fêmeas que copulam com vários parceiros são filhas de machos que também faziam o mesmo. “Podemos perceber este comportamento como consequência dos genes”, constatou Forstmeier. “O comportamento pode existir mesmo se não houver benefício”, completou o cientista.

Pesquisa foi feita com mandarins na Alemanha. (Foto: Karen Hull / Flickr - Creative Commons 2.0 genérico)

Pesquisa foi feita com mandarins na Alemanha. (Foto: Karen Hull / Flickr - Creative Commons 2.0 genérico)

 

Fonte: Tadeu Meniconi, Do G1, em São Paulo


24 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Governo inicia levantamento de famílias para receber ‘Bolsa Verde’

Projeto de benefício federal está sendo delineado por ministérios.
Baseado no Bolsa Família, pretende ajudar população pobre em reservas.

O governo iniciou na última semana o levantamento do número de famílias que habitam as unidades de conservação federais para saber quantas delas estão em situação de extrema pobreza e poderiam receber um benefício mensal denominado ‘Bolsa Verde’.

Lançado em 2009 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o projeto segue o modelo do Bolsa Família. A intenção do programa é evitar que moradores dessas localidades pratiquem a exploração ilegal de recursos naturais. De acordo com as regras, famílias com renda de até R$ 70 por pessoa poderão receber um benefício mensal de R$ 100.

Existe a expectativa de que o benefício passe a vigorar a partir do segundo semestre deste ano. Mas ele ainda está em fase de discussão interministerial e envolve as pastas do Meio Ambiente, Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Agrário, que tentam destravar o projeto. Ele precisa ainda passar pelo Congresso e, finalmente, pelo crivo da presidente Dilma Rousseff.

Levantamento
Técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão responsável pela gestão das unidades de conservação federais, são responsáveis pelo censo que vai saber quais famílias podem receber a verba.

Em uma primeira fase, moradores das 310 unidades federais devem ser contemplados. Em uma segunda etapa, o benefício poderá abranger também reservas sob controle dos estados. “Queremos instituir um marco legal para atingir a população extremamente pobre. Seja aquela que está dentro das unidades ou nos arredores, além dos assentamentos de reforma agrária”, afirmou Roberto Vicentin, secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente.

Reforço
Segundo Paulo Maier, diretor de Unidades de Conservação do Instituto Chico Mendes, aproximadamente 60 mil famílias podem se beneficiar. Ainda segundo Maier, existe uma preocupação referente à fiscalização do pagamento.

“Está em debate as formas de verificações. Para saber se as famílias estão cumprindo com o objetivo do programa, poderemos utilizar sistemas de monitoramento via satélite, talvez até pelo desmatamento em tempo real da Amazônia Legal (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)”, afirmou Maier.

Realidade
Na reserva extrativista de Tapajós-Arapiuns, no Pará, cerca de 18 mil pessoas vivem no interior da floresta Amazônica e são responsáveis pela preservação de uma área aproximada de 6,5 mil km².

Em grande parte das comunidades só é possível chegar de barco, após 32 horas de viagem a partir da cidade mais próxima, Santarém. A maioria da população vive da agricultura, por meio da plantação de mandioca e fabricação de farinha, além da pesca e pequenos focos da extração de borracha e castanha.

De acordo com Rosinaldo Santos dos Anjos, 42 anos, presidente da associação de moradores, o total de farinha produzido é pouco (50 kg por família), sendo que grande parte é destinado ao consumo próprio.

“Com a venda não é possível levantar nem R$ 50 por mês. Isto incentiva a exploração ilegal da floresta, com a derrubada de árvores e venda clandestina de madeira”, disse. Ainda segundo Santos, o pagamento do benefício é uma forma de reconhecer o trabalho dos ‘guardiões’ da floresta. “É um apoio para nós”, afirmou.

Produção de farinha em comunidade da reserva extrativista Tapajós-Arapiuns, no Pará (Foto: Divulgação/ICMBio)

Produção de farinha em comunidade da reserva extrativista Tapajós-Arapiuns, no Pará (Foto: Divulgação/ICMBio)

 

A pesca é uma das forma de subsistência nas reservas federais. (Foto: Divulgação/ICMBio)

A pesca é uma das forma de subsistência nas reservas federais. (Foto: Divulgação/ICMBio)

 

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, em São Paulo






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

dezembro 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

11 de abril de 2012 | nenhum comentário »

Liberar desova do salmão beneficia ursos e pescadores, diz estudo

Densidade demográfica de ursos cresce se há mais alimento disponível.
Além disso, número de peixes pode aumentar e contribuir com a pesca.

Companhias de pesca de salmão no noroeste do Pacífico costumam liberar a passagem de apenas um pequeno número de peixes para permitir a desova. Segundo um novo estudo publicado na terça-feira (10) no jornal “PLoS Biology”, a liberação de mais peixes pode beneficiar ursos e pescadores.

Para medir os impactos, os pesquisadores verificaram hábitos alimentares de ursos cinzentos, uma variedade de urso pardo, em seis regiões do Alasca e do Canadá. Quando a disponibilidade de salmão era elevada, maior era a densidade de ursos. Assim, liberar a desova beneficiaria o mamífero, argumenta a pesquisa, conduzida por cientistas de universidades americanas e canadenses.

Além disso, quando poucos salmões são liberados para desovar, os ursos se alimentam do peixe inteiro. Já quando a disponibilidade de alimento é maior, os ursos comem apenas algumas partes, como o cérebro. Segundo a pesquisa, este hábito contribui para o ecossistema, já que outros animais podem se beneficiar da sobra do salmão.

Ainda de acordo com o estudo, a medida também poderia aumentar, em alguns casos, o número de peixes no oceano, o que beneficiaria a pesca comercial. Em outras situações, liberar a desova poderia trazer prejuízos para a pesca – mas os benefícios para o ecossistema seriam muito maiores que as perdas econômicas, argumentam os cientistas.

Urso-pardo pesca salmão no Alasca (Foto: Jon Cornforth / Barcroft Media / Getty Images)

Urso-pardo pesca salmão no Alasca (Foto: Jon Cornforth / Barcroft Media / Getty Images)

Fonte: Globo Natureza


14 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Estudo com pássaros traz novos dados sobre infidelidade feminina

Fêmea de mandarim troca de parceiro sem benefício aparente.
Cientistas apontam origem genética para comportamento sexual.

Uma nova pesquisa aumenta a dúvida dos cientistas em relação ao comportamento sexual dos animais. A teoria mais aceita diz que todas as ações podem ser explicadas por alguma razão biológica. Tudo que um animal faz tem o objetivo implícito de obter alguma vantagem.

No entanto, uma outra corrente duvida dessa hipótese e diz que a explicação para o comportamento pode ser genética, sem ter relação direta com a necessidade da preservação das espécies. Um estudo liderado por Wolfgang Forstmeier, pesquisador de ornitologia do Instituto Max Planck, da Alemanha, publicado pela revista científica “PNAS”, dá força a essa teoria.

A equipe de Forstmeier acompanhou um grupo de mais de 1,5 mil mandarins em cativeiro durante oito anos. O mandarim é um pássaro de hábitos monogâmicos que na grande maioria das vezes estabelece laços de casal de longa duração. Contudo, apesar dos laços aparentes, as relações extraconjugais são comuns.

Segundo Forstmeier, que conversou com o G1, a explicação para a traição dos machos é “óbvia”. “Os machos querem ter o maior número possível de descendentes”, disse o pesquisador. No entanto, as fêmeas também têm esse comportamento, e os cientistas não encontram nenhuma explicação lógica para isso.

A pesquisa alemã mostrou que as fêmeas que copulam com vários parceiros são filhas de machos que também faziam o mesmo. “Podemos perceber este comportamento como consequência dos genes”, constatou Forstmeier. “O comportamento pode existir mesmo se não houver benefício”, completou o cientista.

Pesquisa foi feita com mandarins na Alemanha. (Foto: Karen Hull / Flickr - Creative Commons 2.0 genérico)

Pesquisa foi feita com mandarins na Alemanha. (Foto: Karen Hull / Flickr - Creative Commons 2.0 genérico)

 

Fonte: Tadeu Meniconi, Do G1, em São Paulo


24 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Governo inicia levantamento de famílias para receber ‘Bolsa Verde’

Projeto de benefício federal está sendo delineado por ministérios.
Baseado no Bolsa Família, pretende ajudar população pobre em reservas.

O governo iniciou na última semana o levantamento do número de famílias que habitam as unidades de conservação federais para saber quantas delas estão em situação de extrema pobreza e poderiam receber um benefício mensal denominado ‘Bolsa Verde’.

Lançado em 2009 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o projeto segue o modelo do Bolsa Família. A intenção do programa é evitar que moradores dessas localidades pratiquem a exploração ilegal de recursos naturais. De acordo com as regras, famílias com renda de até R$ 70 por pessoa poderão receber um benefício mensal de R$ 100.

Existe a expectativa de que o benefício passe a vigorar a partir do segundo semestre deste ano. Mas ele ainda está em fase de discussão interministerial e envolve as pastas do Meio Ambiente, Desenvolvimento Social e Desenvolvimento Agrário, que tentam destravar o projeto. Ele precisa ainda passar pelo Congresso e, finalmente, pelo crivo da presidente Dilma Rousseff.

Levantamento
Técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão responsável pela gestão das unidades de conservação federais, são responsáveis pelo censo que vai saber quais famílias podem receber a verba.

Em uma primeira fase, moradores das 310 unidades federais devem ser contemplados. Em uma segunda etapa, o benefício poderá abranger também reservas sob controle dos estados. “Queremos instituir um marco legal para atingir a população extremamente pobre. Seja aquela que está dentro das unidades ou nos arredores, além dos assentamentos de reforma agrária”, afirmou Roberto Vicentin, secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente.

Reforço
Segundo Paulo Maier, diretor de Unidades de Conservação do Instituto Chico Mendes, aproximadamente 60 mil famílias podem se beneficiar. Ainda segundo Maier, existe uma preocupação referente à fiscalização do pagamento.

“Está em debate as formas de verificações. Para saber se as famílias estão cumprindo com o objetivo do programa, poderemos utilizar sistemas de monitoramento via satélite, talvez até pelo desmatamento em tempo real da Amazônia Legal (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)”, afirmou Maier.

Realidade
Na reserva extrativista de Tapajós-Arapiuns, no Pará, cerca de 18 mil pessoas vivem no interior da floresta Amazônica e são responsáveis pela preservação de uma área aproximada de 6,5 mil km².

Em grande parte das comunidades só é possível chegar de barco, após 32 horas de viagem a partir da cidade mais próxima, Santarém. A maioria da população vive da agricultura, por meio da plantação de mandioca e fabricação de farinha, além da pesca e pequenos focos da extração de borracha e castanha.

De acordo com Rosinaldo Santos dos Anjos, 42 anos, presidente da associação de moradores, o total de farinha produzido é pouco (50 kg por família), sendo que grande parte é destinado ao consumo próprio.

“Com a venda não é possível levantar nem R$ 50 por mês. Isto incentiva a exploração ilegal da floresta, com a derrubada de árvores e venda clandestina de madeira”, disse. Ainda segundo Santos, o pagamento do benefício é uma forma de reconhecer o trabalho dos ‘guardiões’ da floresta. “É um apoio para nós”, afirmou.

Produção de farinha em comunidade da reserva extrativista Tapajós-Arapiuns, no Pará (Foto: Divulgação/ICMBio)

Produção de farinha em comunidade da reserva extrativista Tapajós-Arapiuns, no Pará (Foto: Divulgação/ICMBio)

 

A pesca é uma das forma de subsistência nas reservas federais. (Foto: Divulgação/ICMBio)

A pesca é uma das forma de subsistência nas reservas federais. (Foto: Divulgação/ICMBio)

 

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, em São Paulo