24 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Caçadores mataram 480 elefantes em Camarões em dois meses

Eles estariam equipados com armas automáticas de guerra e cavalos.
Objetivo da caça ilegal é extrair as presas do animal.

Caçadores clandestinos do Sudão e do Chade mataram cerca de 500 elefantes em menos de dois meses no Parque Nacional Ndjidda Bouba, nordeste de Camarões, segundo o diretor da área de preservação, Mathieu Fomepa.

“Hoje estimamos em 480 o número de elefantes mortos no nosso parque”, disse Fomepa. Entre domingo e terça-feira, “nossas equipes contaram pelo menos 20 elefantes mortos”, afirmou Fomepa. O governo ainda não tomou medidas para proteger o parque.

Os caçadores clandestinos estão “equipados com armas automáticas de guerra, operam em grupos organizados e avançam a cavalo (…) Nada parece detê-los nessa busca frenética por marfim, que começa na República Centro Africana, em meados de novembro, continua no Chade, em dezembro, e acaba em Camarões, em janeiro”, disse Celine Sissler-Bienvenu, do Fundo Internacional para a Protecção dos Animais (IFAW), no site da organização.

A caça nos parques de Camarões tem se alastrado há vários meses. De acordo com especialistas, o comércio de marfim na área destina-se principalmente aos mercados asiáticos.

Fonte: AFP






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

novembro 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

24 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Caçadores mataram 480 elefantes em Camarões em dois meses

Eles estariam equipados com armas automáticas de guerra e cavalos.
Objetivo da caça ilegal é extrair as presas do animal.

Caçadores clandestinos do Sudão e do Chade mataram cerca de 500 elefantes em menos de dois meses no Parque Nacional Ndjidda Bouba, nordeste de Camarões, segundo o diretor da área de preservação, Mathieu Fomepa.

“Hoje estimamos em 480 o número de elefantes mortos no nosso parque”, disse Fomepa. Entre domingo e terça-feira, “nossas equipes contaram pelo menos 20 elefantes mortos”, afirmou Fomepa. O governo ainda não tomou medidas para proteger o parque.

Os caçadores clandestinos estão “equipados com armas automáticas de guerra, operam em grupos organizados e avançam a cavalo (…) Nada parece detê-los nessa busca frenética por marfim, que começa na República Centro Africana, em meados de novembro, continua no Chade, em dezembro, e acaba em Camarões, em janeiro”, disse Celine Sissler-Bienvenu, do Fundo Internacional para a Protecção dos Animais (IFAW), no site da organização.

A caça nos parques de Camarões tem se alastrado há vários meses. De acordo com especialistas, o comércio de marfim na área destina-se principalmente aos mercados asiáticos.

Fonte: AFP