23 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Ursos são presos em fazenda chinesa para a retirada da bile

Imagens divulgadas nesta quarta-feira mostram um grupo de ursos negros preso em uma fazenda de Hui’an, no sudoeste da China. Os animais são mantidos em cativeiro para a coleta da bile pela empresa Guizhentang, uma tradicional companhia de medicamentos chinesa.

A bile do urso é muito usada pela milenar medicina chinesa para tratar de problemas no fígado, infecções nos olhos, febre e outros sintomas, embora sua eficácia seja contestada. Ativistas criticam o procedimento, que segundo eles é extremamente doloroso para os animais.

Diversas entidades ligadas à proteção dos ursos trabalham para o fechamento das fazendas, que mantém os animais em pequenas jaulas improvisadas. O material coletado tem grande demanda na China, no Japão e na Coreia, mas atualmente, segundo ativistas, já existem substitutos naturais e sintéticos.

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile. Foto: AFP

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile Foto: AFP

Com informações das agências AFP e AP.


16 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Pandas gigantes emprestados pela China chegam à França

Os dois pandas gigantes emprestados pela China por dez anos ao zoológico de Beauval (centro) chegaram neste domingo ao aeroporto parisiense de Roissy-Charles de Gaulle, onde foram recebidos como autênticas estrelas.

Yuan Zi (“gordo” em chinês) e Huan Huan (“alegre”) deixaram a China a bordo do “Panda Express”, um Boeing 777F especialmente fretado pela empresa Fedex, que aterrissou no aeroporto da capital pouco antes das 9h de Brasília, ante os aplausos das personalidades que foram recebê-los, entre elas, o embaixador da China na França e dezenas de jornalistas.

Os pandas serão levados depois em dois caminhões para Saint Aignan (centro), onde fica localizado o zoológico de Beauval, escoltados pelos guardas.

No zoológico, os responsáveis por estes animais tentarão fazer com que se reproduzam.

O público não poderá ver os ursos até 11 de fevereiro. O zoológico de Beauval, que todo ano recebe a visita de 600 mil pessoas, espera receber mais 100 mil visitantes por ano. 

Fonte: G1


14 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

China: 20 lagos desaparecem por ano por ação humana

A cada ano desaparecem na China 20 lagos naturais dos 24 mil existentes no país devido à mudança climática e a ação humana, segundo foi apontado durante o 1º Fórum da China sobre Lagos realizado na cidade de Nanjing, informou nesta terça-feira (13) a agência oficial Xinhua.

Os lagos naturais cobrem uma superfície de 83 mil km² na China e possuem um papel importante no equilíbrio ecológico, no controle das enchentes e na redução da seca. A mudança climática que o planeta enfrenta trouxe grandes desafios: a qualidade da água se deteriora pela atividade humana, os sedimentos se acumulam, a extensão das terras úmidas diminui e os animais aquáticos sobrevivem com dificuldade.

“A capacidade dos lagos para controlar as enchentes e amenizar a seca foi afetada”, afirma o documento apresentado no fórum. O ministro de Recursos Hídricos da China, Chen Lei, comprometeu-se a aumentar o investimento governamental na proteção dos lagos durante o fórum, do qual participaram durante o fim de semana cerca de 800 especialistas e funcionários públicos.

Fonte: Portal Terra


22 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Desmate acelerado na China ameaça espécie de gibão, diz Greenpeace

Região de Hainan abriga gibão considerado raro e ameaçado de extinção.
Estudo aponta que 25% da cobertura vegetal foi suprimida desde 2001.

Estudo divulgado na China nesta terça-feira (22) pela organização ambiental Greenpeace aponta que o ritmo acelerado do desmatamento na região de Hainan, um dos polos industriais do país asiático, pode causar o desaparecimento do gibão-de-Hainan (Nomascus hainanus), espécie endêmica e um dos primatas mais raros do mundo.

De acordo com o levantamento, desde 2001 houve a derrubada de uma área equivalente 720 km² de floresta nativa, quase a metade do tamanho do município de São Paulo, equivalente a 25% da cobertura vegetal existente na região que foi convertida em plantações industriais.

Exemplar de gibão-de-Hainan, que está criticamente ameaçado de extinção devido ao avanço do desmatamento na China (Foto: Greenpeace/Reuters)

Exemplar de gibão-de-Hainan, que está criticamente ameaçado de extinção devido ao avanço do desmatamento na China (Foto: Greenpeace/Reuters)

Segundo os ambientalistas, a devastação da floresta ameaça a preservação da espécie, já que estimativas apontam a existência de apenas 23 exemplares do gibão na vida selvagem.

“Quando você tem apenas 23 animais de uma espécie em particular na natureza, significa que os seres humanos não são bons administradores do meio ambiente”, disse Yi Lan, ativista do Greenpeace. Ele afirma ainda que o desmatamento ocorre devido à falta de fiscalização.

Segundo a lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), o gibão-de-Hainan está criticamente ameaçado de extinção.

Imagem divulgada pela organização ambiental Greenpeace mostra trabalhadores chineses cortando árvores na região de Hainan. Estima-se que existam apenas 23 espécimes de gibão-de-Hainan na natureza e que estão ameaçados pelo avanço do desmatamento (Foto: Greenpeace/Reuters)

Imagem divulgada pela organização ambiental Greenpeace mostra trabalhadores chineses cortando árvores na região de Hainan. Estima-se que existam apenas 23 espécimes de gibão-de-Hainan na natureza e que estão ameaçados pelo avanço do desmatamento (Foto: Greenpeace/Reuters)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


19 de julho de 2011 | nenhum comentário »

China inicia mercado de emissões de CO2 em caráter experimental

A China, o maior emissor de dióxido de carbono do mundo, lançará um programa experimental para estabelecer um mercado de emissões de CO2 e reduzir os gases poluentes em sua luta contra a mudança climática, destacou a agência oficial Xinhua.

O plano, apresentado pelo vice-ministro da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China, Xie Zhenhua, inclui um aumento da diferença de tarifas entre as indústrias de alto consumo energético e o resto, assim como vantagens fiscais a projetos de conservação energética.

Além disso, haverá incentivos às companhias financeiras chinesas para que invistam em novas energias, em um país que já lidera mundialmente o investimento em renováveis.

O governo chinês fixou a meta entre 8% e 10% de suas emissões de poluentes na meia década 2011-2015, segundo assinalou o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, em sua apresentação do 12º Plano Quinquenal para esse período, no mês passado de março.

Ao mesmo tempo, a segunda maior economia mundial fixa como meta aumentar para 11,4% o uso de combustíveis não fósseis como fontes de energia (embora carvão e petróleo continuem predominando) e reduzir em 17% a intensidade de carbono (emissões de CO2 divididas pelo PIB).

O país asiático descuidou a proteção ambiental durante décadas em benefício do crescimento econômico, por isso que o país apresenta uma severa degradação de seu ecossistema.

No entanto, a conscientização perante estes problemas também aumentou no seio do regime, à medida que sua população mostrou seu descontentamento com catástrofes ambientais, problemas de segurança alimentar derivados e outros conflitos relacionados. (Fonte: Folha.com)


6 de julho de 2011 | nenhum comentário »

Estabilização do aquecimento global está ligada à poluição do ar

O rápido crescimento industrial da China ajudou a diminuir a velocidade do aquecimento global na última década, afirma um novo estudo americano divulgado nesta segunda-feira (4). Mas os gases do efeito estufa estão ganhando esta briga e a tendência é o aquecimento continuar.

Enquanto a década de 2000 foi considerada umas das mais quentes da história, a velocidade do aquecimento global foi refreada até 2009 e 2010, quando aconteceu o pico de temperatura. O motivo para esta aparente estabilização , de acordo com a pesquisa, foi o acréscimo de enxofre na atmosfera causado pelo aumento da queima de carvão na atividade industrial chinesa.

“A atividade humana pode tanto aquecer quanto esfriar o planeta. As pessoas normalmente focam no efeito de aquecimento do dióxido de carbono (CO2), mas durante a expansão econômica chinesa, houve um grande aumento de emissões de enxofre, que têm o efeito contrário,” explicou Rober K. Kaufmann, da Universidade de Boston, líder do estudo publicado na edição desta semana do periódico Proceedings of the National Academy of Science.

O consumo de carvão na China dobrou entre 2003 e 2007, e isso causou um aumento de 26% no consumo global do produto, de acordo com Kaufmann. O total é o mesmo do aumento mundial de uso de carvão dos 22 anos anteriores, disse: “O que levou 22 anos agora está levando quatro anos, e já começou num nível mais alto”.

Agora, o governo chinês disse reconhecer o impacto deste consumo em seu ambiente e na saúde de seus cidadãos, e estão instalando equipamentos para retirar as partículas de enxofre, explicou o estudioso.

O enxofre sai da atmosfera com relativa rapidez, enquanto o dióxido de carbono continua no ar por um longo período. Por causa disso, o aquecimento causado pelo CO2 está voltando a aparecer, explicou Kaufmann.

A Nasa e o NOAA (sigla em inglês para Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, dos Estados Unidos) ambos listaram 2010 como o ano mais quente já registrado, enquanto o Hadley Center, do Escritório Meteorológico Britânico diz que foi o segundo mais quente, após 1998.

Alguns cientistas já sugeriram que liberar compostos de enxofre na atmosfera poderia melhorar a mudança climática, por aumentar o volume de nuvens e neblina, que refletiriam a luz do sol, mas uma investigação mais profunda avaliou que essa não era uma boa ideia.

A injeção de enxofre para reduzir o aquecimento global poderia eliminar por completa a camada de ozônio em 70 anos, de acordo com uma análise do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica em Boulder, no Colorado. “As mudanças climáticas são uma ameaça real, mas é preciso mais estudo antes que a sociedade apele para soluções de geoengenharia,” afirmou Simone Tilmes, responsável pela análise.

De maneira geral, as temperaturas globais têm aumentado há mais de um século, desde que a Revolução Industrial começou a jogar mais gases como dióxido de carbono no ar. Mas já houve momentos de estabilização, como no pós-II Guerra Mundial, quando a produção industrial impulsionou as emissões de enxofre em várias partes do mundo, explicou Kaufmann.

Cientistas e ambientalistas do mundo todo estão preocupados com as consequências que o aumento de temperatura pode ter em todo o mundo, como secas, mudanças nos padrões de chuva, aumento de doenças tropicais e elevação do nível do mar.

Fonte: Portal iG


12 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Resgate de cães mostra força do movimento pró-animais na China

Ativistas resgataram cerca de 500 cães destinados a virar comida na China, em um caso que mostra o crescimento do movimento de defesa dos animais no país, segundo o correspondente da BBC em Pequim Michael Bristow.

Os voluntários interceptaram um caminhão que levava os animais em Pequim e compraram os cachorros do caminhoneiro por US$ 18 mil (R$ 29 mil), depois de uma batida envolvendo a polícia.

Aglomerados em gaiolas, os animais estavam sendo levados para o nordeste da China, para serem vendidos a restaurantes.

Alguns dos cães resgatados estavam doentes. Muito apertados no caminhão, eles haviam arranhado e mordido uns aos outros. Além disso, vários tinham parvovírus, um vírus potencialmente fatal que ataca os intestinos e o coração dos caninos.

A carne de cachorro é consumida por muitos séculos na China, onde várias pessoas acreditam que ela tem propriedades medicinais.

A batida, feita em um pedágio no último dia 15 de abril, durou 15 horas. Finalmente, em um ato de desespero, os ativistas usaram seu próprio dinheiro para comprar os cães do motorista.

A polícia, que apareceu no local, alegou que não poderia fazer nada para intervir, já que o caminhoneiro não estava desrespeitando qualquer lei.

REDES SOCIAIS

Os ativistas resolveram agir quando receberam a informação de que um carregamento de cães estava passando por Pequim.

Quando ficou sabendo do caso, o voluntário Wang Qi, que trabalha para a Associação Protetora dos Pequenos Animais da China, publicou a informação por meio de redes sociais para levar mais pessoas a parar o caminhão.

“Mandei a mensagem e então corri para o local. As pessoas começaram a chegar lá uma hora depois. No total, eram quase 300 pessoas”, disse Wang à BBC.

Acompanhados de voluntários, alguns animais foram levados a mais de 20 hospitais veterinários, enquanto outros foram levados para recuperação na sede da associação.

VISITAS

Informações sobre o resgate se espalharam rapidamente, com centenas de voluntários e amantes dos animais visitando o local nos dias que se seguiram.

Na sede da associação, o correspondente da BBC falou com uma aposentada de 80 anos e sua filha, que apareceram com um carro cheio de ração para cachorro, que doaram à entidade.

“Eu já havia ouvido falar da organização, mas eu nunca estive aqui antes. Pensei em vir e fazer o possível”, disse a mulher.

Outras pessoas ficaram comovidas com o drama do resgate e com as más condições de vários dos cães que se recuperavam.

“Eu trouxe um pouco de ração, me sinto muito mal”, disse à BBC a chinesa Qi Jing, sem esconder as lágrimas.

De acordo com Bristow, o episódio mostra como um número cada vez maior de chineses agora veem os cães e gatos mais como animais de estimação, e menos como fonte de proteína.

A fundadora da Associação Protetora dos Pequenos Animais, Lu Di – que vive com cerca de cem cães e gatos -, afirma que a lei chinesa não protege apropriadamente os animais de estimação, levando cidadãos comuns a defendê-los por iniciativa própria.

Fonte: Da BBC Brasil


5 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Xangai bate recorde de poluição na China; veja imagem

A poluição na cidade chinesa de Xangai atingiu nos últimos dois dias seu maior nível de contaminação. A cidade está coberta por uma camada cinza assustadora até para os padrões chineses.

Segundo a imprensa local, o nível de poluição na cidade alcançou mais de 500 pontos na escala chinesa, conhecida por ser menos rígida que os padrões internacionais.

A cidade, considerada capital econômica do gigante asiático, tem 20 milhões de habitantes.

Nos últimos cinco anos, a China, o maior emissor mundial de dióxido de carbono, tenta diminuir a poluição do ar. Segundo a Organização Mundial da Saúde, apenas 1% da população urbana respira de forma saudável.

O maior vilão do ar chinês são as termelétricas movidas a carvão, a fonte de energia mais poluente do mundo. Cerca de 70% da eletricidade do país vem daí.

Vista de Xangai fica encoberta por nuvem cinza ao alcançar nível recorde de poluição

Vista de Xangai fica encoberta por nuvem cinza ao alcançar nível recorde de poluição.

Fonte: Da France Presse


11 de março de 2011 | nenhum comentário »

China quer reduzir emissões de CO2 em 17% até 2015

A China, país considerado o maior emissor mundial de dióxido de carbono (CO2), quer reduzir em 17% o volume de suas emissões de CO2 por unidade de seu Produto Interno Bruto (PIB) até 2015, indicou o primeiro-ministro do país, Wen Jiabao.

O consumo de energia por unidade do PIB deverá, por sua vez, diminuir 16% durante o desenvolvimento do 12º plano quinquenal (2011-2015), acrescentou o chefe de governo diante de 3 mil delegados da Assembleia Nacional Popular (ANP), o parlamento chinês.

Em 2011, “o consumo de energia por unidade do PIB deverá diminuir em 3,5% e as emissões de CO2 baixar aproximadamente 3,5% em relação ao ano passado”, projetou a Comissão Nacional para o Desenvolvimento e a Reforma, a agência de planejamento chinesa, em seu informe anual aos deputados.

Wen também fixou o objetivo de aumentar até 11,4% o uso de combustíveis não fósseis como fontes de energia – a China ainda é um país muito dependente do carvão e do petróleo. O primeiro-ministro chinês também ressaltou que na meia década que se inicia a cobertura florestal deverá aumentar para 21,66% do total, aumentando o volume de florestas em 600 milhões de metros cúbicos.

Fonte: Portal Terra


10 de março de 2011 | nenhum comentário »

China proíbe famílias de ter mais de um cachorro

A cidade de Xangai, com 23 milhões de habitantes, cerca de 6 mil arranha-céus e ruas que suportam a grande quantidade de tráfego e população de uma metrópole chinesa do século XXI, terá que aplicar uma “política de cachorro único”.

watch the roommate online dvd

Se em 1979 o Governo chinês teve que iniciar a sua “política de filho único” para evitar um crescimento demográfico insustentável, agora acontece algo parecido, quando a cidade de Xangai acaba de aprovar uma lei, chamada pela imprensa local de “cachorro único”, que proibirá que os habitantes da metrópole possam ter mais de um cachorro registrado por unidade familiar recenseada, salvo os que já existissem anteriormente.

Fonte: Folha.com


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

outubro 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

23 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Ursos são presos em fazenda chinesa para a retirada da bile

Imagens divulgadas nesta quarta-feira mostram um grupo de ursos negros preso em uma fazenda de Hui’an, no sudoeste da China. Os animais são mantidos em cativeiro para a coleta da bile pela empresa Guizhentang, uma tradicional companhia de medicamentos chinesa.

A bile do urso é muito usada pela milenar medicina chinesa para tratar de problemas no fígado, infecções nos olhos, febre e outros sintomas, embora sua eficácia seja contestada. Ativistas criticam o procedimento, que segundo eles é extremamente doloroso para os animais.

Diversas entidades ligadas à proteção dos ursos trabalham para o fechamento das fazendas, que mantém os animais em pequenas jaulas improvisadas. O material coletado tem grande demanda na China, no Japão e na Coreia, mas atualmente, segundo ativistas, já existem substitutos naturais e sintéticos.

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile. Foto: AFP

Imagens mostram uma fazenda na China onde os ursos são mantidos em cativeiro para a retirada da bile Foto: AFP

Com informações das agências AFP e AP.


16 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Pandas gigantes emprestados pela China chegam à França

Os dois pandas gigantes emprestados pela China por dez anos ao zoológico de Beauval (centro) chegaram neste domingo ao aeroporto parisiense de Roissy-Charles de Gaulle, onde foram recebidos como autênticas estrelas.

Yuan Zi (“gordo” em chinês) e Huan Huan (“alegre”) deixaram a China a bordo do “Panda Express”, um Boeing 777F especialmente fretado pela empresa Fedex, que aterrissou no aeroporto da capital pouco antes das 9h de Brasília, ante os aplausos das personalidades que foram recebê-los, entre elas, o embaixador da China na França e dezenas de jornalistas.

Os pandas serão levados depois em dois caminhões para Saint Aignan (centro), onde fica localizado o zoológico de Beauval, escoltados pelos guardas.

No zoológico, os responsáveis por estes animais tentarão fazer com que se reproduzam.

O público não poderá ver os ursos até 11 de fevereiro. O zoológico de Beauval, que todo ano recebe a visita de 600 mil pessoas, espera receber mais 100 mil visitantes por ano. 

Fonte: G1


14 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

China: 20 lagos desaparecem por ano por ação humana

A cada ano desaparecem na China 20 lagos naturais dos 24 mil existentes no país devido à mudança climática e a ação humana, segundo foi apontado durante o 1º Fórum da China sobre Lagos realizado na cidade de Nanjing, informou nesta terça-feira (13) a agência oficial Xinhua.

Os lagos naturais cobrem uma superfície de 83 mil km² na China e possuem um papel importante no equilíbrio ecológico, no controle das enchentes e na redução da seca. A mudança climática que o planeta enfrenta trouxe grandes desafios: a qualidade da água se deteriora pela atividade humana, os sedimentos se acumulam, a extensão das terras úmidas diminui e os animais aquáticos sobrevivem com dificuldade.

“A capacidade dos lagos para controlar as enchentes e amenizar a seca foi afetada”, afirma o documento apresentado no fórum. O ministro de Recursos Hídricos da China, Chen Lei, comprometeu-se a aumentar o investimento governamental na proteção dos lagos durante o fórum, do qual participaram durante o fim de semana cerca de 800 especialistas e funcionários públicos.

Fonte: Portal Terra


22 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Desmate acelerado na China ameaça espécie de gibão, diz Greenpeace

Região de Hainan abriga gibão considerado raro e ameaçado de extinção.
Estudo aponta que 25% da cobertura vegetal foi suprimida desde 2001.

Estudo divulgado na China nesta terça-feira (22) pela organização ambiental Greenpeace aponta que o ritmo acelerado do desmatamento na região de Hainan, um dos polos industriais do país asiático, pode causar o desaparecimento do gibão-de-Hainan (Nomascus hainanus), espécie endêmica e um dos primatas mais raros do mundo.

De acordo com o levantamento, desde 2001 houve a derrubada de uma área equivalente 720 km² de floresta nativa, quase a metade do tamanho do município de São Paulo, equivalente a 25% da cobertura vegetal existente na região que foi convertida em plantações industriais.

Exemplar de gibão-de-Hainan, que está criticamente ameaçado de extinção devido ao avanço do desmatamento na China (Foto: Greenpeace/Reuters)

Exemplar de gibão-de-Hainan, que está criticamente ameaçado de extinção devido ao avanço do desmatamento na China (Foto: Greenpeace/Reuters)

Segundo os ambientalistas, a devastação da floresta ameaça a preservação da espécie, já que estimativas apontam a existência de apenas 23 exemplares do gibão na vida selvagem.

“Quando você tem apenas 23 animais de uma espécie em particular na natureza, significa que os seres humanos não são bons administradores do meio ambiente”, disse Yi Lan, ativista do Greenpeace. Ele afirma ainda que o desmatamento ocorre devido à falta de fiscalização.

Segundo a lista vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), o gibão-de-Hainan está criticamente ameaçado de extinção.

Imagem divulgada pela organização ambiental Greenpeace mostra trabalhadores chineses cortando árvores na região de Hainan. Estima-se que existam apenas 23 espécimes de gibão-de-Hainan na natureza e que estão ameaçados pelo avanço do desmatamento (Foto: Greenpeace/Reuters)

Imagem divulgada pela organização ambiental Greenpeace mostra trabalhadores chineses cortando árvores na região de Hainan. Estima-se que existam apenas 23 espécimes de gibão-de-Hainan na natureza e que estão ameaçados pelo avanço do desmatamento (Foto: Greenpeace/Reuters)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


19 de julho de 2011 | nenhum comentário »

China inicia mercado de emissões de CO2 em caráter experimental

A China, o maior emissor de dióxido de carbono do mundo, lançará um programa experimental para estabelecer um mercado de emissões de CO2 e reduzir os gases poluentes em sua luta contra a mudança climática, destacou a agência oficial Xinhua.

O plano, apresentado pelo vice-ministro da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China, Xie Zhenhua, inclui um aumento da diferença de tarifas entre as indústrias de alto consumo energético e o resto, assim como vantagens fiscais a projetos de conservação energética.

Além disso, haverá incentivos às companhias financeiras chinesas para que invistam em novas energias, em um país que já lidera mundialmente o investimento em renováveis.

O governo chinês fixou a meta entre 8% e 10% de suas emissões de poluentes na meia década 2011-2015, segundo assinalou o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, em sua apresentação do 12º Plano Quinquenal para esse período, no mês passado de março.

Ao mesmo tempo, a segunda maior economia mundial fixa como meta aumentar para 11,4% o uso de combustíveis não fósseis como fontes de energia (embora carvão e petróleo continuem predominando) e reduzir em 17% a intensidade de carbono (emissões de CO2 divididas pelo PIB).

O país asiático descuidou a proteção ambiental durante décadas em benefício do crescimento econômico, por isso que o país apresenta uma severa degradação de seu ecossistema.

No entanto, a conscientização perante estes problemas também aumentou no seio do regime, à medida que sua população mostrou seu descontentamento com catástrofes ambientais, problemas de segurança alimentar derivados e outros conflitos relacionados. (Fonte: Folha.com)


6 de julho de 2011 | nenhum comentário »

Estabilização do aquecimento global está ligada à poluição do ar

O rápido crescimento industrial da China ajudou a diminuir a velocidade do aquecimento global na última década, afirma um novo estudo americano divulgado nesta segunda-feira (4). Mas os gases do efeito estufa estão ganhando esta briga e a tendência é o aquecimento continuar.

Enquanto a década de 2000 foi considerada umas das mais quentes da história, a velocidade do aquecimento global foi refreada até 2009 e 2010, quando aconteceu o pico de temperatura. O motivo para esta aparente estabilização , de acordo com a pesquisa, foi o acréscimo de enxofre na atmosfera causado pelo aumento da queima de carvão na atividade industrial chinesa.

“A atividade humana pode tanto aquecer quanto esfriar o planeta. As pessoas normalmente focam no efeito de aquecimento do dióxido de carbono (CO2), mas durante a expansão econômica chinesa, houve um grande aumento de emissões de enxofre, que têm o efeito contrário,” explicou Rober K. Kaufmann, da Universidade de Boston, líder do estudo publicado na edição desta semana do periódico Proceedings of the National Academy of Science.

O consumo de carvão na China dobrou entre 2003 e 2007, e isso causou um aumento de 26% no consumo global do produto, de acordo com Kaufmann. O total é o mesmo do aumento mundial de uso de carvão dos 22 anos anteriores, disse: “O que levou 22 anos agora está levando quatro anos, e já começou num nível mais alto”.

Agora, o governo chinês disse reconhecer o impacto deste consumo em seu ambiente e na saúde de seus cidadãos, e estão instalando equipamentos para retirar as partículas de enxofre, explicou o estudioso.

O enxofre sai da atmosfera com relativa rapidez, enquanto o dióxido de carbono continua no ar por um longo período. Por causa disso, o aquecimento causado pelo CO2 está voltando a aparecer, explicou Kaufmann.

A Nasa e o NOAA (sigla em inglês para Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, dos Estados Unidos) ambos listaram 2010 como o ano mais quente já registrado, enquanto o Hadley Center, do Escritório Meteorológico Britânico diz que foi o segundo mais quente, após 1998.

Alguns cientistas já sugeriram que liberar compostos de enxofre na atmosfera poderia melhorar a mudança climática, por aumentar o volume de nuvens e neblina, que refletiriam a luz do sol, mas uma investigação mais profunda avaliou que essa não era uma boa ideia.

A injeção de enxofre para reduzir o aquecimento global poderia eliminar por completa a camada de ozônio em 70 anos, de acordo com uma análise do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica em Boulder, no Colorado. “As mudanças climáticas são uma ameaça real, mas é preciso mais estudo antes que a sociedade apele para soluções de geoengenharia,” afirmou Simone Tilmes, responsável pela análise.

De maneira geral, as temperaturas globais têm aumentado há mais de um século, desde que a Revolução Industrial começou a jogar mais gases como dióxido de carbono no ar. Mas já houve momentos de estabilização, como no pós-II Guerra Mundial, quando a produção industrial impulsionou as emissões de enxofre em várias partes do mundo, explicou Kaufmann.

Cientistas e ambientalistas do mundo todo estão preocupados com as consequências que o aumento de temperatura pode ter em todo o mundo, como secas, mudanças nos padrões de chuva, aumento de doenças tropicais e elevação do nível do mar.

Fonte: Portal iG


12 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Resgate de cães mostra força do movimento pró-animais na China

Ativistas resgataram cerca de 500 cães destinados a virar comida na China, em um caso que mostra o crescimento do movimento de defesa dos animais no país, segundo o correspondente da BBC em Pequim Michael Bristow.

Os voluntários interceptaram um caminhão que levava os animais em Pequim e compraram os cachorros do caminhoneiro por US$ 18 mil (R$ 29 mil), depois de uma batida envolvendo a polícia.

Aglomerados em gaiolas, os animais estavam sendo levados para o nordeste da China, para serem vendidos a restaurantes.

Alguns dos cães resgatados estavam doentes. Muito apertados no caminhão, eles haviam arranhado e mordido uns aos outros. Além disso, vários tinham parvovírus, um vírus potencialmente fatal que ataca os intestinos e o coração dos caninos.

A carne de cachorro é consumida por muitos séculos na China, onde várias pessoas acreditam que ela tem propriedades medicinais.

A batida, feita em um pedágio no último dia 15 de abril, durou 15 horas. Finalmente, em um ato de desespero, os ativistas usaram seu próprio dinheiro para comprar os cães do motorista.

A polícia, que apareceu no local, alegou que não poderia fazer nada para intervir, já que o caminhoneiro não estava desrespeitando qualquer lei.

REDES SOCIAIS

Os ativistas resolveram agir quando receberam a informação de que um carregamento de cães estava passando por Pequim.

Quando ficou sabendo do caso, o voluntário Wang Qi, que trabalha para a Associação Protetora dos Pequenos Animais da China, publicou a informação por meio de redes sociais para levar mais pessoas a parar o caminhão.

“Mandei a mensagem e então corri para o local. As pessoas começaram a chegar lá uma hora depois. No total, eram quase 300 pessoas”, disse Wang à BBC.

Acompanhados de voluntários, alguns animais foram levados a mais de 20 hospitais veterinários, enquanto outros foram levados para recuperação na sede da associação.

VISITAS

Informações sobre o resgate se espalharam rapidamente, com centenas de voluntários e amantes dos animais visitando o local nos dias que se seguiram.

Na sede da associação, o correspondente da BBC falou com uma aposentada de 80 anos e sua filha, que apareceram com um carro cheio de ração para cachorro, que doaram à entidade.

“Eu já havia ouvido falar da organização, mas eu nunca estive aqui antes. Pensei em vir e fazer o possível”, disse a mulher.

Outras pessoas ficaram comovidas com o drama do resgate e com as más condições de vários dos cães que se recuperavam.

“Eu trouxe um pouco de ração, me sinto muito mal”, disse à BBC a chinesa Qi Jing, sem esconder as lágrimas.

De acordo com Bristow, o episódio mostra como um número cada vez maior de chineses agora veem os cães e gatos mais como animais de estimação, e menos como fonte de proteína.

A fundadora da Associação Protetora dos Pequenos Animais, Lu Di – que vive com cerca de cem cães e gatos -, afirma que a lei chinesa não protege apropriadamente os animais de estimação, levando cidadãos comuns a defendê-los por iniciativa própria.

Fonte: Da BBC Brasil


5 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Xangai bate recorde de poluição na China; veja imagem

A poluição na cidade chinesa de Xangai atingiu nos últimos dois dias seu maior nível de contaminação. A cidade está coberta por uma camada cinza assustadora até para os padrões chineses.

Segundo a imprensa local, o nível de poluição na cidade alcançou mais de 500 pontos na escala chinesa, conhecida por ser menos rígida que os padrões internacionais.

A cidade, considerada capital econômica do gigante asiático, tem 20 milhões de habitantes.

Nos últimos cinco anos, a China, o maior emissor mundial de dióxido de carbono, tenta diminuir a poluição do ar. Segundo a Organização Mundial da Saúde, apenas 1% da população urbana respira de forma saudável.

O maior vilão do ar chinês são as termelétricas movidas a carvão, a fonte de energia mais poluente do mundo. Cerca de 70% da eletricidade do país vem daí.

Vista de Xangai fica encoberta por nuvem cinza ao alcançar nível recorde de poluição

Vista de Xangai fica encoberta por nuvem cinza ao alcançar nível recorde de poluição.

Fonte: Da France Presse


11 de março de 2011 | nenhum comentário »

China quer reduzir emissões de CO2 em 17% até 2015

A China, país considerado o maior emissor mundial de dióxido de carbono (CO2), quer reduzir em 17% o volume de suas emissões de CO2 por unidade de seu Produto Interno Bruto (PIB) até 2015, indicou o primeiro-ministro do país, Wen Jiabao.

O consumo de energia por unidade do PIB deverá, por sua vez, diminuir 16% durante o desenvolvimento do 12º plano quinquenal (2011-2015), acrescentou o chefe de governo diante de 3 mil delegados da Assembleia Nacional Popular (ANP), o parlamento chinês.

Em 2011, “o consumo de energia por unidade do PIB deverá diminuir em 3,5% e as emissões de CO2 baixar aproximadamente 3,5% em relação ao ano passado”, projetou a Comissão Nacional para o Desenvolvimento e a Reforma, a agência de planejamento chinesa, em seu informe anual aos deputados.

Wen também fixou o objetivo de aumentar até 11,4% o uso de combustíveis não fósseis como fontes de energia – a China ainda é um país muito dependente do carvão e do petróleo. O primeiro-ministro chinês também ressaltou que na meia década que se inicia a cobertura florestal deverá aumentar para 21,66% do total, aumentando o volume de florestas em 600 milhões de metros cúbicos.

Fonte: Portal Terra


10 de março de 2011 | nenhum comentário »

China proíbe famílias de ter mais de um cachorro

A cidade de Xangai, com 23 milhões de habitantes, cerca de 6 mil arranha-céus e ruas que suportam a grande quantidade de tráfego e população de uma metrópole chinesa do século XXI, terá que aplicar uma “política de cachorro único”.

watch the roommate online dvd

Se em 1979 o Governo chinês teve que iniciar a sua “política de filho único” para evitar um crescimento demográfico insustentável, agora acontece algo parecido, quando a cidade de Xangai acaba de aprovar uma lei, chamada pela imprensa local de “cachorro único”, que proibirá que os habitantes da metrópole possam ter mais de um cachorro registrado por unidade familiar recenseada, salvo os que já existissem anteriormente.

Fonte: Folha.com


« Página anterior