26 de março de 2012 | nenhum comentário »

Formigas copulam com rainha enquanto ela vira refeição de aranha

Biólogo filmou a cena inusitada e postou o vídeo no YouTube.
Com um minuto, ele mostra a rainha imóvel e cercada pelos insetos.

Formigas machos da espécie Prenolepis nitens continuaram a acasalar com uma rainha enquanto ela virava refeição de uma aranha. A cena inusitada foi registrada por Adrián Purkart, biólogo e fotógrafo da vida selvagem da Eslováquia. O vídeo de um minuto foi postado no canal de Purkart no YouTube nesta quinta-feira (22).

“Eu não posso imaginar nada mais desagradável que ser sugado por uma aranha presa à minha pele. Além disso, ser simultaneamente atacada por um grupo de formigas loucas por sexo”, afirmou o biólogo.

Biólogo registrou abelhas acasalando com uma rainha enquanto ela virava refeição de uma aranha (Foto: Reprodução / YouTube)

Biólogo registrou formigas macho acasalando com uma rainha enquanto ela virava refeição de uma aranha (Foto: Reprodução / YouTube)

Click e veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Xq8q8vv2R7Y&feature=plcp&context=C4c6dbacVDvjVQa1PpcFPuYmWjmhZP5bZLgcJBAwSBFIb-LL0_KWg%3D

Fonte:


14 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Aranha fêmea ‘interesseira’ é enganada pelos machos, diz estudo

Machos levam presentes inúteis em ritual de acasalamento.
Estudo foi publicado pela revista ‘BMC Evolutionary Biology’.

Aranha macho da espécie 'Pisaura mirabilis' (Foto: María J. Albo)

Aranha macho da espécie 'Pisaura mirabilis' (Foto: María J. Albo)

Os machos da Pisaura mirabilis, uma espécie de aranhas-de-jardim, têm o hábito de oferecer presentes para as fêmeas com quem pretendem cruzar. Um estudo publicado nesta segunda-feira (14) pela revista científica “BMC Evolutionary Biology” mostra que as fêmeas levam a qualidade do presente em conta na hora de escolher o parceiro.

O presente é preparado com cuidado: vem embrulhado em seda. Na maioria das vezes, lá dentro está um inseto, oferecido como alimento. Porém, alguns machos enchem o pacote com sementes que não são comestíveis, ou então com a carcaça de uma mosca que eles mesmos comeram.

Para entender o que leva os animais a esse estranho comportamento, os cientistas conduziram uma experiência. Eles colocaram as aranhas para interagir em três situações diferentes. Nelas, o macho levaria uma mosca, um presente inútil ou nenhum presente.

Os que não levaram presente conseguiram cruzar com as fêmeas por um período muito curto. Os que entregaram presentes inúteis ficaram mais tempo, e quem mais conseguiu ficar a sós com a fêmea foi quem levou comida.

María Albo, que liderou o estudo, explica que os machos pensam na relação custo benefício. “Custa aos machos achar e embrulhar um presente, mas esses custos são reduzidos se o macho não tem que pegar o presente, ou se dá um que já foi comido. O benefício do presente é uma relação mais longa, que leva a maior transferência de esperma e, potencialmente, a mais descendentes. No entanto, as fêmeas se decepcionam e terminam a relação antes quando recebem presentes inúteis”, explica a pesquisadora da Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

“Os resultados finais mostram que o número de ovos foi menor se a fêmea não recebeu um presente, mas a diferença foi pequena se o presente era comestível ou não. O sucesso da enganação provavelmente explica por que as duas estratégias evoluíram juntas e foram mantidas na população”, conclui a cientista.

 


3 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Alce fêmea usa gemidos para ‘manipular’ machos

Fêmeas de alce dão "gemido de protesto" ao serem abordadas por machos. Foto: Getty Images

Alces fêmeas podem ser capazes de manipular machos enamorados incitando brigas entre machos rivais por meio de gemidos, segundo pesquisadores. Já se sabia anteriormente que as fêmeas produziam “gemidos de protesto” em resposta aos avanços dos machos.

Cientistas da Universidade do Estado de Idaho, nos Estados Unidos, descobriram que as fêmeas gemem mais quando são abordadas por machos menores e que isso provoca brigas com machos maiores.

Segundo a pesquisa, publicada na revista científica Behavioural Ecology and Sociobiology, as fêmeas podem ter mais controle sobre a escolha de parceiros do que se imaginava anteriormente.

Aproximações – Os alces são animais poligínicos, o que significa que um macho copula com várias fêmeas, mas cada fêmea tem apenas um parceiro macho.

A reprodução ocorre durante o outono, quando os machos competem pelas fêmeas, resultando em ferozes batalhas.

Os pesquisadores observaram os alces durante esse período no Parque Nacional Denali, no Alasca.

“As fêmeas davam gemidos de protesto com mais frequência em resposta à aproximação de machos pequenos, apesar de os machos maiores se envolverem em mais aproximações”, afirma o coordenador do estudo, Terry Bowyer.

Escolha – O especialista, que vem estudando os alces nessa região desde a década de 1980, percebeu que o gemido das fêmeas tinha um propósito duplo.

“Esse comportamento das fêmeas as ajuda a evitar o assédio de machos menores, mas também provocava brigas entre os machos maiores, afirma.

“A agressão dos machos era mais comum quando as fêmeas davam gemidos de protesto do que quando não davam, indicando que essa vocalização incite a agressão entre os machos”, observa.

Segundo Bowyer, a pesquisa também indica que as fêmeas de alce poderiam provocar propositalmente brigas entre os machos como uma forma de escolher seus parceiros.

“Os gemidos de protesto permitem às fêmeas exercer alguma escolha em um sistema de acasalamento no qual os machos restringem essa escolha por meio do combate com outros machos”, disse ele à BBC.

Para Bowyer, a escolha das fêmeas pode ter sido subestimada porque era “escondida” pelos combates entre os machos.

“Acreditamos que a escolha feminina é um componente mais importante dos sistemas de acasalamento em mamíferos poligínicos do que se pensava anteriormente”, conclui ele.

Os alces machos copulam com várias fêmeas, mas as fêmeas têm um único parceiro. Foto: Getty Images

Fonte: Portal iG






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

setembro 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

26 de março de 2012 | nenhum comentário »

Formigas copulam com rainha enquanto ela vira refeição de aranha

Biólogo filmou a cena inusitada e postou o vídeo no YouTube.
Com um minuto, ele mostra a rainha imóvel e cercada pelos insetos.

Formigas machos da espécie Prenolepis nitens continuaram a acasalar com uma rainha enquanto ela virava refeição de uma aranha. A cena inusitada foi registrada por Adrián Purkart, biólogo e fotógrafo da vida selvagem da Eslováquia. O vídeo de um minuto foi postado no canal de Purkart no YouTube nesta quinta-feira (22).

“Eu não posso imaginar nada mais desagradável que ser sugado por uma aranha presa à minha pele. Além disso, ser simultaneamente atacada por um grupo de formigas loucas por sexo”, afirmou o biólogo.

Biólogo registrou abelhas acasalando com uma rainha enquanto ela virava refeição de uma aranha (Foto: Reprodução / YouTube)

Biólogo registrou formigas macho acasalando com uma rainha enquanto ela virava refeição de uma aranha (Foto: Reprodução / YouTube)

Click e veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Xq8q8vv2R7Y&feature=plcp&context=C4c6dbacVDvjVQa1PpcFPuYmWjmhZP5bZLgcJBAwSBFIb-LL0_KWg%3D

Fonte:


14 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Aranha fêmea ‘interesseira’ é enganada pelos machos, diz estudo

Machos levam presentes inúteis em ritual de acasalamento.
Estudo foi publicado pela revista ‘BMC Evolutionary Biology’.

Aranha macho da espécie 'Pisaura mirabilis' (Foto: María J. Albo)

Aranha macho da espécie 'Pisaura mirabilis' (Foto: María J. Albo)

Os machos da Pisaura mirabilis, uma espécie de aranhas-de-jardim, têm o hábito de oferecer presentes para as fêmeas com quem pretendem cruzar. Um estudo publicado nesta segunda-feira (14) pela revista científica “BMC Evolutionary Biology” mostra que as fêmeas levam a qualidade do presente em conta na hora de escolher o parceiro.

O presente é preparado com cuidado: vem embrulhado em seda. Na maioria das vezes, lá dentro está um inseto, oferecido como alimento. Porém, alguns machos enchem o pacote com sementes que não são comestíveis, ou então com a carcaça de uma mosca que eles mesmos comeram.

Para entender o que leva os animais a esse estranho comportamento, os cientistas conduziram uma experiência. Eles colocaram as aranhas para interagir em três situações diferentes. Nelas, o macho levaria uma mosca, um presente inútil ou nenhum presente.

Os que não levaram presente conseguiram cruzar com as fêmeas por um período muito curto. Os que entregaram presentes inúteis ficaram mais tempo, e quem mais conseguiu ficar a sós com a fêmea foi quem levou comida.

María Albo, que liderou o estudo, explica que os machos pensam na relação custo benefício. “Custa aos machos achar e embrulhar um presente, mas esses custos são reduzidos se o macho não tem que pegar o presente, ou se dá um que já foi comido. O benefício do presente é uma relação mais longa, que leva a maior transferência de esperma e, potencialmente, a mais descendentes. No entanto, as fêmeas se decepcionam e terminam a relação antes quando recebem presentes inúteis”, explica a pesquisadora da Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

“Os resultados finais mostram que o número de ovos foi menor se a fêmea não recebeu um presente, mas a diferença foi pequena se o presente era comestível ou não. O sucesso da enganação provavelmente explica por que as duas estratégias evoluíram juntas e foram mantidas na população”, conclui a cientista.

 


3 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Alce fêmea usa gemidos para ‘manipular’ machos

Fêmeas de alce dão "gemido de protesto" ao serem abordadas por machos. Foto: Getty Images

Alces fêmeas podem ser capazes de manipular machos enamorados incitando brigas entre machos rivais por meio de gemidos, segundo pesquisadores. Já se sabia anteriormente que as fêmeas produziam “gemidos de protesto” em resposta aos avanços dos machos.

Cientistas da Universidade do Estado de Idaho, nos Estados Unidos, descobriram que as fêmeas gemem mais quando são abordadas por machos menores e que isso provoca brigas com machos maiores.

Segundo a pesquisa, publicada na revista científica Behavioural Ecology and Sociobiology, as fêmeas podem ter mais controle sobre a escolha de parceiros do que se imaginava anteriormente.

Aproximações – Os alces são animais poligínicos, o que significa que um macho copula com várias fêmeas, mas cada fêmea tem apenas um parceiro macho.

A reprodução ocorre durante o outono, quando os machos competem pelas fêmeas, resultando em ferozes batalhas.

Os pesquisadores observaram os alces durante esse período no Parque Nacional Denali, no Alasca.

“As fêmeas davam gemidos de protesto com mais frequência em resposta à aproximação de machos pequenos, apesar de os machos maiores se envolverem em mais aproximações”, afirma o coordenador do estudo, Terry Bowyer.

Escolha – O especialista, que vem estudando os alces nessa região desde a década de 1980, percebeu que o gemido das fêmeas tinha um propósito duplo.

“Esse comportamento das fêmeas as ajuda a evitar o assédio de machos menores, mas também provocava brigas entre os machos maiores, afirma.

“A agressão dos machos era mais comum quando as fêmeas davam gemidos de protesto do que quando não davam, indicando que essa vocalização incite a agressão entre os machos”, observa.

Segundo Bowyer, a pesquisa também indica que as fêmeas de alce poderiam provocar propositalmente brigas entre os machos como uma forma de escolher seus parceiros.

“Os gemidos de protesto permitem às fêmeas exercer alguma escolha em um sistema de acasalamento no qual os machos restringem essa escolha por meio do combate com outros machos”, disse ele à BBC.

Para Bowyer, a escolha das fêmeas pode ter sido subestimada porque era “escondida” pelos combates entre os machos.

“Acreditamos que a escolha feminina é um componente mais importante dos sistemas de acasalamento em mamíferos poligínicos do que se pensava anteriormente”, conclui ele.

Os alces machos copulam com várias fêmeas, mas as fêmeas têm um único parceiro. Foto: Getty Images

Fonte: Portal iG