5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Projeto brasileiro reproduz ambiente marinho em tanque;

Um cercadinho à beira-mar dentro de um parque aquático, rodeado por toboáguas e perto de uma piscina de ondas, pode passar despercebido pelos visitantes. Mas um olhar mais atento revela que ali se faz ciência de ponta.

O chamado Mesocosmo Marinho funciona como uma máquina do tempo, simulando condições do ambiente para ver como a natureza –especialmente os corais– irão reagir às mudanças causadas pelo aquecimento global.

“É um ambiente intermediário entre a natureza e o laboratório. Embora algumas condições dos experimentos possam ser bastante controladas, o material está exposto a praticamente tudo o que acontece no ambiente natural”, explica Clovis Castro, coordenador do programa Coral Vivo e professor do Museu Nacional da UFRJ.

O projeto, patrocinado pela Petrobras, funciona em um espaço cedido pelo Eco Parque, parque aquático em Arraial D’Ajuda (sul da Bahia), que tem uma das maiores diversidades de corais do país.

São 16 tanques de experimento que tentam reproduzir com alta fidelidade a dinâmica de eventos na vida marinha. A água, por exemplo, é captada em uma região com grande presença de corais e transportada por uma tubulação subterrânea.

Além disso, cada tanque tem um sistema que mimetiza as correntes marinhas, fazendo a água correr em várias direções. Os experimentos ficam expostos à chuva e ao sol, como na natureza.

Pelos estudos até agora, as previsões são desanimadoras para os recifes de corais.

Na primeira rodada de experimentos, há cerca de dois meses, os cientistas verificaram o que aconteceria às principais espécies de corais do nosso litoral em quatro cenários de elevação das temperaturas propostos pelo IPCC (painel de mudanças climáticas da ONU).

Foi verificado que, quanto maior o aumento, piores os danos. Com mais de 1ºC, já se nota o branqueamento dos corais, causado pela expulsão das algas que têm com eles uma relação simbiótica. Isso prejudica a alimentação dos corais e os deixa mais vulneráveis. Com mais de 4ºC, os corais chegam a morrer.

“É uma ameaça séria. O Brasil tem as únicas formações relevantes de recifes de corais do Atlântico Sul, e mais da metade das espécies só existe aqui”, avalia Castro.

Felizmente, diz o pesquisador, há indícios de que os corais brasileiros têm grande capacidade de recuperação, se as condições ambientais voltarem à normalidade.

A próxima rodada estudará o impacto da acidificação dos oceanos causada pelas emissões de carbono. A cada novo ciclo de estudos, a equipe do Coral Vivo abre uma espécie de chamada para receber projetos de pesquisa.

“Temos uma margem grande para a adaptação do mesocosmo a vários experimentos. Podemos fazer coisas importantes aqui”, diz Gustavo Duarte, gerente de projetos.

Recifes de corais do projeto Coral Vivo, no sul da Bahia

Recifes de corais do projeto Coral Vivo, no sul da Bahia

Acesse http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/1099954-projeto-brasileiro-reproduz-ambiente-marinho-em-tanque-veja-como.shtml e veja como funciona o projeto.

Fonte: Folha.com


24 de junho de 2011 | nenhum comentário »

‘Estancamos a hemorragia’, afirma chefe do Ibama sobre desmatamento

Curt Trennepohl diz que gabinete de crise para Amazônia deu resultado.
Região perdeu 267,9 km² de floresta em maio, de acordo com o Inpe.

Curt Trennepohl, presidente do Ibama. (Foto: Agência Brasil)

Curt Trennepohl, presidente do Ibama. (Foto: Agência Brasil)

O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, disse nesta quarta-feira (22) que, apesar de o desmatamento em Mato Grosso ainda ser maior que em 2010, conforme revelado em reportagem do Globo Natureza, o gabinete de crise criado pelo governo contra a devastação na região amazônica está fazendo efeito. “Conseguimos estancar a hemorragia, mas ainda não podemos dizer que estamos em saúde perfeita”, observou.

O sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indica que Mato Grosso teve 93,7 km² de florestas devastadas em maio, índice 77% menor que o registrado em abril, quando o estado teve 405,5 km² de devastação, mas, ainda assim, superior em 80% a maio do ano passado, quando perdeu 51,8 km² de mata.

Foi o estado que registrou maior destruição de florestas na Amazônia Legal no mês passado. Mato Grosso é motivo de preocupação por causa da alta no desmatamento registrada ali desde março.

“O índice é superior a 2010, mas há uma curva descendente acentuada em relação a março e abril. O esforço do poder público está dando resultado”, avalia Trennepohl.

O Ministério do Meio Ambiente havia anunciado para esta quarta-feira (22) a divulgação completa dos dados do desmatamento em maio, mas a apresentação foi cancelada. Um dos relatórios a respeito, no entanto, ficou disponível na página do instituto espacial, que, consultado pelo Globo Natureza, confirmou os dados.

Trennepohl disse que a decisão de postergar a divulgação oficial dos dados se deve a que o Ibama está fazendo uma análise qualitativa dos focos de desmatamento detectados, para determinar quais são irregulares e quais têm autorização estadual.

Essa análise é importante, já que nem toda a floresta é derrubada ilegalmente. Em Rondônia, por exemplo, – outro estado com índice relativamente alto de devastação em maio (67,9 km²) – está acontecendo a retirada de vegetação para a instalação das das usinas hidrelétricas de Jirau e de Santo Antônio. “ Já está havendo a supressão lá e estamos monitorando”, diz Trennepohl.

Fonte: Dennis Barbosa, Do Globo Natureza, em São Paulo


1 de abril de 2011 | nenhum comentário »

ONU diz que aquecimento global terá efeitos graves sobre alimentos

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, fez um alerta nesta quinta-feira (31) sobre o que chamou de “potenciais efeitos catastróficos” das mudanças climáticas na produção de alimentos entre 2050 e 2100.

A agência apresentou um documento à Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, sugerindo aos governos medidas para evitar que a segurança alimentar seja comprometida.

Países em desenvolvimento – Segundo a FAO, as consequências do aquecimento global devem cada vez mais atingir nações em desenvolvimento. A agência exortou os governos a preparar suas populações para estes impactos, investindo em agricultura para que se tornem mais resistentes.

Apesar de ressaltar a importância de lidar com os riscos mais imediatos, o diretor-assistente geral para Recursos Naturais da FAO, Alexander Müller, reforçou que não faz sentido tentar mitigar as mudanças de longo prazo após seus efeitos começarem a ser sentidos.

Genética – A FAO aconselhou que se crie um banco de genes, porque algumas espécies correm o risco de desaparecer. Além disso, a organização afirmou ser necessário desenvolver variedades de alimentos melhor adaptadas às condições climáticas futuras.

Como impacto do aquecimento global na agricultura, os preços dos alimentos tendem a subir, tornando as populações mais pobres ainda mais vulneráveis. A Comissão Econômica e Social para a Ásia e o Pacífico, Escap, revelou que 20 milhões de pessoas foram impedidas de sair da pobreza no ano passado devido à elevação dos preços no setor alimentar.

Fonte: Portal Terra

full film download






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

outubro 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Projeto brasileiro reproduz ambiente marinho em tanque;

Um cercadinho à beira-mar dentro de um parque aquático, rodeado por toboáguas e perto de uma piscina de ondas, pode passar despercebido pelos visitantes. Mas um olhar mais atento revela que ali se faz ciência de ponta.

O chamado Mesocosmo Marinho funciona como uma máquina do tempo, simulando condições do ambiente para ver como a natureza –especialmente os corais– irão reagir às mudanças causadas pelo aquecimento global.

“É um ambiente intermediário entre a natureza e o laboratório. Embora algumas condições dos experimentos possam ser bastante controladas, o material está exposto a praticamente tudo o que acontece no ambiente natural”, explica Clovis Castro, coordenador do programa Coral Vivo e professor do Museu Nacional da UFRJ.

O projeto, patrocinado pela Petrobras, funciona em um espaço cedido pelo Eco Parque, parque aquático em Arraial D’Ajuda (sul da Bahia), que tem uma das maiores diversidades de corais do país.

São 16 tanques de experimento que tentam reproduzir com alta fidelidade a dinâmica de eventos na vida marinha. A água, por exemplo, é captada em uma região com grande presença de corais e transportada por uma tubulação subterrânea.

Além disso, cada tanque tem um sistema que mimetiza as correntes marinhas, fazendo a água correr em várias direções. Os experimentos ficam expostos à chuva e ao sol, como na natureza.

Pelos estudos até agora, as previsões são desanimadoras para os recifes de corais.

Na primeira rodada de experimentos, há cerca de dois meses, os cientistas verificaram o que aconteceria às principais espécies de corais do nosso litoral em quatro cenários de elevação das temperaturas propostos pelo IPCC (painel de mudanças climáticas da ONU).

Foi verificado que, quanto maior o aumento, piores os danos. Com mais de 1ºC, já se nota o branqueamento dos corais, causado pela expulsão das algas que têm com eles uma relação simbiótica. Isso prejudica a alimentação dos corais e os deixa mais vulneráveis. Com mais de 4ºC, os corais chegam a morrer.

“É uma ameaça séria. O Brasil tem as únicas formações relevantes de recifes de corais do Atlântico Sul, e mais da metade das espécies só existe aqui”, avalia Castro.

Felizmente, diz o pesquisador, há indícios de que os corais brasileiros têm grande capacidade de recuperação, se as condições ambientais voltarem à normalidade.

A próxima rodada estudará o impacto da acidificação dos oceanos causada pelas emissões de carbono. A cada novo ciclo de estudos, a equipe do Coral Vivo abre uma espécie de chamada para receber projetos de pesquisa.

“Temos uma margem grande para a adaptação do mesocosmo a vários experimentos. Podemos fazer coisas importantes aqui”, diz Gustavo Duarte, gerente de projetos.

Recifes de corais do projeto Coral Vivo, no sul da Bahia

Recifes de corais do projeto Coral Vivo, no sul da Bahia

Acesse http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/1099954-projeto-brasileiro-reproduz-ambiente-marinho-em-tanque-veja-como.shtml e veja como funciona o projeto.

Fonte: Folha.com


24 de junho de 2011 | nenhum comentário »

‘Estancamos a hemorragia’, afirma chefe do Ibama sobre desmatamento

Curt Trennepohl diz que gabinete de crise para Amazônia deu resultado.
Região perdeu 267,9 km² de floresta em maio, de acordo com o Inpe.

Curt Trennepohl, presidente do Ibama. (Foto: Agência Brasil)

Curt Trennepohl, presidente do Ibama. (Foto: Agência Brasil)

O presidente do Ibama, Curt Trennepohl, disse nesta quarta-feira (22) que, apesar de o desmatamento em Mato Grosso ainda ser maior que em 2010, conforme revelado em reportagem do Globo Natureza, o gabinete de crise criado pelo governo contra a devastação na região amazônica está fazendo efeito. “Conseguimos estancar a hemorragia, mas ainda não podemos dizer que estamos em saúde perfeita”, observou.

O sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indica que Mato Grosso teve 93,7 km² de florestas devastadas em maio, índice 77% menor que o registrado em abril, quando o estado teve 405,5 km² de devastação, mas, ainda assim, superior em 80% a maio do ano passado, quando perdeu 51,8 km² de mata.

Foi o estado que registrou maior destruição de florestas na Amazônia Legal no mês passado. Mato Grosso é motivo de preocupação por causa da alta no desmatamento registrada ali desde março.

“O índice é superior a 2010, mas há uma curva descendente acentuada em relação a março e abril. O esforço do poder público está dando resultado”, avalia Trennepohl.

O Ministério do Meio Ambiente havia anunciado para esta quarta-feira (22) a divulgação completa dos dados do desmatamento em maio, mas a apresentação foi cancelada. Um dos relatórios a respeito, no entanto, ficou disponível na página do instituto espacial, que, consultado pelo Globo Natureza, confirmou os dados.

Trennepohl disse que a decisão de postergar a divulgação oficial dos dados se deve a que o Ibama está fazendo uma análise qualitativa dos focos de desmatamento detectados, para determinar quais são irregulares e quais têm autorização estadual.

Essa análise é importante, já que nem toda a floresta é derrubada ilegalmente. Em Rondônia, por exemplo, – outro estado com índice relativamente alto de devastação em maio (67,9 km²) – está acontecendo a retirada de vegetação para a instalação das das usinas hidrelétricas de Jirau e de Santo Antônio. “ Já está havendo a supressão lá e estamos monitorando”, diz Trennepohl.

Fonte: Dennis Barbosa, Do Globo Natureza, em São Paulo


1 de abril de 2011 | nenhum comentário »

ONU diz que aquecimento global terá efeitos graves sobre alimentos

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, fez um alerta nesta quinta-feira (31) sobre o que chamou de “potenciais efeitos catastróficos” das mudanças climáticas na produção de alimentos entre 2050 e 2100.

A agência apresentou um documento à Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, sugerindo aos governos medidas para evitar que a segurança alimentar seja comprometida.

Países em desenvolvimento – Segundo a FAO, as consequências do aquecimento global devem cada vez mais atingir nações em desenvolvimento. A agência exortou os governos a preparar suas populações para estes impactos, investindo em agricultura para que se tornem mais resistentes.

Apesar de ressaltar a importância de lidar com os riscos mais imediatos, o diretor-assistente geral para Recursos Naturais da FAO, Alexander Müller, reforçou que não faz sentido tentar mitigar as mudanças de longo prazo após seus efeitos começarem a ser sentidos.

Genética – A FAO aconselhou que se crie um banco de genes, porque algumas espécies correm o risco de desaparecer. Além disso, a organização afirmou ser necessário desenvolver variedades de alimentos melhor adaptadas às condições climáticas futuras.

Como impacto do aquecimento global na agricultura, os preços dos alimentos tendem a subir, tornando as populações mais pobres ainda mais vulneráveis. A Comissão Econômica e Social para a Ásia e o Pacífico, Escap, revelou que 20 milhões de pessoas foram impedidas de sair da pobreza no ano passado devido à elevação dos preços no setor alimentar.

Fonte: Portal Terra

full film download