30 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Resgates, atendimentos e solturas realizados pelo IPEVS no 1º semestre de 2012.

O IPEVS – Instituto de Pesquisa em Vida Selvagem e Meio Ambiente realiza em nossa cidade e região resgates, atendimentos e solturas de animais silvestres. Estes são realizados em parceria com o IAP – Instituto Ambiental do Paraná e Corpo de Bombeiros que acionam a equipe do IPEVS e também com a colaboração de cidadãos que quando se deparam com esses animais entram em contato com o IPEVS.

Os animais são resgatados e posteriormente realizados exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, e quando constatado que estes se encontram em perfeita sanidade são encaminhados para soltura. E alguns animais são mantidos em cativeiro devido à impossibilidade de serem devolvidos ao seu habitat natural.

Confira o trabalho de resgates, atendimentos e soltura realizado pela equipe do IPEVS no primeiro semestre de 2012.

 

Gambá no telhado de uma residência em Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Gambá (Didelphis Albiventris)

No mês de maio, em um mesmo dia, o IPEVS realizou 2 resgates de gambá em Cornélio Procópio, um na Vila Santa Terezinha e outro no Jardim Fortunato Cibin.

Os gambás são mamíferos marsupiais, ou seja, apresentam uma bolsa abdominal a qual os filhotes permanecem por um período de desenvolvimento, semelhante ao canguru. Sua presença na região urbana está relacionada principalmente à disponibilidade de restos de alimentos, insetos e abrigos (forros de casa, porões). Os 2 gambás foram capturados e passaram por exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, após constatar que os animais encontravam-se saudáveis estes foram encaminhados para soltura.

 

Gambá captura e encaminhado para soltura, resgate realizado pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Falsa-coral, espécie de serpente que ocorre em nossa região. Foto: IPEVS

 

Falsa- Coral (Oxyrhopus guibei)

A falsa coral é uma serpente muito comum em nossa região, com coloração avermelhada com faixas pretas alternadas. O nome falsa- coral é devido sua semelhança com as corais verdadeiras. Sendo diferenciadas pelo tamanho dos olhos, formato da cauda e da cabeça e principal pela posição dos dentes inoculadores de veneno. A falsa – coral apresenta dentição opistóglifa, ou seja, os dentes inoculadores de veneno ficam localizados no fundo da boca.

A captura desta espécie é realizada constantemente pela equipe do IPEVS, graças à pessoas conscientes que ao encontrarem as serpentes próximas de suas residências ou em seus locais de trabalho, entram em contato com o IPEVS ou Corpo de Bombeiros.

 

A serpente foi encontrada por Aldecir Costa, em uma manopla da Sanepar. Aldecir que conhece o trabalho realizado pelo IPEVS, entrou em contato com a equipe para realizar a captura. Foto: IPEVS

 

A serpente captura está sendo mantida em cativeiro no CEAMA - Centro de Educação Ambiental Mundo Animal, projeto coordenado pelo IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tentativa de resgate onça parda em junho de 2012. Foto: IPEVS

 

Onça Parda (Puma concolor)

No dia 18 de junho de 2012, o IAP entrou em contato com o IPEVS para realização de resgate de uma onça parda ou suçuarana em uma propriedade de Cornélio Procópio. A equipe do IPEVS junto com a equipe do IAP esteve no local para realizar a captura.

Para o resgate de animais como onça são necessários alguns equipamentos como zarabatana ou rifle para aplicação de dardos tranquilizantes com a função de sedar o animal. Na ocasião os dardos foram adaptados para a utilização do equipamento, um dos motivos que dificultou o processo de captura, não sendo possível a realização do resgate.

Já no mês de julho, o IPEVS recebeu outro chamado do IAP para resgate  de outra onça parda em nossa região, após captura e atestado a sanidade do animal este foi encaminhado para soltura.  Click  http://ipevs.org.br/blog/?p=10358 para acessar informações e imagens sobre este resgate.

A onça estava em uma propriedade de Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Tucano do bico verde, exemplar atendido pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tucano do Bico Verde

( Ramphastos dicolorus)

O Tucano do bico verde ocorre em áreas florestadas, desde o litoral até zonas montanhosas. Possui hábito alimentar onívoro, alimentando-se de insetos, pequenos vertebrados e principalmente frutos, atuando como dispersor de sementes.

O IPEVS recebeu um exemplar de Tucano do bico verde, este encontrava-se muito debilitado, mesmo com todo o cuidado e tratamento realizado pela equipe do IPEVS o tucano infelizmente não resistiu e veio a óbito.

 

Mesmo com todo cuidado da equipe o tucano do bico verde não resistiu. Foto: IPEVS

 

Ao encontrar animais silvestres próximo a sua residência entre em contato com os órgãos responsáveis para esse trabalho. Em Cornélio Procópio você pode acionar o IPEVS, IAP ou Corpo de Bombeiros.

 

Fonte: Ascom do IPEVS

 


25 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Equipe faz inseminação artificial inédita em jaguatiricas no Brasil

Seis fêmeas receberam sêmen congelado durante procedimento no Paraná.
Técnica aumenta chances de evitar desaparecimento de espécies.

Pesquisadores brasileiros realizaram pela primeira vez no país um processo de inseminação artificial com sêmen congelado em seis fêmeas de jaguatirica (Leopardus pardalis), felino da Mata Atlântica que está na lista nacional dos animais ameaçados de extinção.

A experiência é parte de um estudo que tem o objetivo de melhorar o processo de reprodução de espécies em extinção em laboratório, o que aumentaria as chances de evitar o desaparecimento de exemplares.

Médicos veterinários, biólogos e outros profissionais ligados à Itaipu Binacional, empresa que administra a maior usina hidrelétrica do país, além de universidades do Paraná, participaram na última terça-feira (22) de procedimento de inseminação com sêmen congelado, chamado de “criopreservação de gametas”.

Três fêmeas foram levadas ao Hospital Veterinário mantido por Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR). Outros três espécimes já haviam passado pelo mesmo processo em outubro. Os seis animais receberam um tratamento denominado “sincronização de cio”, que induz a ovulação.

As jaguatiricas receberam material genético colhido de machos que vivem no mesmo ambiente. A técnica consiste em aplicar o sêmen congelado e verificar se houve a fecundação.

“A inseminação com jaguatiricas já foi feita em laboratórios dos Estados Unidos e do Japão, mas até hoje temos relatos de que apenas quatro processos deram certo. Só ocorreram quatro nascimentos”, disse Wanderlei de Moraes, médico veterinário da Itaipu Binacional.

Moraes afirma que o grande desafio do procedimento é manter características vitais para a reprodução no esperma congelado. O resfriamento provoca a perda de estruturas como o acrossoma, enzima presente no espermatozóide que é responsável por auxiliá-lo no rompimento da parede do óvulo.

“Quando congela (o espermatozóide) você perde essa característica. Estamos estudando meios de melhorar o processo de congelamento do sêmen e evitar esta perda”, afirma o especialista.

Ultrassom
Na segunda quinzena de dezembro, três jaguatiricas já inseminadas passarão por exame de ultrassom, que vai verificar o processo de gravidez. “Não sabemos quais são as chances da inseminação dar certo nas jaguatiricas, já que é algo novo. Mas a técnica já é difundida em bovinos e em 70% dos casos dá certo”, afirma.

O procedimento pode ser adaptado em outros felinos. “É uma ferramenta que nos auxilia a trabalhar contra a extinção dos animais por meio da utilização dos bancos genéticos. Mas para conseguirmos usá-los, é preciso conhecer procedimentos que dão certo. Se não estudarmos como eliminar os problemas em cada etapa, os genes de animais ficarão somente armazenados”.

Jaguatirica passa por processo de inseminação artificial com sêmen congelado, feito inédito no Brasil com esta espécie (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Jaguatirica passa por processo de inseminação artificial com sêmen congelado, feito inédito no Brasil com esta espécie (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Seis fêmeas receberam sêmen congelado de outros três espécimes machos. Em todo mundo, apenas quatro procedimentos geraram nascimentos (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Seis fêmeas receberam sêmen congelado de outros três espécimes machos. Em todo mundo, apenas quatro procedimentos geraram nascimentos (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, São Paulo






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

agosto 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

30 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Resgates, atendimentos e solturas realizados pelo IPEVS no 1º semestre de 2012.

O IPEVS – Instituto de Pesquisa em Vida Selvagem e Meio Ambiente realiza em nossa cidade e região resgates, atendimentos e solturas de animais silvestres. Estes são realizados em parceria com o IAP – Instituto Ambiental do Paraná e Corpo de Bombeiros que acionam a equipe do IPEVS e também com a colaboração de cidadãos que quando se deparam com esses animais entram em contato com o IPEVS.

Os animais são resgatados e posteriormente realizados exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, e quando constatado que estes se encontram em perfeita sanidade são encaminhados para soltura. E alguns animais são mantidos em cativeiro devido à impossibilidade de serem devolvidos ao seu habitat natural.

Confira o trabalho de resgates, atendimentos e soltura realizado pela equipe do IPEVS no primeiro semestre de 2012.

 

Gambá no telhado de uma residência em Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Gambá (Didelphis Albiventris)

No mês de maio, em um mesmo dia, o IPEVS realizou 2 resgates de gambá em Cornélio Procópio, um na Vila Santa Terezinha e outro no Jardim Fortunato Cibin.

Os gambás são mamíferos marsupiais, ou seja, apresentam uma bolsa abdominal a qual os filhotes permanecem por um período de desenvolvimento, semelhante ao canguru. Sua presença na região urbana está relacionada principalmente à disponibilidade de restos de alimentos, insetos e abrigos (forros de casa, porões). Os 2 gambás foram capturados e passaram por exames clínicos pelo médico veterinário do IPEVS, após constatar que os animais encontravam-se saudáveis estes foram encaminhados para soltura.

 

Gambá captura e encaminhado para soltura, resgate realizado pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Falsa-coral, espécie de serpente que ocorre em nossa região. Foto: IPEVS

 

Falsa- Coral (Oxyrhopus guibei)

A falsa coral é uma serpente muito comum em nossa região, com coloração avermelhada com faixas pretas alternadas. O nome falsa- coral é devido sua semelhança com as corais verdadeiras. Sendo diferenciadas pelo tamanho dos olhos, formato da cauda e da cabeça e principal pela posição dos dentes inoculadores de veneno. A falsa – coral apresenta dentição opistóglifa, ou seja, os dentes inoculadores de veneno ficam localizados no fundo da boca.

A captura desta espécie é realizada constantemente pela equipe do IPEVS, graças à pessoas conscientes que ao encontrarem as serpentes próximas de suas residências ou em seus locais de trabalho, entram em contato com o IPEVS ou Corpo de Bombeiros.

 

A serpente foi encontrada por Aldecir Costa, em uma manopla da Sanepar. Aldecir que conhece o trabalho realizado pelo IPEVS, entrou em contato com a equipe para realizar a captura. Foto: IPEVS

 

A serpente captura está sendo mantida em cativeiro no CEAMA - Centro de Educação Ambiental Mundo Animal, projeto coordenado pelo IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tentativa de resgate onça parda em junho de 2012. Foto: IPEVS

 

Onça Parda (Puma concolor)

No dia 18 de junho de 2012, o IAP entrou em contato com o IPEVS para realização de resgate de uma onça parda ou suçuarana em uma propriedade de Cornélio Procópio. A equipe do IPEVS junto com a equipe do IAP esteve no local para realizar a captura.

Para o resgate de animais como onça são necessários alguns equipamentos como zarabatana ou rifle para aplicação de dardos tranquilizantes com a função de sedar o animal. Na ocasião os dardos foram adaptados para a utilização do equipamento, um dos motivos que dificultou o processo de captura, não sendo possível a realização do resgate.

Já no mês de julho, o IPEVS recebeu outro chamado do IAP para resgate  de outra onça parda em nossa região, após captura e atestado a sanidade do animal este foi encaminhado para soltura.  Click  http://ipevs.org.br/blog/?p=10358 para acessar informações e imagens sobre este resgate.

A onça estava em uma propriedade de Cornélio Procópio. Foto: IPEVS

 

Tucano do bico verde, exemplar atendido pela equipe do IPEVS. Foto: IPEVS

 

Tucano do Bico Verde

( Ramphastos dicolorus)

O Tucano do bico verde ocorre em áreas florestadas, desde o litoral até zonas montanhosas. Possui hábito alimentar onívoro, alimentando-se de insetos, pequenos vertebrados e principalmente frutos, atuando como dispersor de sementes.

O IPEVS recebeu um exemplar de Tucano do bico verde, este encontrava-se muito debilitado, mesmo com todo o cuidado e tratamento realizado pela equipe do IPEVS o tucano infelizmente não resistiu e veio a óbito.

 

Mesmo com todo cuidado da equipe o tucano do bico verde não resistiu. Foto: IPEVS

 

Ao encontrar animais silvestres próximo a sua residência entre em contato com os órgãos responsáveis para esse trabalho. Em Cornélio Procópio você pode acionar o IPEVS, IAP ou Corpo de Bombeiros.

 

Fonte: Ascom do IPEVS

 


25 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Equipe faz inseminação artificial inédita em jaguatiricas no Brasil

Seis fêmeas receberam sêmen congelado durante procedimento no Paraná.
Técnica aumenta chances de evitar desaparecimento de espécies.

Pesquisadores brasileiros realizaram pela primeira vez no país um processo de inseminação artificial com sêmen congelado em seis fêmeas de jaguatirica (Leopardus pardalis), felino da Mata Atlântica que está na lista nacional dos animais ameaçados de extinção.

A experiência é parte de um estudo que tem o objetivo de melhorar o processo de reprodução de espécies em extinção em laboratório, o que aumentaria as chances de evitar o desaparecimento de exemplares.

Médicos veterinários, biólogos e outros profissionais ligados à Itaipu Binacional, empresa que administra a maior usina hidrelétrica do país, além de universidades do Paraná, participaram na última terça-feira (22) de procedimento de inseminação com sêmen congelado, chamado de “criopreservação de gametas”.

Três fêmeas foram levadas ao Hospital Veterinário mantido por Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR). Outros três espécimes já haviam passado pelo mesmo processo em outubro. Os seis animais receberam um tratamento denominado “sincronização de cio”, que induz a ovulação.

As jaguatiricas receberam material genético colhido de machos que vivem no mesmo ambiente. A técnica consiste em aplicar o sêmen congelado e verificar se houve a fecundação.

“A inseminação com jaguatiricas já foi feita em laboratórios dos Estados Unidos e do Japão, mas até hoje temos relatos de que apenas quatro processos deram certo. Só ocorreram quatro nascimentos”, disse Wanderlei de Moraes, médico veterinário da Itaipu Binacional.

Moraes afirma que o grande desafio do procedimento é manter características vitais para a reprodução no esperma congelado. O resfriamento provoca a perda de estruturas como o acrossoma, enzima presente no espermatozóide que é responsável por auxiliá-lo no rompimento da parede do óvulo.

“Quando congela (o espermatozóide) você perde essa característica. Estamos estudando meios de melhorar o processo de congelamento do sêmen e evitar esta perda”, afirma o especialista.

Ultrassom
Na segunda quinzena de dezembro, três jaguatiricas já inseminadas passarão por exame de ultrassom, que vai verificar o processo de gravidez. “Não sabemos quais são as chances da inseminação dar certo nas jaguatiricas, já que é algo novo. Mas a técnica já é difundida em bovinos e em 70% dos casos dá certo”, afirma.

O procedimento pode ser adaptado em outros felinos. “É uma ferramenta que nos auxilia a trabalhar contra a extinção dos animais por meio da utilização dos bancos genéticos. Mas para conseguirmos usá-los, é preciso conhecer procedimentos que dão certo. Se não estudarmos como eliminar os problemas em cada etapa, os genes de animais ficarão somente armazenados”.

Jaguatirica passa por processo de inseminação artificial com sêmen congelado, feito inédito no Brasil com esta espécie (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Jaguatirica passa por processo de inseminação artificial com sêmen congelado, feito inédito no Brasil com esta espécie (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Seis fêmeas receberam sêmen congelado de outros três espécimes machos. Em todo mundo, apenas quatro procedimentos geraram nascimentos (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Seis fêmeas receberam sêmen congelado de outros três espécimes machos. Em todo mundo, apenas quatro procedimentos geraram nascimentos (Foto: Divulgação/Caio Coronel/Itaipu Binacional)

Fonte: Eduardo Carvalho, Globo Natureza, São Paulo