27 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Veneno de cobra para exportação

Durante dois dias (25 e 26 de julho), o Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGEN), órgão deliberativo e normativo do Ministério do Meio Ambiente (MMA), analisou inúmeros processos que tratam de acesso ao patrimônio genético brasileiro para fins comerciais. Um dos assuntos tratados chamou a atenção dos participantes durante esta última reunião do CGEN (a 94º) e diz respeito à regulação da exportação de veneno de cobra.

A legislação brasileira prevê que os benefícios obtidos com a utilização de patrimônio genético sejam repartidos com os provedores. Os termos dessa repartição são negociados entre as partes provedoras do patrimônio genético e a parte usuária, de acordo com a Medida Provisória nº 2186-16/2001, que regula a matéria. Serão baseados não só em dinheiro, mas também em transferência de tecnologia, capacitação ou royalties.

Vida melhor - Segundo a diretora do Departamento de Patrimônio Genético da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA, Eliana Fontes, é muito interessante o fato dos provedores do patrimônio genético serem populações indígenas ou tradicionais como, por exemplo, caiçaras, seringueiros e quilombolas. “A lei permite um retorno dos benefícios para estas populações, contribui para a promoção de melhoria na qualidade de vida deles e estimula a conservação da floresta: ao invés de cortarem madeira ou venderem terra para produtores de soja, eles recebem um estímulo para preservar o patrimônio natural e genético”, disse.

O assunto emplacou na reunião a partir das consultas de empresas, nacionais e estrangeiras, ao CGEN. Essas empresas exportam para instituições no exterior que utilizam o material animal para confecção de medicamentos ou cosméticos como botox. O conselho determinou, assim, que a exportação de peçonhas de cobra caracteriza remessa do patrimônio genético e deve ser regulado. A mesma regra deve ser aplicada a peçonhas de animais silvestres da fauna brasileira em geral (de cobra, sapo, escorpião ou outros animais).

Fonte: Letícia Verdi/ MMA


7 de fevereiro de 2011 | nenhum comentário »

Pesquisador é picado ao estudar nova espécie de escorpião

‘Picada não é fatal, mas dor durou cinco horas’, conta indiano.
Espécie recém-descoberta foi descrita em publicação especializada.

Um grupo de pesquisadores indianos identificou uma nova espécie de escorpião, segundo artigo publicado na última edição da revista especializada “Euscorpius”. De nome científico Orthochirus bastawadei, trata-se de um animal de porte médio e vive na região da cidade de Jalna. De acordo com os autores, o estudo da espécie é importante porque tem papel significativo na cadeia alimentar.

Enquanto estudava um dos exemplares do escorpião, um dos pesquisadores acabou sendo picado. “Apesar de sua picada não ser fatal, a dor durou umas cinco horas e fiquei sem sensibilidade durante todo o dia”, contou Raman Upadhye ao diário “The Times of India”.
A Orthochirus bastawadei se soma às mais de 120 espécies de escopriões já conhecidas na Índia.

Fonte: Globo Natureza

the resident buy





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

novembro 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

27 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Veneno de cobra para exportação

Durante dois dias (25 e 26 de julho), o Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGEN), órgão deliberativo e normativo do Ministério do Meio Ambiente (MMA), analisou inúmeros processos que tratam de acesso ao patrimônio genético brasileiro para fins comerciais. Um dos assuntos tratados chamou a atenção dos participantes durante esta última reunião do CGEN (a 94º) e diz respeito à regulação da exportação de veneno de cobra.

A legislação brasileira prevê que os benefícios obtidos com a utilização de patrimônio genético sejam repartidos com os provedores. Os termos dessa repartição são negociados entre as partes provedoras do patrimônio genético e a parte usuária, de acordo com a Medida Provisória nº 2186-16/2001, que regula a matéria. Serão baseados não só em dinheiro, mas também em transferência de tecnologia, capacitação ou royalties.

Vida melhor - Segundo a diretora do Departamento de Patrimônio Genético da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do MMA, Eliana Fontes, é muito interessante o fato dos provedores do patrimônio genético serem populações indígenas ou tradicionais como, por exemplo, caiçaras, seringueiros e quilombolas. “A lei permite um retorno dos benefícios para estas populações, contribui para a promoção de melhoria na qualidade de vida deles e estimula a conservação da floresta: ao invés de cortarem madeira ou venderem terra para produtores de soja, eles recebem um estímulo para preservar o patrimônio natural e genético”, disse.

O assunto emplacou na reunião a partir das consultas de empresas, nacionais e estrangeiras, ao CGEN. Essas empresas exportam para instituições no exterior que utilizam o material animal para confecção de medicamentos ou cosméticos como botox. O conselho determinou, assim, que a exportação de peçonhas de cobra caracteriza remessa do patrimônio genético e deve ser regulado. A mesma regra deve ser aplicada a peçonhas de animais silvestres da fauna brasileira em geral (de cobra, sapo, escorpião ou outros animais).

Fonte: Letícia Verdi/ MMA


7 de fevereiro de 2011 | nenhum comentário »

Pesquisador é picado ao estudar nova espécie de escorpião

‘Picada não é fatal, mas dor durou cinco horas’, conta indiano.
Espécie recém-descoberta foi descrita em publicação especializada.

Um grupo de pesquisadores indianos identificou uma nova espécie de escorpião, segundo artigo publicado na última edição da revista especializada “Euscorpius”. De nome científico Orthochirus bastawadei, trata-se de um animal de porte médio e vive na região da cidade de Jalna. De acordo com os autores, o estudo da espécie é importante porque tem papel significativo na cadeia alimentar.

Enquanto estudava um dos exemplares do escorpião, um dos pesquisadores acabou sendo picado. “Apesar de sua picada não ser fatal, a dor durou umas cinco horas e fiquei sem sensibilidade durante todo o dia”, contou Raman Upadhye ao diário “The Times of India”.
A Orthochirus bastawadei se soma às mais de 120 espécies de escopriões já conhecidas na Índia.

Fonte: Globo Natureza

the resident buy