6 de novembro de 2012 | nenhum comentário »

Cientistas criam “árvore da vida” com todas as aves conhecidas

Levantamento permite posicionar no espaço e no tempo quando e onde as quase 10 000 espécies conhecidas se separaram de ancestrais comuns

Cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, criaram uma gigantesca árvore filogenética (estudo da relação evolutiva entre várias espécies que possuem um ancestral comum) com as 9.993 espécies de aves conhecidas. O mapeamento do parentesco evolutivo posiciona as especiações das diferentes espécies no tempo e no espaço. “É a primeira ‘árvore da vida’ de espécies com este tamanho colocada em um mapa global”, disse à revista Nature Walter Jetz, biólogo de Yale e um dos co-autores do artigo.

“Esse levantamento é importante porque mostra as relações entre as diferentes espécies. Quanto mais próximas nos ramos, mais relacionadas do ponto de vista evolutivo. Ou seja, partilham de um ancestral comum mais recente”, afirmou ao site de VEJA o professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Mercival Roberto Francisco.

O mapeamento começou com um levantamento filogenético concluído em 2008, produzido pelos mesmos autores do estudo publicado agora na Nature. O levantamento dividiu as espécies de aves conhecidas em 158 clados, ou grupos que teriam se desenvolvido a partir de um ancestral comum. As raízes dessa escala evolutiva foram construídas a partir de dez fósseis, que são um parâmetro para calcular a taxa de mudanças das espécies ao longo do tempo. Com essa base, eles organizaram em uma árvore 6.600 espécies sobre as quais a ciência tem alguma informação genética disponível.

O problema era saber como lidar com as 3.330 espécies sem dados genéticos conhecidos. Para contornar esse gargalo, os cientistas utilizaram a informação de pássaros considerados parentes próximos, podendo assim alocá-los na árvore. Tal aproximação suscitou algumas críticas. “Para uma árvore deste tamanho, qualquer pequeno erro ocasionado por suposições, integrado a quase 10.000 espécies, pode levar à detecção de variações que simplesmente não existiram”, disse à Nature Mark Pagel, biólogo evolutivo da University of Reading, no Reino Unido. Os pesquisadores de Yale dizem ter criado milhares de configurações possíveis para o banco de dados filogenético com o objetivo de reduzir as incertezas.

Conclusões – A pesquisa de Yale mostra que as diversificações das espécies observadas na árvore tornaram-se mais intensas nos últimos 40 milhões de anos. De acordo com o professor Mercival, da UFSCar, isso está de acordo com a teoria mais aceita, segundo a qual a concentração de oxigênio e as temperaturas nas eras mais recentes da Terra permitiram uma explosão da diversidade. Entender onde – e quando – as especiações ocorreram, diz Mercival, pode ajudar a elaborar estratégias de preservação. “Quando a gente fala em conservar a biodiversidade, precisamos proteger os processos que levam ao surgimento de novas espécies”, afirma. “É necessária uma atenção especial para as regiões que conservaram processos de geração de novas espécies em épocas mais recentes.”

Saiba mais

ESPECIAÇÃO

Processo evolutivo pelo qual as espécies se formam, podendo ser, por exemplo, pela divisão de uma espécie em duas, dando origem a duas linhagens diferentes, ou pela transformação de uma espécie em outra, quando essa espécie acumula tantas mutações que se transforma em outra.

passaros yales genetica

Por sequenciamento de DNA, a "árvore da vida" com todas as espécies conhecidas de pássaros mostra quando e onde as diversificações ocorreram (iStockphoto)

Fonte: Veja Ciência


10 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Isolamento geográfico permitiu rápida evolução de dinossauros na América do Norte

Novo estudo analisa as alterações geológicas e a relação com o desenvolvimento natural de herbívoros com chifres e da espécie bico-de-pato

O surgimento da cordilheira das Montanhas Rochosas pode ter impulsionado a evolução dosdinossauros que viviam na América Norte, na região onde hoje fica o oeste americano. A hipótese foi publicada no periódico científico Plos One.

Essa nova constatação, feita por pesquisadores americanos e alemães, explica os padrões já detectados de evolução e migração de espécies de dinossauros, como os bico-de-pato e herbívoros de chifres, no período que antecedeu a extinção da espécie, há 65 milhões de anos.

“No último século, paleontologistas descobriram uma variedade de fósseis de dinossauros que viveram há 75 milhões de anos. Mas no período que antecede a queda do asteroide na Terra e o fim do período Cretáceo (hipótese mais aceita para a extinção dos dinossauros, há 65 milhões de anos), havia poucas espécies destes animais na América do Norte”, disse Terry Gates, pós-doutor na Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, líder da pesquisa feita em conjunto com a universidade da Carolina do Norte e do Museu de Paleontologia e Geologia de Bavaria, na Alemanha.

Para preencher essa lacuna evolutiva, os pesquisadores passaram a fazer o registro geológico do oeste da América do Norte em busca de respostas.

Mudanças geológicas - A descoberta mostrou um quadro de profunda mudança geológica. Durante o início e em meados do período Cretáceo, o magma no interior do manto terrestre levantou o solo no oeste dos Estados Unidos, criando uma enorme cadeia de montanhas.

A área ao leste da cordilheira foi pressionada para baixo, e fez surgir um banco de areia e o Mar Interior Ocidental, que inundou o continente a partir do Ártico Canadense até o Golfo do México. Isso cortou o continente em três grandes ilhas ao norte, leste e oeste. Com a divisão, os dinossauros do oeste ficaram para uma ilha conhecida como Laramídia.

Juntos e mais diversos - A nova descoberta permite compreender como os dinossauros evoluíram em uma ilha após tamanha alteração na geografia, restringindo-os à ilha de Laramídia.

“Nossa hipótese é que esse isolamento facilitou uma rápida especialização e aumentou a diversidade nos animais”, explicou Albert Prieto-Márquez, colaborador da pesquisa.

As novas espécies de bico-de-pato e de dinossauros com chifres foram nascendo a uma taxa impressionante ao longo dos 100 mil anos entre a formação das montanhas e a extinção dos dinossauros, segundo os pesquisadores. “O isolamento das populações permitiu que as espécies evoluíssem novos recursos mais rapidamente, especialmente em detalhes de ornamentação do crânio, como cristas na cabeça e chifres”, disse Gates.

Segunda alteração - Mais tarde, uma das placas tectônicas sob a costa mudou de posição e forçou o surgimento de outra cordilheira, uma espécie de prenúncio das Montanhas Rochosas, ao leste. Essa segunda mudança geológica abriu amplo território para que os dinossauros se locomovessem, reduzindo novamente a rapidez da evolução da espécie.

As mudanças geográficas não só impactaram na diversidade dos dinossauros na América do Norte, mas também podem ter tido reflexos em outras partes do mundo, interrompendo rotas de migração e abrindo outras para a Ásia e América do Sul.

Dinossauros com bico-de-pato evoluíram mais rapidamente ao ter o habitat isolado geograficamente

Dinossauros com bico-de-pato evoluíram mais rapidamente ao ter o habitat isolado geograficamente (Thinkstock)

Diagrama ilustra a diversificação de dinossauros bico-de-pato e os dinossauros com chifres durante o Cretáceo, como resultado do surgimento do mar do interior e a elevação da montanha. A escala de tempo geológico está à esquerda do diagrama em verde. À direita, silhuetas da América do Norte com áreas cobertas por água do mar durante cada um dos períodos de tempo. Lindsay Zanno


5 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Pesquisa reforça tese de que dinossauros tinham sangue quente e metabolismo acelerado

Marcas de ossos que até então apareciam só em répteis indicando baixa na taxa do metabolismo foram encontradas em mamíferos

As evidências de que os dinossauros tinham metabolismo semelhante ao dos répteis, como sugerem algumas linhas de pesquisa, estão sendo derrubadas pouco a pouco e a teoria de que eles tinham sangue quente e metabolismo acelerado vem ganhando cada vez mais força.

Até então se acreditava que os dinossauros eram ectotérmicos, ou seja, não tinham o controle da temperatura do próprio corpo. Essa teoria era baseada nas evidências de fósseis de dinossauros, que apresentam marcas indicando que eles paravam de crescer quando havia condições adversas, como o frio ou a falta de comida.

Mas uma pesquisa divulgada pela revista Nature traz uma forte evidência que coloca em xeque a tese de ectotermia para os dinossauros — e a revelação veio por meio dos mamíferos.

A pesquisa, conduzida pela paleontologista Meike Köhler, do Instituto Catalão de Pesquisas e Estudos Avançados, mostrou que até mesmo os mamíferos, que são homeotérmicos (têm temperatura corporal constante), possuem as marcas de desenvolvimento sazonais nos ossos, chamadas de LAGs. A sigla vem da expressão em inglês ‘Lines of Arrested Growth’, que são sinais formados em períodos do ano quando o metabolismo desacelera, deixando os ossos mais densos. Foram analisados mamíferos de diversas partes do mundo, dos trópicos aos polos. Em todos esses habitats eles apresentam as marcas nos ossos. ”Isso significa que as LAGs não são mais argumento para dizer que os dinossauros são ectotérmicos”, disse Köler.
O anatomista John Hutchinson, do Colégio Real de Veterinária, de Londres, disse que o estudo derruba a tese de que mamíferos não podem ter as LAGs como parte natural do desenvolvimento.
Para Luiz Eduardo Anelli, especialista em dinossauros e autor do livro Dinos no Brasil,a pesquisa derruba um dos questionamentos que havia quanto ao metabolismo dos dinossauros. Segundo ele, além desta pesquisa, já havia outras evidências de que esses animais poderiam ter o sangue quente.
Fonte: Veja Ciência

29 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Animal mais antigo viveu 30 milhões de anos antes do previsto, diz estudo

Canadenses acharam rastros de ‘lesma’ de 585 milhões de anos no Uruguai.
Bicho mais antigo do mundo até agora havia sido encontrado na Rússia.

Pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, descobriram no Uruguai uma prova física de que animais existiram há 585 milhões de anos, 30 milhões de anos antes que as evidências científicas mostravam até agora. Os resultados do estudo estão publicados na edição da revista “Science” desta quinta-feira (28).

Até então, o fóssil mais antigo do mundo tinha 555 milhões de anos e havia sido localizado na Rússia.

O achado foi por geólogos da equipe de Ernesto Pecoits e Natalie Aubet, que encontraram trilhas fossilizadas de um animal semelhante a uma lesma, com cerca de 1 centímetro de comprimento. O rastro foi deixado em um terreno sedimentar com lodo.

A equipe chegou à conclusão de que as trilhas foram feitas por um bicho primitivo bilateral, que se diferencia de outras formas de vida simples por ter uma simetria superior diferente da parte inferior, além de um conjunto único de “pegadas”.

Os pesquisadores dizem que as faixas fossilizadas indicam que a musculatura desse animal mole lhe permitia mover-se pelo solo raso do oceano. O padrão de movimento da “lesma” indica uma adaptação evolutiva para buscar comida – o material orgânico do sedimento.

A idade precisa dos rastros foi calculada pela datação de uma rocha vulcânica que se “intrometeu” na rocha sedimentar onde os caminhos foram achados. O processo incluiu um retorno ao Uruguai para coletar mais amostras da rocha fossilizada e várias sessões de análise por um método chamado espectrometria de massa, que identifica diferentes átomos presentes em uma mesma substância.

Ao todo, os autores do estudo levaram mais de dois anos para ficarem satisfeitos com a precisão da idade de 585 milhões de anos.

Segundo o paleontógo Murray Gingras, da mesma equipe, é comum que animais de corpo mole desapareçam, mas suas trilhas virem fósseis. O geomicrobiólogo Kurt Konhauser diz que a descoberta abre novas questões sobre a evolução desses animais – como foram capazes de se mover e procurar alimento – e as condições ambientais envolvidas. Além desses pesquisadores, o trabalho contou com a participação de Larry Heaman e Richard Stern.

Rastro lesma science (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Rastros de animal são comparados ao tamanho de uma moeda canadense, para dar a dimensão do tamanho das 'pegadas' deixadas por 'lesma' primitiva (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Fonte: Globo Natureza


28 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Lagartixa deixou de ter pata colante 9 vezes durante evolução, diz estudo

Cientistas verificaram ainda que sola adesiva reapareceu outras 11 vezes.
Pesquisa foi publicada na revista PLoS ONE.

Cientistas descobriram que durante o processo evolutivo das lagartixas, sua sola pegajosa — que gruda em diversos tipos de superfícies e ajuda o réptil a escalar paredes, desapareceu ao menos nove vezes, mas reapareceu outras 11 vezes, de acordo com estudo publicado nesta quarta-feira (27) na revista PLoS ONE.

A investigação científica aponta a existência de 1.450 espécies conhecidas de lagartixas, sendo que 60% delas têm patas com característica pegajoda e adesiva.

Um grupo de estudiosos da Universidade Villanova, na Pensilvânia, Estados Unidos, conseguiu construir uma árvore genealógica de lagartixas a partir da análise do DNA de muitas espécies. Em seguida, eles acrescentaram a informação sobre a existência de patas colantes, fato que ajudaria a determinar, em diferentes versões, quando essa característica surgiu.

O modelo mais provável alcançado pelos cientistas é que as patas pegajosas apareceram 11 vezes durante a formação das espécies, mas desapareceram em outras nove ocasiões ao longo da evolução da lagartixa.

Lagartixa foi flagrada tentando salvar amigo que havia sido capturado por cobra. (Foto: Reprodução/YouTube)

Lagartixas penduradas na parede. Característica pegajosa das patas sumiu ao menos nove vezes durante processo evolutivo de espécies, apontam cientistas. (Foto: Reprodução/YouTube)

Fonte: Globo Natureza


15 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Cientistas decodificam código genético do bonobo

Com o sequenciamento genético de um dos parentes mais próximos do homem, os cientistas esperam descobrir como era o ancestral comum entre o ser humano e outros primatas

Um grupo internacional de cientistas decodificou o código genético do bonobo. Entre os símios – grupo de primatas formado por orangotangos, chimpanzés, gorilas e bonobos -, esse é o último a ter seu genoma decodificado. O sequenciamento genético do bonobo foi publicado nesta terça-feira na revista Nature.

Para realizar a pesquisa, os cientistas obtiveram dados de Ulindi, uma fêmea de bonobo do zoológico de Leipzig, na Alemanha. Com essa informação genética, os cientistas esperam conhecer melhor a linhagem humana.

Semelhanças e diferenças — A comparação entre os genomas do bonobo, do chimpanzé e do homem mostrou que os humanos têm uma diferenciação de 1,3% de ambos. Chimpanzés e bonobos são mais próximos: a diferença genética entre eles é de apenas 0,4%

Embora sejam similares em muitos aspectos, os símios africanos diferem em comportamentos sociais e sexuais importantes e alguns demonstram mais similaridade com os humanos do que entre si.

Para o cientista Kay Pruefer, biólogo do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva (Alemanha), a pesquisa forneceu mais informações sobre bonobos e chimpanzés do que sobre os humanos.

Em busca do ancestral comum — “Esperamos que o entendimento das diferenças entre bonobos e chimpanzés nos ajude, um dia, a entender como era o ancestral comum (de humanos, chimpanzés e bonobos)”, disse Pruefer. ”Seria muito interessante descobrir qual foi o traço que os humanos adquiriram em sua evolução ao longo de milhões de anos”, concluiu.

Os cientistas explicaram que o sequenciamento genético demonstrou que bonobos e chimpanzés não se misturaram ou cruzaram entre si depois que seus caminhos se separaram geograficamente, cerca de dois milhões de anos atrás, provavelmente na época da formação do Rio Congo.

Chimpanzés

Os machos competem agressivamente por domínio e sexo e unem forças para defender seu território atacando outros grupos.

Esses animais se espalham ao longo da África equatorial.

Bonobos

Os machos costumam ser subordinados às fêmeas, não competem por hierarquia e não tomam parte em confrontos. São animais brincalhões e fazem sexo por diversão, não apenas para se reproduzir.

Estão restritos ao sul do Rio Congo, na República Democrática do Congo. Devido ao seu hábitat pequeno e remoto, os bonobos foram a última espécie de símios “descoberta” nos 1920, e são os mais raros de todos os símios em cativeiro.

Espécie de chimpanzé banobo

Cientistas divulgaram nesta terça-feira o sequenciamento genético dos bonobos, um dos parentes mais próximos do homem (Issouf Sanogo/AFP)

Fonte: Veja Ciência


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, sugere estudo

Fóssil descoberto em Mianmar ajuda a resolver o mistério de quando ocorreu a migração dos primeiros símios para o continente africano

Os antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, vindos da Ásia. A descoberta representa um avanço importante para entender a evolução dos seres humanos e de outros primatas. O estudo foi publicado nesta segunda-feira no periódico americano PNAS.

Por décadas os cientistas pensaram que os antepassados dos humanos surgiram na África. Uma série de descobertas nos últimos anos, porém, atestam que os primeiros símios vieram da Ásia e posteriormente colonizaram o continente africano. Contudo, os paleontólogos ainda não conseguiram decidir como e quando isso aconteceu. Agora, parece que há uma resposta para pelo menos uma das perguntas.

A mais recente descoberta que dá suporte à teoria de que os primeiros símios vieram da Ásia é o fóssil Afrasia djijidae, encontrado em Mianmar por pesquisadores Museu de História Natural de Carnegie, dos Estados Unidos. É sobre esse fóssil o estudo publicado no PNAS. O que torna o achado asiático de 37 milhões de anos digno de nota é sua similaridade com outro, encontrado recentemente no Deserto do Saara, na África.

Questão de tempo - Os dentes doAfrasia são muito parecidos com os doAfrotarsius libycus, um fóssil norte-africano que data da mesma época do asiático. Por sua estrutura complexa, os dentes de mamíferos são usados como ‘impressões digitais’ para reconstruir relações de parentesco entre espécies extintas e modernas.

A grande similaridade entre os dois fósseis, um da África e outro da Ásia, tem muito a dizer sobre quando a colonização do continente africano ocorreu. Os cientistas acreditam que ela aconteceu pouco antes da data em que viveu o animal que deu origem ao fóssil asiático, ou seja, há 37 milhões de anos.

Se os símios asiáticos tivessem chegado ao Norte da África antes, teria havido mais tempo para a diversificação entre o Afrasia e o Afrotarsius. “Por muito tempo pensávamos que o registro de fósseis da África era ruim”, disse Jean-Jacques Jaeger, chefe da pesquisa. “O fato de que símios semelhantes viveram ao mesmo tempo na Líbia e em Mianmar sugere que eles não chegaram à África até pouco antes do fóssil que encontramos no norte africano.”

Agora, os paleontólogos tem uma forte indicação de quando a colonização do continente africano ocorreu. Falta saber como. A viagem provavelmente foi muito dura. Naquela época, uma versão maior do Mar Mediterrâneo, chamada Mar de Tétis, separava a África e a Eurásia. A descoberta do Afrasia não resolve a questão da rota nem de como ocorreu a colonização, mas pelo menos crava um ponto de partida na linha do tempo da evolução dos antigos primatas na África.

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana (Mark A. Klingler/Carnegie Museum of Natural History)

Fonte: Veja Ciência


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Evolução dos pássaros encerrou era dos insetos gigantes, diz estudo

Corpo menor ajudou insetos a fugir de pássaros predadores.
Maior inseto chegou a ter 70 centímetros há 300 milhões de anos.

Um novo estudo da Universidade da Califórnia sugere que a evolução dos pássaros foi determinante para o fim da era dos insetos gigantes na Terra. Segundo os cientistas, a época em que as aves começaram a estabelecer seu lugar nos céus é a mesma na qual os insetos grandalhões perderam espaço, há 150 milhões de anos. A pesquisa foi divulgada nesta semana na edição online da revista científica “PNAS”, da Academia Americana de Ciências.

Insetos gigantes viveram nos céus pré-históricos em uma época em que a atmosfera da Terra era rica em oxigênio. Pesquisas anteriores já tinham sugerido que o tamanho dos insetos tinha relação com altas concentrações de oxigênio – cerca de 30%, comparada aos atuais 21%, em média.

Há 300 milhões de anos, os insetos gigantes chegaram ao maior tamanho já documentado: 70 centímetros.

Mas à medida que os pássaros surgiram, os insetos se tornaram menores mesmo com o aumento de oxigênio na atmosfera, diz a pesquisa.

Segundo o autor do estudo, Matthew Clapham, professor de Terra e Ciências Planetárias da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, com os pássaros predatórios na ‘cola’, necessidade de ter mais mobilidade foi a base da evolução do voo desses insetos, favorecendo o tamanho mais reduzido do corpo.

A equipe da Clapham comparou o tamanho das asas de mais de 10.500 fósseis de insetos com níveis de oxigênio do planeta em centenas de milhares de anos.

O pesquisador enfatiza, no entanto, que o estudo focou as mudanças a partir dos maiores insetos já conhecidos.

“Em torno do final do período Jurássico e início do Cretáceo, cerca de 150 milhões de anos atrás, de repente o nível de oxigênio sobe, mas o tamanho do inseto diminui. E isso coincide de forma impressionante com a evolução dos pássaros”, diz Clapham.

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fonte: G1


28 de março de 2012 | nenhum comentário »

População de neandertais já era instável mesmo antes de humanos surgirem

Pesquisa sugere que os ‘Homo neanderthalensis’ estiveram à beira da extinção muito antes do aparecimento dos ‘Homo sapiens’

Cientistas analisaram sequências do DNA de 13 indivíduos neandertais

Cientistas analisaram sequências do DNA de 13 indivíduos neandertais

Até o momento, cientistas acreditavam que os neandertais – indivíduos da extinta espécieHomo neanderthalensis, que pertencem ao mesmo gênero dos homens atuais (Homo sapiens sapiens) – começaram a desaparecer por volta de 30 mil anos atrás, devido a mudanças climáticas ou concorrência com humanos modernos. Agora, pesquisa publicada no periódico Molecular Biology and Evolution sugere que os neandertais que viveram na Europa Ocidental estiveram à beira da extinção muito antes do Homo sapiens.

Os neandertais são nossos parentes fósseis mais próximos. Evidências abundantes sobre seu modo de vida e restos de esqueleto têm sido encontrados em muitos locais da Europa e da Ásia Ocidental. “Até os homens modernos aparecerem, acreditava-se que a Europa tinha sido habitada por uma população relativamente estável de neandertais por centenas de milhares de anos. Mas nossa pesquisa sugere que não foi bem assim”, diz o antropólogo e coautor do estudo Rolf Quam, da Universidade Binghamton, em Nova York, Estados Unidos.

O time de pesquisadores, que inclui ainda suecos, dinamarqueses e espanhóis, analisou sequências do DNA de 13 indivíduos da espécie Homo neanderthalensis e chegou a resultados surpreendentes. Os neandertais da Europa ocidental que tinham mais de 50 mil anos e os que procediam da Ásia Ocidental e do Oriente Médio mostraram grande variação genética, o que é próprio de uma espécie que foi abundante por um longo período de tempo. Por outro lado, os neandertais provenientes da Europa Ocidental com menos de 50 mil anos mostraram um nível extremamente baixo de variação genética. Os dados sugerem que os indivíduos desta região passaram por uma crise demográfica que quase varreu a Europa Ocidental de espécies do gênero Homo.

Esta crise demográfica parece coincidir com um período de extremo frio nesta área. Tempos depois, a região foi repovoada por um grupo pequeno de neandertais vindos de uma área vizinha. Os cientistas ainda não sabem, porém, a origem desses indivíduos. “O fato de neandertais da Europa Ocidental terem passado por uma quase extinção e depois se recuperado, mesmo muito antes de entrarem em contato com humanos modernos, é uma completa surpresa pra nós”, diz Love Dalén, do Museu Sueco de História Natural.

“Isso indica que os neandertais podem ter sido mais sensíveis a mudanças climáticas dramáticas que surgiram na última Era do Gelo do que se pensava”, explica. Assim, “é muito provável que as populações europeias de neandertais já estivissem demograficamente ameaçadas quando os homens modernos entraram em cena”, conclui Quam.

Saiba mais

NEANDERTAL
Homo neanderthalensis é uma espécie extinta do gênero Homo, o mesmo dos humanos modernos, que viveu na Europa e em partes da Ásia entre 130.000 e 30.000 anos atrás. Os neandertais, que coexistiram com os Homo sapiens, receberam este nome porque a primeira ossada do homem pré-histórico foi encontrada em uma caverna no Vale de Neander, na Alemanha, em 1856. “Tal” significa “vale” em alemão.

Fonte: Veja Ciência


22 de março de 2012 | nenhum comentário »

Pesquisa dá pistas sobre como ancestrais do homem se tornaram bípedes

Experimento com chimpanzés mostra que competição por alimentos pode ter forçado antepassados do homem a andar sobre duas pernas

Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e da Universidade de Kyoto, no Japão, estudaram o comportamento de chimpanzés e a forma como eles competem entre si por recursos alimentares, a fim de entender por que os ancestrais do homem se tornaram bípedes. A pesquisa foi publicada no periódico Current Biology.

Os resultados sugerem que esses ancestrais passaram a se locomover sobre duas pernas, em vez de quatro, em situações e localidades em que eles precisavam monopolizar as fontes de alimentação, geralmente porque elas não se encontravam em abundância em seu habitat, e eles não podiam prever quando as teriam novamente. Ficar em pé sobre duas pernas permitia aos indivíduos carregar mais alimentos de cada vez, já que suas mãos ficavam livres.

Os antropólogos concluíram que os ancestrais mais antigos do homem podem ter vivido em constante mudança de condições ambientais, em que determinadas fontes de alimentos não eram sempre fáceis de encontrar. Se a competição por comida era forte, o costume de andar sobre duas pernas pode ter levado a mudanças anatômicas ao longo do tempo, já que indivíduos bípedes tinham mais vantagem sobre os outros quadrúpedes.

Para chegar a esses resultados, os cientistas fizeram uma série de experimentos em laboratórios ao ar livre, monitorando o comportamento de chimpanzés e determinando quando e por que eles recorriam ao andar bípede. Eles observaram que os animais tendiam a andar sobre duas pernas quando deparados com alimentos escassos, já que era possível carregar mais deles de uma só vez. Se a comida era abundante, eles agiam na maior parte das vezes como quadrúpedes.

Faltas de evidências fósseis deixam os pesquisadores em dúvida sobre quando exatamente os ancestrais humanos se tornaram bípedes. Acredita-se, porém, que isso aconteceu por conta de mudanças climáticas ocorridas em algum período da história, que reduziram as áreas de floresta e forçaram os animais a se movimentar por longas distâncias em terrenos abertos.

Chimpanzé anda sobre duas pernas durante experimento: vantagem em tempos de comida escassa

Chimpanzé anda sobre duas pernas durante experimento: vantagem em tempos de comida escassa (Universidade de Cambridge)

Fonte: Veja Ciência


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

setembro 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

6 de novembro de 2012 | nenhum comentário »

Cientistas criam “árvore da vida” com todas as aves conhecidas

Levantamento permite posicionar no espaço e no tempo quando e onde as quase 10 000 espécies conhecidas se separaram de ancestrais comuns

Cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, criaram uma gigantesca árvore filogenética (estudo da relação evolutiva entre várias espécies que possuem um ancestral comum) com as 9.993 espécies de aves conhecidas. O mapeamento do parentesco evolutivo posiciona as especiações das diferentes espécies no tempo e no espaço. “É a primeira ‘árvore da vida’ de espécies com este tamanho colocada em um mapa global”, disse à revista Nature Walter Jetz, biólogo de Yale e um dos co-autores do artigo.

“Esse levantamento é importante porque mostra as relações entre as diferentes espécies. Quanto mais próximas nos ramos, mais relacionadas do ponto de vista evolutivo. Ou seja, partilham de um ancestral comum mais recente”, afirmou ao site de VEJA o professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Mercival Roberto Francisco.

O mapeamento começou com um levantamento filogenético concluído em 2008, produzido pelos mesmos autores do estudo publicado agora na Nature. O levantamento dividiu as espécies de aves conhecidas em 158 clados, ou grupos que teriam se desenvolvido a partir de um ancestral comum. As raízes dessa escala evolutiva foram construídas a partir de dez fósseis, que são um parâmetro para calcular a taxa de mudanças das espécies ao longo do tempo. Com essa base, eles organizaram em uma árvore 6.600 espécies sobre as quais a ciência tem alguma informação genética disponível.

O problema era saber como lidar com as 3.330 espécies sem dados genéticos conhecidos. Para contornar esse gargalo, os cientistas utilizaram a informação de pássaros considerados parentes próximos, podendo assim alocá-los na árvore. Tal aproximação suscitou algumas críticas. “Para uma árvore deste tamanho, qualquer pequeno erro ocasionado por suposições, integrado a quase 10.000 espécies, pode levar à detecção de variações que simplesmente não existiram”, disse à Nature Mark Pagel, biólogo evolutivo da University of Reading, no Reino Unido. Os pesquisadores de Yale dizem ter criado milhares de configurações possíveis para o banco de dados filogenético com o objetivo de reduzir as incertezas.

Conclusões – A pesquisa de Yale mostra que as diversificações das espécies observadas na árvore tornaram-se mais intensas nos últimos 40 milhões de anos. De acordo com o professor Mercival, da UFSCar, isso está de acordo com a teoria mais aceita, segundo a qual a concentração de oxigênio e as temperaturas nas eras mais recentes da Terra permitiram uma explosão da diversidade. Entender onde – e quando – as especiações ocorreram, diz Mercival, pode ajudar a elaborar estratégias de preservação. “Quando a gente fala em conservar a biodiversidade, precisamos proteger os processos que levam ao surgimento de novas espécies”, afirma. “É necessária uma atenção especial para as regiões que conservaram processos de geração de novas espécies em épocas mais recentes.”

Saiba mais

ESPECIAÇÃO

Processo evolutivo pelo qual as espécies se formam, podendo ser, por exemplo, pela divisão de uma espécie em duas, dando origem a duas linhagens diferentes, ou pela transformação de uma espécie em outra, quando essa espécie acumula tantas mutações que se transforma em outra.

passaros yales genetica

Por sequenciamento de DNA, a "árvore da vida" com todas as espécies conhecidas de pássaros mostra quando e onde as diversificações ocorreram (iStockphoto)

Fonte: Veja Ciência


10 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Isolamento geográfico permitiu rápida evolução de dinossauros na América do Norte

Novo estudo analisa as alterações geológicas e a relação com o desenvolvimento natural de herbívoros com chifres e da espécie bico-de-pato

O surgimento da cordilheira das Montanhas Rochosas pode ter impulsionado a evolução dosdinossauros que viviam na América Norte, na região onde hoje fica o oeste americano. A hipótese foi publicada no periódico científico Plos One.

Essa nova constatação, feita por pesquisadores americanos e alemães, explica os padrões já detectados de evolução e migração de espécies de dinossauros, como os bico-de-pato e herbívoros de chifres, no período que antecedeu a extinção da espécie, há 65 milhões de anos.

“No último século, paleontologistas descobriram uma variedade de fósseis de dinossauros que viveram há 75 milhões de anos. Mas no período que antecede a queda do asteroide na Terra e o fim do período Cretáceo (hipótese mais aceita para a extinção dos dinossauros, há 65 milhões de anos), havia poucas espécies destes animais na América do Norte”, disse Terry Gates, pós-doutor na Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, líder da pesquisa feita em conjunto com a universidade da Carolina do Norte e do Museu de Paleontologia e Geologia de Bavaria, na Alemanha.

Para preencher essa lacuna evolutiva, os pesquisadores passaram a fazer o registro geológico do oeste da América do Norte em busca de respostas.

Mudanças geológicas - A descoberta mostrou um quadro de profunda mudança geológica. Durante o início e em meados do período Cretáceo, o magma no interior do manto terrestre levantou o solo no oeste dos Estados Unidos, criando uma enorme cadeia de montanhas.

A área ao leste da cordilheira foi pressionada para baixo, e fez surgir um banco de areia e o Mar Interior Ocidental, que inundou o continente a partir do Ártico Canadense até o Golfo do México. Isso cortou o continente em três grandes ilhas ao norte, leste e oeste. Com a divisão, os dinossauros do oeste ficaram para uma ilha conhecida como Laramídia.

Juntos e mais diversos - A nova descoberta permite compreender como os dinossauros evoluíram em uma ilha após tamanha alteração na geografia, restringindo-os à ilha de Laramídia.

“Nossa hipótese é que esse isolamento facilitou uma rápida especialização e aumentou a diversidade nos animais”, explicou Albert Prieto-Márquez, colaborador da pesquisa.

As novas espécies de bico-de-pato e de dinossauros com chifres foram nascendo a uma taxa impressionante ao longo dos 100 mil anos entre a formação das montanhas e a extinção dos dinossauros, segundo os pesquisadores. “O isolamento das populações permitiu que as espécies evoluíssem novos recursos mais rapidamente, especialmente em detalhes de ornamentação do crânio, como cristas na cabeça e chifres”, disse Gates.

Segunda alteração - Mais tarde, uma das placas tectônicas sob a costa mudou de posição e forçou o surgimento de outra cordilheira, uma espécie de prenúncio das Montanhas Rochosas, ao leste. Essa segunda mudança geológica abriu amplo território para que os dinossauros se locomovessem, reduzindo novamente a rapidez da evolução da espécie.

As mudanças geográficas não só impactaram na diversidade dos dinossauros na América do Norte, mas também podem ter tido reflexos em outras partes do mundo, interrompendo rotas de migração e abrindo outras para a Ásia e América do Sul.

Dinossauros com bico-de-pato evoluíram mais rapidamente ao ter o habitat isolado geograficamente

Dinossauros com bico-de-pato evoluíram mais rapidamente ao ter o habitat isolado geograficamente (Thinkstock)

Diagrama ilustra a diversificação de dinossauros bico-de-pato e os dinossauros com chifres durante o Cretáceo, como resultado do surgimento do mar do interior e a elevação da montanha. A escala de tempo geológico está à esquerda do diagrama em verde. À direita, silhuetas da América do Norte com áreas cobertas por água do mar durante cada um dos períodos de tempo. Lindsay Zanno


5 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Pesquisa reforça tese de que dinossauros tinham sangue quente e metabolismo acelerado

Marcas de ossos que até então apareciam só em répteis indicando baixa na taxa do metabolismo foram encontradas em mamíferos

As evidências de que os dinossauros tinham metabolismo semelhante ao dos répteis, como sugerem algumas linhas de pesquisa, estão sendo derrubadas pouco a pouco e a teoria de que eles tinham sangue quente e metabolismo acelerado vem ganhando cada vez mais força.

Até então se acreditava que os dinossauros eram ectotérmicos, ou seja, não tinham o controle da temperatura do próprio corpo. Essa teoria era baseada nas evidências de fósseis de dinossauros, que apresentam marcas indicando que eles paravam de crescer quando havia condições adversas, como o frio ou a falta de comida.

Mas uma pesquisa divulgada pela revista Nature traz uma forte evidência que coloca em xeque a tese de ectotermia para os dinossauros — e a revelação veio por meio dos mamíferos.

A pesquisa, conduzida pela paleontologista Meike Köhler, do Instituto Catalão de Pesquisas e Estudos Avançados, mostrou que até mesmo os mamíferos, que são homeotérmicos (têm temperatura corporal constante), possuem as marcas de desenvolvimento sazonais nos ossos, chamadas de LAGs. A sigla vem da expressão em inglês ‘Lines of Arrested Growth’, que são sinais formados em períodos do ano quando o metabolismo desacelera, deixando os ossos mais densos. Foram analisados mamíferos de diversas partes do mundo, dos trópicos aos polos. Em todos esses habitats eles apresentam as marcas nos ossos. ”Isso significa que as LAGs não são mais argumento para dizer que os dinossauros são ectotérmicos”, disse Köler.
O anatomista John Hutchinson, do Colégio Real de Veterinária, de Londres, disse que o estudo derruba a tese de que mamíferos não podem ter as LAGs como parte natural do desenvolvimento.
Para Luiz Eduardo Anelli, especialista em dinossauros e autor do livro Dinos no Brasil,a pesquisa derruba um dos questionamentos que havia quanto ao metabolismo dos dinossauros. Segundo ele, além desta pesquisa, já havia outras evidências de que esses animais poderiam ter o sangue quente.
Fonte: Veja Ciência

29 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Animal mais antigo viveu 30 milhões de anos antes do previsto, diz estudo

Canadenses acharam rastros de ‘lesma’ de 585 milhões de anos no Uruguai.
Bicho mais antigo do mundo até agora havia sido encontrado na Rússia.

Pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, descobriram no Uruguai uma prova física de que animais existiram há 585 milhões de anos, 30 milhões de anos antes que as evidências científicas mostravam até agora. Os resultados do estudo estão publicados na edição da revista “Science” desta quinta-feira (28).

Até então, o fóssil mais antigo do mundo tinha 555 milhões de anos e havia sido localizado na Rússia.

O achado foi por geólogos da equipe de Ernesto Pecoits e Natalie Aubet, que encontraram trilhas fossilizadas de um animal semelhante a uma lesma, com cerca de 1 centímetro de comprimento. O rastro foi deixado em um terreno sedimentar com lodo.

A equipe chegou à conclusão de que as trilhas foram feitas por um bicho primitivo bilateral, que se diferencia de outras formas de vida simples por ter uma simetria superior diferente da parte inferior, além de um conjunto único de “pegadas”.

Os pesquisadores dizem que as faixas fossilizadas indicam que a musculatura desse animal mole lhe permitia mover-se pelo solo raso do oceano. O padrão de movimento da “lesma” indica uma adaptação evolutiva para buscar comida – o material orgânico do sedimento.

A idade precisa dos rastros foi calculada pela datação de uma rocha vulcânica que se “intrometeu” na rocha sedimentar onde os caminhos foram achados. O processo incluiu um retorno ao Uruguai para coletar mais amostras da rocha fossilizada e várias sessões de análise por um método chamado espectrometria de massa, que identifica diferentes átomos presentes em uma mesma substância.

Ao todo, os autores do estudo levaram mais de dois anos para ficarem satisfeitos com a precisão da idade de 585 milhões de anos.

Segundo o paleontógo Murray Gingras, da mesma equipe, é comum que animais de corpo mole desapareçam, mas suas trilhas virem fósseis. O geomicrobiólogo Kurt Konhauser diz que a descoberta abre novas questões sobre a evolução desses animais – como foram capazes de se mover e procurar alimento – e as condições ambientais envolvidas. Além desses pesquisadores, o trabalho contou com a participação de Larry Heaman e Richard Stern.

Rastro lesma science (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Rastros de animal são comparados ao tamanho de uma moeda canadense, para dar a dimensão do tamanho das 'pegadas' deixadas por 'lesma' primitiva (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Fonte: Globo Natureza


28 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Lagartixa deixou de ter pata colante 9 vezes durante evolução, diz estudo

Cientistas verificaram ainda que sola adesiva reapareceu outras 11 vezes.
Pesquisa foi publicada na revista PLoS ONE.

Cientistas descobriram que durante o processo evolutivo das lagartixas, sua sola pegajosa — que gruda em diversos tipos de superfícies e ajuda o réptil a escalar paredes, desapareceu ao menos nove vezes, mas reapareceu outras 11 vezes, de acordo com estudo publicado nesta quarta-feira (27) na revista PLoS ONE.

A investigação científica aponta a existência de 1.450 espécies conhecidas de lagartixas, sendo que 60% delas têm patas com característica pegajoda e adesiva.

Um grupo de estudiosos da Universidade Villanova, na Pensilvânia, Estados Unidos, conseguiu construir uma árvore genealógica de lagartixas a partir da análise do DNA de muitas espécies. Em seguida, eles acrescentaram a informação sobre a existência de patas colantes, fato que ajudaria a determinar, em diferentes versões, quando essa característica surgiu.

O modelo mais provável alcançado pelos cientistas é que as patas pegajosas apareceram 11 vezes durante a formação das espécies, mas desapareceram em outras nove ocasiões ao longo da evolução da lagartixa.

Lagartixa foi flagrada tentando salvar amigo que havia sido capturado por cobra. (Foto: Reprodução/YouTube)

Lagartixas penduradas na parede. Característica pegajosa das patas sumiu ao menos nove vezes durante processo evolutivo de espécies, apontam cientistas. (Foto: Reprodução/YouTube)

Fonte: Globo Natureza


15 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Cientistas decodificam código genético do bonobo

Com o sequenciamento genético de um dos parentes mais próximos do homem, os cientistas esperam descobrir como era o ancestral comum entre o ser humano e outros primatas

Um grupo internacional de cientistas decodificou o código genético do bonobo. Entre os símios – grupo de primatas formado por orangotangos, chimpanzés, gorilas e bonobos -, esse é o último a ter seu genoma decodificado. O sequenciamento genético do bonobo foi publicado nesta terça-feira na revista Nature.

Para realizar a pesquisa, os cientistas obtiveram dados de Ulindi, uma fêmea de bonobo do zoológico de Leipzig, na Alemanha. Com essa informação genética, os cientistas esperam conhecer melhor a linhagem humana.

Semelhanças e diferenças — A comparação entre os genomas do bonobo, do chimpanzé e do homem mostrou que os humanos têm uma diferenciação de 1,3% de ambos. Chimpanzés e bonobos são mais próximos: a diferença genética entre eles é de apenas 0,4%

Embora sejam similares em muitos aspectos, os símios africanos diferem em comportamentos sociais e sexuais importantes e alguns demonstram mais similaridade com os humanos do que entre si.

Para o cientista Kay Pruefer, biólogo do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva (Alemanha), a pesquisa forneceu mais informações sobre bonobos e chimpanzés do que sobre os humanos.

Em busca do ancestral comum — “Esperamos que o entendimento das diferenças entre bonobos e chimpanzés nos ajude, um dia, a entender como era o ancestral comum (de humanos, chimpanzés e bonobos)”, disse Pruefer. ”Seria muito interessante descobrir qual foi o traço que os humanos adquiriram em sua evolução ao longo de milhões de anos”, concluiu.

Os cientistas explicaram que o sequenciamento genético demonstrou que bonobos e chimpanzés não se misturaram ou cruzaram entre si depois que seus caminhos se separaram geograficamente, cerca de dois milhões de anos atrás, provavelmente na época da formação do Rio Congo.

Chimpanzés

Os machos competem agressivamente por domínio e sexo e unem forças para defender seu território atacando outros grupos.

Esses animais se espalham ao longo da África equatorial.

Bonobos

Os machos costumam ser subordinados às fêmeas, não competem por hierarquia e não tomam parte em confrontos. São animais brincalhões e fazem sexo por diversão, não apenas para se reproduzir.

Estão restritos ao sul do Rio Congo, na República Democrática do Congo. Devido ao seu hábitat pequeno e remoto, os bonobos foram a última espécie de símios “descoberta” nos 1920, e são os mais raros de todos os símios em cativeiro.

Espécie de chimpanzé banobo

Cientistas divulgaram nesta terça-feira o sequenciamento genético dos bonobos, um dos parentes mais próximos do homem (Issouf Sanogo/AFP)

Fonte: Veja Ciência


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, sugere estudo

Fóssil descoberto em Mianmar ajuda a resolver o mistério de quando ocorreu a migração dos primeiros símios para o continente africano

Os antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, vindos da Ásia. A descoberta representa um avanço importante para entender a evolução dos seres humanos e de outros primatas. O estudo foi publicado nesta segunda-feira no periódico americano PNAS.

Por décadas os cientistas pensaram que os antepassados dos humanos surgiram na África. Uma série de descobertas nos últimos anos, porém, atestam que os primeiros símios vieram da Ásia e posteriormente colonizaram o continente africano. Contudo, os paleontólogos ainda não conseguiram decidir como e quando isso aconteceu. Agora, parece que há uma resposta para pelo menos uma das perguntas.

A mais recente descoberta que dá suporte à teoria de que os primeiros símios vieram da Ásia é o fóssil Afrasia djijidae, encontrado em Mianmar por pesquisadores Museu de História Natural de Carnegie, dos Estados Unidos. É sobre esse fóssil o estudo publicado no PNAS. O que torna o achado asiático de 37 milhões de anos digno de nota é sua similaridade com outro, encontrado recentemente no Deserto do Saara, na África.

Questão de tempo - Os dentes doAfrasia são muito parecidos com os doAfrotarsius libycus, um fóssil norte-africano que data da mesma época do asiático. Por sua estrutura complexa, os dentes de mamíferos são usados como ‘impressões digitais’ para reconstruir relações de parentesco entre espécies extintas e modernas.

A grande similaridade entre os dois fósseis, um da África e outro da Ásia, tem muito a dizer sobre quando a colonização do continente africano ocorreu. Os cientistas acreditam que ela aconteceu pouco antes da data em que viveu o animal que deu origem ao fóssil asiático, ou seja, há 37 milhões de anos.

Se os símios asiáticos tivessem chegado ao Norte da África antes, teria havido mais tempo para a diversificação entre o Afrasia e o Afrotarsius. “Por muito tempo pensávamos que o registro de fósseis da África era ruim”, disse Jean-Jacques Jaeger, chefe da pesquisa. “O fato de que símios semelhantes viveram ao mesmo tempo na Líbia e em Mianmar sugere que eles não chegaram à África até pouco antes do fóssil que encontramos no norte africano.”

Agora, os paleontólogos tem uma forte indicação de quando a colonização do continente africano ocorreu. Falta saber como. A viagem provavelmente foi muito dura. Naquela época, uma versão maior do Mar Mediterrâneo, chamada Mar de Tétis, separava a África e a Eurásia. A descoberta do Afrasia não resolve a questão da rota nem de como ocorreu a colonização, mas pelo menos crava um ponto de partida na linha do tempo da evolução dos antigos primatas na África.

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana (Mark A. Klingler/Carnegie Museum of Natural History)

Fonte: Veja Ciência


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Evolução dos pássaros encerrou era dos insetos gigantes, diz estudo

Corpo menor ajudou insetos a fugir de pássaros predadores.
Maior inseto chegou a ter 70 centímetros há 300 milhões de anos.

Um novo estudo da Universidade da Califórnia sugere que a evolução dos pássaros foi determinante para o fim da era dos insetos gigantes na Terra. Segundo os cientistas, a época em que as aves começaram a estabelecer seu lugar nos céus é a mesma na qual os insetos grandalhões perderam espaço, há 150 milhões de anos. A pesquisa foi divulgada nesta semana na edição online da revista científica “PNAS”, da Academia Americana de Ciências.

Insetos gigantes viveram nos céus pré-históricos em uma época em que a atmosfera da Terra era rica em oxigênio. Pesquisas anteriores já tinham sugerido que o tamanho dos insetos tinha relação com altas concentrações de oxigênio – cerca de 30%, comparada aos atuais 21%, em média.

Há 300 milhões de anos, os insetos gigantes chegaram ao maior tamanho já documentado: 70 centímetros.

Mas à medida que os pássaros surgiram, os insetos se tornaram menores mesmo com o aumento de oxigênio na atmosfera, diz a pesquisa.

Segundo o autor do estudo, Matthew Clapham, professor de Terra e Ciências Planetárias da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, com os pássaros predatórios na ‘cola’, necessidade de ter mais mobilidade foi a base da evolução do voo desses insetos, favorecendo o tamanho mais reduzido do corpo.

A equipe da Clapham comparou o tamanho das asas de mais de 10.500 fósseis de insetos com níveis de oxigênio do planeta em centenas de milhares de anos.

O pesquisador enfatiza, no entanto, que o estudo focou as mudanças a partir dos maiores insetos já conhecidos.

“Em torno do final do período Jurássico e início do Cretáceo, cerca de 150 milhões de anos atrás, de repente o nível de oxigênio sobe, mas o tamanho do inseto diminui. E isso coincide de forma impressionante com a evolução dos pássaros”, diz Clapham.

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fonte: G1


28 de março de 2012 | nenhum comentário »

População de neandertais já era instável mesmo antes de humanos surgirem

Pesquisa sugere que os ‘Homo neanderthalensis’ estiveram à beira da extinção muito antes do aparecimento dos ‘Homo sapiens’

Cientistas analisaram sequências do DNA de 13 indivíduos neandertais

Cientistas analisaram sequências do DNA de 13 indivíduos neandertais

Até o momento, cientistas acreditavam que os neandertais – indivíduos da extinta espécieHomo neanderthalensis, que pertencem ao mesmo gênero dos homens atuais (Homo sapiens sapiens) – começaram a desaparecer por volta de 30 mil anos atrás, devido a mudanças climáticas ou concorrência com humanos modernos. Agora, pesquisa publicada no periódico Molecular Biology and Evolution sugere que os neandertais que viveram na Europa Ocidental estiveram à beira da extinção muito antes do Homo sapiens.

Os neandertais são nossos parentes fósseis mais próximos. Evidências abundantes sobre seu modo de vida e restos de esqueleto têm sido encontrados em muitos locais da Europa e da Ásia Ocidental. “Até os homens modernos aparecerem, acreditava-se que a Europa tinha sido habitada por uma população relativamente estável de neandertais por centenas de milhares de anos. Mas nossa pesquisa sugere que não foi bem assim”, diz o antropólogo e coautor do estudo Rolf Quam, da Universidade Binghamton, em Nova York, Estados Unidos.

O time de pesquisadores, que inclui ainda suecos, dinamarqueses e espanhóis, analisou sequências do DNA de 13 indivíduos da espécie Homo neanderthalensis e chegou a resultados surpreendentes. Os neandertais da Europa ocidental que tinham mais de 50 mil anos e os que procediam da Ásia Ocidental e do Oriente Médio mostraram grande variação genética, o que é próprio de uma espécie que foi abundante por um longo período de tempo. Por outro lado, os neandertais provenientes da Europa Ocidental com menos de 50 mil anos mostraram um nível extremamente baixo de variação genética. Os dados sugerem que os indivíduos desta região passaram por uma crise demográfica que quase varreu a Europa Ocidental de espécies do gênero Homo.

Esta crise demográfica parece coincidir com um período de extremo frio nesta área. Tempos depois, a região foi repovoada por um grupo pequeno de neandertais vindos de uma área vizinha. Os cientistas ainda não sabem, porém, a origem desses indivíduos. “O fato de neandertais da Europa Ocidental terem passado por uma quase extinção e depois se recuperado, mesmo muito antes de entrarem em contato com humanos modernos, é uma completa surpresa pra nós”, diz Love Dalén, do Museu Sueco de História Natural.

“Isso indica que os neandertais podem ter sido mais sensíveis a mudanças climáticas dramáticas que surgiram na última Era do Gelo do que se pensava”, explica. Assim, “é muito provável que as populações europeias de neandertais já estivissem demograficamente ameaçadas quando os homens modernos entraram em cena”, conclui Quam.

Saiba mais

NEANDERTAL
Homo neanderthalensis é uma espécie extinta do gênero Homo, o mesmo dos humanos modernos, que viveu na Europa e em partes da Ásia entre 130.000 e 30.000 anos atrás. Os neandertais, que coexistiram com os Homo sapiens, receberam este nome porque a primeira ossada do homem pré-histórico foi encontrada em uma caverna no Vale de Neander, na Alemanha, em 1856. “Tal” significa “vale” em alemão.

Fonte: Veja Ciência


22 de março de 2012 | nenhum comentário »

Pesquisa dá pistas sobre como ancestrais do homem se tornaram bípedes

Experimento com chimpanzés mostra que competição por alimentos pode ter forçado antepassados do homem a andar sobre duas pernas

Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e da Universidade de Kyoto, no Japão, estudaram o comportamento de chimpanzés e a forma como eles competem entre si por recursos alimentares, a fim de entender por que os ancestrais do homem se tornaram bípedes. A pesquisa foi publicada no periódico Current Biology.

Os resultados sugerem que esses ancestrais passaram a se locomover sobre duas pernas, em vez de quatro, em situações e localidades em que eles precisavam monopolizar as fontes de alimentação, geralmente porque elas não se encontravam em abundância em seu habitat, e eles não podiam prever quando as teriam novamente. Ficar em pé sobre duas pernas permitia aos indivíduos carregar mais alimentos de cada vez, já que suas mãos ficavam livres.

Os antropólogos concluíram que os ancestrais mais antigos do homem podem ter vivido em constante mudança de condições ambientais, em que determinadas fontes de alimentos não eram sempre fáceis de encontrar. Se a competição por comida era forte, o costume de andar sobre duas pernas pode ter levado a mudanças anatômicas ao longo do tempo, já que indivíduos bípedes tinham mais vantagem sobre os outros quadrúpedes.

Para chegar a esses resultados, os cientistas fizeram uma série de experimentos em laboratórios ao ar livre, monitorando o comportamento de chimpanzés e determinando quando e por que eles recorriam ao andar bípede. Eles observaram que os animais tendiam a andar sobre duas pernas quando deparados com alimentos escassos, já que era possível carregar mais deles de uma só vez. Se a comida era abundante, eles agiam na maior parte das vezes como quadrúpedes.

Faltas de evidências fósseis deixam os pesquisadores em dúvida sobre quando exatamente os ancestrais humanos se tornaram bípedes. Acredita-se, porém, que isso aconteceu por conta de mudanças climáticas ocorridas em algum período da história, que reduziram as áreas de floresta e forçaram os animais a se movimentar por longas distâncias em terrenos abertos.

Chimpanzé anda sobre duas pernas durante experimento: vantagem em tempos de comida escassa

Chimpanzé anda sobre duas pernas durante experimento: vantagem em tempos de comida escassa (Universidade de Cambridge)

Fonte: Veja Ciência


« Página anterior