15 de março de 2012 | nenhum comentário »

Roedores mamíferos podem ter convivido com dinossauros

Eles apareceram nos últimos 20 milhões de anos do reinado dos dinos.
Com dentição complexa, animais deveriam se alimentar de vegetais.

Multituberculado teria vivido durante período Mesozoico e convivido com dinossauros. (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Multituberculado teria vivido convivido com dinossauros (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Os cientistas acreditavam que, durante a era Mesozoica, os mamíferos eram criaturas pequenas que viviam à sombra de outras. No entanto, agora, eles dizem que pelo menos um grupo de mamíferos conseguiu prosperar.

Criaturas semelhantes a roedores, chamados multituberculados, apareceram nos últimos 20 milhões de anos de reinado dos dinossauros e sobreviveram após a extinção destes, há 66 milhões de anos.

O novo estudo de um paleontólogo da Universidade de Washington indica que os chamados multituberculados conseguiram sobreviver tão bem porque desenvolveram diversos tubérculos (protuberâncias ou cúspides) nos dentes posteriores, o que permitiu que se alimentassem de angiospermas, plantas com flores que estavam se tornando um elemento comum na paisagem.

“Esses mamíferos eram capazes de proliferar em termos de número de espécies, tamanho do corpo e formato de seus dentes, características que influenciaram o que comiam”, disse Gregory P. Wilson, professor assistente de biologia da Universidade de Washington.

Ele é o principal autor da pesquisa, publicada nesta quarta-feira (14), em uma edição on-line da revista científica “Nature”.

Características
Cerca de 170 milhões de anos atrás, os multituberculados tinham o tamanho aproximado de um rato. As angiospermas começaram a aparecer há aproximadamente 140 milhões e, depois disso, o tamanho dos pequenos mamíferos aumentou, chegando ao de um castor.

Após a extinção dos dinossauros, os multituberculados continuaram a se destacar até que os outros mamíferos – em grande parte primatas, ungulados e roedores – ganharam uma vantagem competitiva. Isso acabou levando, enfim, ao desaparecimento dos multitubeculados, cerca de 34 milhões de anos atrás.

Os cientistas examinaram os dentes de 41 espécies de multituberculados preservados em fósseis coletados ao redor do mundo a fim de determinar para que direção as manchas presentes nas superfícies dentárias apontavam.

Carnívoros têm dentes relativamente simples, com talvez 110 manchas por arcada, pois seu alimento se despedaça facilmente, explicou Wilson. Mas animais que dependem mais de vegetais para a sobrevivência têm uma dentição um pouco mais afetada porque sua comida é dilacerada com os dentes.

Em alguns multituberculados, dentes em formato de lâmina situados na parte da frente da boca se tornaram menos proeminentes com o tempo e os dentes de trás se tornaram mais complexos, com 348 manchas por arcada, um indício de mastigação de alimento vegetal.

Fonte: France Presse

 


15 de março de 2012 | nenhum comentário »

Muitos mamíferos carnívoros são incapazes de sentir gosto doce, diz estudo

Pesquisadores afirmam que perda da capacidade de perceber sabor adocicado ocorreu ao longo da evolução

Muitas espécies de mamíferos carnívoros perderam a capacidade de sentir sabor doce, devido à evolução de sua dieta consistente em comer carne exclusivamente, revelou um estudo divulgado nesta segunda-feira (12).

Estudos anteriores já tinham demonstrado que os gatos selvagens e domésticos que se alimentam só de carne são incapazes de perceber o sabor doce devido a um defeito em seus genes.

A partir disto, cientistas do Instituto Monell na Filadélfia (Pensilvânia, leste) e da Universidade de Zurique, na Suíça, decidiram investigar se outros mamíferos que se alimentam de carne e peixe tampouco percebiam o sabor doce.

Para isso, estudaram os genes dos receptores do gosto adocicado em 12 espécies de mamíferos. E, para sua surpresa, descobriram que a percepção do doce tinha desaparecido em muitas espécies carnívoras.

“Pensava-se que o sabor doce fosse um traço universal nos animais. Que a evolução tenha levado de forma independente espécies tão diferentes a perdê-lo foi muito inesperado”, disse Gary Beauchamp, autor principal do estudo publicado na edição online das Atas da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (PNAS).

Assim, a preservação do receptor do sabor doce está estreitamente relacionada com os hábitos alimentares dos animais.

Entre os leões marinhos, o lobo-marinho antártico, as focas comuns, as lontras anãs orientais ou as hienas-malhadas, espécies exclusivamente carnívoras, os genes que controlam o receptor do sabor doce eram defeituosos, acrescentou o estudo.

Ao contrário, este receptor foi encontrado intacto no lobo terrestre, no urso de óculos, no guaximim e no lobo-vermelho, todas espécies carnívoras que também comem outro tipo de alimentos, especialmente doces.

A descoberta sugere que a perda da capacidade de perceber o sabor adocicado ocorreu ao longo da evolução, mostrando a importância das dietas exclusivas na estrutura e função do sistema sensorial dos animais, afirmaram os pesquisadores.

Também examinaram os genes dos receptores do sabor doce e ‘umami’ (gosto de carne) – dois dos cinco sabores básicos – em dois mamíferos marinhos que originalmente viviam na terra: os leões marinhos e os golfinhos nariz-de-garrafa.

Estes animais foram escolhidos porque engolem a comida, o que sugere que o gosto não é importante na escolha dos alimentos.

Como se esperava, a perda de sabor estava muito disseminada nos dois mamíferos. Os genes da ativação dos receptores para o sabor doce e o sabor ‘umami’ não funcionavam nos dois. Além disso, os genes responsáveis pelo gosto amargo estavam inativos nos golfinhos.

“Este estudo mostra claramente que os receptores do sabor na cavidade bucal não são necessários para a sobrevivência de algumas espécies”, concluiu Peihua Jiang, do Instituto Monell.

Pesquisadores estudaram os genes dos receptores do gosto adocicado em 12 espécies de mamíferos. Foto: Getty Images

Fonte: Portal IG


8 de março de 2012 | nenhum comentário »

Genes de macacos mostram que temos gorilas entre nós

Nossos ancestrais passaram pela divisão evolutiva com os gorilas há cerca de 10 milhões de anos, mas ainda compartilhamos um notável número de genes com o grande macaco, de acordo com um inovador estudo publicado nesta quarta-feira.

Um consórcio mundial de cientistas sequenciou o genoma do gorila da planície ocidental e comparou mais de 11.000 de seus genes com os dos humanos modernos, Homo sapiens, e os dos chimpanzés.

Os gorilas se separaram da linhagem humano-chimpanzé há cerca de 10 milhões de anos, e cerca de quatro milhões de anos depois homens e chimpanzés emergiram como espécies diferentes, uma ideia que coincide com as evidências fósseis.

A comparação também derruba convicções sobre similaridades entre os principais primatas, dizem os pesquisadores.

Como era esperado, humanos e chimpanzés compartilhavam a maior parte dos genes.

Mas 15% do genoma humano é mais próximo ao genoma do gorila do que ao do chimpanzé – e 15% do genoma do chimpanzé é mais próximo ao genoma do gorila do que ao do humano.

“Nossas descobertas mais significativas revelam não apenas diferenças entre as espécies refletindo milhões de anos de divergências evolutivas, mas também similaridades nas mudanças em paralelo ao longo do tempo desde seu ancestral comum”, disse Chris Tyler-Smith, do Britain’s Wellcome Trust Sanger Institute.

“Descobrimos que gorilas compartilham muitas mudanças genéticas paralelas com humanos – incluindo a evolução de nossa audição”.

“Cientistas sugeriram que a rápida evolução dos genes de audição dos humanos estava ligada à evolução da linguagem. Nossos resultados colocam isso em questão, já que os genes de audição evoluíram em gorilas na mesma proporção que nos humanos”.

Os próprios gorilas começaram a se dividir em dois grupos, o gorila da planície oriental e o gorila da planície ocidental, cerca de um milhão de anos atrás.

O estudo joga um balde de água fria naqueles que defendem a noção de que a separação entre espécies de primatas ocorreu de maneira abrupta, em um período relativamente curto.

Na verdade, o processo foi longo e muito gradual.

Havia provavelmente uma quantidade razoável de “fluxo gênico”, ou um cruzamento entre linhagens genéticas levemente diferentes, os dois antes que os gorilas se separassem dos outros macacos e antes que os próprios gorilas se dividissem em duas espécies.

Poderia haver um paralelo na separação entre chimpanzés e bonomos, ou entre humanos modernos e Neanderthais, afirmam os autores.

Uma nova teoria sobre Neanderthais é que eles eram mais do que primos próximos – o H. sapiens ocasionalmente cruzava com eles e incorporou alguns de seus genes nos humanos modernos.

Os próprios Neandherthais se extinguiram como uma espécie separada há cerca de 40 mil anos, dizimados quer por uma mudança climática ou devido ao próprio H. sapiens, de acordo com algumas hipóteses.

A amostra de DNA foi retirada de uma gorila da planície ocidental chamada Kamilah.

Depois de prosperar por milhões de anos, os gorilas sobrevivem hoje em apenas algumas poucas populações ameaçadas da África central, e sua quantidade diminui devido à caça e à perda de habitat.

“Bem como nos ensinar sobre evolução humana, o estudo dos grandes macacos nos conecta a um tempo no qual nossa existência era mais tênue, e, ao fazer isso, ressalta a importância de proteger e conservar estas espécies notáveis”, afirma o estudo.

Fonte: Veja Ciência


5 de março de 2012 | nenhum comentário »

Mudança em órgão sexual de “besoura” fez esperma evoluir

Quando se trata de sexo, algumas fêmeas são manipuladoras –notadamente as de besouros aquáticos. Pesquisadores nos EUA mostraram como as mudanças nos órgãos sexuais femininos moldaram a evolução dos espermatozoides nesses insetos.

A descoberta questiona a noção tradicional de que a chamada “seleção sexual” seria obra principalmente dos machos. O conceito surgiu com o criador da teoria da evolução, o naturalista inglês Charles Darwin (1809-1882).

A seleção sexual continua mesmo dentro do aparelho reprodutivo da fêmea; o esperma de vários machos compete para fecundar os óvulos.

A pesquisa feita agora com 42 espécies de besouros aquáticos revelou um mundo de formas bizarras de órgãos sexuais e de espermatozoides que tentam se adaptar a eles. Existem cerca de 4.000 espécies de besouros aquáticos em todo o mundo.

“Ao criar uma corrida de obstáculos, a fêmea pode avaliar a qualidade do esperma, com apenas o mais apto sendo capaz de atingir as posições ótimas para a fertilização”, disse àFolha a pesquisadora Dawn Higginson, da Universidade do Arizona, que liderou o estudo, publicado na revista científica “PNAS”.

Em animais como moluscos e insetos, os órgãos reprodutivos femininos e os espermatozoides existem em uma grande variedade de formas.

“Nossos resultados mostram que a seleção sexual não é sempre a competição de macho com macho”, diz.

Fonte: Ricardo Bonalume Neto, Folha.com


10 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Listras das zebras servem para espantar insetos, afirma pesquisa

Moscas transmissoras de doenças não se sentem atraídas por pele bicolor.
Espécie nasceria com pele negra e ganha listras brancas antes de nascer.

As listras das zebras podem não servir apenas para diferenciar esses animais dos cavalos ou mesmo só para recurso de camuflagem – na tentativa de escapar de predadores.

Biólogos divulgaram nesta quinta-feira (9) que as listras também são úteis para afastar insetos, que atrapalham os animais durante a alimentação, além de transmitir doenças.

De acordo com artigo publicado no “Journal of Experimental Biology”, as mutucas, moscas que têm uma mordida dolorosa e podem causar necrose na pele de mamíferos, seriam menos atraídas pelas listras, pois buscam animais com pele totalmente escura.

Negro com listras brancas
A comprovação ocorreu durante testes realizados em um campo de Budapeste, na Hungria. Cavalos brancos e negros foram colocados juntamente com espécimes de zebras em uma região com presença de mutucas.

Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que o modelo listrado foi o que menos atraiu as moscas. A equipe da Suécia e da Hungria verificou então que a zebra pode ter desenvolvido suas listras justamente para este tipo de proteção (evolução).

Eles sugerem que, durante o desenvolvimento dos embriões desta espécie, a pele totalmente escura ganha listras brancas antes do nascimento.

Zebra (Foto: Dennis Barbosa/G1)

Exemplares de zebra em safári africano. Animais teriam ganhado listras brancas durante processo de evolução para protegê-los de picadas de insetos (Foto: Dennis Barbosa/G1)

 

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


10 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Lago na Antártida pode revelar evolução do planeta e novas vidas

Cientistas russos afirmaram nesta quinta-feira (9) que uma sonda enviada a um lago primitivo sob o gelo da Antártida pode fazer revelações sobre a evolução do planeta e até mesmo novas formas de vida. Uma equipe russa fez uma perfuração até a superfície do lago Vostok, que, acredita-se, foi coberto por gelo durante milhões de anos, em um avanço anunciado oficialmente pelo Instituto do Ártico e da Antártida.

Cientistas afirmaram que as amostras de água que serão retiradas do lago até o fim deste ano podem revelar novas formas de vida, apesar das condições extremas. “Esperamos encontrar vida lá como nenhuma outra que exista na Terra”, explicou Sergei Bulat, um biólogo molecular do Instituto de Física Nuclear de São Petersburgo, à AFP.

“Se houver vida lá, será uma forma de vida que é desconhecida para a ciência. Nesse caso, estamos falando de uma descoberta fundamental, uma nova página em nossa compreensão científica da vida. (…) Descobrimos um novo assunto para a ciência, ninguém nunca viu nada como isso”, acrescentou Vladimir Syvorotkin, um especialista em geologia e mineralogia da Universidade Estatal de Moscou. “Os biólogos provavelmente encontrarão alguma bactéria desconhecida que se adaptou a estas condições”, disse à AFP.

Os sedimentos do lago também revelarão mudanças na Terra e em seu clima nos últimos 20 milhões de anos, afirmou German Leichenkov, do Instituto de Geologia e Recursos Minerais do Oceano em São Petersburgo. “Para os geólogos, é importante perfurar e trazer de volta os sedimentos. Eles contêm informações sobre alterações no meio ambiente, o clima nos últimos 15 a 20 milhões de anos”, disse. “Nós temos muito pouca informação sobre isso na Antártida e esta poderia ser uma fonte única de informação”.

Trabalhando em condições extremas no leste da Antártida, onde a temperatura média é de cerca de menos 50 ºC, a expedição implantou uma sonda através do gelo por muitos meses, utilizando querosene como anticongelante. “Esta é nossa vitória técnica. Perfuração nestas condições climáticas complexas é difícil, além dos fatores da alta altitude e do gelo forte”, explicou Leichenkov. “É uma vitória técnica e psicológica importante. É importante parabenizá-los com isso, especialmente porque não existem outras vitórias. Essas pessoas são heroínas”, disse Syvorotkin, da Universidade Estatal de Moscou.

O líder da expedição, Valery Lukin, comparou orgulhosamente o sucesso do projeto de longa duração com o primeiro voo ao espaço. Em um sinal da importância que o governo russo atribui à descoberta, o ministro dos Recursos Naturais e Ecologia, Yury Trutnev, visitou o local no início deste mês.

Os cientistas por trás da expedição afirmaram que a sonda não iria contaminar a água devido às técnicas empregadas, que utilizaram água pressurizada para puxar o fluido de perfuração menos denso para fora do poço. No entanto, um especialista do Greenpeace alertou para o risco de poluição na perfuração, citando cientistas internacionais. “Muitos cientistas dizem que têm dúvidas e que o líquido para perfurar pode atingir este lago único com flora e fauna desconhecidas. É um risco”, disse Vladimir Chuprov, chefe da equipe de energia do Greenpeace na Rússia.

O professor Martin Siegert, chefe da escola de geociências da Universidade de Edimburgo, afirmou à AFP nesta semana que o método de perfuração utilizando anticongelante significava um potencial para contaminação. “É muito difícil para eles convencer (outros) de que seu experimento será limpo, quando você tem essencialmente duas milhas (3,5 km) de querosene para atravessar antes de chegar à superfície do lago”. A difícil tarefa de atingir os sedimentos do lago também exigirá um método seguro de perfuração, explicou o geólogo Leichenkov. “Este problema já está sendo solucionado, temos especialistas muito bons trabalhando nisso”, completou.

Fonte: Portal Terra


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Mudança climática tem relação com evolução de animais pré-históricos

Fósseis podem ajudar a compreender como aquecimento nos influencia.
Estudo foi publicado pela revista científica ‘PNAS’.

Os parentes do rinoceronte retratados na imagem são os brontotérios, que viveram entre 56 milhões e 34 milhões de anos (Foto: Carl Buell/Cortesia)

Os parentes do rinoceronte retratados na imagem são os brontotérios, que viveram entre 56 milhões e 34 milhões de anos (Foto: Carl Buell/Cortesia)

Apesar de ter entrado em evidência só nos últimos anos, a mudança global é um fator determinante para a natureza desde muito, muito tempo. Nos últimos 65 milhões de anos, pelo menos seis espécies diferentes tiveram sua sorte determinada por alterações na temperatura, segundo um estudo publicado na edição online desta segunda-feira (26) da revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

Desde que os dinossauros desapareceram, o domínio da Terra vem sendo revezado por diferentes grupos de mamíferos, que atingiram o auge e decaíram. Essas ondas consecutivas de diversidade de espécies de mamíferos são chamadas de “faunas evolucionárias”.

“Nós mostramos que a ascensão e queda dessas faunas estão, de fato, correlacionadas à mudança climática – aumento ou diminuição das paleotemperaturas globais – e também é influenciada por outras perturbações mais locais, como eventos migratórios”, diz Christine Janis, uma das autoras do estudo, em material divulgado pela Universidade Brown, em Providence, nos EUA, onde ela trabalha.

A pesquisa pode ajudar os cientistas a entender melhor a relação entre a evolução e a mudança climática, mas não ainda deve permitir previsões específicas para o futuro, com a perspectiva de aumento constante da temperatura, sob influência humana, segundo Janis.

“Tais perturbações, relacionadas à mudança climática antropogênica, estão atualmente desafiando a fauna de todo o mundo, enfatizando a importância do registro fóssil para a nossa compreensão de como os eventos do passado afetaram a história da diversificação e extinção da fauna e, portanto, de como as mudanças climáticas do futuro continuarão a influenciar a vida na Terra”, conclui o artigo.

Fonte: G1, São Paulo


26 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Cientistas descobrem um ’sexto dedo’ na pata dos elefantes

Cientistas britânicos concluíram que um osso até então inexplicável na pata dos elefantes é na verdade um “sexto dedo”, que ajuda os elefantes a equilibrar seu peso colossal. Segundo um estudo publicado na sexta-feira (23) na revista científica Science, análises de fósseis mostram que a estrutura apareceu há cerca de 40 milhões de anos, época em que os elefantes se tornaram maiores e passaram a viver mais na terra.

Por mais de 300 anos, a estrutura representou um enigma para os cientistas, afirmou o coordenador da pesquisa, John Hutchinson, do Royal Veterinary College. “É um mistério que remonta a 1706, quando os primeiros elefantes foram dissecados por um cirurgião escocês”, disse.

Parte da comunidade científica acreditava que o sexto dedo era um pedaço de cartilagem, cuja função – ou a falta dela – fazia parte dos debates entre os acadêmicos. “Qualquer um que já tenha estudado a pata de um elefante já se perguntou o que era. Mas concluíam que era estranho e passavam para outra coisa.”

Para estudar a estrutura, a equipe se valeu de uma combinação de técnicas que incluíram tomografias computadorizadas, estudo dos tecidos, dissecação e aplicação de microscopia eletrônica. Os pesquisadores concluíram que a estrutura era feita de osso – embora bastante irregular e incomum.

Semelhanças entre espécies – Um exame mais detalhado revelou uma forte semelhança com um osso incomum encontrado na pata dianteira dos pandas. Esse osso – que não é exatamente um osso, mas exerce a função de um – dá apoio aos pandas quando eles se seguram em bambus. Naqueles marsupiais, a estrutura é chamada de “sexto dedo”, ou “polegar dos pandas”.

As toupeiras também possuem um osso que faz as vezes de sexto dedo, ajudando-as a cavar a terra. Nos elefantes, os maiores mamíferos do planeta, a estrutura ajuda os animais a se levantar. Diferente dos pandas e toupeiras, que só possuem o “sexto dedo” na sua pata dianteira, os elefantes possuem ossos em suas quatro patas. Embora tenham mais cara de tronco de árvore, internamente a anatomia da pata de um elefante é bastante complexa.

Seus cinco dedos convencionais apontam na direção de frente do animal, possibilitando-os ficar na ponta dos pés. Já o “sexto dedo” aponta para trás, provendo um suporte adicional e ajudando os elefantes a equilibrar suas toneladas de peso.

Exemplo evolutivo – Para entender quando e por que esse osso apareceu, os pesquisadores analisaram fosseis de elefantes e fizeram uma comparação. Segundo o professor Hutchinson, os primeiros elefantes, que apareceram há cerca de 55 milhões de anos, possuíam um tipo de pata bastante distinto dos atuais.

“Parecia ser bastante achatado e não havia muito espaço para estruturas internas”, afirmou. “A estrutura parece ter evoluído há 40 milhões de anos, e parece ter evoluído à medida que os elefantes ficaram maiores e passaram a viver na terra, com um pata perpendicular (ao chão) e uma postura de pé mais apoiada na ponta.” Para o cientista, a evolução do “sexto dedo” dos elefantes é “um grande exemplo” de como os mecanismos naturais atuam para ajustar as funções do corpo às necessidades.

Fonte: Portal iG


14 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Estudo com peixe pode revelar como animais evoluíram da água para terra

Membros na região pélvica de espécie africana ajudam a erguer o corpo.
Evolução do caminhar pode ter origem diferente, defendem cientistas.

Cientistas da Universidade de Chigado, nos Estados Unidos, revelaram que um peixe típico de águas africanas pode ser a chave para entender como seres aquáticos deram origem, pouco a pouco, a animais terrestres. Um estudo sobre o tema foi divulgado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” nesta terça-feira (13).

Conhecido como peixe pulmonado africano (Protopterus annectens), o animal foi analisado por meio de vídeos que mostraram como os pequenos membros na região pélvica são responsáveis tanto por erguer o animal como por impulsioná-lo à frente.

Peixes pulmonados são bastante usados em pesquisas em paleontologia por conta dos traços evolucionários únicos que possuem. Eles recebem esse nome por terem uma espécie de bexiga – diferente de um pulmão humano – que consegue fazê-los aproveitar o ar atmosférico para respirar.

Para Heather King, autora principal do estudo, os peixes pulmonados são importantes por poderem ser ligados tanto a peixes comuns como a tetrápodes, animais que andam em quatro patas.

Antes do estudo, os pesquisadores acreditavam que essa capacidade bípede só tinha começado a surgir nos primeiros tetrápodes no passado. Agora, eles afirmam que a evolução do caminhar pode ter começado nos ancestrais do peixe pulmonado africano.

No laboratório, os cientistas criaram um tanque para verificar como os peixinhos usavam seus membros na região pélvica. O movimento deles foi gravado durante horas e em diferentes posições. No final do estudo, King e seus colegas descobriram que o animal usava os membros para emergir e para “disparar” na direção horizontal.

Os membros se mexiam tanto em sincronia – para propulsão – quanto de forma alternada – para erguer. Já os membros localizados mais perto da cabeça do animal também eram parecidos com os posteriores, mas não eram usados para fins de locomoção, segundo os autores.

Eles destacam que observar um descendente vivo se mexer pode dizer mais do que analisar um fóssil, já que muitos dos movimentos não são possíveis de serem estudados com detalhe somente com os restos mortais dos animais extintos.

King acredita que a pesquisa mostra como as primeiras formas de locomoção mais próximas do caminhar humano podem ter surgido ao mesmo tempo nos primeiros terápodes e nos peixes pulmonados primitivos. Ou até antes nos animais aquáticos.

Uma das teorias para a movimentação curiosa do peixe pulmonado africano sustentada por King é a de que o animal inflava a parte da frente do corpo com ar. Isso fazia com que o peixe flutuasse mais e facilitasse o trabalho dos pequenos membros.

Peixe pulmonado africano é estudado em laboratório. (Foto: Yen-Chyi Liu / Universidade de Chicago)

Peixe pulmonado africano é estudado em laboratório. (Foto: Yen-Chyi Liu / Universidade de Chicago)

Fonte: G1, São Paulo


14 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Livro defende nova origem para os cães

Para Mark Derr, autor de ‘How the dog became the dog’, a teoria de que os cães se originaram de lobos selvagens, quando os homens se tornaram sedentários, está errada. Para ele, novos dados arqueológicos e genéticos indicam que a aproximação aconteceu muito antes

Por volta de 15.000 anos atrás, o planeta estava saindo da última Era do Gelo. À noite, lobos rondavam as primeiras aldeias pré-históricas, em busca de comida fácil, os restos jogados fora pelos humanos. Era o início de uma grande e duradoura amizade. Ao longo de gerações, as duas espécies foram se aproximando e os homens passaram a criar filhotes de lobo. Os mais mansos ficaram nas aldeias e foram se diferenciando de seus ancestrais. Sem ter que dilacerar a caça, foram perdendo a força da mordida. Mal alimentados pelos homens, com sobras, perderam tamanho. E se tornaram uma espécie diferente dos lobos, a primeira espécie animal que surgiu graças à interferência humana.

Esta é a teoria mais aceita pela maioria dos cientistas. O pesquisador americano  Mark Derr, no entanto, desenvolveu novos argumentos para afirmar que a parceria homem/cão é muito mais antiga do que se pensa.  No livro How the dog became the dog – from wolves to our best friends(Como o cão se tornou o cão – dos lobos aos nossos melhores amigos, sem edição em português), Derr se baseia em novos estudos genéticos e arqueológicos para defender que os primeiros cachorros apareceram há pelo menos 30.000 ou 40.000 anos, quando o Homo sapiens ainda se comportava de maneira nômade.

O livro lançado nos EUA é porta voz de uma teoria minoritária, porém cada vez mais popular, que defende que os lobos cinzentos se aproximaram dos humanos quando nossa espécie ainda vagava pela África, Europa e Ásia, caçando, e coletando frutas e raízes. O autor afirma que não há provas arqueológicas cabais desse encontro porque os lobos que se aproximaram do homem não se diferenciaram fisiologicamente de seus irmãos selvagens pelos milênios seguintes. “Mas eles viajavam juntos há muito tempo e continuam fazendo isso até hoje”, afirmou ele, em entrevista ao site de VEJA. Para Derr, os lobos cinzentos se aproximaram dos humanos por curiosidade. A fase de observação deve ter durado gerações. “Os animais têm diferentes personalidades, como os humanos. Assim como há homens corajosos, há os que têm medo da própria sombra. Eu acho que os lobos mais sociáveis e os humanos mais sociáveis se aproximaram, começaram a correr juntos e nunca mais pararam.”

Crânio é considerado uma raridade porque ilustra o início da domesticação do cachorro, antes da Era do Gelo. A seta indica a parte retirada pela equipe para análise de datação por carbono

Crânio raro encontrado na Bélgica pode ilustrar domesticação do cachorro antes última da Era do Gelo. A seta indica a parte retirada por cientistas para análise de datação por carbono. Fonte: Divulgação/ Ovodov ND- Russian Academy of Sciences, Institute of Archaeology and Ethnography, Novosibirsk, Russia

O pesquisador também defende que a domesticação do animal ocorreu em áreas e tempos diferentes ao longo da história, por isso deve haver muitos “elos perdidos”, que se diferenciaram dos lobos, mas não originaram os cães modernos .Derr baseia sua hipótese em descobertas como a de um crânio encontrado nas montanhas Altai, na Sibéria, que tem 33.000 anos e algumas características diferentes dos lobos selvagens, como o focinho. OU ainda em casos como o de um fóssil, encontrado na caverna Goyet, na Bélgica, que tem 31.700 anos de idade. “Estudos do DNA mitocondrial apontam para a presença de animais diferentes de lobos há um período que pode variar de 45 a 135.000 anos atrás”, conta ele. “Em tempo geológico não é nada, mas do ponto de vista biológico é determinante.”

Polêmica — Autor de outros cinco livros sobre cães, nenhum deles publicado no Brasil, e colunista de publicações como The New York Times e Scientific American, Derr está longe de ser unanimidade entre os especialistas. Com mais de 50 trabalhos relacionados a cães, o biólogo evolucionista Raymond Coppinger, professor no Hampshire College, em Massachusetts, EUA, tem pesquisas citadas no livro e leu a obra. Para ele, o material não tem validade científica. “O senhor Derr não é muito rigoroso em sua avaliação da literatura científica recente sobre a origem dos cães e tende a escolher os achados mais espetaculares e que corroborem com o argumento defendido por ele”, afirmou a VEJA.

Para Coppinger, as hipóteses sugeridas por Derr não podem ser provadas. “Entre 7.000 e 9.000 anos atrás, há evidências inegáveis da presença de uma população de cães. E população é a palavra chave, porque é nesse nível que se dá a evolução de uma espécie”, explica. “Antes disso, há espécimes que o autor ‘suspeita’ que podem ser o ‘início’ dos cães. Mas são evidências arqueológicas que não acrescentam nada. Ele cita espécimes de 30.000 e de 18.000 anos que tem a ossada e a arcada dentária típica da classe dos lobos. Cita outro de 12.000 anos que é um filhote. Mas nenhum especialista pode diferenciá-lo de um filhote de lobo”, afirma .

Para Mauro Lantzman, veterinário e especialista em comportamento animal da PUC-SP, a explicação da domesticação tardia tem mais evidências e faz mais sentido. “O ser humano, quando nômade, não tinha esse conceito de criação. Mas uma vez que ele se tornou sedentário e começou a dominar a agricultura, partir para o cuidado dos animais foi um passo natural”, avalia.

Para a doutora em genética Priscila Guimarães Otto, professora aposentada do Instituto de Biociências da USP, não é possível confirmar nenhuma das hipóteses. “São muitos os estudos, como os de DNA, DNA mitocondrial e morfologia. E muitas as prováveis datas, pois são contadas aos milhares de anos”, diz. “Lobos cinzentos existem há uns 50 milhões de anos e podem ter começado a ter interesse nos restos alimentares da espécie humana desde os 30.000 anos defendidos por Derr, mas o fato é que os restos mais antigos do cão doméstico, que descende com certeza dos lobos, datam de 10 a 15 mil anos atrás.”

Derr se defende dizendo que cada abordagem científica aponta resultados diferentes. “Há respostas melhores que outras, mas eu não tenho certeza de que chegaremos a uma definição porque não sei se temos as ferramentas necessárias”, afirma.

Raças — É consenso entre os especialistas que os primeiros cachorros eram muito parecidos com os lobos que os originaram. A diferenciação entre esses primeiros indivíduos se deu, em grande parte, pela vontade do homem. “Conforme a necessidade de determinado grupo de humanos – caçar, perseguir, guardar ou apenas servir como animais de estimação – eles escolhiam entre seus diferentes cães aqueles que demonstrassem mais aptidão e dirigiam os cruzamentos entre esses animais”, explica Priscila Otto. “Esse processo de seleção artificial, com cruzamentos escolhidos pelo homem continua até hoje e o resultado é que as diferenças em tamanho, conformação e comportamento entre as cerca de 400 raças ‘oficiais’ atuais são substanciais.”

Para Derr, o processo de criação de raças afastou os cães de seus antepassados. E isso pode ter sido determinante para que o homem se sinta tão ligado a esse animal. “Os criadores de raças suavizaram a aparência dos animais ao ponto de infantilizar muitas raças. Outras tiveram o tamanho da cabeça reduzido, focinhos achatados e os olhos frontais modificados. Uma aparência civilizada para combinar com seu comportamento mais ‘decente’”, explica ele, no livro, que ainda não tem previsão de publicação no Brasil.

Fonte: Veja Ciência


Próxima página »« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

outubro 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

15 de março de 2012 | nenhum comentário »

Roedores mamíferos podem ter convivido com dinossauros

Eles apareceram nos últimos 20 milhões de anos do reinado dos dinos.
Com dentição complexa, animais deveriam se alimentar de vegetais.

Multituberculado teria vivido durante período Mesozoico e convivido com dinossauros. (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Multituberculado teria vivido convivido com dinossauros (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Os cientistas acreditavam que, durante a era Mesozoica, os mamíferos eram criaturas pequenas que viviam à sombra de outras. No entanto, agora, eles dizem que pelo menos um grupo de mamíferos conseguiu prosperar.

Criaturas semelhantes a roedores, chamados multituberculados, apareceram nos últimos 20 milhões de anos de reinado dos dinossauros e sobreviveram após a extinção destes, há 66 milhões de anos.

O novo estudo de um paleontólogo da Universidade de Washington indica que os chamados multituberculados conseguiram sobreviver tão bem porque desenvolveram diversos tubérculos (protuberâncias ou cúspides) nos dentes posteriores, o que permitiu que se alimentassem de angiospermas, plantas com flores que estavam se tornando um elemento comum na paisagem.

“Esses mamíferos eram capazes de proliferar em termos de número de espécies, tamanho do corpo e formato de seus dentes, características que influenciaram o que comiam”, disse Gregory P. Wilson, professor assistente de biologia da Universidade de Washington.

Ele é o principal autor da pesquisa, publicada nesta quarta-feira (14), em uma edição on-line da revista científica “Nature”.

Características
Cerca de 170 milhões de anos atrás, os multituberculados tinham o tamanho aproximado de um rato. As angiospermas começaram a aparecer há aproximadamente 140 milhões e, depois disso, o tamanho dos pequenos mamíferos aumentou, chegando ao de um castor.

Após a extinção dos dinossauros, os multituberculados continuaram a se destacar até que os outros mamíferos – em grande parte primatas, ungulados e roedores – ganharam uma vantagem competitiva. Isso acabou levando, enfim, ao desaparecimento dos multitubeculados, cerca de 34 milhões de anos atrás.

Os cientistas examinaram os dentes de 41 espécies de multituberculados preservados em fósseis coletados ao redor do mundo a fim de determinar para que direção as manchas presentes nas superfícies dentárias apontavam.

Carnívoros têm dentes relativamente simples, com talvez 110 manchas por arcada, pois seu alimento se despedaça facilmente, explicou Wilson. Mas animais que dependem mais de vegetais para a sobrevivência têm uma dentição um pouco mais afetada porque sua comida é dilacerada com os dentes.

Em alguns multituberculados, dentes em formato de lâmina situados na parte da frente da boca se tornaram menos proeminentes com o tempo e os dentes de trás se tornaram mais complexos, com 348 manchas por arcada, um indício de mastigação de alimento vegetal.

Fonte: France Presse

 


15 de março de 2012 | nenhum comentário »

Muitos mamíferos carnívoros são incapazes de sentir gosto doce, diz estudo

Pesquisadores afirmam que perda da capacidade de perceber sabor adocicado ocorreu ao longo da evolução

Muitas espécies de mamíferos carnívoros perderam a capacidade de sentir sabor doce, devido à evolução de sua dieta consistente em comer carne exclusivamente, revelou um estudo divulgado nesta segunda-feira (12).

Estudos anteriores já tinham demonstrado que os gatos selvagens e domésticos que se alimentam só de carne são incapazes de perceber o sabor doce devido a um defeito em seus genes.

A partir disto, cientistas do Instituto Monell na Filadélfia (Pensilvânia, leste) e da Universidade de Zurique, na Suíça, decidiram investigar se outros mamíferos que se alimentam de carne e peixe tampouco percebiam o sabor doce.

Para isso, estudaram os genes dos receptores do gosto adocicado em 12 espécies de mamíferos. E, para sua surpresa, descobriram que a percepção do doce tinha desaparecido em muitas espécies carnívoras.

“Pensava-se que o sabor doce fosse um traço universal nos animais. Que a evolução tenha levado de forma independente espécies tão diferentes a perdê-lo foi muito inesperado”, disse Gary Beauchamp, autor principal do estudo publicado na edição online das Atas da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos (PNAS).

Assim, a preservação do receptor do sabor doce está estreitamente relacionada com os hábitos alimentares dos animais.

Entre os leões marinhos, o lobo-marinho antártico, as focas comuns, as lontras anãs orientais ou as hienas-malhadas, espécies exclusivamente carnívoras, os genes que controlam o receptor do sabor doce eram defeituosos, acrescentou o estudo.

Ao contrário, este receptor foi encontrado intacto no lobo terrestre, no urso de óculos, no guaximim e no lobo-vermelho, todas espécies carnívoras que também comem outro tipo de alimentos, especialmente doces.

A descoberta sugere que a perda da capacidade de perceber o sabor adocicado ocorreu ao longo da evolução, mostrando a importância das dietas exclusivas na estrutura e função do sistema sensorial dos animais, afirmaram os pesquisadores.

Também examinaram os genes dos receptores do sabor doce e ‘umami’ (gosto de carne) – dois dos cinco sabores básicos – em dois mamíferos marinhos que originalmente viviam na terra: os leões marinhos e os golfinhos nariz-de-garrafa.

Estes animais foram escolhidos porque engolem a comida, o que sugere que o gosto não é importante na escolha dos alimentos.

Como se esperava, a perda de sabor estava muito disseminada nos dois mamíferos. Os genes da ativação dos receptores para o sabor doce e o sabor ‘umami’ não funcionavam nos dois. Além disso, os genes responsáveis pelo gosto amargo estavam inativos nos golfinhos.

“Este estudo mostra claramente que os receptores do sabor na cavidade bucal não são necessários para a sobrevivência de algumas espécies”, concluiu Peihua Jiang, do Instituto Monell.

Pesquisadores estudaram os genes dos receptores do gosto adocicado em 12 espécies de mamíferos. Foto: Getty Images

Fonte: Portal IG


8 de março de 2012 | nenhum comentário »

Genes de macacos mostram que temos gorilas entre nós

Nossos ancestrais passaram pela divisão evolutiva com os gorilas há cerca de 10 milhões de anos, mas ainda compartilhamos um notável número de genes com o grande macaco, de acordo com um inovador estudo publicado nesta quarta-feira.

Um consórcio mundial de cientistas sequenciou o genoma do gorila da planície ocidental e comparou mais de 11.000 de seus genes com os dos humanos modernos, Homo sapiens, e os dos chimpanzés.

Os gorilas se separaram da linhagem humano-chimpanzé há cerca de 10 milhões de anos, e cerca de quatro milhões de anos depois homens e chimpanzés emergiram como espécies diferentes, uma ideia que coincide com as evidências fósseis.

A comparação também derruba convicções sobre similaridades entre os principais primatas, dizem os pesquisadores.

Como era esperado, humanos e chimpanzés compartilhavam a maior parte dos genes.

Mas 15% do genoma humano é mais próximo ao genoma do gorila do que ao do chimpanzé – e 15% do genoma do chimpanzé é mais próximo ao genoma do gorila do que ao do humano.

“Nossas descobertas mais significativas revelam não apenas diferenças entre as espécies refletindo milhões de anos de divergências evolutivas, mas também similaridades nas mudanças em paralelo ao longo do tempo desde seu ancestral comum”, disse Chris Tyler-Smith, do Britain’s Wellcome Trust Sanger Institute.

“Descobrimos que gorilas compartilham muitas mudanças genéticas paralelas com humanos – incluindo a evolução de nossa audição”.

“Cientistas sugeriram que a rápida evolução dos genes de audição dos humanos estava ligada à evolução da linguagem. Nossos resultados colocam isso em questão, já que os genes de audição evoluíram em gorilas na mesma proporção que nos humanos”.

Os próprios gorilas começaram a se dividir em dois grupos, o gorila da planície oriental e o gorila da planície ocidental, cerca de um milhão de anos atrás.

O estudo joga um balde de água fria naqueles que defendem a noção de que a separação entre espécies de primatas ocorreu de maneira abrupta, em um período relativamente curto.

Na verdade, o processo foi longo e muito gradual.

Havia provavelmente uma quantidade razoável de “fluxo gênico”, ou um cruzamento entre linhagens genéticas levemente diferentes, os dois antes que os gorilas se separassem dos outros macacos e antes que os próprios gorilas se dividissem em duas espécies.

Poderia haver um paralelo na separação entre chimpanzés e bonomos, ou entre humanos modernos e Neanderthais, afirmam os autores.

Uma nova teoria sobre Neanderthais é que eles eram mais do que primos próximos – o H. sapiens ocasionalmente cruzava com eles e incorporou alguns de seus genes nos humanos modernos.

Os próprios Neandherthais se extinguiram como uma espécie separada há cerca de 40 mil anos, dizimados quer por uma mudança climática ou devido ao próprio H. sapiens, de acordo com algumas hipóteses.

A amostra de DNA foi retirada de uma gorila da planície ocidental chamada Kamilah.

Depois de prosperar por milhões de anos, os gorilas sobrevivem hoje em apenas algumas poucas populações ameaçadas da África central, e sua quantidade diminui devido à caça e à perda de habitat.

“Bem como nos ensinar sobre evolução humana, o estudo dos grandes macacos nos conecta a um tempo no qual nossa existência era mais tênue, e, ao fazer isso, ressalta a importância de proteger e conservar estas espécies notáveis”, afirma o estudo.

Fonte: Veja Ciência


5 de março de 2012 | nenhum comentário »

Mudança em órgão sexual de “besoura” fez esperma evoluir

Quando se trata de sexo, algumas fêmeas são manipuladoras –notadamente as de besouros aquáticos. Pesquisadores nos EUA mostraram como as mudanças nos órgãos sexuais femininos moldaram a evolução dos espermatozoides nesses insetos.

A descoberta questiona a noção tradicional de que a chamada “seleção sexual” seria obra principalmente dos machos. O conceito surgiu com o criador da teoria da evolução, o naturalista inglês Charles Darwin (1809-1882).

A seleção sexual continua mesmo dentro do aparelho reprodutivo da fêmea; o esperma de vários machos compete para fecundar os óvulos.

A pesquisa feita agora com 42 espécies de besouros aquáticos revelou um mundo de formas bizarras de órgãos sexuais e de espermatozoides que tentam se adaptar a eles. Existem cerca de 4.000 espécies de besouros aquáticos em todo o mundo.

“Ao criar uma corrida de obstáculos, a fêmea pode avaliar a qualidade do esperma, com apenas o mais apto sendo capaz de atingir as posições ótimas para a fertilização”, disse àFolha a pesquisadora Dawn Higginson, da Universidade do Arizona, que liderou o estudo, publicado na revista científica “PNAS”.

Em animais como moluscos e insetos, os órgãos reprodutivos femininos e os espermatozoides existem em uma grande variedade de formas.

“Nossos resultados mostram que a seleção sexual não é sempre a competição de macho com macho”, diz.

Fonte: Ricardo Bonalume Neto, Folha.com


10 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Listras das zebras servem para espantar insetos, afirma pesquisa

Moscas transmissoras de doenças não se sentem atraídas por pele bicolor.
Espécie nasceria com pele negra e ganha listras brancas antes de nascer.

As listras das zebras podem não servir apenas para diferenciar esses animais dos cavalos ou mesmo só para recurso de camuflagem – na tentativa de escapar de predadores.

Biólogos divulgaram nesta quinta-feira (9) que as listras também são úteis para afastar insetos, que atrapalham os animais durante a alimentação, além de transmitir doenças.

De acordo com artigo publicado no “Journal of Experimental Biology”, as mutucas, moscas que têm uma mordida dolorosa e podem causar necrose na pele de mamíferos, seriam menos atraídas pelas listras, pois buscam animais com pele totalmente escura.

Negro com listras brancas
A comprovação ocorreu durante testes realizados em um campo de Budapeste, na Hungria. Cavalos brancos e negros foram colocados juntamente com espécimes de zebras em uma região com presença de mutucas.

Os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que o modelo listrado foi o que menos atraiu as moscas. A equipe da Suécia e da Hungria verificou então que a zebra pode ter desenvolvido suas listras justamente para este tipo de proteção (evolução).

Eles sugerem que, durante o desenvolvimento dos embriões desta espécie, a pele totalmente escura ganha listras brancas antes do nascimento.

Zebra (Foto: Dennis Barbosa/G1)

Exemplares de zebra em safári africano. Animais teriam ganhado listras brancas durante processo de evolução para protegê-los de picadas de insetos (Foto: Dennis Barbosa/G1)

 

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


10 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Lago na Antártida pode revelar evolução do planeta e novas vidas

Cientistas russos afirmaram nesta quinta-feira (9) que uma sonda enviada a um lago primitivo sob o gelo da Antártida pode fazer revelações sobre a evolução do planeta e até mesmo novas formas de vida. Uma equipe russa fez uma perfuração até a superfície do lago Vostok, que, acredita-se, foi coberto por gelo durante milhões de anos, em um avanço anunciado oficialmente pelo Instituto do Ártico e da Antártida.

Cientistas afirmaram que as amostras de água que serão retiradas do lago até o fim deste ano podem revelar novas formas de vida, apesar das condições extremas. “Esperamos encontrar vida lá como nenhuma outra que exista na Terra”, explicou Sergei Bulat, um biólogo molecular do Instituto de Física Nuclear de São Petersburgo, à AFP.

“Se houver vida lá, será uma forma de vida que é desconhecida para a ciência. Nesse caso, estamos falando de uma descoberta fundamental, uma nova página em nossa compreensão científica da vida. (…) Descobrimos um novo assunto para a ciência, ninguém nunca viu nada como isso”, acrescentou Vladimir Syvorotkin, um especialista em geologia e mineralogia da Universidade Estatal de Moscou. “Os biólogos provavelmente encontrarão alguma bactéria desconhecida que se adaptou a estas condições”, disse à AFP.

Os sedimentos do lago também revelarão mudanças na Terra e em seu clima nos últimos 20 milhões de anos, afirmou German Leichenkov, do Instituto de Geologia e Recursos Minerais do Oceano em São Petersburgo. “Para os geólogos, é importante perfurar e trazer de volta os sedimentos. Eles contêm informações sobre alterações no meio ambiente, o clima nos últimos 15 a 20 milhões de anos”, disse. “Nós temos muito pouca informação sobre isso na Antártida e esta poderia ser uma fonte única de informação”.

Trabalhando em condições extremas no leste da Antártida, onde a temperatura média é de cerca de menos 50 ºC, a expedição implantou uma sonda através do gelo por muitos meses, utilizando querosene como anticongelante. “Esta é nossa vitória técnica. Perfuração nestas condições climáticas complexas é difícil, além dos fatores da alta altitude e do gelo forte”, explicou Leichenkov. “É uma vitória técnica e psicológica importante. É importante parabenizá-los com isso, especialmente porque não existem outras vitórias. Essas pessoas são heroínas”, disse Syvorotkin, da Universidade Estatal de Moscou.

O líder da expedição, Valery Lukin, comparou orgulhosamente o sucesso do projeto de longa duração com o primeiro voo ao espaço. Em um sinal da importância que o governo russo atribui à descoberta, o ministro dos Recursos Naturais e Ecologia, Yury Trutnev, visitou o local no início deste mês.

Os cientistas por trás da expedição afirmaram que a sonda não iria contaminar a água devido às técnicas empregadas, que utilizaram água pressurizada para puxar o fluido de perfuração menos denso para fora do poço. No entanto, um especialista do Greenpeace alertou para o risco de poluição na perfuração, citando cientistas internacionais. “Muitos cientistas dizem que têm dúvidas e que o líquido para perfurar pode atingir este lago único com flora e fauna desconhecidas. É um risco”, disse Vladimir Chuprov, chefe da equipe de energia do Greenpeace na Rússia.

O professor Martin Siegert, chefe da escola de geociências da Universidade de Edimburgo, afirmou à AFP nesta semana que o método de perfuração utilizando anticongelante significava um potencial para contaminação. “É muito difícil para eles convencer (outros) de que seu experimento será limpo, quando você tem essencialmente duas milhas (3,5 km) de querosene para atravessar antes de chegar à superfície do lago”. A difícil tarefa de atingir os sedimentos do lago também exigirá um método seguro de perfuração, explicou o geólogo Leichenkov. “Este problema já está sendo solucionado, temos especialistas muito bons trabalhando nisso”, completou.

Fonte: Portal Terra


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Mudança climática tem relação com evolução de animais pré-históricos

Fósseis podem ajudar a compreender como aquecimento nos influencia.
Estudo foi publicado pela revista científica ‘PNAS’.

Os parentes do rinoceronte retratados na imagem são os brontotérios, que viveram entre 56 milhões e 34 milhões de anos (Foto: Carl Buell/Cortesia)

Os parentes do rinoceronte retratados na imagem são os brontotérios, que viveram entre 56 milhões e 34 milhões de anos (Foto: Carl Buell/Cortesia)

Apesar de ter entrado em evidência só nos últimos anos, a mudança global é um fator determinante para a natureza desde muito, muito tempo. Nos últimos 65 milhões de anos, pelo menos seis espécies diferentes tiveram sua sorte determinada por alterações na temperatura, segundo um estudo publicado na edição online desta segunda-feira (26) da revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

Desde que os dinossauros desapareceram, o domínio da Terra vem sendo revezado por diferentes grupos de mamíferos, que atingiram o auge e decaíram. Essas ondas consecutivas de diversidade de espécies de mamíferos são chamadas de “faunas evolucionárias”.

“Nós mostramos que a ascensão e queda dessas faunas estão, de fato, correlacionadas à mudança climática – aumento ou diminuição das paleotemperaturas globais – e também é influenciada por outras perturbações mais locais, como eventos migratórios”, diz Christine Janis, uma das autoras do estudo, em material divulgado pela Universidade Brown, em Providence, nos EUA, onde ela trabalha.

A pesquisa pode ajudar os cientistas a entender melhor a relação entre a evolução e a mudança climática, mas não ainda deve permitir previsões específicas para o futuro, com a perspectiva de aumento constante da temperatura, sob influência humana, segundo Janis.

“Tais perturbações, relacionadas à mudança climática antropogênica, estão atualmente desafiando a fauna de todo o mundo, enfatizando a importância do registro fóssil para a nossa compreensão de como os eventos do passado afetaram a história da diversificação e extinção da fauna e, portanto, de como as mudanças climáticas do futuro continuarão a influenciar a vida na Terra”, conclui o artigo.

Fonte: G1, São Paulo


26 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Cientistas descobrem um ’sexto dedo’ na pata dos elefantes

Cientistas britânicos concluíram que um osso até então inexplicável na pata dos elefantes é na verdade um “sexto dedo”, que ajuda os elefantes a equilibrar seu peso colossal. Segundo um estudo publicado na sexta-feira (23) na revista científica Science, análises de fósseis mostram que a estrutura apareceu há cerca de 40 milhões de anos, época em que os elefantes se tornaram maiores e passaram a viver mais na terra.

Por mais de 300 anos, a estrutura representou um enigma para os cientistas, afirmou o coordenador da pesquisa, John Hutchinson, do Royal Veterinary College. “É um mistério que remonta a 1706, quando os primeiros elefantes foram dissecados por um cirurgião escocês”, disse.

Parte da comunidade científica acreditava que o sexto dedo era um pedaço de cartilagem, cuja função – ou a falta dela – fazia parte dos debates entre os acadêmicos. “Qualquer um que já tenha estudado a pata de um elefante já se perguntou o que era. Mas concluíam que era estranho e passavam para outra coisa.”

Para estudar a estrutura, a equipe se valeu de uma combinação de técnicas que incluíram tomografias computadorizadas, estudo dos tecidos, dissecação e aplicação de microscopia eletrônica. Os pesquisadores concluíram que a estrutura era feita de osso – embora bastante irregular e incomum.

Semelhanças entre espécies – Um exame mais detalhado revelou uma forte semelhança com um osso incomum encontrado na pata dianteira dos pandas. Esse osso – que não é exatamente um osso, mas exerce a função de um – dá apoio aos pandas quando eles se seguram em bambus. Naqueles marsupiais, a estrutura é chamada de “sexto dedo”, ou “polegar dos pandas”.

As toupeiras também possuem um osso que faz as vezes de sexto dedo, ajudando-as a cavar a terra. Nos elefantes, os maiores mamíferos do planeta, a estrutura ajuda os animais a se levantar. Diferente dos pandas e toupeiras, que só possuem o “sexto dedo” na sua pata dianteira, os elefantes possuem ossos em suas quatro patas. Embora tenham mais cara de tronco de árvore, internamente a anatomia da pata de um elefante é bastante complexa.

Seus cinco dedos convencionais apontam na direção de frente do animal, possibilitando-os ficar na ponta dos pés. Já o “sexto dedo” aponta para trás, provendo um suporte adicional e ajudando os elefantes a equilibrar suas toneladas de peso.

Exemplo evolutivo – Para entender quando e por que esse osso apareceu, os pesquisadores analisaram fosseis de elefantes e fizeram uma comparação. Segundo o professor Hutchinson, os primeiros elefantes, que apareceram há cerca de 55 milhões de anos, possuíam um tipo de pata bastante distinto dos atuais.

“Parecia ser bastante achatado e não havia muito espaço para estruturas internas”, afirmou. “A estrutura parece ter evoluído há 40 milhões de anos, e parece ter evoluído à medida que os elefantes ficaram maiores e passaram a viver na terra, com um pata perpendicular (ao chão) e uma postura de pé mais apoiada na ponta.” Para o cientista, a evolução do “sexto dedo” dos elefantes é “um grande exemplo” de como os mecanismos naturais atuam para ajustar as funções do corpo às necessidades.

Fonte: Portal iG


14 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Estudo com peixe pode revelar como animais evoluíram da água para terra

Membros na região pélvica de espécie africana ajudam a erguer o corpo.
Evolução do caminhar pode ter origem diferente, defendem cientistas.

Cientistas da Universidade de Chigado, nos Estados Unidos, revelaram que um peixe típico de águas africanas pode ser a chave para entender como seres aquáticos deram origem, pouco a pouco, a animais terrestres. Um estudo sobre o tema foi divulgado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” nesta terça-feira (13).

Conhecido como peixe pulmonado africano (Protopterus annectens), o animal foi analisado por meio de vídeos que mostraram como os pequenos membros na região pélvica são responsáveis tanto por erguer o animal como por impulsioná-lo à frente.

Peixes pulmonados são bastante usados em pesquisas em paleontologia por conta dos traços evolucionários únicos que possuem. Eles recebem esse nome por terem uma espécie de bexiga – diferente de um pulmão humano – que consegue fazê-los aproveitar o ar atmosférico para respirar.

Para Heather King, autora principal do estudo, os peixes pulmonados são importantes por poderem ser ligados tanto a peixes comuns como a tetrápodes, animais que andam em quatro patas.

Antes do estudo, os pesquisadores acreditavam que essa capacidade bípede só tinha começado a surgir nos primeiros tetrápodes no passado. Agora, eles afirmam que a evolução do caminhar pode ter começado nos ancestrais do peixe pulmonado africano.

No laboratório, os cientistas criaram um tanque para verificar como os peixinhos usavam seus membros na região pélvica. O movimento deles foi gravado durante horas e em diferentes posições. No final do estudo, King e seus colegas descobriram que o animal usava os membros para emergir e para “disparar” na direção horizontal.

Os membros se mexiam tanto em sincronia – para propulsão – quanto de forma alternada – para erguer. Já os membros localizados mais perto da cabeça do animal também eram parecidos com os posteriores, mas não eram usados para fins de locomoção, segundo os autores.

Eles destacam que observar um descendente vivo se mexer pode dizer mais do que analisar um fóssil, já que muitos dos movimentos não são possíveis de serem estudados com detalhe somente com os restos mortais dos animais extintos.

King acredita que a pesquisa mostra como as primeiras formas de locomoção mais próximas do caminhar humano podem ter surgido ao mesmo tempo nos primeiros terápodes e nos peixes pulmonados primitivos. Ou até antes nos animais aquáticos.

Uma das teorias para a movimentação curiosa do peixe pulmonado africano sustentada por King é a de que o animal inflava a parte da frente do corpo com ar. Isso fazia com que o peixe flutuasse mais e facilitasse o trabalho dos pequenos membros.

Peixe pulmonado africano é estudado em laboratório. (Foto: Yen-Chyi Liu / Universidade de Chicago)

Peixe pulmonado africano é estudado em laboratório. (Foto: Yen-Chyi Liu / Universidade de Chicago)

Fonte: G1, São Paulo


14 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Livro defende nova origem para os cães

Para Mark Derr, autor de ‘How the dog became the dog’, a teoria de que os cães se originaram de lobos selvagens, quando os homens se tornaram sedentários, está errada. Para ele, novos dados arqueológicos e genéticos indicam que a aproximação aconteceu muito antes

Por volta de 15.000 anos atrás, o planeta estava saindo da última Era do Gelo. À noite, lobos rondavam as primeiras aldeias pré-históricas, em busca de comida fácil, os restos jogados fora pelos humanos. Era o início de uma grande e duradoura amizade. Ao longo de gerações, as duas espécies foram se aproximando e os homens passaram a criar filhotes de lobo. Os mais mansos ficaram nas aldeias e foram se diferenciando de seus ancestrais. Sem ter que dilacerar a caça, foram perdendo a força da mordida. Mal alimentados pelos homens, com sobras, perderam tamanho. E se tornaram uma espécie diferente dos lobos, a primeira espécie animal que surgiu graças à interferência humana.

Esta é a teoria mais aceita pela maioria dos cientistas. O pesquisador americano  Mark Derr, no entanto, desenvolveu novos argumentos para afirmar que a parceria homem/cão é muito mais antiga do que se pensa.  No livro How the dog became the dog – from wolves to our best friends(Como o cão se tornou o cão – dos lobos aos nossos melhores amigos, sem edição em português), Derr se baseia em novos estudos genéticos e arqueológicos para defender que os primeiros cachorros apareceram há pelo menos 30.000 ou 40.000 anos, quando o Homo sapiens ainda se comportava de maneira nômade.

O livro lançado nos EUA é porta voz de uma teoria minoritária, porém cada vez mais popular, que defende que os lobos cinzentos se aproximaram dos humanos quando nossa espécie ainda vagava pela África, Europa e Ásia, caçando, e coletando frutas e raízes. O autor afirma que não há provas arqueológicas cabais desse encontro porque os lobos que se aproximaram do homem não se diferenciaram fisiologicamente de seus irmãos selvagens pelos milênios seguintes. “Mas eles viajavam juntos há muito tempo e continuam fazendo isso até hoje”, afirmou ele, em entrevista ao site de VEJA. Para Derr, os lobos cinzentos se aproximaram dos humanos por curiosidade. A fase de observação deve ter durado gerações. “Os animais têm diferentes personalidades, como os humanos. Assim como há homens corajosos, há os que têm medo da própria sombra. Eu acho que os lobos mais sociáveis e os humanos mais sociáveis se aproximaram, começaram a correr juntos e nunca mais pararam.”

Crânio é considerado uma raridade porque ilustra o início da domesticação do cachorro, antes da Era do Gelo. A seta indica a parte retirada pela equipe para análise de datação por carbono

Crânio raro encontrado na Bélgica pode ilustrar domesticação do cachorro antes última da Era do Gelo. A seta indica a parte retirada por cientistas para análise de datação por carbono. Fonte: Divulgação/ Ovodov ND- Russian Academy of Sciences, Institute of Archaeology and Ethnography, Novosibirsk, Russia

O pesquisador também defende que a domesticação do animal ocorreu em áreas e tempos diferentes ao longo da história, por isso deve haver muitos “elos perdidos”, que se diferenciaram dos lobos, mas não originaram os cães modernos .Derr baseia sua hipótese em descobertas como a de um crânio encontrado nas montanhas Altai, na Sibéria, que tem 33.000 anos e algumas características diferentes dos lobos selvagens, como o focinho. OU ainda em casos como o de um fóssil, encontrado na caverna Goyet, na Bélgica, que tem 31.700 anos de idade. “Estudos do DNA mitocondrial apontam para a presença de animais diferentes de lobos há um período que pode variar de 45 a 135.000 anos atrás”, conta ele. “Em tempo geológico não é nada, mas do ponto de vista biológico é determinante.”

Polêmica — Autor de outros cinco livros sobre cães, nenhum deles publicado no Brasil, e colunista de publicações como The New York Times e Scientific American, Derr está longe de ser unanimidade entre os especialistas. Com mais de 50 trabalhos relacionados a cães, o biólogo evolucionista Raymond Coppinger, professor no Hampshire College, em Massachusetts, EUA, tem pesquisas citadas no livro e leu a obra. Para ele, o material não tem validade científica. “O senhor Derr não é muito rigoroso em sua avaliação da literatura científica recente sobre a origem dos cães e tende a escolher os achados mais espetaculares e que corroborem com o argumento defendido por ele”, afirmou a VEJA.

Para Coppinger, as hipóteses sugeridas por Derr não podem ser provadas. “Entre 7.000 e 9.000 anos atrás, há evidências inegáveis da presença de uma população de cães. E população é a palavra chave, porque é nesse nível que se dá a evolução de uma espécie”, explica. “Antes disso, há espécimes que o autor ‘suspeita’ que podem ser o ‘início’ dos cães. Mas são evidências arqueológicas que não acrescentam nada. Ele cita espécimes de 30.000 e de 18.000 anos que tem a ossada e a arcada dentária típica da classe dos lobos. Cita outro de 12.000 anos que é um filhote. Mas nenhum especialista pode diferenciá-lo de um filhote de lobo”, afirma .

Para Mauro Lantzman, veterinário e especialista em comportamento animal da PUC-SP, a explicação da domesticação tardia tem mais evidências e faz mais sentido. “O ser humano, quando nômade, não tinha esse conceito de criação. Mas uma vez que ele se tornou sedentário e começou a dominar a agricultura, partir para o cuidado dos animais foi um passo natural”, avalia.

Para a doutora em genética Priscila Guimarães Otto, professora aposentada do Instituto de Biociências da USP, não é possível confirmar nenhuma das hipóteses. “São muitos os estudos, como os de DNA, DNA mitocondrial e morfologia. E muitas as prováveis datas, pois são contadas aos milhares de anos”, diz. “Lobos cinzentos existem há uns 50 milhões de anos e podem ter começado a ter interesse nos restos alimentares da espécie humana desde os 30.000 anos defendidos por Derr, mas o fato é que os restos mais antigos do cão doméstico, que descende com certeza dos lobos, datam de 10 a 15 mil anos atrás.”

Derr se defende dizendo que cada abordagem científica aponta resultados diferentes. “Há respostas melhores que outras, mas eu não tenho certeza de que chegaremos a uma definição porque não sei se temos as ferramentas necessárias”, afirma.

Raças — É consenso entre os especialistas que os primeiros cachorros eram muito parecidos com os lobos que os originaram. A diferenciação entre esses primeiros indivíduos se deu, em grande parte, pela vontade do homem. “Conforme a necessidade de determinado grupo de humanos – caçar, perseguir, guardar ou apenas servir como animais de estimação – eles escolhiam entre seus diferentes cães aqueles que demonstrassem mais aptidão e dirigiam os cruzamentos entre esses animais”, explica Priscila Otto. “Esse processo de seleção artificial, com cruzamentos escolhidos pelo homem continua até hoje e o resultado é que as diferenças em tamanho, conformação e comportamento entre as cerca de 400 raças ‘oficiais’ atuais são substanciais.”

Para Derr, o processo de criação de raças afastou os cães de seus antepassados. E isso pode ter sido determinante para que o homem se sinta tão ligado a esse animal. “Os criadores de raças suavizaram a aparência dos animais ao ponto de infantilizar muitas raças. Outras tiveram o tamanho da cabeça reduzido, focinhos achatados e os olhos frontais modificados. Uma aparência civilizada para combinar com seu comportamento mais ‘decente’”, explica ele, no livro, que ainda não tem previsão de publicação no Brasil.

Fonte: Veja Ciência


Próxima página »« Página anterior