7 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Inseminação artificial gera o primeiro bebê elefante em zoológico francês

Fêmea de 18 dias se chama Rungwe e dá passos iniciais ao lado da mãe.
Animais vivem na comuna de Saint-Aignan-sur-Cher, região central do país.

Bebê elefante (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Primeiro bebê elefante gerado por inseminação artificial é apresentado no Zoológico e Aquário de Beauval, na comuna francesa de Saint-Aignan-sur-Cher, região central do país. Em 2009, foram coletadas amostras de sêmen de dez machos na África do Sul e distribuídas a zoos europeus (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Bebê elefante (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Filhote da espécie africana é uma fêmea chamada Rungwe (em homenagem a um vulcão da Tanzânia), e nasceu no dia 20 de julho. A gestação da mãe, N'Dala, durou 23 meses. A população de elefantes na Europa está em declínio pelo envelhecimento e consequente redução da fertilidade (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Bebê elefante 3 (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Aos 18 dias de vida, elefante come com a mãe e se diverte no feno. Na 1ª medição, Rungwe tinha 150 kg e 1 metro de altura. Ela deve tomar de 10 a 12 litros de leite por dia durante 2 anos, mas já aos 6 meses serão incluídos aos poucos alguns vegetais na dieta. A espécie africana está ameaçada pela caça, comércio ilegal de marfim, agricultura e urbanização. Há 15 anos, havia só 40 mil indivíduos (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Fonte: Globo Natureza


18 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Golfinho é visto carregando o corpo de filhote em ‘ritual de luto’ na China

Cena foi presenciada por turistas na região autônoma de Guangxi Zhuang.
Baleias, elefantes, chimpanzés e gorilas têm comportamento semelhante.

Um golfinho foi fotografado carregando o corpo de seu filhote no mar em uma espécie de “ritual de luto”. A cena foi presenciada por turistas em uma região autônoma da China chamada Guangxi Zhuang, famosa por concentrar esses animais.

O mamífero adulto levantou o filhote morto várias vezes até a superfície, como se estivesse tentando ajudá-lo a respirar. Depois, empurrou o bebê da costa em direção a águas mais profundas.

Um corte profundo foi observado na barriga do filhote, o que pode ter sido feito pela hélice de um barco. Muitas embarcações frequentam o local para levar turistas.

Anteriormente, pesquisadores já observaram golfinhos carregando ou empurrando filhotes que nasceram mortos ou morreram ainda jovens. Os animais demonstram angústia e ficam até vários dias com o corpo do bebê por perto.

“Rituais de luto” no reino animal já foram vistos entre baleias, elefantes, chimpanzés e gorilas. Embora os especialistas relutem em atribuir emoções humanas aos bichos, esse comportamento dos golfinhos parece mostrar que eles têm, pelo menos, consciência sobre sua mortalidade e podem até “contemplar” uma eventual morte. Outros indivíduos parecem incapazes de aceitar o fato.

 

Golfinho (Foto: Daily Mail/Reprodução)

Golfinho adulto traz filhote morto até a superfície do mar para ajudá-lo a respirar (Foto: Daily Mail/Reprodução)

Fonte: Globo Natureza


2 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Foca tem primeiro filhote aos 16 anos e surpreende aquário dos EUA

Bebê nasceu com nove quilos na última sexta-feira, na Califórnia.
Segundo especialista, focas adultas começam a ter filhotes aos quatro anos.

O Aquário do Pacífico, em Long Beach, na Califórnia, divulgou imagem que mostra Shelby, uma foca fêmea que vive no local e deu à luz seu primeiro bebê na última sexta-feira (27). O filhote nasceu com nove quilos.

Segundo Dudley Wigdahl, curador do aquário, localizado na Costa Oeste dos Estados Unidos, o nascimento surpreendeu a todos porque a foca tem idade avançada para ser mãe. O especialista diz que um espécime adulto começa a ter seus primeiros filhos aos quatro ou cinco anos de idade.

A foca Shelby, de 16 anos, faz carinho em seu filhote, que nasceu na última sexta-feira, nos Estados Unidos. (Foto: Terri Haines, Aquarium of the Pacific/AP)

A foca Shelby, de 16 anos, faz carinho em seu filhote, que nasceu na última sexta-feira, nos Estados Unidos. (Foto: Terri Haines, Aquarium of the Pacific/AP)

Fonte: Globo Natureza


16 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Filhote de lontra é resgatado em rodovia no Amazonas

Filhote de lontra foi resgatado na tarde deste sábado (14). (Foto: Divulgação/Batalhão Ambiental)

Filhote de lontra foi resgatado na tarde deste sábado (14). (Foto: Divulgação/Batalhão Ambiental)

 

O Batalhão de Polícia Ambiental do Amazonas (PMAM) resgatou, no fim da manhã deste sábado (14), um filho de lontra no sítio Cristal, no km 5 do ramal Água Branca 1, situado no km 32 da rodovia AM 010, estrada que liga Manaus ao município de Itacoatiara, situado a 176 Km da capital.

Segundo o soldado do Batalhão Ambiental, Osiney Marques, “a mãe do animal foi encontrava morta, por causa desconhecida. A família do sítio encontrou o filhote e acionou a equipe do batalhão”.

De acordo com informações do cabo do Batalhão Ambiental, Amós Soares Teixeira, o resgate ocorreu por meio da ligação de morador da área, que encontrou o animal nas proximidades do sítio. Ainda segundo o cabo, o animal estava sem ferimentos e não apresenta sinais de maus tratos.

“Geralmente, as pessoas acham o animal separado da mãe e ligam para o nosso batalhão. Na maioria dos casos, vemos que o animal não tem acesso às pessoas. Não é um animal domesticado e, após o resgate, fazemos o encaminhamento para que ele possa ser cuidado e, depois, achar o próprio bando”, disse o cabo Amós.

O filhote de lontra foi encaminhado à Reserva Ecológica Sauim Castanheira, localizada da BR 319, km 1, Distrito Industrial, Zona Sul de Manaus.

Fonte: G1


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de urso-polar recebe cuidados em zoológico da Dinamarca

Técnicos alimentam espécime batizado de ‘Siku’.
A mãe do pequeno urso parou de produzir leite logo depois do seu nascimento.

Novas imagens divulgadas neste domingo (25) mostram o filhote de urso-polar (Ursus maritimus) batizado de Siku, que significa “gelo do mar”, no idioma falado na Groenlândia, recebendo cuidados do diretor do zoológico de Djursland, na Dinamarca.

Com apenas um mês de vida, o espécime, que nasceu em uma reserva natural dinamarquesa, tem recebido alimentação com a ajuda de humanos após a constatação de que a mãe do ursinho, uma fêmea chamada Ilka, estava sem leite.

A espécie é considerada vulnerável na natureza devido a atividades de caça e especialistas afirmam que os efeitos do aquecimento global, que provocam a aceleração do derretimento do gelo localizado nos polos, afetariam o desenvolvimento desses animais.

O filhote de urso-polar batizado de Siku recebe cuidados do diretor de zoológico dinamarquês, Frank Vigh-Larsen (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote de urso-polar batizado de Siku recebe cuidados do diretor de zoológico dinamarquês, Frank Vigh-Larsen (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote, que tem um mês de vida, tem recebido alimentação com a ajuda de humanos após a constatação de que o leite de sua mãe havia secado (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O espécime, que tem um mês de vida, tem recebido alimentação com a ajuda de humanos após a constatação de que o leite de sua mãe havia secado (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote de urso-polar nasceu em uma reserva natural da Dinamarca (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote de urso-polar nasceu em uma reserva natural da Dinamarca (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


16 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Leões de zoo em Londres ganham antecipadamente presentes de Natal

Caixas com carne dentro foram entregues a família de felinos nesta quinta.
O espécime macho de leão-asiático quase ‘devorou’ o embrulho.

Os leões-asiáticos (Panthera leo persica) do zoológico de Londres, no Reino Unido, receberam uma surpresa de Natal nesta quinta-feira (15). Caixas de presente foram colocadas na ala dos felinos, onde estão os leões Lucifer, a fêmea Abi e seus filhotes, Heidi e Indi.

Grandes pedaços de carne estavam dentro da caixa, o que não impediu os mamíferos selvagens de “despedaçarem” os embrulhos para conseguir chegar ao presente.

Apesar de levar a Ásia no nome, a espécie é encontrada predominantemente em diversos países da África. Entretanto, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), estes animais são considerados ameaçados de extinção.

leões na Inglaterra (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

A fêmea de leão-asiático Abi e os filhotes Heidi e Indi observam pacotes de presentes, com carne dentro, colocados em ala do zoológico de Londres, no Reino Unido. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Os filhotes tiveram um pouco de medo de se aproximar dos embrulhos. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Os filhotes tiveram um pouco de medo de se aproximar dos embrulhos. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Mas em compensação, o pai deles, o macho Lucifer, praticamente devorou a caixa de presente em busca da carne. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Mas em compensação, o pai deles, o macho Lucifer, praticamente devorou a caixa de presente em busca da carne. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


11 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de Pica Pau do Campo é atendido pelo IPEVS

A espécie Colaptes campestris conhecida popularmente como pica-pau do campo ou chã-chã, ocorre desde o nordeste do Brasil ao Uruguai, podendo ser avistado também no Paraguai, na Bolívia, na Argentina e no baixo Amazonas, inclusive no Suriname. Sendo existentes duas subespécies que se distinguem pela cor da garganta. C. campestris campestroides de cor branca e C. campestris campestris de cor negra.  Espécie terrícola, comum nos campos e áreas onde existem perturbações antrópicas. Alimenta-se de insetos, principalmente formigas e cupins. A secreção de sua glândula mandibular é como uma cola que faz com que a língua funcione como uma vara de fisgo para capturar os insetos.

Após o último forte temporal em Cornélio Procópio, no fim do mês de outubro, o professor de artes marciais Junior Vidal encontrou um filhote Pica-pau do Campo caído do ninho na região central da cidade. Júnior cuidou inicialmente do animal e posteriormente entrou em contato com a equipe do IPEVS para que a mesma fornecesse os cuidados e desse o destino adequado à ave.

Quando filhotes, os pica-paus do campo são alimentados com bolas de insetos e larvas de cupins, regurgitadas pelos pais. Quando não estão em ambiente natural, recebem como alimentação uma mistura própria para aves.  O pica-pau do campo continua sob os cuidados da equipe do IPEVS, sob os cuidados atentos de Renata Alfredo e Mayara Almeida, e passa bem, tendo ganhado peso e terminado o empenamento. A espécie não se encontra entre aves ameaçadas de extinção e tão logo aprenda a alimentar-se sozinha, será encaminhada para a reabilitação.

Pica-pau do Campo, filhote foi encontrado no centro da cidade de Cornélio Procópio

 

Confira aqui o vídeo do filhote sendo alimentado: http://www.youtube.com/watch?v=V1C-PLpjJxc

Fonte: Ascom IPEVS

 

 


8 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Bebê elefante com dez dias de vida faz primeira aparição em zoo alemão

Ainda sem nome, o pequeno mamífero foi fotografado em Munique.
A fêmea de elefante aproveitou o dia para conhecer onde vive.

Nesta terça-feira (8), um filhote de elefante com dez dias de vida explora a área que vive com sua mãe, a fêmea Panang, no zoológico de Munique, na Alemanha (Foto: Matthias Schrader/AP)

Nesta terça-feira (8), uma fêmea de elefante com dez dias de vida explora a área onde vive com sua mãe, a fêmea Panang, no zoológico de Munique, na Alemanha (Foto: Matthias Schrader/AP)

Foi a primeira aparição em público do filhote, que ainda não recebeu nome. (Foto: Matthias Schrader/AP)

Foi a primeira aparição em público da filhote, que ainda não recebeu nome (Foto: Matthias Schrader/AP)

Fonte: Do Globo Natureza, São Paulo


27 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de macaco amazônico nasce em zoológico de Israel

Exemplar de caiarara tem apenas uma semana de vida.
Espécie habita o norte do Brasil e países vizinhos.

O filhote de caiarara aparece agarrado à sua mãe apenas uma semana após seu nascimento no zoológico Ramat Gan Safari, em Telavive (Israel). A espécie vive no norte da Amazônia brasileira, bem como em países vizinhos na região, como as Guianas e a Venezuela. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), essa espécie não se encontra ameaçada de extinção. (Foto: AFP)

Filhote de macaco caiarara (Cebus olivaceus) aparece agarrado à mãe apenas uma semana após seu nascimento no zoológico Ramat Gan Safari, em Telavive (Israel). A espécie vive no norte da Amazônia brasileira, bem como em países vizinhos na região, como as Guianas e a Venezuela. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), essa espécie não se encontra ameaçada de extinção. (Foto: AFP)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


10 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Ave tem filhote em ninho construído em lustre de residência em Cuiabá

Casal de cambacica construiu o ninho em lustre de casa de comerciantes.
Ninho é repleto de gravetos, restos de folhas, gramas e até plástico.

O sobrado de uma família de comerciantes em Cuiabá abriga um casal de visitantes incomum. No lustre da sala, um casal de passarinhos da espécie cambacica, originária do Cerrado, construiu um ninho repleto de gravetos, restos de folhas, gramas e até plástico.

A arquitetura do ninho deveria parecer com uma taça, mas por conta do local inusitado que o casal de aves escolheu para erguer o refúgio, o ninho ficou disforme. Na última semana, o ninho ganhou mais um morador. A espécie entrou em ciclo reprodutivo e um filhote já pia sem parar dentro do ninho pedindo comida.

G1 visitou a residência da família Smerdech e para flagrar mãe e filhote no ninho foram necessárias três horas de observação e paciência. O lustre fica a dois metros de altura em relação ao solo. Ao longo de cada dia, a mãe cambacica sobrevoa pelas redondezas do bairro da Lixeira, na capital, em busca de pequenos insetos e restos de fruta para alimentar o filho. Duas vezes ao dia, ela cumpre a rotina de deixar o filhote cada vez mais forte.

A comerciante Maria de Fátima Smerdech contou ao G1 que só percebeu que no lustre da casa havia sido construído um ninho pela quantidade de sujeira encontrada no chão da sala. “Eu encontrei um monte de cisco no chão, olhei para cima e já tinha aquele formato de ninho”, disse. Maria de Fátima mantém desde criança, uma grande proximidade com as aves. No passado, ela já criou dois papagaios. Atualmente, ela ainda cuida de uma calopsita, que é atração do mercado.

Ninho é construído em lustre de residência em Cuiabá (Foto: Dhiego Maia/G1)

Casal entrou no ciclo reprodutivo e ninho já abriga filhote de cambacica que não para de piar pedindo comida. (Foto: Dhiego Maia/G1)

Toda a família está envolvida com a presença do ninho na sala. Para Aparecido Smerdech, a presença das aves na casa dele representa uma grande benção. “Nos últimos anos nós temos sido tão abençoados que a escolha desses animais tão puros por nossa casa é uma grande benção”, disse em voz embargada.

A espécie
G1 entrevistou o ornitólogo, João Batista de Pinho, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), para saber mais detalhes a respeito da espécie. Segundo o especialista, a cambacica é uma espécie comum em Cuiabá. “Ela é comum nos quintais de Cuiabá e é uma espécie nectiva. Ela se alimenta do néctar das flores, de pequenos insetos e restos de frutas”, explicou.

O ornitólogo confessou ao G1 que estranhou a escolha da ave pelo lustre, já que a região concentra uma infinidade de árvores. “É de se estranhar muito. Pelo que eu vi, próximo da casa tem mangueiras que poderiam ser usadas como território para o ninho”, disse. Mas a varanda de dona Maria de Fátima é convidativa para aves. O local é repleto de plantas e muito visitada por aves de outras espécies, como bem-te-vis e pardais. Ela mantém um reservatório de água açucarada, um chamariz para a cambacica e outras espécies.

A cambacica é uma ave minúscula, não passa de 10 centímetros e pode viver entre quatro a cinco anos. Ela tem papo amarelo e cabeça preta com duas listras brancas paralelas. Pinho esclareceu que a ave não apresenta nenhum risco à saúde humana, por não ser migratória. Na análise do ornitólogo, a ave auxilia no combate à dengue, por se alimentar de insetos dentro da casa. Já o ninho, segundo o ornitólogo, pode ser reutilizado pelo casal de aves, caso não se degrade com o tempo.

Click e veja o vídeo: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2011/10/ave-tem-filhote-em-ninho-construido-em-lustre-de-residencia-em-cuiaba.html

 

Fonte: Dhiego Maia, G1, MT

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

julho 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

7 de agosto de 2012 | nenhum comentário »

Inseminação artificial gera o primeiro bebê elefante em zoológico francês

Fêmea de 18 dias se chama Rungwe e dá passos iniciais ao lado da mãe.
Animais vivem na comuna de Saint-Aignan-sur-Cher, região central do país.

Bebê elefante (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Primeiro bebê elefante gerado por inseminação artificial é apresentado no Zoológico e Aquário de Beauval, na comuna francesa de Saint-Aignan-sur-Cher, região central do país. Em 2009, foram coletadas amostras de sêmen de dez machos na África do Sul e distribuídas a zoos europeus (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Bebê elefante (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Filhote da espécie africana é uma fêmea chamada Rungwe (em homenagem a um vulcão da Tanzânia), e nasceu no dia 20 de julho. A gestação da mãe, N'Dala, durou 23 meses. A população de elefantes na Europa está em declínio pelo envelhecimento e consequente redução da fertilidade (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Bebê elefante 3 (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Aos 18 dias de vida, elefante come com a mãe e se diverte no feno. Na 1ª medição, Rungwe tinha 150 kg e 1 metro de altura. Ela deve tomar de 10 a 12 litros de leite por dia durante 2 anos, mas já aos 6 meses serão incluídos aos poucos alguns vegetais na dieta. A espécie africana está ameaçada pela caça, comércio ilegal de marfim, agricultura e urbanização. Há 15 anos, havia só 40 mil indivíduos (Foto: Jean-François Monier/AFP)

Fonte: Globo Natureza


18 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Golfinho é visto carregando o corpo de filhote em ‘ritual de luto’ na China

Cena foi presenciada por turistas na região autônoma de Guangxi Zhuang.
Baleias, elefantes, chimpanzés e gorilas têm comportamento semelhante.

Um golfinho foi fotografado carregando o corpo de seu filhote no mar em uma espécie de “ritual de luto”. A cena foi presenciada por turistas em uma região autônoma da China chamada Guangxi Zhuang, famosa por concentrar esses animais.

O mamífero adulto levantou o filhote morto várias vezes até a superfície, como se estivesse tentando ajudá-lo a respirar. Depois, empurrou o bebê da costa em direção a águas mais profundas.

Um corte profundo foi observado na barriga do filhote, o que pode ter sido feito pela hélice de um barco. Muitas embarcações frequentam o local para levar turistas.

Anteriormente, pesquisadores já observaram golfinhos carregando ou empurrando filhotes que nasceram mortos ou morreram ainda jovens. Os animais demonstram angústia e ficam até vários dias com o corpo do bebê por perto.

“Rituais de luto” no reino animal já foram vistos entre baleias, elefantes, chimpanzés e gorilas. Embora os especialistas relutem em atribuir emoções humanas aos bichos, esse comportamento dos golfinhos parece mostrar que eles têm, pelo menos, consciência sobre sua mortalidade e podem até “contemplar” uma eventual morte. Outros indivíduos parecem incapazes de aceitar o fato.

 

Golfinho (Foto: Daily Mail/Reprodução)

Golfinho adulto traz filhote morto até a superfície do mar para ajudá-lo a respirar (Foto: Daily Mail/Reprodução)

Fonte: Globo Natureza


2 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Foca tem primeiro filhote aos 16 anos e surpreende aquário dos EUA

Bebê nasceu com nove quilos na última sexta-feira, na Califórnia.
Segundo especialista, focas adultas começam a ter filhotes aos quatro anos.

O Aquário do Pacífico, em Long Beach, na Califórnia, divulgou imagem que mostra Shelby, uma foca fêmea que vive no local e deu à luz seu primeiro bebê na última sexta-feira (27). O filhote nasceu com nove quilos.

Segundo Dudley Wigdahl, curador do aquário, localizado na Costa Oeste dos Estados Unidos, o nascimento surpreendeu a todos porque a foca tem idade avançada para ser mãe. O especialista diz que um espécime adulto começa a ter seus primeiros filhos aos quatro ou cinco anos de idade.

A foca Shelby, de 16 anos, faz carinho em seu filhote, que nasceu na última sexta-feira, nos Estados Unidos. (Foto: Terri Haines, Aquarium of the Pacific/AP)

A foca Shelby, de 16 anos, faz carinho em seu filhote, que nasceu na última sexta-feira, nos Estados Unidos. (Foto: Terri Haines, Aquarium of the Pacific/AP)

Fonte: Globo Natureza


16 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Filhote de lontra é resgatado em rodovia no Amazonas

Filhote de lontra foi resgatado na tarde deste sábado (14). (Foto: Divulgação/Batalhão Ambiental)

Filhote de lontra foi resgatado na tarde deste sábado (14). (Foto: Divulgação/Batalhão Ambiental)

 

O Batalhão de Polícia Ambiental do Amazonas (PMAM) resgatou, no fim da manhã deste sábado (14), um filho de lontra no sítio Cristal, no km 5 do ramal Água Branca 1, situado no km 32 da rodovia AM 010, estrada que liga Manaus ao município de Itacoatiara, situado a 176 Km da capital.

Segundo o soldado do Batalhão Ambiental, Osiney Marques, “a mãe do animal foi encontrava morta, por causa desconhecida. A família do sítio encontrou o filhote e acionou a equipe do batalhão”.

De acordo com informações do cabo do Batalhão Ambiental, Amós Soares Teixeira, o resgate ocorreu por meio da ligação de morador da área, que encontrou o animal nas proximidades do sítio. Ainda segundo o cabo, o animal estava sem ferimentos e não apresenta sinais de maus tratos.

“Geralmente, as pessoas acham o animal separado da mãe e ligam para o nosso batalhão. Na maioria dos casos, vemos que o animal não tem acesso às pessoas. Não é um animal domesticado e, após o resgate, fazemos o encaminhamento para que ele possa ser cuidado e, depois, achar o próprio bando”, disse o cabo Amós.

O filhote de lontra foi encaminhado à Reserva Ecológica Sauim Castanheira, localizada da BR 319, km 1, Distrito Industrial, Zona Sul de Manaus.

Fonte: G1


28 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de urso-polar recebe cuidados em zoológico da Dinamarca

Técnicos alimentam espécime batizado de ‘Siku’.
A mãe do pequeno urso parou de produzir leite logo depois do seu nascimento.

Novas imagens divulgadas neste domingo (25) mostram o filhote de urso-polar (Ursus maritimus) batizado de Siku, que significa “gelo do mar”, no idioma falado na Groenlândia, recebendo cuidados do diretor do zoológico de Djursland, na Dinamarca.

Com apenas um mês de vida, o espécime, que nasceu em uma reserva natural dinamarquesa, tem recebido alimentação com a ajuda de humanos após a constatação de que a mãe do ursinho, uma fêmea chamada Ilka, estava sem leite.

A espécie é considerada vulnerável na natureza devido a atividades de caça e especialistas afirmam que os efeitos do aquecimento global, que provocam a aceleração do derretimento do gelo localizado nos polos, afetariam o desenvolvimento desses animais.

O filhote de urso-polar batizado de Siku recebe cuidados do diretor de zoológico dinamarquês, Frank Vigh-Larsen (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote de urso-polar batizado de Siku recebe cuidados do diretor de zoológico dinamarquês, Frank Vigh-Larsen (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote, que tem um mês de vida, tem recebido alimentação com a ajuda de humanos após a constatação de que o leite de sua mãe havia secado (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O espécime, que tem um mês de vida, tem recebido alimentação com a ajuda de humanos após a constatação de que o leite de sua mãe havia secado (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote de urso-polar nasceu em uma reserva natural da Dinamarca (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

O filhote de urso-polar nasceu em uma reserva natural da Dinamarca (Foto: Rasmus Flindt Pedersen/AP)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


16 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Leões de zoo em Londres ganham antecipadamente presentes de Natal

Caixas com carne dentro foram entregues a família de felinos nesta quinta.
O espécime macho de leão-asiático quase ‘devorou’ o embrulho.

Os leões-asiáticos (Panthera leo persica) do zoológico de Londres, no Reino Unido, receberam uma surpresa de Natal nesta quinta-feira (15). Caixas de presente foram colocadas na ala dos felinos, onde estão os leões Lucifer, a fêmea Abi e seus filhotes, Heidi e Indi.

Grandes pedaços de carne estavam dentro da caixa, o que não impediu os mamíferos selvagens de “despedaçarem” os embrulhos para conseguir chegar ao presente.

Apesar de levar a Ásia no nome, a espécie é encontrada predominantemente em diversos países da África. Entretanto, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), estes animais são considerados ameaçados de extinção.

leões na Inglaterra (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

A fêmea de leão-asiático Abi e os filhotes Heidi e Indi observam pacotes de presentes, com carne dentro, colocados em ala do zoológico de Londres, no Reino Unido. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Os filhotes tiveram um pouco de medo de se aproximar dos embrulhos. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Os filhotes tiveram um pouco de medo de se aproximar dos embrulhos. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Mas em compensação, o pai deles, o macho Lucifer, praticamente devorou a caixa de presente em busca da carne. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Mas em compensação, o pai deles, o macho Lucifer, praticamente devorou a caixa de presente em busca da carne. (Foto: Kirsty Wigglesworth/AP)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


11 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de Pica Pau do Campo é atendido pelo IPEVS

A espécie Colaptes campestris conhecida popularmente como pica-pau do campo ou chã-chã, ocorre desde o nordeste do Brasil ao Uruguai, podendo ser avistado também no Paraguai, na Bolívia, na Argentina e no baixo Amazonas, inclusive no Suriname. Sendo existentes duas subespécies que se distinguem pela cor da garganta. C. campestris campestroides de cor branca e C. campestris campestris de cor negra.  Espécie terrícola, comum nos campos e áreas onde existem perturbações antrópicas. Alimenta-se de insetos, principalmente formigas e cupins. A secreção de sua glândula mandibular é como uma cola que faz com que a língua funcione como uma vara de fisgo para capturar os insetos.

Após o último forte temporal em Cornélio Procópio, no fim do mês de outubro, o professor de artes marciais Junior Vidal encontrou um filhote Pica-pau do Campo caído do ninho na região central da cidade. Júnior cuidou inicialmente do animal e posteriormente entrou em contato com a equipe do IPEVS para que a mesma fornecesse os cuidados e desse o destino adequado à ave.

Quando filhotes, os pica-paus do campo são alimentados com bolas de insetos e larvas de cupins, regurgitadas pelos pais. Quando não estão em ambiente natural, recebem como alimentação uma mistura própria para aves.  O pica-pau do campo continua sob os cuidados da equipe do IPEVS, sob os cuidados atentos de Renata Alfredo e Mayara Almeida, e passa bem, tendo ganhado peso e terminado o empenamento. A espécie não se encontra entre aves ameaçadas de extinção e tão logo aprenda a alimentar-se sozinha, será encaminhada para a reabilitação.

Pica-pau do Campo, filhote foi encontrado no centro da cidade de Cornélio Procópio

 

Confira aqui o vídeo do filhote sendo alimentado: http://www.youtube.com/watch?v=V1C-PLpjJxc

Fonte: Ascom IPEVS

 

 


8 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Bebê elefante com dez dias de vida faz primeira aparição em zoo alemão

Ainda sem nome, o pequeno mamífero foi fotografado em Munique.
A fêmea de elefante aproveitou o dia para conhecer onde vive.

Nesta terça-feira (8), um filhote de elefante com dez dias de vida explora a área que vive com sua mãe, a fêmea Panang, no zoológico de Munique, na Alemanha (Foto: Matthias Schrader/AP)

Nesta terça-feira (8), uma fêmea de elefante com dez dias de vida explora a área onde vive com sua mãe, a fêmea Panang, no zoológico de Munique, na Alemanha (Foto: Matthias Schrader/AP)

Foi a primeira aparição em público do filhote, que ainda não recebeu nome. (Foto: Matthias Schrader/AP)

Foi a primeira aparição em público da filhote, que ainda não recebeu nome (Foto: Matthias Schrader/AP)

Fonte: Do Globo Natureza, São Paulo


27 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Filhote de macaco amazônico nasce em zoológico de Israel

Exemplar de caiarara tem apenas uma semana de vida.
Espécie habita o norte do Brasil e países vizinhos.

O filhote de caiarara aparece agarrado à sua mãe apenas uma semana após seu nascimento no zoológico Ramat Gan Safari, em Telavive (Israel). A espécie vive no norte da Amazônia brasileira, bem como em países vizinhos na região, como as Guianas e a Venezuela. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), essa espécie não se encontra ameaçada de extinção. (Foto: AFP)

Filhote de macaco caiarara (Cebus olivaceus) aparece agarrado à mãe apenas uma semana após seu nascimento no zoológico Ramat Gan Safari, em Telavive (Israel). A espécie vive no norte da Amazônia brasileira, bem como em países vizinhos na região, como as Guianas e a Venezuela. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), essa espécie não se encontra ameaçada de extinção. (Foto: AFP)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


10 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Ave tem filhote em ninho construído em lustre de residência em Cuiabá

Casal de cambacica construiu o ninho em lustre de casa de comerciantes.
Ninho é repleto de gravetos, restos de folhas, gramas e até plástico.

O sobrado de uma família de comerciantes em Cuiabá abriga um casal de visitantes incomum. No lustre da sala, um casal de passarinhos da espécie cambacica, originária do Cerrado, construiu um ninho repleto de gravetos, restos de folhas, gramas e até plástico.

A arquitetura do ninho deveria parecer com uma taça, mas por conta do local inusitado que o casal de aves escolheu para erguer o refúgio, o ninho ficou disforme. Na última semana, o ninho ganhou mais um morador. A espécie entrou em ciclo reprodutivo e um filhote já pia sem parar dentro do ninho pedindo comida.

G1 visitou a residência da família Smerdech e para flagrar mãe e filhote no ninho foram necessárias três horas de observação e paciência. O lustre fica a dois metros de altura em relação ao solo. Ao longo de cada dia, a mãe cambacica sobrevoa pelas redondezas do bairro da Lixeira, na capital, em busca de pequenos insetos e restos de fruta para alimentar o filho. Duas vezes ao dia, ela cumpre a rotina de deixar o filhote cada vez mais forte.

A comerciante Maria de Fátima Smerdech contou ao G1 que só percebeu que no lustre da casa havia sido construído um ninho pela quantidade de sujeira encontrada no chão da sala. “Eu encontrei um monte de cisco no chão, olhei para cima e já tinha aquele formato de ninho”, disse. Maria de Fátima mantém desde criança, uma grande proximidade com as aves. No passado, ela já criou dois papagaios. Atualmente, ela ainda cuida de uma calopsita, que é atração do mercado.

Ninho é construído em lustre de residência em Cuiabá (Foto: Dhiego Maia/G1)

Casal entrou no ciclo reprodutivo e ninho já abriga filhote de cambacica que não para de piar pedindo comida. (Foto: Dhiego Maia/G1)

Toda a família está envolvida com a presença do ninho na sala. Para Aparecido Smerdech, a presença das aves na casa dele representa uma grande benção. “Nos últimos anos nós temos sido tão abençoados que a escolha desses animais tão puros por nossa casa é uma grande benção”, disse em voz embargada.

A espécie
G1 entrevistou o ornitólogo, João Batista de Pinho, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), para saber mais detalhes a respeito da espécie. Segundo o especialista, a cambacica é uma espécie comum em Cuiabá. “Ela é comum nos quintais de Cuiabá e é uma espécie nectiva. Ela se alimenta do néctar das flores, de pequenos insetos e restos de frutas”, explicou.

O ornitólogo confessou ao G1 que estranhou a escolha da ave pelo lustre, já que a região concentra uma infinidade de árvores. “É de se estranhar muito. Pelo que eu vi, próximo da casa tem mangueiras que poderiam ser usadas como território para o ninho”, disse. Mas a varanda de dona Maria de Fátima é convidativa para aves. O local é repleto de plantas e muito visitada por aves de outras espécies, como bem-te-vis e pardais. Ela mantém um reservatório de água açucarada, um chamariz para a cambacica e outras espécies.

A cambacica é uma ave minúscula, não passa de 10 centímetros e pode viver entre quatro a cinco anos. Ela tem papo amarelo e cabeça preta com duas listras brancas paralelas. Pinho esclareceu que a ave não apresenta nenhum risco à saúde humana, por não ser migratória. Na análise do ornitólogo, a ave auxilia no combate à dengue, por se alimentar de insetos dentro da casa. Já o ninho, segundo o ornitólogo, pode ser reutilizado pelo casal de aves, caso não se degrade com o tempo.

Click e veja o vídeo: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2011/10/ave-tem-filhote-em-ninho-construido-em-lustre-de-residencia-em-cuiaba.html

 

Fonte: Dhiego Maia, G1, MT

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


« Página anterior