2 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Carvão de bambu é alternativa ecológica à lenha na África, diz estudo

Parceria da China com países africanos quer fomentar técnica de biomassa.
Material reduziria desmatamento e emissão de gases de efeito estufa.

Uma tecnologia desenvolvida por uma organização da China pode ajudar a alavancar o setor de bioenergia no continente africano, reduzir o ritmo de desmatamento e, consequentemente, o impacto da mudança climática.

A Rede Internacional de Bambu e Rattan (Inbar, na sigla em inglês), organização com sede na Ásia dedicada à redução da pobreza, juntamente com países da África, pretende fomentar o uso do carvão extraído do bambu entre as famílias da região subsaariana para reduzir o uso de madeira para lenha.

Experimentos feitos na Etiópia e em Gana com o carvão de bambu fizeram com que esta biomassa fosse colocada no centro das políticas de energias renováveis.

“O bambu cresce naturalmente em todo o continente e se apresenta como uma alternativa viável, mais limpa e sustentável do que a lenha”, disse J. Coosje Hoogendoorn, diretor geral da Inbar em evento paralelo que ocorreu nesta sexta-feira (2) durante a COP 17, em Durban, naÁfrica do Sul.

Menos emissões
O bambu é uma das plantas que mais crescem no planeta e podem ser produzidas em grande quantidade como biomassa. As árvores podem ser colhidas depois de três anos e toda a planta pode ser usada para produzir carvão vegetal, feito através de queima controlada em fornos.

“Sem essa alternativa, o carvão vegetal proveniente da madeira continuará a ser a fonte primária de energia nas próximas décadas, o que acarretaria consequências desastrosas”, explica.

Cientistas preveem que a queima de madeira por famílias africanas vai liberar o equivalente a 6,7 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa na atmosfera até 2050. Além disso, a fumaça emitida pela queima mata cerca de 2 milhões de pessoas por ano, principalmente mulheres e crianças. Até 2030, estima-se a morte prematura de 10 milhões de pessoas devido à inalação de gases que vêm da queima da madeira.

Moradora de Gana utiliza bambu para fogueira. Foco de organização é fomentar uso de planta para reduzir desmate de árvores (Foto: Divulgação/Inbar)

Moradora de Gana utiliza bambu para fogueira. Foco de organização é fomentar uso de planta para reduzir desmate de árvores e diminuir emissão de gases (Foto: Divulgação/Inbar)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


20 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Projeto transforma PETs em lâmpadas nas Filipinas

Para lidar com falta de energia, moradores criam lâmpadas usando materiais simples.

Muitos moradores de grandes cidades nas Filipinas não têm acesso à energia elétrica. Outros têm acesso, mas não ligam o interruptor, pois a eletricidade no país é uma das mais caras da Ásia.

Mas uma iniciativa simples vem ajudando a solucionar esse problema. O projeto chamado ‘Um litro de luz’ ensina as pessoas a fazerem um substituto para a lâmpada usando materiais do dia a dia.

A repórter da BBC mostra que é preciso apenas uma garrafa PET e um pedaço de metal. Ao encaixar a garrafa em um furo no telhado, o efeito é instantâneo. A luz do sol reflete na água e se espalha pelo quarto.

O efeito é o equivalente a uma lâmpada de 50 ou 60 watts.

Click e veja o vídeo:http://www.bbc.co.uk/worldservice/emp/pop.shtml?l=pt&t=video&r=1&p=/portuguese/meta/dps/2011/09/emp/110919_lampada_pet_mdb.emp.xml

Garrafas pet adaptadas iluminam ambientes nas Filipinas (Foto: BBC)

Garrafas pet adaptadas iluminam ambientes nas Filipinas (Foto: BBC)

Fonte:  Da BBC






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

outubro 2020
S T Q Q S S D
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

2 de dezembro de 2011 | nenhum comentário »

Carvão de bambu é alternativa ecológica à lenha na África, diz estudo

Parceria da China com países africanos quer fomentar técnica de biomassa.
Material reduziria desmatamento e emissão de gases de efeito estufa.

Uma tecnologia desenvolvida por uma organização da China pode ajudar a alavancar o setor de bioenergia no continente africano, reduzir o ritmo de desmatamento e, consequentemente, o impacto da mudança climática.

A Rede Internacional de Bambu e Rattan (Inbar, na sigla em inglês), organização com sede na Ásia dedicada à redução da pobreza, juntamente com países da África, pretende fomentar o uso do carvão extraído do bambu entre as famílias da região subsaariana para reduzir o uso de madeira para lenha.

Experimentos feitos na Etiópia e em Gana com o carvão de bambu fizeram com que esta biomassa fosse colocada no centro das políticas de energias renováveis.

“O bambu cresce naturalmente em todo o continente e se apresenta como uma alternativa viável, mais limpa e sustentável do que a lenha”, disse J. Coosje Hoogendoorn, diretor geral da Inbar em evento paralelo que ocorreu nesta sexta-feira (2) durante a COP 17, em Durban, naÁfrica do Sul.

Menos emissões
O bambu é uma das plantas que mais crescem no planeta e podem ser produzidas em grande quantidade como biomassa. As árvores podem ser colhidas depois de três anos e toda a planta pode ser usada para produzir carvão vegetal, feito através de queima controlada em fornos.

“Sem essa alternativa, o carvão vegetal proveniente da madeira continuará a ser a fonte primária de energia nas próximas décadas, o que acarretaria consequências desastrosas”, explica.

Cientistas preveem que a queima de madeira por famílias africanas vai liberar o equivalente a 6,7 bilhões de toneladas de gases de efeito estufa na atmosfera até 2050. Além disso, a fumaça emitida pela queima mata cerca de 2 milhões de pessoas por ano, principalmente mulheres e crianças. Até 2030, estima-se a morte prematura de 10 milhões de pessoas devido à inalação de gases que vêm da queima da madeira.

Moradora de Gana utiliza bambu para fogueira. Foco de organização é fomentar uso de planta para reduzir desmate de árvores (Foto: Divulgação/Inbar)

Moradora de Gana utiliza bambu para fogueira. Foco de organização é fomentar uso de planta para reduzir desmate de árvores e diminuir emissão de gases (Foto: Divulgação/Inbar)

Fonte: Globo Natureza, São Paulo


20 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Projeto transforma PETs em lâmpadas nas Filipinas

Para lidar com falta de energia, moradores criam lâmpadas usando materiais simples.

Muitos moradores de grandes cidades nas Filipinas não têm acesso à energia elétrica. Outros têm acesso, mas não ligam o interruptor, pois a eletricidade no país é uma das mais caras da Ásia.

Mas uma iniciativa simples vem ajudando a solucionar esse problema. O projeto chamado ‘Um litro de luz’ ensina as pessoas a fazerem um substituto para a lâmpada usando materiais do dia a dia.

A repórter da BBC mostra que é preciso apenas uma garrafa PET e um pedaço de metal. Ao encaixar a garrafa em um furo no telhado, o efeito é instantâneo. A luz do sol reflete na água e se espalha pelo quarto.

O efeito é o equivalente a uma lâmpada de 50 ou 60 watts.

Click e veja o vídeo:http://www.bbc.co.uk/worldservice/emp/pop.shtml?l=pt&t=video&r=1&p=/portuguese/meta/dps/2011/09/emp/110919_lampada_pet_mdb.emp.xml

Garrafas pet adaptadas iluminam ambientes nas Filipinas (Foto: BBC)

Garrafas pet adaptadas iluminam ambientes nas Filipinas (Foto: BBC)

Fonte:  Da BBC