24 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Caçadores mataram 480 elefantes em Camarões em dois meses

Eles estariam equipados com armas automáticas de guerra e cavalos.
Objetivo da caça ilegal é extrair as presas do animal.

Caçadores clandestinos do Sudão e do Chade mataram cerca de 500 elefantes em menos de dois meses no Parque Nacional Ndjidda Bouba, nordeste de Camarões, segundo o diretor da área de preservação, Mathieu Fomepa.

“Hoje estimamos em 480 o número de elefantes mortos no nosso parque”, disse Fomepa. Entre domingo e terça-feira, “nossas equipes contaram pelo menos 20 elefantes mortos”, afirmou Fomepa. O governo ainda não tomou medidas para proteger o parque.

Os caçadores clandestinos estão “equipados com armas automáticas de guerra, operam em grupos organizados e avançam a cavalo (…) Nada parece detê-los nessa busca frenética por marfim, que começa na República Centro Africana, em meados de novembro, continua no Chade, em dezembro, e acaba em Camarões, em janeiro”, disse Celine Sissler-Bienvenu, do Fundo Internacional para a Protecção dos Animais (IFAW), no site da organização.

A caça nos parques de Camarões tem se alastrado há vários meses. De acordo com especialistas, o comércio de marfim na área destina-se principalmente aos mercados asiáticos.

Fonte: AFP


16 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Comércio ilegal de marfim precisa ser reprimido, afirma CITES

Órgão internacional de proteção a espécies ameaçadas afirma que elefantes e rinocerontes correm risco de extinção

O Comitê Permanente do Convenção Internacional para a Proteção de Espécies Ameaçadas (CITES) iniciou nesta segunda-feira uma semana de reuniões na qual espera conscientizar os países a adotarem medidas para frear o aumento do comércio ilegal de presas de elefante e chifres de rinoceronte.

Atualmente, o Vietnã é o maior destinatário de chifres de rinoceronte, graças às propriedades atribuídas para o tratamento de câncer, enquanto o Fundo Mundial para a Natureza (WWF) criticou o governo vietnamita por fazer “pouco caso para contornar este problema, apesar das denúncias que muitos consumidores de chifres são funcionários públicos”.

Além disso, a ONG assinalou que estão preocupados quanto ao comércio ilegal de chifres de rinoceronte na Tailândia, assim como as que apontam que na China se está criando este animal unicamente para a comercialização e, por sua vez, citou um documento aprovado pela entidade oficial da medicina tradicional chinesa, que indica que suas supostas propriedades contra o câncer não foram comprovadas.

O comitê da CITES debaterá igualmente um relatório sobre a caça ilegal de elefantes e o comércio ilícito de marfim, e que aponta a China e a Tailândia como os maiores países consumidores de marfim em seu estado bruto.

Rinoceronte jovem convive com elefante na Àfrica do Sul: ambas espécies estão ameaçadas pelo comércio ilegal de marfim. Foto: Getty Images

Fonte: EFE






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

julho 2018
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

24 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Caçadores mataram 480 elefantes em Camarões em dois meses

Eles estariam equipados com armas automáticas de guerra e cavalos.
Objetivo da caça ilegal é extrair as presas do animal.

Caçadores clandestinos do Sudão e do Chade mataram cerca de 500 elefantes em menos de dois meses no Parque Nacional Ndjidda Bouba, nordeste de Camarões, segundo o diretor da área de preservação, Mathieu Fomepa.

“Hoje estimamos em 480 o número de elefantes mortos no nosso parque”, disse Fomepa. Entre domingo e terça-feira, “nossas equipes contaram pelo menos 20 elefantes mortos”, afirmou Fomepa. O governo ainda não tomou medidas para proteger o parque.

Os caçadores clandestinos estão “equipados com armas automáticas de guerra, operam em grupos organizados e avançam a cavalo (…) Nada parece detê-los nessa busca frenética por marfim, que começa na República Centro Africana, em meados de novembro, continua no Chade, em dezembro, e acaba em Camarões, em janeiro”, disse Celine Sissler-Bienvenu, do Fundo Internacional para a Protecção dos Animais (IFAW), no site da organização.

A caça nos parques de Camarões tem se alastrado há vários meses. De acordo com especialistas, o comércio de marfim na área destina-se principalmente aos mercados asiáticos.

Fonte: AFP


16 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Comércio ilegal de marfim precisa ser reprimido, afirma CITES

Órgão internacional de proteção a espécies ameaçadas afirma que elefantes e rinocerontes correm risco de extinção

O Comitê Permanente do Convenção Internacional para a Proteção de Espécies Ameaçadas (CITES) iniciou nesta segunda-feira uma semana de reuniões na qual espera conscientizar os países a adotarem medidas para frear o aumento do comércio ilegal de presas de elefante e chifres de rinoceronte.

Atualmente, o Vietnã é o maior destinatário de chifres de rinoceronte, graças às propriedades atribuídas para o tratamento de câncer, enquanto o Fundo Mundial para a Natureza (WWF) criticou o governo vietnamita por fazer “pouco caso para contornar este problema, apesar das denúncias que muitos consumidores de chifres são funcionários públicos”.

Além disso, a ONG assinalou que estão preocupados quanto ao comércio ilegal de chifres de rinoceronte na Tailândia, assim como as que apontam que na China se está criando este animal unicamente para a comercialização e, por sua vez, citou um documento aprovado pela entidade oficial da medicina tradicional chinesa, que indica que suas supostas propriedades contra o câncer não foram comprovadas.

O comitê da CITES debaterá igualmente um relatório sobre a caça ilegal de elefantes e o comércio ilícito de marfim, e que aponta a China e a Tailândia como os maiores países consumidores de marfim em seu estado bruto.

Rinoceronte jovem convive com elefante na Àfrica do Sul: ambas espécies estão ameaçadas pelo comércio ilegal de marfim. Foto: Getty Images

Fonte: EFE