17 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Com participação de astronauta, relatório mostra que ‘pegada’ do Brasil supera a da China e a da Índia

A pegada ecológica do Brasil é maior que a média mundial e maior que a de todos os países do grupo Brics exceto a Rússia (o grupo inclui China, Índia e África do Sul).

Os dados são do Relatório Planeta Vivo 2012, divulgado pela ONG WWF com a participação do astronauta holandês André Kuipers.

Pegada ecológica é a quantidade de hectares necessária para suprir as necessidades de consumo de cada ser humano versus a capacidade de regeneração da Terra.

O relatório mostra que a pegada da humanidade hoje excedeu em 50% a capacidade de regeneração do planeta. Ou seja, para sustentar o padrão de consumo atual, seria necessário 1,5 planeta.

A pegada ecológica da humanidade dobrou desde 1966. Entre os países com maior pegada estão nações emergentes e de território pequeno, como Qatar (1°) e Dinamarca (4°), além dos gigantes consumistas EUA (5°).

O Brasil tem uma pegada ecológica de 2,93 hectares por pessoa, contra 2,70 da média global. Segundo Cecília Wey de Brito, secretária-geral do WWF Brasil, o que mais pesa aqui é a agropecuária, que consome muita terra e água.

A pegada cresceu ligeiramente em 2012 em comparação a 2010 e só não é maior porque o Brasil detém a maior biocapacidade (capacidade de regeneração) do mundo, por conta de suas florestas.

“O Código Florestal é um dos garantidores de que isso continue”, disse Brito, pedindo o veto de Dilma ao código aprovado pela Câmara.

Fonte: Folha.com


27 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Não falta água no mundo, afirmam especialistas

Maior desafio não é a escassez de água, mas a utilização ineficiente do recurso

Existe água suficiente no mundo para responder às necessidades alimentares, energéticas, industriais e ambientais no século XXI. A informação é baseada em números publicados na revista Water International, lançada nesta segunda-feira no XIV Congresso Mundial da Água. De acordo com dados da publicação, o maior desafio hídrico não é a escassez de água, mas combater a utilização ineficiente e a distribuição irregular do recurso natural que flui das principais bacias hidrográficas do mundo, como as dos rios São Francisco, no Brasil, e Nilo, na África.

De acordo com o relatório, os governos precisam atuar com mais empenho na distribuição da água para impedir a competição e ajudar a enfrentar um dos maiores problemas da humanidade: aumentar a produção de comida enquanto a população do mundo cresce. As conclusões foram traçadas com base em um estudo de cinco anos, feita por cientistas de 30 países em 10 bacias ao redor do mundo: Andes e São Francisco na América do Sul; Limpopo, Níger, Nilo e Volta, na África; e os rios Indo-Ganges, Karkheh, Mekong e Amarelo, na Ásia.

Água da chuva - Uma sugestão do relatório é aproveitar mais a água da chuva, particularmente nas regiões chuvosas da África subsaariana. Com investimentos modestos, afirmam os especialistas, seria possível produzir entre duas e três vezes mais comida do que atualmente. Os pesquisadores identificaram grandes áreas férteis na Ásia e na América do Sul onde a produção está, pelo menos, 10% abaixo do seu potencial. Por exemplo, no sistema Indo-Ganges, na Índia, 23% do cultivo de arroz está rendendo metade do seu potencial. De acordo com o relatório, se os governos aproveitarem melhor a água da chuva, a produção pode aumentar rapidamente e, ainda, a pressão sobre as bacias e rios seria aliviada.

Conflitos - Apesar de existir água suficiente no mundo, os conflitos continuarão se os desafios da agricultura, pecuária e produção de energia forem considerados isolados. De acordo com os especialistas, a maioria das regiões estudadas possui uma administração fragmentada das bacias e não relaciona os diferentes setores que utilizam a água. “Precisamos repensar completamente como os setores podem tirar vantagem dos benefícios das bacias”, disseram os autores.

O Rio Nilo, na África, um dos maiores do mundo, visto do espaço

O Rio Nilo, na África, um dos maiores do mundo, visto do espaço (Creatas / ThinkStock)

Fonte: Veja Ciência






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

outubro 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

17 de maio de 2012 | nenhum comentário »

Com participação de astronauta, relatório mostra que ‘pegada’ do Brasil supera a da China e a da Índia

A pegada ecológica do Brasil é maior que a média mundial e maior que a de todos os países do grupo Brics exceto a Rússia (o grupo inclui China, Índia e África do Sul).

Os dados são do Relatório Planeta Vivo 2012, divulgado pela ONG WWF com a participação do astronauta holandês André Kuipers.

Pegada ecológica é a quantidade de hectares necessária para suprir as necessidades de consumo de cada ser humano versus a capacidade de regeneração da Terra.

O relatório mostra que a pegada da humanidade hoje excedeu em 50% a capacidade de regeneração do planeta. Ou seja, para sustentar o padrão de consumo atual, seria necessário 1,5 planeta.

A pegada ecológica da humanidade dobrou desde 1966. Entre os países com maior pegada estão nações emergentes e de território pequeno, como Qatar (1°) e Dinamarca (4°), além dos gigantes consumistas EUA (5°).

O Brasil tem uma pegada ecológica de 2,93 hectares por pessoa, contra 2,70 da média global. Segundo Cecília Wey de Brito, secretária-geral do WWF Brasil, o que mais pesa aqui é a agropecuária, que consome muita terra e água.

A pegada cresceu ligeiramente em 2012 em comparação a 2010 e só não é maior porque o Brasil detém a maior biocapacidade (capacidade de regeneração) do mundo, por conta de suas florestas.

“O Código Florestal é um dos garantidores de que isso continue”, disse Brito, pedindo o veto de Dilma ao código aprovado pela Câmara.

Fonte: Folha.com


27 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Não falta água no mundo, afirmam especialistas

Maior desafio não é a escassez de água, mas a utilização ineficiente do recurso

Existe água suficiente no mundo para responder às necessidades alimentares, energéticas, industriais e ambientais no século XXI. A informação é baseada em números publicados na revista Water International, lançada nesta segunda-feira no XIV Congresso Mundial da Água. De acordo com dados da publicação, o maior desafio hídrico não é a escassez de água, mas combater a utilização ineficiente e a distribuição irregular do recurso natural que flui das principais bacias hidrográficas do mundo, como as dos rios São Francisco, no Brasil, e Nilo, na África.

De acordo com o relatório, os governos precisam atuar com mais empenho na distribuição da água para impedir a competição e ajudar a enfrentar um dos maiores problemas da humanidade: aumentar a produção de comida enquanto a população do mundo cresce. As conclusões foram traçadas com base em um estudo de cinco anos, feita por cientistas de 30 países em 10 bacias ao redor do mundo: Andes e São Francisco na América do Sul; Limpopo, Níger, Nilo e Volta, na África; e os rios Indo-Ganges, Karkheh, Mekong e Amarelo, na Ásia.

Água da chuva - Uma sugestão do relatório é aproveitar mais a água da chuva, particularmente nas regiões chuvosas da África subsaariana. Com investimentos modestos, afirmam os especialistas, seria possível produzir entre duas e três vezes mais comida do que atualmente. Os pesquisadores identificaram grandes áreas férteis na Ásia e na América do Sul onde a produção está, pelo menos, 10% abaixo do seu potencial. Por exemplo, no sistema Indo-Ganges, na Índia, 23% do cultivo de arroz está rendendo metade do seu potencial. De acordo com o relatório, se os governos aproveitarem melhor a água da chuva, a produção pode aumentar rapidamente e, ainda, a pressão sobre as bacias e rios seria aliviada.

Conflitos - Apesar de existir água suficiente no mundo, os conflitos continuarão se os desafios da agricultura, pecuária e produção de energia forem considerados isolados. De acordo com os especialistas, a maioria das regiões estudadas possui uma administração fragmentada das bacias e não relaciona os diferentes setores que utilizam a água. “Precisamos repensar completamente como os setores podem tirar vantagem dos benefícios das bacias”, disseram os autores.

O Rio Nilo, na África, um dos maiores do mundo, visto do espaço

O Rio Nilo, na África, um dos maiores do mundo, visto do espaço (Creatas / ThinkStock)

Fonte: Veja Ciência