26 de fevereiro de 2015 | nenhum comentário »

Cientistas descobrem primeiros mamíferos a subir em árvores e cavar buracos

“Sabemos que os mamíferos modernos são espetacularmente diversos, mas não se sabia se os mamíferos primitivos também eram”, afirma pesquisador

Cientistas descobriram fósseis do que podem ser os primeiros mamíferos a subir em árvores e cavar buracos. Eles habitavam a região onde hoje fica a China e são uma evidência de que, no período de maior êxito dos dinossauros sobre a Terra, os mamíferos se adaptaram ao ambiente. Segundo os autores do estudo, os cientistas não imaginavam que os mamíferos fossem tão desenvolvidos naquela época.

Os animais identificados são o Agilodocodon scansorius, arborícola mais antigo descoberto até agora, e o Docofossor brachydactylus, o mamífero subterrâneo mais antigo que se conhece. Realizada por pesquisadores da Universidade de Chicago e do Museu de História Natural de Pequim, a pesquisa foi publicada na quinta-feira na revista Science.

As duas novas espécies, que provêm de grupos extintos dos primeiros mamíferos, tinham características desenvolvidas milhões de anos antes do que era estimado pelos cientistas. Os animais descobertos nesta pesquisa são do Período Jurássico e viveram entre 170 e 145 milhões de anos atrás.

Características — Agilodocodon scansorius tinha cerca de 13 centímetros da cabeça até a cauda e pesava por volta de 27 gramas, como um pequeno roedor dos dias de hoje. Ele tinha aparência de um esquilo com focinho longo. Já o Docofossor brachydactylus se parecia com a toupeira dourada da África. Estima-se que ele media 7 centímetros, pesava 16 gramas e tinha dedos próprios para cavar. Ao contrário da maioria dos mamíferos, possuía apenas duas falanges (segmentos ósseos) nos dedos.

“Sabemos que os mamíferos modernos são espetacularmente diversos, mas não se sabia se os primitivos também eram”, explicou o líder da pesquisa, Zhe-Xi Luo, professor da Universidade de Chicago. Os novos fósseis “ajudam a demonstrar que os primeiros mamíferos também tiveram uma ampla diversidade ecológica”, completa.

Reconstituição do estilo de vida e habitat do ‘Agilodocodon’ (no topo à esquerda) e do ‘Docofossor’ (abaixo, à direita)

Reconstituição do estilo de vida e habitat do ‘Agilodocodon’ (no topo à esquerda) e do ‘Docofossor’ (abaixo, à direita) (April I. Neander, the University of Chicago/VEJA.com)

Fonte: Veja Ciência


11 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Todos os dinossauros carnívoros tinham penas, diz estudo

Fóssil encontrado na Alemanha está mais próximo da base da evolução dos predadores e mais distante daquela que originou as aves, e mesmo assim era coberto de penas

Um fóssil extremamente bem preservado (como pode se perceber na foto acima) encontrado na Alemanha pode mudar tudo o que sabemos sobre os dinossauros carnívoros predadores, como os Tiranossauros. O fóssil foi apresentado nesta segunda-feira em um estudo publicado no periódico científico PNAS (Proceedings of National Academy of Sciences) e a partir dele pesquisadores alemães sugerem mudanças profundas no modo como acreditamos ser o aspecto dos grandes predadores do Jurássico, período de 199 a 145 milhões de anos atrás, no qual os dinossauros dominaram o planeta.

“Todos os dinossauros predadores tinham penas”, afirma categoricamente Oliver Rauhut, coautor do estudo e paleontólogo do Museu de Paleontologia e Geologia do Estado da Baviera. “Não seria nenhuma surpresa descobrir que as penas estavam presentes em todos os ancestrais dos dinossauros”, disse Mark Norell, co-autor do estudo e presidente da Divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural, instituição que ajudou a financiar a pesquisa.

Já se sabe que ‘primos’ dos dinossauros, como os pterossauros, tinham estruturas parecidas com pelos cobrindo o corpo. Já os celurossauros, dinossauros terópodos que viveram em quase todos os continentes, na metade final do período Jurássico, tinham penas multicoloridas.

É aqui que entra em cena o fóssil descoberto pelos alemães, um jovem megalossauro batizadoSciurumimus albersdoerferi. Foi encontrado com as mandíbulas abertas e o rabo estendido acima da cabeça em uma laje de calcário em uma pedreira da Baviera, na mesma região da Alemanha onde, há 150 anos, outra amostra de um dino com penas havia sido descoberta, oArchaeopteryx lithographica.

Sciurumimus ganhou o nome em homenagem ao esquilo (que pertence ao gênero Sciurus) em função de sua cauda. O dinossauro tinha o crânio grande, patas traseiras curtas, a pele lisa e — esta é a descoberta mais importante do estudo — estava coberto de penas. A estimativa é de que ele tenha vivido há 150 milhões de anos, no período Jurássico.

Mas o Sciurumimus, mesmo cheio de penas, foi identificado como um megalossauro, mais próximo da base da linha evolutiva dos terópodos do que dos celurossauros. E isso pode mudar a percepção da aparência de tiranossauros e megalossauros, tidos até hoje (inclusive em filmes como Jurassic Park) como grandes lagartos ou parecidos com grandes crocodilos no que se refere à pele.

“Tudo o que encontramos nesses dias nos mostram o quão antiga são as características dos pássaros modernos na linha evolutiva e como esses animais eram parecidos com pássaros”, disse Mark Norell. As aves modernas são consideradas descendentes diretos dos celurossauros.

Fósseis completos como o do Sciurumimus são extremamente raros, ainda mais sendo provavelmente de um recém-nascido. Segundo os pesquisadores, esta espécie deveria se alimentar de pequenas presas e insetos. Mas o tamanho reduzido do fóssil não quer dizer que ele fosse um pequeno dinossauro carnívoro. “Sabemos, a partir de outras descobertas, que os dinossauros podiam ter um ritmo de crescimento lento”, disse Rauhut. “O Sciurumimus adulto podia chegar a quase dois metros de comprimento. Os grandes predadores podiam ser cheios de penas, mas isso não muda o fato de que estavam no topo da pirâmide alimentar.”

Fóssil do Sciurumimus

Descoberta: Fóssil de dinossauro com penas, o Sciurumimus, encontrado em uma laje de calcário no Sul da Alemanha (Divulgação/Museu Americano de História Natural)

Saiba mais

DIAPSIDA
Grupo de tetrápodes (vertebrados de quatro membros: répteis, aves e mamíferos são os maiores grupos). O grupo diapsida reúne todos os répteis, com exceção das tartarugas, cágados e jabutis.

ARCOSSAUROS
Grupo surgido por volta de 240 milhões de anos atrás, no período Triássico. No grupo estão os dinossauros,pterossauros, os atuais crocodilos e jacarés e as aves (que são considerados descendentes diretos dos dinossauros, portanto, são répteis também).

DINOSSAUROS
Grupo de répteis gigantes extintos que surgiu por volta de 225 milhões de anos atrás e viveu até cerca de 65 milhões de anos atrás, quando todos os dinossauros não avianos (ou seja, exceto as aves) foram extintos. Apresentavam pernas dispostas como colunas abaixo do corpo (e não voltadas para os lados, como nos jacarés). Os dinossauros são descendentes do grupo archosauria e podem ser reunidos em dois grandes ramos: saurísquios e ornitísquios (tão diferentes quanto os mamíferos marsupiais e os placentários entre eles). Apesar de seus fósseis serem conhecidos há milhares de anos (a lenda dos dragões veio daí), o termo dinossauro (deinos=terrível saurus=lagarto) só foi criado em 1842, pelo primeiro curador do Museu de História Natural de Londres, Richard Owen.

ORNITÍSQUIOS
O nome do grupo significa ‘cintura de ave’, embora as aves tenham se originado de outra linhagem dos dinossauros. Eram tanto quadrúpedes (como o Triceratops e o Stegosaurus) quanto bípedes (Lesothosaurus).

SAURÍSQUIOS
Grande grupo de dinossauros herbívoros caracterizados pelo pela pata anterior alongada e pelo pescoço comprido, muitas vezes com o leve formato de ‘S’. Fazem parte do grupo dos saurísquios os gigantescos saurópodes (os dinossauros que apareciam usados como guindastes no desenho animado Flintstones) e terápodes. Os dinossauros mais antigos são saurísquios e foram encontrados na América do Sul.

PTEROSSAURO
Répteis voadores enormes, que viveram na mesma época dos dinossauros. Alguns chegaram a ter 20 metros de envergadura de uma asa à outra. Nenhum outro animal voador foi tão grande.

TERÓPODOS
Os terápodos eram todos predadores carnívoros bípedes, e tinham aqueles ‘bracinhos’ característicos dos Tiranossauros, e, geralmente, garras e dentes afiados. Apesar do tiranossauro estar extinto, tecnicamente os terápodos ainda existem, já que as aves são descendentes de pequenos terópodos, como o Archaeopteryx, um pequeno dinossauro emplumado do tamanho de um pombo. “Acredite: o beija-flor é um dinossauro terápode tanto quanto um Tiranossauro rex”, afirma o paleontólogo Luiz Eduardo Anelli em seu livro O Guia Completo dos Dinossauros do Brasil.

MEGALOSSAURO
Grandes predadores terópodos que abatiam saurópodes e até o Stegosaurus. Viviam na região onde hoje fica a Europa e a América do Norte.

CELUROSSAURO
Os celurossauros reúnem os terópodos mais aparentados com as aves. Todos tinham várias semelhanças morfológicas com as aves.

MANIRAPTORA
Grupo dos celurossauros dos quais, acredita-se, evoluíram diretamente as aves, por volta de 150 milhões de anos atrás, no período Jurássico. Faziam parte do grupo dinossauros predadores carnívoros como o Velociraptor (aparecem no filme Jurassic Park em várias cenas, como na que perseguem as crianças na cozinha do parque). Tecnicamente as aves são do grupo maniraptora.

 

Fontes: Veja Ciência, O Guia Completo dos Dinossauros do Brasil, Luiz Eduardo Anelli, The Princeton Field Guide To Dinosaurs, University of California Museum of Paleontology


29 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Animal mais antigo viveu 30 milhões de anos antes do previsto, diz estudo

Canadenses acharam rastros de ‘lesma’ de 585 milhões de anos no Uruguai.
Bicho mais antigo do mundo até agora havia sido encontrado na Rússia.

Pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, descobriram no Uruguai uma prova física de que animais existiram há 585 milhões de anos, 30 milhões de anos antes que as evidências científicas mostravam até agora. Os resultados do estudo estão publicados na edição da revista “Science” desta quinta-feira (28).

Até então, o fóssil mais antigo do mundo tinha 555 milhões de anos e havia sido localizado na Rússia.

O achado foi por geólogos da equipe de Ernesto Pecoits e Natalie Aubet, que encontraram trilhas fossilizadas de um animal semelhante a uma lesma, com cerca de 1 centímetro de comprimento. O rastro foi deixado em um terreno sedimentar com lodo.

A equipe chegou à conclusão de que as trilhas foram feitas por um bicho primitivo bilateral, que se diferencia de outras formas de vida simples por ter uma simetria superior diferente da parte inferior, além de um conjunto único de “pegadas”.

Os pesquisadores dizem que as faixas fossilizadas indicam que a musculatura desse animal mole lhe permitia mover-se pelo solo raso do oceano. O padrão de movimento da “lesma” indica uma adaptação evolutiva para buscar comida – o material orgânico do sedimento.

A idade precisa dos rastros foi calculada pela datação de uma rocha vulcânica que se “intrometeu” na rocha sedimentar onde os caminhos foram achados. O processo incluiu um retorno ao Uruguai para coletar mais amostras da rocha fossilizada e várias sessões de análise por um método chamado espectrometria de massa, que identifica diferentes átomos presentes em uma mesma substância.

Ao todo, os autores do estudo levaram mais de dois anos para ficarem satisfeitos com a precisão da idade de 585 milhões de anos.

Segundo o paleontógo Murray Gingras, da mesma equipe, é comum que animais de corpo mole desapareçam, mas suas trilhas virem fósseis. O geomicrobiólogo Kurt Konhauser diz que a descoberta abre novas questões sobre a evolução desses animais – como foram capazes de se mover e procurar alimento – e as condições ambientais envolvidas. Além desses pesquisadores, o trabalho contou com a participação de Larry Heaman e Richard Stern.

Rastro lesma science (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Rastros de animal são comparados ao tamanho de uma moeda canadense, para dar a dimensão do tamanho das 'pegadas' deixadas por 'lesma' primitiva (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Fonte: Globo Natureza


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, sugere estudo

Fóssil descoberto em Mianmar ajuda a resolver o mistério de quando ocorreu a migração dos primeiros símios para o continente africano

Os antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, vindos da Ásia. A descoberta representa um avanço importante para entender a evolução dos seres humanos e de outros primatas. O estudo foi publicado nesta segunda-feira no periódico americano PNAS.

Por décadas os cientistas pensaram que os antepassados dos humanos surgiram na África. Uma série de descobertas nos últimos anos, porém, atestam que os primeiros símios vieram da Ásia e posteriormente colonizaram o continente africano. Contudo, os paleontólogos ainda não conseguiram decidir como e quando isso aconteceu. Agora, parece que há uma resposta para pelo menos uma das perguntas.

A mais recente descoberta que dá suporte à teoria de que os primeiros símios vieram da Ásia é o fóssil Afrasia djijidae, encontrado em Mianmar por pesquisadores Museu de História Natural de Carnegie, dos Estados Unidos. É sobre esse fóssil o estudo publicado no PNAS. O que torna o achado asiático de 37 milhões de anos digno de nota é sua similaridade com outro, encontrado recentemente no Deserto do Saara, na África.

Questão de tempo - Os dentes doAfrasia são muito parecidos com os doAfrotarsius libycus, um fóssil norte-africano que data da mesma época do asiático. Por sua estrutura complexa, os dentes de mamíferos são usados como ‘impressões digitais’ para reconstruir relações de parentesco entre espécies extintas e modernas.

A grande similaridade entre os dois fósseis, um da África e outro da Ásia, tem muito a dizer sobre quando a colonização do continente africano ocorreu. Os cientistas acreditam que ela aconteceu pouco antes da data em que viveu o animal que deu origem ao fóssil asiático, ou seja, há 37 milhões de anos.

Se os símios asiáticos tivessem chegado ao Norte da África antes, teria havido mais tempo para a diversificação entre o Afrasia e o Afrotarsius. “Por muito tempo pensávamos que o registro de fósseis da África era ruim”, disse Jean-Jacques Jaeger, chefe da pesquisa. “O fato de que símios semelhantes viveram ao mesmo tempo na Líbia e em Mianmar sugere que eles não chegaram à África até pouco antes do fóssil que encontramos no norte africano.”

Agora, os paleontólogos tem uma forte indicação de quando a colonização do continente africano ocorreu. Falta saber como. A viagem provavelmente foi muito dura. Naquela época, uma versão maior do Mar Mediterrâneo, chamada Mar de Tétis, separava a África e a Eurásia. A descoberta do Afrasia não resolve a questão da rota nem de como ocorreu a colonização, mas pelo menos crava um ponto de partida na linha do tempo da evolução dos antigos primatas na África.

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana (Mark A. Klingler/Carnegie Museum of Natural History)

Fonte: Veja Ciência


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Evolução dos pássaros encerrou era dos insetos gigantes, diz estudo

Corpo menor ajudou insetos a fugir de pássaros predadores.
Maior inseto chegou a ter 70 centímetros há 300 milhões de anos.

Um novo estudo da Universidade da Califórnia sugere que a evolução dos pássaros foi determinante para o fim da era dos insetos gigantes na Terra. Segundo os cientistas, a época em que as aves começaram a estabelecer seu lugar nos céus é a mesma na qual os insetos grandalhões perderam espaço, há 150 milhões de anos. A pesquisa foi divulgada nesta semana na edição online da revista científica “PNAS”, da Academia Americana de Ciências.

Insetos gigantes viveram nos céus pré-históricos em uma época em que a atmosfera da Terra era rica em oxigênio. Pesquisas anteriores já tinham sugerido que o tamanho dos insetos tinha relação com altas concentrações de oxigênio – cerca de 30%, comparada aos atuais 21%, em média.

Há 300 milhões de anos, os insetos gigantes chegaram ao maior tamanho já documentado: 70 centímetros.

Mas à medida que os pássaros surgiram, os insetos se tornaram menores mesmo com o aumento de oxigênio na atmosfera, diz a pesquisa.

Segundo o autor do estudo, Matthew Clapham, professor de Terra e Ciências Planetárias da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, com os pássaros predatórios na ‘cola’, necessidade de ter mais mobilidade foi a base da evolução do voo desses insetos, favorecendo o tamanho mais reduzido do corpo.

A equipe da Clapham comparou o tamanho das asas de mais de 10.500 fósseis de insetos com níveis de oxigênio do planeta em centenas de milhares de anos.

O pesquisador enfatiza, no entanto, que o estudo focou as mudanças a partir dos maiores insetos já conhecidos.

“Em torno do final do período Jurássico e início do Cretáceo, cerca de 150 milhões de anos atrás, de repente o nível de oxigênio sobe, mas o tamanho do inseto diminui. E isso coincide de forma impressionante com a evolução dos pássaros”, diz Clapham.

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fonte: G1


15 de março de 2012 | nenhum comentário »

Roedores mamíferos podem ter convivido com dinossauros

Eles apareceram nos últimos 20 milhões de anos do reinado dos dinos.
Com dentição complexa, animais deveriam se alimentar de vegetais.

Multituberculado teria vivido durante período Mesozoico e convivido com dinossauros. (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Multituberculado teria vivido convivido com dinossauros (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Os cientistas acreditavam que, durante a era Mesozoica, os mamíferos eram criaturas pequenas que viviam à sombra de outras. No entanto, agora, eles dizem que pelo menos um grupo de mamíferos conseguiu prosperar.

Criaturas semelhantes a roedores, chamados multituberculados, apareceram nos últimos 20 milhões de anos de reinado dos dinossauros e sobreviveram após a extinção destes, há 66 milhões de anos.

O novo estudo de um paleontólogo da Universidade de Washington indica que os chamados multituberculados conseguiram sobreviver tão bem porque desenvolveram diversos tubérculos (protuberâncias ou cúspides) nos dentes posteriores, o que permitiu que se alimentassem de angiospermas, plantas com flores que estavam se tornando um elemento comum na paisagem.

“Esses mamíferos eram capazes de proliferar em termos de número de espécies, tamanho do corpo e formato de seus dentes, características que influenciaram o que comiam”, disse Gregory P. Wilson, professor assistente de biologia da Universidade de Washington.

Ele é o principal autor da pesquisa, publicada nesta quarta-feira (14), em uma edição on-line da revista científica “Nature”.

Características
Cerca de 170 milhões de anos atrás, os multituberculados tinham o tamanho aproximado de um rato. As angiospermas começaram a aparecer há aproximadamente 140 milhões e, depois disso, o tamanho dos pequenos mamíferos aumentou, chegando ao de um castor.

Após a extinção dos dinossauros, os multituberculados continuaram a se destacar até que os outros mamíferos – em grande parte primatas, ungulados e roedores – ganharam uma vantagem competitiva. Isso acabou levando, enfim, ao desaparecimento dos multitubeculados, cerca de 34 milhões de anos atrás.

Os cientistas examinaram os dentes de 41 espécies de multituberculados preservados em fósseis coletados ao redor do mundo a fim de determinar para que direção as manchas presentes nas superfícies dentárias apontavam.

Carnívoros têm dentes relativamente simples, com talvez 110 manchas por arcada, pois seu alimento se despedaça facilmente, explicou Wilson. Mas animais que dependem mais de vegetais para a sobrevivência têm uma dentição um pouco mais afetada porque sua comida é dilacerada com os dentes.

Em alguns multituberculados, dentes em formato de lâmina situados na parte da frente da boca se tornaram menos proeminentes com o tempo e os dentes de trás se tornaram mais complexos, com 348 manchas por arcada, um indício de mastigação de alimento vegetal.

Fonte: France Presse

 


18 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Carnívoro anterior aos dinossauros é achado no Brasil

Cientistas encontraram, no Rio Grande do Sul, o crânio do animal que recebeu o nome de “matador dos pampas”.

Ele não era um leão, mas pesava mais do que um; não era um jacaré, mas tinha uma cabeça coberta por rugosidades parecidas; e não era um lobo, mas tinha grandes dentes caninos feitos para dilacerar suas presas. Era um bicho estranho, primordial e original. E viveu no Brasil – felizmente, para os seres humanos, sem deixar descendentes.

Nem réptil nem mamífero, não se sabe se amamentava as crias ou se colocava ovos. A certeza é que ele é uma das mais importantes descobertas paleontológicas dos últimos tempos no País. Seu nome científico é Pampaphoneus biccai – o “matador dos pampas” – e ele foi achado na fazenda de José Bicca, em São Gabriel (RS).

O estudo que descreve a nova espécie foi publicado ontem na versão on-line na revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS) por uma equipe internacional coordenada pelo salvadorenho radicado no Brasil Juan Carlos Cisneros, da Universidade Federal do Piauí, e Cesar Schultz, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O Pampaphoneus biccai é um terápsido, animal que antes se imaginava ser um “réptil mamaliforme”. Hoje, ele é visto como um parente distante dos mamíferos atuais.

Pelo Google – O fóssil foi achado graças à análise de imagens de satélite por meio do site Google Earth. Os pesquisadores procuraram regiões onde se encontrariam rochas do período Permiano (de 299 milhões a 260 milhões de anos atrás). “Em 2008 e 2009, visitamos 50 locais durante três meses no Rio Grande do Sul”, disse Cisneros à Folha. E deram sorte: em uma fazenda na formação do rio do Rasto, na bacia do Paraná, acharam um crânio em boas condições da nova espécie.

“A descoberta é importante por duas razões. Em primeiro lugar, é o primeiro achado de um carnívoro terrestre da Era Paleozoica na América do Sul”, afirma Cisneros. Ele se soma a achados prévios de herbívoros do período Permiano na região, como os pareiassauros e o anomodonte Tiarajudens eccentricus, e contribui para um melhor conhecimento dos ecossistemas durante esse período geológico, diz o artigo na “PNAS”.

O segundo motivo para destacar a pesquisa é que as características do animal sugerem que a nova espécie é parente dos dinocefálios carnívoros encontrados na Rússia e na África do Sul. Isso prova que as faunas terrestres do supercontinente Pangeia tinham uma distribuição global já durante o Permiano Médio. Em geral, explicam os pesquisadores, é aceito que as faunas terrestres tinham uma distribuição cosmopolita no Triássico, período posterior ao Permiano em que surgem os primeiros dinossauros. Mas a nova descoberta e os trabalhos anteriores com anfíbios primitivos mostram que essa distribuição cosmopolita era bem anterior. Os bichos antigos eram certamente peripatéticos.

Fonte: Folha de São Paulo


24 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Cientistas criam imagem 3D de aranha de 49 milhões de anos

Com ajuda de tecnologia, pesquisadores identificaram a espécie do aracnídeo.

Cientistas na Grã-Bretanha e na Alemanha criaram uma imagem tridimensional de um fóssil de uma aranha de 49 milhões de anos. Os especialistas da Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha, e de outros três centros de pesquisa alemães conseguiram recriar detalhes nítidos do fóssil do aracnídeo, que foi encontrado em um âmbar.

A tecnologia permitiu que eles identificassem a espécie da aranha, o que nem sempre é possível com as técnicas tradicionais.

“Normalmente quando o fóssil de uma aranha ou de outro inseto está preservado em âmbar, é muito difícil ver os seus detalhes com claridade suficiente para se identificá-lo”, disse à BBC o paleontólogo David Penney, da Universidade de Manchester.

“Usando microscópios tradicionais é possível identificar somente um de cada dez fósseis. Mas a nova tecnologia nos permite identificar praticamente qualquer espécime.”

O fóssil da aranha está preso em um âmbar encontrado em uma região do Báltico, no norte da Europa, uma zona que abrigou diversas florestas no passado e hoje é uma das principais fontes de resina vegetal fossilizada. O âmbar estava no Museu de História Natural de Berlim.

“Desenvolvemos uma técnica nova para aumentar o contraste entre o fóssil e a resina que o envolve, e isso melhora significativamente a resolução da imagem”, disse Penney.

O fóssil é de uma espécie de aranha caçadora do gênero Sparassidae. Espécies deste gênero ainda existem em regiões tropicais, como no sul da Europa. “Se a aranha fossilizada estivesse viva e a colocássemos junto a algumas espécies de aranhas caçadoras atuais, seria impossível distingui-las a olho nu”, disse o especialista.

Mudanças climáticas
Os cientistas dizem que as imagens em 3D de fósseis em âmbar podem ser uma ferramenta para ajudá-los a entender a história da Terra.

“Se formos estudar somente o fóssil de uma aranha, talvez não avancemos muito. Mas se examinarmos muitas e muitas aranhas, poderemos começar a montar o quebra-cabeça de como foi nosso planeta no passado”, disse o cientista à BBC.

“Há centenas – talvez cerca de 600 – diferentes espécies de aranha que estão presas em âmbar. Comparando estas espécies com as atuais, sabemos que o norte da Europa foi uma região tropical ou subtropical, ou seja, que passou por grandes mudanças em escala global.”

“Atualmente devido às mudanças climáticas, estamos em uma nova fase de alterações globais. Os estudos de fósseis poderiam nos ajudar a prever o que acontecerá no futuro.”

Além da Universidade de Manchester, participaram o Museu de Zoologia de Hamburgo, o Instituto de Investigações Senckenberg, de Frankfurt, e a Universidade de Humboldt, de Berlim. O estudo foi publicado na revista científica Naturwissenschaften.

Aranha 3D 1 (Foto: Cortesia Andrew McNeil / Universidade de Manchester)

Aranha em 3D teria 49 milhões de anos. (Foto: Cortesia Andrew McNeil / Universidade de Manchester)

Fonte: Da BBC


23 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Grupo acha “avô” de crocodilos terrestres no interior de MG

Ilustração mostra como seria crocodilo mineiro; mobilidade lembrava mais leões do que jacarés. (Rodolfo Nogueira/Divulgação)

Ilustração mostra como seria crocodilo mineiro; mobilidade lembrava mais leões do que jacarés. (Rodolfo Nogueira/Divulgação)

Medindo só 1,80 metro da ponta do focinho à extremidade da cauda, o Campinasuchus dinizi não se encaixa muito bem na definição de monstro pré-histórico. Mesmo assim, parece ter sido um excelente fundador de dinastia.

Isso porque, segundo seus descobridores, o bicho é o membro mais primitivo do grupo de crocodilos que dominou o interior do Brasil na Era dos Dinossauros.

Seus descendentes dobrariam de tamanho e virariam, ao que tudo indica, os predadores dominantes do inclemente semiárido que cobria São Paulo, Minas Gerais e outros Estados do país há dezenas de milhões de anos.

O bicho acaba de ser apresentado à comunidade científica em artigo na revista especializada “Zootaxa”. Mas se trata apenas do começo do trabalho. O sítio que permitiu a descoberta da espécie, em Campina Verde(MG), ainda está repleto de material.

“Parece que ali houve uma série de mortandades em massa ao longo do tempo”, diz Luiz Carlos Borges Ribeiro, pesquisador da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e um dos responsáveis por descrever o bicho.

SECAS AJUDARAM

Os cadáveres da espécie podem ter se acumulado durante secas prolongadas, quando os crocodilos teriam procurado os poucos corpos d’água que sobravam para se enterrar na lama. No caso dos exemplares encontrados, não deu muito certo.

“A densidade de material em Campina Verde é impressionante. Por enquanto todos são Campinasuchus, mas pode ser que haja outras espécies por lá”, avalia Borges. Apesar de terem procurado a lama na hora do aperto, os membros da espécie eram totalmente terrestres.

As patas, bem mais eretas que as de um crocodilo atual, davam grande mobilidade aos animais em terra firme, fazendo com que, em ação, eles lembrassem muito mais leões do que jacarés. Era nisso, aliás, que a equipe do Centro de Pesquisas Paleontológicas Price trabalhava quando recebeu a Folha.

Pouco a pouco, modelos detalhados do esqueleto do animal, feitos em espuma floral (normalmente usada em vasos), ajudavam a reconstruir a postura do bicho.

Os dados estão sendo passados para um programa de animação computacional 3D. A intenção dos cientistas é recriar em filme a descoberta, do achado dos ossos fossilizados a cenas em que o Campinasuchus “volta à vida”.

Fonte: Folha.com, Reinaldo José Lopes.


15 de abril de 2011 | nenhum comentário »

Velociraptors eram caçadores noturnos

Alguns dinossauros tinham olhos adaptados para a caça noturna, enquanto outros estavam mais aptos para atividades durante o dia, mostra um estudo que contesta a ideia de que os sáurios eram animais exclusivamente diurnos. A partir da análise dos registros fósseis de um osso que existe em pássaros e lagartos, chamado anel esclerótico, pesquisadores conseguiram comprovar que alguns dinossauros tinham a pupila mais aberta, própria para visão noturna. Esse anel circunda a íris, determinando a largura da pupila. O estudo desmente o conceito de que os dinossauros do Mesozóico, de 250 milhões a 65 milhões de anos atrás, tinham atividade exclusivamente diurna, deixando a noite para os pequenos mamíferos.

Durante seis anos e meio, pesquisadores da universidade da Califórnia mediram o osso ocular de 33 fósseis de dinossauros, pássaros ancestrais e pterossauros. O diâmetro de cada osso estudado variou de um a 10 centímetros, e revelou novos padrões do ecossistema.

De acordo com o estudo, pequenos carnívoros, como os velociraptors, eram caçadores noturnos. Grandes dinossauros herbívoros tinham atividades tanto durante o dia quanto durante a noite, provavelmente pelo fato de terem de comer grandes quantidades, o que levava muito tempo, com direito a “siestas” nas horas mais quentes do dia para evitar o superaquecimento do corpo. O mesmo acontece com grandes herbívoros contemporâneos, como os elefantes.

Pterossauros e aves pré-históricas eram mais ativas durante o dia. Os pesquisadores não puderam estudar grandes carnívoros, como o temido Tyrannosaurus rex, por não haver registro fóssil suficiente do anel escleral.

A variação nos padrões de atividade diária facilita a divisão do uso do habitat e de seus recursos entre as espécies. “Conseguimos reconstruir o ecossistema, agora que sabemos em que período cada dinossauro era mais ativo, e também começamos a entender melhor a interação deles”, disse ao iG Lars Schimitz, professor do departamento de Evolução e Ecologia da Universidade da Califórnia e autor do estudo publicado na edição desta semana do periódico científico Science.

Os pesquisadores também analisaram a estrutura em outras 164 espécies contemporâneas. Humanos não têm anel esclerótico. “Como sabemos os hábitos dos animais que vivem nos dias de hoje, pudemos comparar com a estrutura ocular a dos fósseis de dinossauros”, disse Schimitz.

“A descoberta foi uma surpresa, embora faça todo o sentido”, completou Ryosuke Montani, também autor do estudo.

Fonte: Portal iG


« Página anterior





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

maio 2017
S T Q Q S S D
« mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

26 de fevereiro de 2015 | nenhum comentário »

Cientistas descobrem primeiros mamíferos a subir em árvores e cavar buracos

“Sabemos que os mamíferos modernos são espetacularmente diversos, mas não se sabia se os mamíferos primitivos também eram”, afirma pesquisador

Cientistas descobriram fósseis do que podem ser os primeiros mamíferos a subir em árvores e cavar buracos. Eles habitavam a região onde hoje fica a China e são uma evidência de que, no período de maior êxito dos dinossauros sobre a Terra, os mamíferos se adaptaram ao ambiente. Segundo os autores do estudo, os cientistas não imaginavam que os mamíferos fossem tão desenvolvidos naquela época.

Os animais identificados são o Agilodocodon scansorius, arborícola mais antigo descoberto até agora, e o Docofossor brachydactylus, o mamífero subterrâneo mais antigo que se conhece. Realizada por pesquisadores da Universidade de Chicago e do Museu de História Natural de Pequim, a pesquisa foi publicada na quinta-feira na revista Science.

As duas novas espécies, que provêm de grupos extintos dos primeiros mamíferos, tinham características desenvolvidas milhões de anos antes do que era estimado pelos cientistas. Os animais descobertos nesta pesquisa são do Período Jurássico e viveram entre 170 e 145 milhões de anos atrás.

Características — Agilodocodon scansorius tinha cerca de 13 centímetros da cabeça até a cauda e pesava por volta de 27 gramas, como um pequeno roedor dos dias de hoje. Ele tinha aparência de um esquilo com focinho longo. Já o Docofossor brachydactylus se parecia com a toupeira dourada da África. Estima-se que ele media 7 centímetros, pesava 16 gramas e tinha dedos próprios para cavar. Ao contrário da maioria dos mamíferos, possuía apenas duas falanges (segmentos ósseos) nos dedos.

“Sabemos que os mamíferos modernos são espetacularmente diversos, mas não se sabia se os primitivos também eram”, explicou o líder da pesquisa, Zhe-Xi Luo, professor da Universidade de Chicago. Os novos fósseis “ajudam a demonstrar que os primeiros mamíferos também tiveram uma ampla diversidade ecológica”, completa.

Reconstituição do estilo de vida e habitat do ‘Agilodocodon’ (no topo à esquerda) e do ‘Docofossor’ (abaixo, à direita)

Reconstituição do estilo de vida e habitat do ‘Agilodocodon’ (no topo à esquerda) e do ‘Docofossor’ (abaixo, à direita) (April I. Neander, the University of Chicago/VEJA.com)

Fonte: Veja Ciência


11 de julho de 2012 | nenhum comentário »

Todos os dinossauros carnívoros tinham penas, diz estudo

Fóssil encontrado na Alemanha está mais próximo da base da evolução dos predadores e mais distante daquela que originou as aves, e mesmo assim era coberto de penas

Um fóssil extremamente bem preservado (como pode se perceber na foto acima) encontrado na Alemanha pode mudar tudo o que sabemos sobre os dinossauros carnívoros predadores, como os Tiranossauros. O fóssil foi apresentado nesta segunda-feira em um estudo publicado no periódico científico PNAS (Proceedings of National Academy of Sciences) e a partir dele pesquisadores alemães sugerem mudanças profundas no modo como acreditamos ser o aspecto dos grandes predadores do Jurássico, período de 199 a 145 milhões de anos atrás, no qual os dinossauros dominaram o planeta.

“Todos os dinossauros predadores tinham penas”, afirma categoricamente Oliver Rauhut, coautor do estudo e paleontólogo do Museu de Paleontologia e Geologia do Estado da Baviera. “Não seria nenhuma surpresa descobrir que as penas estavam presentes em todos os ancestrais dos dinossauros”, disse Mark Norell, co-autor do estudo e presidente da Divisão de Paleontologia do Museu Americano de História Natural, instituição que ajudou a financiar a pesquisa.

Já se sabe que ‘primos’ dos dinossauros, como os pterossauros, tinham estruturas parecidas com pelos cobrindo o corpo. Já os celurossauros, dinossauros terópodos que viveram em quase todos os continentes, na metade final do período Jurássico, tinham penas multicoloridas.

É aqui que entra em cena o fóssil descoberto pelos alemães, um jovem megalossauro batizadoSciurumimus albersdoerferi. Foi encontrado com as mandíbulas abertas e o rabo estendido acima da cabeça em uma laje de calcário em uma pedreira da Baviera, na mesma região da Alemanha onde, há 150 anos, outra amostra de um dino com penas havia sido descoberta, oArchaeopteryx lithographica.

Sciurumimus ganhou o nome em homenagem ao esquilo (que pertence ao gênero Sciurus) em função de sua cauda. O dinossauro tinha o crânio grande, patas traseiras curtas, a pele lisa e — esta é a descoberta mais importante do estudo — estava coberto de penas. A estimativa é de que ele tenha vivido há 150 milhões de anos, no período Jurássico.

Mas o Sciurumimus, mesmo cheio de penas, foi identificado como um megalossauro, mais próximo da base da linha evolutiva dos terópodos do que dos celurossauros. E isso pode mudar a percepção da aparência de tiranossauros e megalossauros, tidos até hoje (inclusive em filmes como Jurassic Park) como grandes lagartos ou parecidos com grandes crocodilos no que se refere à pele.

“Tudo o que encontramos nesses dias nos mostram o quão antiga são as características dos pássaros modernos na linha evolutiva e como esses animais eram parecidos com pássaros”, disse Mark Norell. As aves modernas são consideradas descendentes diretos dos celurossauros.

Fósseis completos como o do Sciurumimus são extremamente raros, ainda mais sendo provavelmente de um recém-nascido. Segundo os pesquisadores, esta espécie deveria se alimentar de pequenas presas e insetos. Mas o tamanho reduzido do fóssil não quer dizer que ele fosse um pequeno dinossauro carnívoro. “Sabemos, a partir de outras descobertas, que os dinossauros podiam ter um ritmo de crescimento lento”, disse Rauhut. “O Sciurumimus adulto podia chegar a quase dois metros de comprimento. Os grandes predadores podiam ser cheios de penas, mas isso não muda o fato de que estavam no topo da pirâmide alimentar.”

Fóssil do Sciurumimus

Descoberta: Fóssil de dinossauro com penas, o Sciurumimus, encontrado em uma laje de calcário no Sul da Alemanha (Divulgação/Museu Americano de História Natural)

Saiba mais

DIAPSIDA
Grupo de tetrápodes (vertebrados de quatro membros: répteis, aves e mamíferos são os maiores grupos). O grupo diapsida reúne todos os répteis, com exceção das tartarugas, cágados e jabutis.

ARCOSSAUROS
Grupo surgido por volta de 240 milhões de anos atrás, no período Triássico. No grupo estão os dinossauros,pterossauros, os atuais crocodilos e jacarés e as aves (que são considerados descendentes diretos dos dinossauros, portanto, são répteis também).

DINOSSAUROS
Grupo de répteis gigantes extintos que surgiu por volta de 225 milhões de anos atrás e viveu até cerca de 65 milhões de anos atrás, quando todos os dinossauros não avianos (ou seja, exceto as aves) foram extintos. Apresentavam pernas dispostas como colunas abaixo do corpo (e não voltadas para os lados, como nos jacarés). Os dinossauros são descendentes do grupo archosauria e podem ser reunidos em dois grandes ramos: saurísquios e ornitísquios (tão diferentes quanto os mamíferos marsupiais e os placentários entre eles). Apesar de seus fósseis serem conhecidos há milhares de anos (a lenda dos dragões veio daí), o termo dinossauro (deinos=terrível saurus=lagarto) só foi criado em 1842, pelo primeiro curador do Museu de História Natural de Londres, Richard Owen.

ORNITÍSQUIOS
O nome do grupo significa ‘cintura de ave’, embora as aves tenham se originado de outra linhagem dos dinossauros. Eram tanto quadrúpedes (como o Triceratops e o Stegosaurus) quanto bípedes (Lesothosaurus).

SAURÍSQUIOS
Grande grupo de dinossauros herbívoros caracterizados pelo pela pata anterior alongada e pelo pescoço comprido, muitas vezes com o leve formato de ‘S’. Fazem parte do grupo dos saurísquios os gigantescos saurópodes (os dinossauros que apareciam usados como guindastes no desenho animado Flintstones) e terápodes. Os dinossauros mais antigos são saurísquios e foram encontrados na América do Sul.

PTEROSSAURO
Répteis voadores enormes, que viveram na mesma época dos dinossauros. Alguns chegaram a ter 20 metros de envergadura de uma asa à outra. Nenhum outro animal voador foi tão grande.

TERÓPODOS
Os terápodos eram todos predadores carnívoros bípedes, e tinham aqueles ‘bracinhos’ característicos dos Tiranossauros, e, geralmente, garras e dentes afiados. Apesar do tiranossauro estar extinto, tecnicamente os terápodos ainda existem, já que as aves são descendentes de pequenos terópodos, como o Archaeopteryx, um pequeno dinossauro emplumado do tamanho de um pombo. “Acredite: o beija-flor é um dinossauro terápode tanto quanto um Tiranossauro rex”, afirma o paleontólogo Luiz Eduardo Anelli em seu livro O Guia Completo dos Dinossauros do Brasil.

MEGALOSSAURO
Grandes predadores terópodos que abatiam saurópodes e até o Stegosaurus. Viviam na região onde hoje fica a Europa e a América do Norte.

CELUROSSAURO
Os celurossauros reúnem os terópodos mais aparentados com as aves. Todos tinham várias semelhanças morfológicas com as aves.

MANIRAPTORA
Grupo dos celurossauros dos quais, acredita-se, evoluíram diretamente as aves, por volta de 150 milhões de anos atrás, no período Jurássico. Faziam parte do grupo dinossauros predadores carnívoros como o Velociraptor (aparecem no filme Jurassic Park em várias cenas, como na que perseguem as crianças na cozinha do parque). Tecnicamente as aves são do grupo maniraptora.

 

Fontes: Veja Ciência, O Guia Completo dos Dinossauros do Brasil, Luiz Eduardo Anelli, The Princeton Field Guide To Dinosaurs, University of California Museum of Paleontology


29 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Animal mais antigo viveu 30 milhões de anos antes do previsto, diz estudo

Canadenses acharam rastros de ‘lesma’ de 585 milhões de anos no Uruguai.
Bicho mais antigo do mundo até agora havia sido encontrado na Rússia.

Pesquisadores da Universidade de Alberta, no Canadá, descobriram no Uruguai uma prova física de que animais existiram há 585 milhões de anos, 30 milhões de anos antes que as evidências científicas mostravam até agora. Os resultados do estudo estão publicados na edição da revista “Science” desta quinta-feira (28).

Até então, o fóssil mais antigo do mundo tinha 555 milhões de anos e havia sido localizado na Rússia.

O achado foi por geólogos da equipe de Ernesto Pecoits e Natalie Aubet, que encontraram trilhas fossilizadas de um animal semelhante a uma lesma, com cerca de 1 centímetro de comprimento. O rastro foi deixado em um terreno sedimentar com lodo.

A equipe chegou à conclusão de que as trilhas foram feitas por um bicho primitivo bilateral, que se diferencia de outras formas de vida simples por ter uma simetria superior diferente da parte inferior, além de um conjunto único de “pegadas”.

Os pesquisadores dizem que as faixas fossilizadas indicam que a musculatura desse animal mole lhe permitia mover-se pelo solo raso do oceano. O padrão de movimento da “lesma” indica uma adaptação evolutiva para buscar comida – o material orgânico do sedimento.

A idade precisa dos rastros foi calculada pela datação de uma rocha vulcânica que se “intrometeu” na rocha sedimentar onde os caminhos foram achados. O processo incluiu um retorno ao Uruguai para coletar mais amostras da rocha fossilizada e várias sessões de análise por um método chamado espectrometria de massa, que identifica diferentes átomos presentes em uma mesma substância.

Ao todo, os autores do estudo levaram mais de dois anos para ficarem satisfeitos com a precisão da idade de 585 milhões de anos.

Segundo o paleontógo Murray Gingras, da mesma equipe, é comum que animais de corpo mole desapareçam, mas suas trilhas virem fósseis. O geomicrobiólogo Kurt Konhauser diz que a descoberta abre novas questões sobre a evolução desses animais – como foram capazes de se mover e procurar alimento – e as condições ambientais envolvidas. Além desses pesquisadores, o trabalho contou com a participação de Larry Heaman e Richard Stern.

Rastro lesma science (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Rastros de animal são comparados ao tamanho de uma moeda canadense, para dar a dimensão do tamanho das 'pegadas' deixadas por 'lesma' primitiva (Foto: Richard Siemens/Universidade de Alberta)

Fonte: Globo Natureza


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, sugere estudo

Fóssil descoberto em Mianmar ajuda a resolver o mistério de quando ocorreu a migração dos primeiros símios para o continente africano

Os antigos primatas colonizaram a África há 37 milhões de anos, vindos da Ásia. A descoberta representa um avanço importante para entender a evolução dos seres humanos e de outros primatas. O estudo foi publicado nesta segunda-feira no periódico americano PNAS.

Por décadas os cientistas pensaram que os antepassados dos humanos surgiram na África. Uma série de descobertas nos últimos anos, porém, atestam que os primeiros símios vieram da Ásia e posteriormente colonizaram o continente africano. Contudo, os paleontólogos ainda não conseguiram decidir como e quando isso aconteceu. Agora, parece que há uma resposta para pelo menos uma das perguntas.

A mais recente descoberta que dá suporte à teoria de que os primeiros símios vieram da Ásia é o fóssil Afrasia djijidae, encontrado em Mianmar por pesquisadores Museu de História Natural de Carnegie, dos Estados Unidos. É sobre esse fóssil o estudo publicado no PNAS. O que torna o achado asiático de 37 milhões de anos digno de nota é sua similaridade com outro, encontrado recentemente no Deserto do Saara, na África.

Questão de tempo - Os dentes doAfrasia são muito parecidos com os doAfrotarsius libycus, um fóssil norte-africano que data da mesma época do asiático. Por sua estrutura complexa, os dentes de mamíferos são usados como ‘impressões digitais’ para reconstruir relações de parentesco entre espécies extintas e modernas.

A grande similaridade entre os dois fósseis, um da África e outro da Ásia, tem muito a dizer sobre quando a colonização do continente africano ocorreu. Os cientistas acreditam que ela aconteceu pouco antes da data em que viveu o animal que deu origem ao fóssil asiático, ou seja, há 37 milhões de anos.

Se os símios asiáticos tivessem chegado ao Norte da África antes, teria havido mais tempo para a diversificação entre o Afrasia e o Afrotarsius. “Por muito tempo pensávamos que o registro de fósseis da África era ruim”, disse Jean-Jacques Jaeger, chefe da pesquisa. “O fato de que símios semelhantes viveram ao mesmo tempo na Líbia e em Mianmar sugere que eles não chegaram à África até pouco antes do fóssil que encontramos no norte africano.”

Agora, os paleontólogos tem uma forte indicação de quando a colonização do continente africano ocorreu. Falta saber como. A viagem provavelmente foi muito dura. Naquela época, uma versão maior do Mar Mediterrâneo, chamada Mar de Tétis, separava a África e a Eurásia. A descoberta do Afrasia não resolve a questão da rota nem de como ocorreu a colonização, mas pelo menos crava um ponto de partida na linha do tempo da evolução dos antigos primatas na África.

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana

Reconstrução do 'Afrotarsius libycus', espécie que viveu há mais de 37 milhões de anos no Norte da África e que é muito parecida com o 'Afrasia djijidae', um fóssil encontrado na Ásia com praticamente a mesma idade. As semelhanças indicam que a colonização da África ocorreu há 37 milhões de anos, informação que faltava aos paleontólogos que reconstroem a linha do tempo da evolução humana (Mark A. Klingler/Carnegie Museum of Natural History)

Fonte: Veja Ciência


5 de junho de 2012 | nenhum comentário »

Evolução dos pássaros encerrou era dos insetos gigantes, diz estudo

Corpo menor ajudou insetos a fugir de pássaros predadores.
Maior inseto chegou a ter 70 centímetros há 300 milhões de anos.

Um novo estudo da Universidade da Califórnia sugere que a evolução dos pássaros foi determinante para o fim da era dos insetos gigantes na Terra. Segundo os cientistas, a época em que as aves começaram a estabelecer seu lugar nos céus é a mesma na qual os insetos grandalhões perderam espaço, há 150 milhões de anos. A pesquisa foi divulgada nesta semana na edição online da revista científica “PNAS”, da Academia Americana de Ciências.

Insetos gigantes viveram nos céus pré-históricos em uma época em que a atmosfera da Terra era rica em oxigênio. Pesquisas anteriores já tinham sugerido que o tamanho dos insetos tinha relação com altas concentrações de oxigênio – cerca de 30%, comparada aos atuais 21%, em média.

Há 300 milhões de anos, os insetos gigantes chegaram ao maior tamanho já documentado: 70 centímetros.

Mas à medida que os pássaros surgiram, os insetos se tornaram menores mesmo com o aumento de oxigênio na atmosfera, diz a pesquisa.

Segundo o autor do estudo, Matthew Clapham, professor de Terra e Ciências Planetárias da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, com os pássaros predatórios na ‘cola’, necessidade de ter mais mobilidade foi a base da evolução do voo desses insetos, favorecendo o tamanho mais reduzido do corpo.

A equipe da Clapham comparou o tamanho das asas de mais de 10.500 fósseis de insetos com níveis de oxigênio do planeta em centenas de milhares de anos.

O pesquisador enfatiza, no entanto, que o estudo focou as mudanças a partir dos maiores insetos já conhecidos.

“Em torno do final do período Jurássico e início do Cretáceo, cerca de 150 milhões de anos atrás, de repente o nível de oxigênio sobe, mas o tamanho do inseto diminui. E isso coincide de forma impressionante com a evolução dos pássaros”, diz Clapham.

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fóssil de insetos gigantes pré-históricos (Foto: Wolfgang Zessin/UCSC/Divulgação)

Fonte: G1


15 de março de 2012 | nenhum comentário »

Roedores mamíferos podem ter convivido com dinossauros

Eles apareceram nos últimos 20 milhões de anos do reinado dos dinos.
Com dentição complexa, animais deveriam se alimentar de vegetais.

Multituberculado teria vivido durante período Mesozoico e convivido com dinossauros. (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Multituberculado teria vivido convivido com dinossauros (Foto: Divulgação / Jude Swales)

Os cientistas acreditavam que, durante a era Mesozoica, os mamíferos eram criaturas pequenas que viviam à sombra de outras. No entanto, agora, eles dizem que pelo menos um grupo de mamíferos conseguiu prosperar.

Criaturas semelhantes a roedores, chamados multituberculados, apareceram nos últimos 20 milhões de anos de reinado dos dinossauros e sobreviveram após a extinção destes, há 66 milhões de anos.

O novo estudo de um paleontólogo da Universidade de Washington indica que os chamados multituberculados conseguiram sobreviver tão bem porque desenvolveram diversos tubérculos (protuberâncias ou cúspides) nos dentes posteriores, o que permitiu que se alimentassem de angiospermas, plantas com flores que estavam se tornando um elemento comum na paisagem.

“Esses mamíferos eram capazes de proliferar em termos de número de espécies, tamanho do corpo e formato de seus dentes, características que influenciaram o que comiam”, disse Gregory P. Wilson, professor assistente de biologia da Universidade de Washington.

Ele é o principal autor da pesquisa, publicada nesta quarta-feira (14), em uma edição on-line da revista científica “Nature”.

Características
Cerca de 170 milhões de anos atrás, os multituberculados tinham o tamanho aproximado de um rato. As angiospermas começaram a aparecer há aproximadamente 140 milhões e, depois disso, o tamanho dos pequenos mamíferos aumentou, chegando ao de um castor.

Após a extinção dos dinossauros, os multituberculados continuaram a se destacar até que os outros mamíferos – em grande parte primatas, ungulados e roedores – ganharam uma vantagem competitiva. Isso acabou levando, enfim, ao desaparecimento dos multitubeculados, cerca de 34 milhões de anos atrás.

Os cientistas examinaram os dentes de 41 espécies de multituberculados preservados em fósseis coletados ao redor do mundo a fim de determinar para que direção as manchas presentes nas superfícies dentárias apontavam.

Carnívoros têm dentes relativamente simples, com talvez 110 manchas por arcada, pois seu alimento se despedaça facilmente, explicou Wilson. Mas animais que dependem mais de vegetais para a sobrevivência têm uma dentição um pouco mais afetada porque sua comida é dilacerada com os dentes.

Em alguns multituberculados, dentes em formato de lâmina situados na parte da frente da boca se tornaram menos proeminentes com o tempo e os dentes de trás se tornaram mais complexos, com 348 manchas por arcada, um indício de mastigação de alimento vegetal.

Fonte: France Presse

 


18 de janeiro de 2012 | nenhum comentário »

Carnívoro anterior aos dinossauros é achado no Brasil

Cientistas encontraram, no Rio Grande do Sul, o crânio do animal que recebeu o nome de “matador dos pampas”.

Ele não era um leão, mas pesava mais do que um; não era um jacaré, mas tinha uma cabeça coberta por rugosidades parecidas; e não era um lobo, mas tinha grandes dentes caninos feitos para dilacerar suas presas. Era um bicho estranho, primordial e original. E viveu no Brasil – felizmente, para os seres humanos, sem deixar descendentes.

Nem réptil nem mamífero, não se sabe se amamentava as crias ou se colocava ovos. A certeza é que ele é uma das mais importantes descobertas paleontológicas dos últimos tempos no País. Seu nome científico é Pampaphoneus biccai – o “matador dos pampas” – e ele foi achado na fazenda de José Bicca, em São Gabriel (RS).

O estudo que descreve a nova espécie foi publicado ontem na versão on-line na revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS) por uma equipe internacional coordenada pelo salvadorenho radicado no Brasil Juan Carlos Cisneros, da Universidade Federal do Piauí, e Cesar Schultz, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O Pampaphoneus biccai é um terápsido, animal que antes se imaginava ser um “réptil mamaliforme”. Hoje, ele é visto como um parente distante dos mamíferos atuais.

Pelo Google – O fóssil foi achado graças à análise de imagens de satélite por meio do site Google Earth. Os pesquisadores procuraram regiões onde se encontrariam rochas do período Permiano (de 299 milhões a 260 milhões de anos atrás). “Em 2008 e 2009, visitamos 50 locais durante três meses no Rio Grande do Sul”, disse Cisneros à Folha. E deram sorte: em uma fazenda na formação do rio do Rasto, na bacia do Paraná, acharam um crânio em boas condições da nova espécie.

“A descoberta é importante por duas razões. Em primeiro lugar, é o primeiro achado de um carnívoro terrestre da Era Paleozoica na América do Sul”, afirma Cisneros. Ele se soma a achados prévios de herbívoros do período Permiano na região, como os pareiassauros e o anomodonte Tiarajudens eccentricus, e contribui para um melhor conhecimento dos ecossistemas durante esse período geológico, diz o artigo na “PNAS”.

O segundo motivo para destacar a pesquisa é que as características do animal sugerem que a nova espécie é parente dos dinocefálios carnívoros encontrados na Rússia e na África do Sul. Isso prova que as faunas terrestres do supercontinente Pangeia tinham uma distribuição global já durante o Permiano Médio. Em geral, explicam os pesquisadores, é aceito que as faunas terrestres tinham uma distribuição cosmopolita no Triássico, período posterior ao Permiano em que surgem os primeiros dinossauros. Mas a nova descoberta e os trabalhos anteriores com anfíbios primitivos mostram que essa distribuição cosmopolita era bem anterior. Os bichos antigos eram certamente peripatéticos.

Fonte: Folha de São Paulo


24 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Cientistas criam imagem 3D de aranha de 49 milhões de anos

Com ajuda de tecnologia, pesquisadores identificaram a espécie do aracnídeo.

Cientistas na Grã-Bretanha e na Alemanha criaram uma imagem tridimensional de um fóssil de uma aranha de 49 milhões de anos. Os especialistas da Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha, e de outros três centros de pesquisa alemães conseguiram recriar detalhes nítidos do fóssil do aracnídeo, que foi encontrado em um âmbar.

A tecnologia permitiu que eles identificassem a espécie da aranha, o que nem sempre é possível com as técnicas tradicionais.

“Normalmente quando o fóssil de uma aranha ou de outro inseto está preservado em âmbar, é muito difícil ver os seus detalhes com claridade suficiente para se identificá-lo”, disse à BBC o paleontólogo David Penney, da Universidade de Manchester.

“Usando microscópios tradicionais é possível identificar somente um de cada dez fósseis. Mas a nova tecnologia nos permite identificar praticamente qualquer espécime.”

O fóssil da aranha está preso em um âmbar encontrado em uma região do Báltico, no norte da Europa, uma zona que abrigou diversas florestas no passado e hoje é uma das principais fontes de resina vegetal fossilizada. O âmbar estava no Museu de História Natural de Berlim.

“Desenvolvemos uma técnica nova para aumentar o contraste entre o fóssil e a resina que o envolve, e isso melhora significativamente a resolução da imagem”, disse Penney.

O fóssil é de uma espécie de aranha caçadora do gênero Sparassidae. Espécies deste gênero ainda existem em regiões tropicais, como no sul da Europa. “Se a aranha fossilizada estivesse viva e a colocássemos junto a algumas espécies de aranhas caçadoras atuais, seria impossível distingui-las a olho nu”, disse o especialista.

Mudanças climáticas
Os cientistas dizem que as imagens em 3D de fósseis em âmbar podem ser uma ferramenta para ajudá-los a entender a história da Terra.

“Se formos estudar somente o fóssil de uma aranha, talvez não avancemos muito. Mas se examinarmos muitas e muitas aranhas, poderemos começar a montar o quebra-cabeça de como foi nosso planeta no passado”, disse o cientista à BBC.

“Há centenas – talvez cerca de 600 – diferentes espécies de aranha que estão presas em âmbar. Comparando estas espécies com as atuais, sabemos que o norte da Europa foi uma região tropical ou subtropical, ou seja, que passou por grandes mudanças em escala global.”

“Atualmente devido às mudanças climáticas, estamos em uma nova fase de alterações globais. Os estudos de fósseis poderiam nos ajudar a prever o que acontecerá no futuro.”

Além da Universidade de Manchester, participaram o Museu de Zoologia de Hamburgo, o Instituto de Investigações Senckenberg, de Frankfurt, e a Universidade de Humboldt, de Berlim. O estudo foi publicado na revista científica Naturwissenschaften.

Aranha 3D 1 (Foto: Cortesia Andrew McNeil / Universidade de Manchester)

Aranha em 3D teria 49 milhões de anos. (Foto: Cortesia Andrew McNeil / Universidade de Manchester)

Fonte: Da BBC


23 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Grupo acha “avô” de crocodilos terrestres no interior de MG

Ilustração mostra como seria crocodilo mineiro; mobilidade lembrava mais leões do que jacarés. (Rodolfo Nogueira/Divulgação)

Ilustração mostra como seria crocodilo mineiro; mobilidade lembrava mais leões do que jacarés. (Rodolfo Nogueira/Divulgação)

Medindo só 1,80 metro da ponta do focinho à extremidade da cauda, o Campinasuchus dinizi não se encaixa muito bem na definição de monstro pré-histórico. Mesmo assim, parece ter sido um excelente fundador de dinastia.

Isso porque, segundo seus descobridores, o bicho é o membro mais primitivo do grupo de crocodilos que dominou o interior do Brasil na Era dos Dinossauros.

Seus descendentes dobrariam de tamanho e virariam, ao que tudo indica, os predadores dominantes do inclemente semiárido que cobria São Paulo, Minas Gerais e outros Estados do país há dezenas de milhões de anos.

O bicho acaba de ser apresentado à comunidade científica em artigo na revista especializada “Zootaxa”. Mas se trata apenas do começo do trabalho. O sítio que permitiu a descoberta da espécie, em Campina Verde(MG), ainda está repleto de material.

“Parece que ali houve uma série de mortandades em massa ao longo do tempo”, diz Luiz Carlos Borges Ribeiro, pesquisador da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e um dos responsáveis por descrever o bicho.

SECAS AJUDARAM

Os cadáveres da espécie podem ter se acumulado durante secas prolongadas, quando os crocodilos teriam procurado os poucos corpos d’água que sobravam para se enterrar na lama. No caso dos exemplares encontrados, não deu muito certo.

“A densidade de material em Campina Verde é impressionante. Por enquanto todos são Campinasuchus, mas pode ser que haja outras espécies por lá”, avalia Borges. Apesar de terem procurado a lama na hora do aperto, os membros da espécie eram totalmente terrestres.

As patas, bem mais eretas que as de um crocodilo atual, davam grande mobilidade aos animais em terra firme, fazendo com que, em ação, eles lembrassem muito mais leões do que jacarés. Era nisso, aliás, que a equipe do Centro de Pesquisas Paleontológicas Price trabalhava quando recebeu a Folha.

Pouco a pouco, modelos detalhados do esqueleto do animal, feitos em espuma floral (normalmente usada em vasos), ajudavam a reconstruir a postura do bicho.

Os dados estão sendo passados para um programa de animação computacional 3D. A intenção dos cientistas é recriar em filme a descoberta, do achado dos ossos fossilizados a cenas em que o Campinasuchus “volta à vida”.

Fonte: Folha.com, Reinaldo José Lopes.


15 de abril de 2011 | nenhum comentário »

Velociraptors eram caçadores noturnos

Alguns dinossauros tinham olhos adaptados para a caça noturna, enquanto outros estavam mais aptos para atividades durante o dia, mostra um estudo que contesta a ideia de que os sáurios eram animais exclusivamente diurnos. A partir da análise dos registros fósseis de um osso que existe em pássaros e lagartos, chamado anel esclerótico, pesquisadores conseguiram comprovar que alguns dinossauros tinham a pupila mais aberta, própria para visão noturna. Esse anel circunda a íris, determinando a largura da pupila. O estudo desmente o conceito de que os dinossauros do Mesozóico, de 250 milhões a 65 milhões de anos atrás, tinham atividade exclusivamente diurna, deixando a noite para os pequenos mamíferos.

Durante seis anos e meio, pesquisadores da universidade da Califórnia mediram o osso ocular de 33 fósseis de dinossauros, pássaros ancestrais e pterossauros. O diâmetro de cada osso estudado variou de um a 10 centímetros, e revelou novos padrões do ecossistema.

De acordo com o estudo, pequenos carnívoros, como os velociraptors, eram caçadores noturnos. Grandes dinossauros herbívoros tinham atividades tanto durante o dia quanto durante a noite, provavelmente pelo fato de terem de comer grandes quantidades, o que levava muito tempo, com direito a “siestas” nas horas mais quentes do dia para evitar o superaquecimento do corpo. O mesmo acontece com grandes herbívoros contemporâneos, como os elefantes.

Pterossauros e aves pré-históricas eram mais ativas durante o dia. Os pesquisadores não puderam estudar grandes carnívoros, como o temido Tyrannosaurus rex, por não haver registro fóssil suficiente do anel escleral.

A variação nos padrões de atividade diária facilita a divisão do uso do habitat e de seus recursos entre as espécies. “Conseguimos reconstruir o ecossistema, agora que sabemos em que período cada dinossauro era mais ativo, e também começamos a entender melhor a interação deles”, disse ao iG Lars Schimitz, professor do departamento de Evolução e Ecologia da Universidade da Califórnia e autor do estudo publicado na edição desta semana do periódico científico Science.

Os pesquisadores também analisaram a estrutura em outras 164 espécies contemporâneas. Humanos não têm anel esclerótico. “Como sabemos os hábitos dos animais que vivem nos dias de hoje, pudemos comparar com a estrutura ocular a dos fósseis de dinossauros”, disse Schimitz.

“A descoberta foi uma surpresa, embora faça todo o sentido”, completou Ryosuke Montani, também autor do estudo.

Fonte: Portal iG


« Página anterior