26 de setembro de 2012 | nenhum comentário »

Brasileiros vão decifrar genomas do papagaio e do sabiá-laranjeira

Não é todo dia que uma imagem de Zé Carioca ilustra uma apresentação sobre genômica, mas o malandro arquetípico da Disney tinha um bom motivo para figurar no Powerpoint de Francisco Prosdocimi, da UFMG (Universidade Federal de Minas): o tema era o genoma “dele”.

Ou melhor, o do papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva), que está entre as espécies mais comuns do bicho em cativeiro. O objetivo de Prosdocimi e seus colegas é vasculhar o DNA da ave em busca de pistas que ajudem a explicar sua proverbial tagarelice.

Para atingir esse objetivo, o papagaio-verdadeiro não é o único alvo. O grupo de cientistas, batizado de Sisbioaves, pretende sequenciar (grosso modo, “soletrar”) o genoma de outras espécies tipicamente brasileiras, como o sabiá-laranjeira e o bem-te-vi.

Em comum, esses bichos possuem o chamado aprendizado vocal -a capacidade, similar à dos seres humanos, de aprender padrões de vocalização ao longo da vida.

Detalhes sobre o projeto foram apresentados durante o 58º Congresso Brasileiro de Genética, em Foz do Iguaçu.

“A gente sabe que o aprendizado vocal é polifilético [ou seja, evoluiu mais de uma vez em linhagens sem parentesco próximo]“, explica Claudio Mello, brasileiro que trabalha na Universidade de Saúde e Ciência do Oregon (Estados Unidos).

“Portanto, se a gente encontrar genes relevantes para esse comportamento que são compartilhados entre os vários grupos de aves e os humanos, provavelmente isso quer dizer que eles representam a base do aprendizado vocal”, diz Mello.

Na maioria das aves, afirma Mello, existe o chamado período crítico de aprendizado — uma fase da “infância” do bicho na qual ele precisa ser exposto ao canto de outro animal para que ele aprenda a cantar de forma apropriada, coisa que também se verifica no caso da fala humana. Já os papagaios parecem ser mais versáteis, sendo capazes de aprender a imitar sons humanos em praticamente qualquer fase de sua vida.

A estimativa de Prosdocimi e de sua colega Maria Paula Schneider, da UFPA (Universidade Federal do Pará), é que a leitura dos genomas do papagaio e do sabiá-laranjeira esteja concluída em meados do ano que vem.

Segundo o pesquisador da UFMG, que é bioinformata (especialista na análise computacional de dados biológicos), espera-se que os bichos tenham genomas relativamente compactos, com menos da metade do tamanho do genoma humano.

Os pesquisadores ainda não encontraram, nos papagaios, o equivalente ao gene FOXP2, hoje um dos grandes candidatos a influenciar a capacidade humana para a fala. Mas não é só o lado vocal que interessa aos cientistas.

Prosdocimi destaca que os papagaios são inteligentes de modo geral. E vivem muito, passando dos 70 anos, o que traria pistas sobre as bases genéticas da longevidade.

Editoria de Arte/Folhapress

Fonte: Folha.com


14 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

IPEVS realiza atendimento de aves apreendidas no Norte do Paraná

A Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes, realizou dia 27/09, uma abordagem a um veículo de Querência do Norte / PR, conduzido por Marcelo Ribeiro Brito, de 37 anos.   No veículo foram encontrados 90 pássaros silvestres da espécie papagaio, escondidos em caixas de papelão.

Os policias efetuaram a prisão do acusado e acionaram o IAP (Instituto Ambiental do Paraná), escritório Cornélio Procópio para resgatar os animais.

Em depoimento Marcelo afirmou que as aves seriam levadas para Santos no litoral do Estado de São Paulo e que também receberia o valor de mil e quinhentos reais para o transporte. O mesmo foi preso em flagrante e liberado logo em seguida após efetuar o pagamento de fiança. Foi autuado por  tráfico de animais e multado pelo órgão competente em noventa mil reais.

De acordo com o IAP, as aves serão posteriormente encaminhadas para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) na cidade de Tijuca do Sul, área de responsabilidade da Universidade Católica de Curitiba.

Aves apreendidas pela Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes. (Foto: IPEVS)

 

O IPEVS, que atua como parceiro do IAP, esteve na sede do escritório regional de Cornélio Procópio após apreensão de 90 papagaios realizada pela Polícia Estadual de Bandeirantes na última terça-feira (27/09).

As aves apresentavam diferentes estágios de crescimento e encontravam-se amontoados em caixas de papelão em péssimas condições e sem receber alimentação.

Aves apresentavam diferentes estágios de crescimento. (Foto: IPEVS)

A equipe do IPEVS foi chamada no local para identificação, atendimento e alimentação das aves. Segundo Rafael Haddad, as aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. A espécie tem ocorrência em nossa região, mas há vários anos não são mais avistados bandos desta espécie por aqui.

 

As aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. (Foto: IPEVS)

 

Durante os exames clínicos Haddad relatou que os animais demonstravam-se desidratados, fracos e famintos, alguns apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. Em laudo emitido pelo médico veterinário, Rafael ressalta as condições de transporte precárias, e que a distância percorrida informada pelo infrator comprova que os animais foram mantidos por várias horas dentro do porta-malas do veículo sob o calor provocado pelo sol intenso (condição climática apresentada durante todo o dia), fato este que agravou a condição dos filhotes.

Alguns animais apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. (Foto IPEVS)

 

Parte das aves será encaminhada para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) em Tijuca do Sul – PR, e o restante continuará na Mata São Francisco, local onde os animais foram encaminhados após apreensão, recebendo atendimento e tratamento adequado pelo IPEVS e IAP para fazerem parte de um programa de reintrodução local.

 

Fonte: Ascom IPEVS

 


5 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Filhotes de pássaros atraem mais de cem voluntários ao Ibama no Recife

Uma apreensão de 517 filhotes de papagaios, papagaios-galegos e maritacas que ocorreu na última semana em Pernambuco tem movimentado a sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), de Recife.

A pouca quantidade de funcionários no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) para cuidar dos espécimes, que recebem alimentação pelo menos três vezes ao dia e precisam ser observados constantemente, chamou a atenção de mais de uma centena de voluntários, que passaram a frequentar diariamente o local.

Os filhotes, encontrados na caçamba de um caminhão na região de Juazeiro, seriam comercializados ilegalmente em Petrolina e em Recife. Eles estavam em gaiolas, em más condições, e precisavam ser socorridos com urgência para que não morressem.

 

Com apenas três funcionários, o Cetas teve que pedir ajuda. Segundo Edson Lima, analista ambiental do Ibama, tudo começou com uma mensagem via e-mail para um grupo de cinco pessoas. “A mensagem foi colocada em sites de relacionamento e houve uma ‘explosão’ de voluntários nos procurando para alimentar esses animais”, disse Lima.

Filhote de papagaio recebe alimento especial dado por voluntária em centro de triagem do Ibama, em Recife (PE) (Foto: Reprodução/TV Globo)Filhote de papagaio recebe alimento especial dado por voluntária em centro de triagem do Ibama, em Recife (PE) (Foto: Reprodução/TV Globo)

Outros cinco especialistas foram contratados temporariamente para dar conta. “Além deles, já contamos 133 voluntários e continuamos recebendo ligações de diversas pessoas. Tivemos que criar um esquema de grupos de dez pessoas por turno para alimentar os animais. Não estamos recusando ninguém, mas a preferência é para aqueles envolvidos com a biologia ou medicina veterinária”, disse Lima.

Necessidade
Como a base do Cetas em Recife é pequena, os papagaios e maritacas foram colocados em caixotes em uma sala improvisada. Por dia, são consumidos seis quilos de ração especial, ao custo de R$ 200.

“Além do alimento, precisávamos de seringas, luvas e óculos especiais para quem fosse cuidar dos bichos. Estamos tendo ajuda de duas organizações ambientais, uma brasileira e uma norte-americana, que estão nos doando os materiais”, disse Edson Lima.

Os filhotes de papagaio e maritacas foram colocados em caixotes em uma sala improvisada do Cetas. O tratamento especial deve demorar dois anos, até que as aves possam ser reincorporadas à natureza (Foto: Reprodução/TV Globo)Os filhotes de papagaio e maritacas foram colocados em caixotes em uma sala improvisada do Cetas. O tratamento especial deve demorar dois anos, até que as aves possam ser reincorporadas à natureza (Foto: Reprodução/TV Globo)

Por pelo menos dois anos esses animais receberão tratamento especial, até conseguirem sobreviver sozinhos na natureza. Entretanto, devido à falta de espaço no Centro de Triagem e à possibilidade de novas apreensões ainda este ano, as aves serão distribuídas para o Centro de Manejo de Fauna da Caatinga da Universidade Federal do Vale do São Francisco, em Petrolina, e para um viveiro de uma igreja em Vitória de Santo Antão.

Crime ambiental
O comércio de aves, como os papagaios e a maritaca, é controlado pelo Ibama. Entretanto, Lima afirma que o tráfico de animais continua constante em Pernambuco, apesar do reforço na fiscalização feito por agentes do instituto e pela Polícia Ambiental.

Segundo o Cetas, em todo ano de 2010, 5.843 animais foram apreendidos, sendo que mais de 5 mil eram aves. De janeiro até 19 de setembro de 2011, 5.072 animais foram levados ao centro para cuidados, sendo 4.478 aves. “Até o fim do ano, este número pode aumentar, pois o crime continua acontecendo”, disse o analista ambiental.

Fonte: Eduardo Carvalho/ Globo Natureza


12 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS

Aves, sem penas ainda, estavam em caixas no porta-malas de um veículo.
Suspeito foi multado em R$ 70,5 mil e autuado pelo crime ambiental.

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Divulgação/PM)

Filhotes de papagaio ainda não têm nem penas (Foto: Divulgação/PM)

 

A Polícia Militar do distrito de Casa Verde, município de Nova Andradina, região leste de Mato Grosso do Sul, prendeu na manhã deste sábado (10), em uma estrada vicinal, um homem de 24 anos que transportava ilegalmente 141 filhotes de papagaio. As aves, sem penas ainda, estavam em caixas no porta-malas de um veículo. Um filhote foi encontrado morto.

Segundo a PM, o suspeito de tráfico de animais disse que comprou as aves por R$ 30 cada uma e que pretendia vendê-las em São Paulo. Após o flagrante, o homem foi autuado pela Polícia Militar Ambiental (PMA), que aplicou a multa de R$ 500 por animal, totalizando R$ 70,5 mil, pelo crime ambiental.

Os animais foram recolhidos e transferidos para o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), de Campo Grande. O suspeito foi preso e encaminhado a Delegacia de Polícia Civil da cidade, onde foi autuado. Segundo a polícia, ele já foi preso outras vezes pelo mesmo crime ambiental.

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Marcos Donzeli/Nova Notícias)

Filhotes estavam sendo em caixas no porta-malas de um carro (Foto: Marcos Donzeli/Nova Notícias)

 

Apreensões
De acordo com a PMA, os últimos quatro meses do ano representam um período crítico para o combate ao tráfico de filhotes de papagaio, já que a reprodução das aves ocorre justamente entre setembro e dezembro. Neste período, a unidade revela que reforça o trabalho preventivo nas propriedades rurais.

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Divulgação/PM)

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Divulgação/PM)

Fonte: Globo Natureza/ G1


13 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Cientistas testam e comparam inteligência de corvos e papagaios

Espécies resolveram problemas usando objetos como ferramentas.

Pesquisadores das universidades de Viena e Oxford testaram pássaros de algumas das espécies consideradas as mais inteligentes do planeta e comprovaram a habilidade dos animais em resolver complexos problemas.

Corvos-da-nova-caledônia e papagaios da Nova Zelândia foram submetidos a uma bateria de testes em que precisaram vencer desafios para ter acesso a comida.

Entre as situações criadas pelos cientistas estavam puxar um barbante para alcançar a recompensa, usar bolinhas de gude para empurrar a comida para fora de uma caixa e um gancho para abrir uma janela.

Corvos selvagens normalmente utilizam objetos para resolver tarefas do dia-a-dia, segundo cientistas.

Para os corvos, o mais difícil foi abrir a janela puxando um gancho.

Os pesquisadores afirmaram que isso não foi devido à dificuldade em entender que precisava puxá-lo, mas sim ao medo natural dos corvos de tocarem objetos desconhecidos.

Pelo mesmo motivo, o pássaro preferiu usar um objeto para empurrar a comida do que enfiar a cabeça na caixa.

O papagaio da Nova Zelândia também resolveu todos os problemas, apesar da espécie não costumar usar ferramentas na natureza.

A única tarefa em que teve dificuldades foi usar um graveto como ferramenta.

Cientistas dizem que isso se deve ao formado curvo do bico da ave.

Mesmo assim, o animal foi capaz de desenvolver uma técnica complexa, na qual usou a abertura na caixa, as patas e o bico para finalmente ter acesso à comida.

Os cientistas afirmam que a comparação entre a capacidade de resolver problemas destas aves revela como a evolução de diferenças de inteligência depende de cada espécie.

Papagaios da Nova Zelândia resolveram os problemas propostos pelos cientistas (Foto: BBC)

Papagaios da Nova Zelândia resolveram os problemas propostos pelos cientistas (Foto: BBC)

 

Corvo-da-nova-caledônia é habituado a ferramentas (Foto: BBC)

Corvo-da-nova-caledônia é habituado a ferramentas (Foto: BBC)

 

Fonte: Da BBC.


27 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Brasileiro é flagrado em Lisboa com 30 ovos de aves amarrados ao corpo

Autoridades portuguesas devolveram o suspeito a Brasília.
Ovos não tinha documentação e ficaram numa incubadora em Portugal.

Um brasileiro foi flagrado pela alfândega no Aeroporto de Lisboa tentando entrar com 30 ovos de aves sem documentação. As autoridades locais o mandaram de volta ao Brasil e ele foi recebido pelo Ibama na madrugada desta quinta-feira (26) no Aeroporto de Brasília. Ele foi multado em R$ 65 mil por transporte ilegal de fauna e remessa de material genético ao exterior.

O suspeito ainda foi conduzido à Polícia Federal para prestar esclarecimentos e deve responder a inquérito criminal por tráfico internacional de fauna.

Segundo o Ibama, enquanto era multado, ele confessou o crime e disse que um cidadão português o esperava em Lisboa para receber os ovos, que seriam de papagaios. Contou ainda que recebeu parte do pagamento antecipadamente, e que o restante seria quitado após a entrega da “encomenda”.

O órgão ambiental descobriu que o suspeito tem familiares que já foram autuados por crimes contra fauna no Tocantins. No momento em que ele foi flagrado em Portugal, os ovos estavam presos à sua cintura, envolvidos numa meia-calça.

Os ovos foram levados para o Zoológico de Lisboa, onde ficarão numa incubadora. Enviá-los de volta ao Brasil imediatamente seria arriscado. As aves já nascidas é que devem devolvidas posteriormente.

Segundo o Ibama, qualquer remessa de fauna ao exterior sem autorização é infração grave. Brasil e Portugal são signatários de uma convenção internacional contra o tráfico de espécies ameaçadas.

O brasileiro tinha os ovos amarrados ao corpo. (Foto: Divulgação/Ibama)

O brasileiro tinha os ovos amarrados ao corpo. (Foto: Divulgação/Ibama)

 

Ovo desembrulhado. (Foto: Divulgação/Ibama)

Ovo desembrulhado. (Foto: Divulgação/Ibama)

 

Fonte: Globo Natureza, em São Paulo


8 de março de 2011 | nenhum comentário »

ONG tenta devolver papagaios ao habitat natural

Os 68 papagaios-verdadeiros abrigados em Juquitiba (72 km a sudoeste de SP) não conhecem sua mata natal. Eles foram retirados com poucos dias de vida dos ninhos em que nasceram, em setembro de 2006, em Mato Grosso do Sul. Fruto da ação de traficantes de animais.

A volta desses bichos para o local em que nasceram, consequência de uma operação inédita em todo o país, conduzida por uma ONG (Organização Não-Governamental), deve ocorrer em meados deste ano.
O que falta são recursos financeiros para o transporte.

“Poucas operações como essa ocorreram até agora no país. Pouca gente sabe o que ocorre depois das notícias de grandes apreensões”, diz Marcelo Rocha, presidente da SOS Fauna.

As cenas a seguir são fortes. Os 68 papagaios (Amazona aestiva) que sobreviveram estavam ao lado de outros 124 filhotinhos. Deste grupo, cinco morreram depois que estavam sendo cuidados pela equipe da ONG. Dos demais, distribuídos para alguns criadores com anuência do Ibama, não se têm mais notícias.
“Eles devem ter morrido”, afirma Rocha.

A um custo de R$ 1 por dia com cada papagaio -a conta, portanto, passa dos R$ 100 mil- uma verdadeira operação de guerra precisou ser montada para que esses bichos pudessem, quem sabe, voltar para casa.
De acordo com Rocha, várias instituições e pessoas físicas já ajudaram durante esse tempo. Ele diz ter recebido exclusivamente dinheiro privado. “As esferas de Estado nunca nos ajudaram.”

Retorno – Ainda no final de 2006, os 68 papagaios que continuavam vivos estavam com saúde, voando em viveiros no interior de São Paulo. Após, inclusive, a realização de estudos genéticos com os animais, que ajudaram a precisar de onde eles vieram, começou a se desenhar a operação de retorno.

“Eles serão recolocados na região de Nova Andradina, na propriedade de um fazendeiro que está sensibilizado pelo trabalho”, diz a bióloga Juliana Ferreira, que também está colaborando com a organização ambientalista paulista. “Durante todos estes anos, um dos trabalhos feitos foi o de ensinar eles a obterem alimento sozinhos.”

Tráfico intenso – Ao contrário do que pode parecer, a soltura dos bichos em Mato Grosso do Sul não é um momento que deve ser exaltado, dizem os ambientalistas. “É importante, claro, essa volta, mas esses papagaios nunca deveriam ter sido retirados dos locais onde eles estavam vivendo”, diz. Para Rocha, muito mais do que os papagaios, quem ganha é a biodiversidade do país. “Existe uma série de relações ecológicas que podem estar sendo perdidas sem esses animais na mata. Nem sabemos precisar quantas.”

Os 192 papagaios apreendidos, em 2006, na rodovia Castello Branco, pela polícia, são apenas uma pequena mostra do que é retirado das florestas de todo o país, estima Rocha. “Apenas 10% dos animais traficados são apreendidos. Se este número está na casa dos 700 por ano, só em São Paulo, mais de 6.000 animais devem entrar de forma ilegal na região metropolitana de São Paulo, o grande polo consumidor nacional.

Quando ocorrer, a volta dos papagaios para a mata é voluntária. Um grande viveiro é montado na mata, para uma ambientação. Depois ele é aberto e quem se sentir seguro para voar, voa.

the mechanic ipod

Fonte: Eduardo Geraque/ Folha.com






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

setembro 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

26 de setembro de 2012 | nenhum comentário »

Brasileiros vão decifrar genomas do papagaio e do sabiá-laranjeira

Não é todo dia que uma imagem de Zé Carioca ilustra uma apresentação sobre genômica, mas o malandro arquetípico da Disney tinha um bom motivo para figurar no Powerpoint de Francisco Prosdocimi, da UFMG (Universidade Federal de Minas): o tema era o genoma “dele”.

Ou melhor, o do papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva), que está entre as espécies mais comuns do bicho em cativeiro. O objetivo de Prosdocimi e seus colegas é vasculhar o DNA da ave em busca de pistas que ajudem a explicar sua proverbial tagarelice.

Para atingir esse objetivo, o papagaio-verdadeiro não é o único alvo. O grupo de cientistas, batizado de Sisbioaves, pretende sequenciar (grosso modo, “soletrar”) o genoma de outras espécies tipicamente brasileiras, como o sabiá-laranjeira e o bem-te-vi.

Em comum, esses bichos possuem o chamado aprendizado vocal -a capacidade, similar à dos seres humanos, de aprender padrões de vocalização ao longo da vida.

Detalhes sobre o projeto foram apresentados durante o 58º Congresso Brasileiro de Genética, em Foz do Iguaçu.

“A gente sabe que o aprendizado vocal é polifilético [ou seja, evoluiu mais de uma vez em linhagens sem parentesco próximo]“, explica Claudio Mello, brasileiro que trabalha na Universidade de Saúde e Ciência do Oregon (Estados Unidos).

“Portanto, se a gente encontrar genes relevantes para esse comportamento que são compartilhados entre os vários grupos de aves e os humanos, provavelmente isso quer dizer que eles representam a base do aprendizado vocal”, diz Mello.

Na maioria das aves, afirma Mello, existe o chamado período crítico de aprendizado — uma fase da “infância” do bicho na qual ele precisa ser exposto ao canto de outro animal para que ele aprenda a cantar de forma apropriada, coisa que também se verifica no caso da fala humana. Já os papagaios parecem ser mais versáteis, sendo capazes de aprender a imitar sons humanos em praticamente qualquer fase de sua vida.

A estimativa de Prosdocimi e de sua colega Maria Paula Schneider, da UFPA (Universidade Federal do Pará), é que a leitura dos genomas do papagaio e do sabiá-laranjeira esteja concluída em meados do ano que vem.

Segundo o pesquisador da UFMG, que é bioinformata (especialista na análise computacional de dados biológicos), espera-se que os bichos tenham genomas relativamente compactos, com menos da metade do tamanho do genoma humano.

Os pesquisadores ainda não encontraram, nos papagaios, o equivalente ao gene FOXP2, hoje um dos grandes candidatos a influenciar a capacidade humana para a fala. Mas não é só o lado vocal que interessa aos cientistas.

Prosdocimi destaca que os papagaios são inteligentes de modo geral. E vivem muito, passando dos 70 anos, o que traria pistas sobre as bases genéticas da longevidade.

Editoria de Arte/Folhapress

Fonte: Folha.com


14 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

IPEVS realiza atendimento de aves apreendidas no Norte do Paraná

A Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes, realizou dia 27/09, uma abordagem a um veículo de Querência do Norte / PR, conduzido por Marcelo Ribeiro Brito, de 37 anos.   No veículo foram encontrados 90 pássaros silvestres da espécie papagaio, escondidos em caixas de papelão.

Os policias efetuaram a prisão do acusado e acionaram o IAP (Instituto Ambiental do Paraná), escritório Cornélio Procópio para resgatar os animais.

Em depoimento Marcelo afirmou que as aves seriam levadas para Santos no litoral do Estado de São Paulo e que também receberia o valor de mil e quinhentos reais para o transporte. O mesmo foi preso em flagrante e liberado logo em seguida após efetuar o pagamento de fiança. Foi autuado por  tráfico de animais e multado pelo órgão competente em noventa mil reais.

De acordo com o IAP, as aves serão posteriormente encaminhadas para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) na cidade de Tijuca do Sul, área de responsabilidade da Universidade Católica de Curitiba.

Aves apreendidas pela Polícia Rodoviária Estadual de Bandeirantes. (Foto: IPEVS)

 

O IPEVS, que atua como parceiro do IAP, esteve na sede do escritório regional de Cornélio Procópio após apreensão de 90 papagaios realizada pela Polícia Estadual de Bandeirantes na última terça-feira (27/09).

As aves apresentavam diferentes estágios de crescimento e encontravam-se amontoados em caixas de papelão em péssimas condições e sem receber alimentação.

Aves apresentavam diferentes estágios de crescimento. (Foto: IPEVS)

A equipe do IPEVS foi chamada no local para identificação, atendimento e alimentação das aves. Segundo Rafael Haddad, as aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. A espécie tem ocorrência em nossa região, mas há vários anos não são mais avistados bandos desta espécie por aqui.

 

As aves são conhecidas como Papagaios verdadeiros (Amazona aestiva), e a identificação é possível apenas a partir dos animais que apresentam plumagem formada. (Foto: IPEVS)

 

Durante os exames clínicos Haddad relatou que os animais demonstravam-se desidratados, fracos e famintos, alguns apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. Em laudo emitido pelo médico veterinário, Rafael ressalta as condições de transporte precárias, e que a distância percorrida informada pelo infrator comprova que os animais foram mantidos por várias horas dentro do porta-malas do veículo sob o calor provocado pelo sol intenso (condição climática apresentada durante todo o dia), fato este que agravou a condição dos filhotes.

Alguns animais apresentavam escoriações no corpo e má formação dos canhões de pena. (Foto IPEVS)

 

Parte das aves será encaminhada para o CETAS (Centro de Triagem de Animais Silvestres) em Tijuca do Sul – PR, e o restante continuará na Mata São Francisco, local onde os animais foram encaminhados após apreensão, recebendo atendimento e tratamento adequado pelo IPEVS e IAP para fazerem parte de um programa de reintrodução local.

 

Fonte: Ascom IPEVS

 


5 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Filhotes de pássaros atraem mais de cem voluntários ao Ibama no Recife

Uma apreensão de 517 filhotes de papagaios, papagaios-galegos e maritacas que ocorreu na última semana em Pernambuco tem movimentado a sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), de Recife.

A pouca quantidade de funcionários no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) para cuidar dos espécimes, que recebem alimentação pelo menos três vezes ao dia e precisam ser observados constantemente, chamou a atenção de mais de uma centena de voluntários, que passaram a frequentar diariamente o local.

Os filhotes, encontrados na caçamba de um caminhão na região de Juazeiro, seriam comercializados ilegalmente em Petrolina e em Recife. Eles estavam em gaiolas, em más condições, e precisavam ser socorridos com urgência para que não morressem.

 

Com apenas três funcionários, o Cetas teve que pedir ajuda. Segundo Edson Lima, analista ambiental do Ibama, tudo começou com uma mensagem via e-mail para um grupo de cinco pessoas. “A mensagem foi colocada em sites de relacionamento e houve uma ‘explosão’ de voluntários nos procurando para alimentar esses animais”, disse Lima.

Filhote de papagaio recebe alimento especial dado por voluntária em centro de triagem do Ibama, em Recife (PE) (Foto: Reprodução/TV Globo)Filhote de papagaio recebe alimento especial dado por voluntária em centro de triagem do Ibama, em Recife (PE) (Foto: Reprodução/TV Globo)

Outros cinco especialistas foram contratados temporariamente para dar conta. “Além deles, já contamos 133 voluntários e continuamos recebendo ligações de diversas pessoas. Tivemos que criar um esquema de grupos de dez pessoas por turno para alimentar os animais. Não estamos recusando ninguém, mas a preferência é para aqueles envolvidos com a biologia ou medicina veterinária”, disse Lima.

Necessidade
Como a base do Cetas em Recife é pequena, os papagaios e maritacas foram colocados em caixotes em uma sala improvisada. Por dia, são consumidos seis quilos de ração especial, ao custo de R$ 200.

“Além do alimento, precisávamos de seringas, luvas e óculos especiais para quem fosse cuidar dos bichos. Estamos tendo ajuda de duas organizações ambientais, uma brasileira e uma norte-americana, que estão nos doando os materiais”, disse Edson Lima.

Os filhotes de papagaio e maritacas foram colocados em caixotes em uma sala improvisada do Cetas. O tratamento especial deve demorar dois anos, até que as aves possam ser reincorporadas à natureza (Foto: Reprodução/TV Globo)Os filhotes de papagaio e maritacas foram colocados em caixotes em uma sala improvisada do Cetas. O tratamento especial deve demorar dois anos, até que as aves possam ser reincorporadas à natureza (Foto: Reprodução/TV Globo)

Por pelo menos dois anos esses animais receberão tratamento especial, até conseguirem sobreviver sozinhos na natureza. Entretanto, devido à falta de espaço no Centro de Triagem e à possibilidade de novas apreensões ainda este ano, as aves serão distribuídas para o Centro de Manejo de Fauna da Caatinga da Universidade Federal do Vale do São Francisco, em Petrolina, e para um viveiro de uma igreja em Vitória de Santo Antão.

Crime ambiental
O comércio de aves, como os papagaios e a maritaca, é controlado pelo Ibama. Entretanto, Lima afirma que o tráfico de animais continua constante em Pernambuco, apesar do reforço na fiscalização feito por agentes do instituto e pela Polícia Ambiental.

Segundo o Cetas, em todo ano de 2010, 5.843 animais foram apreendidos, sendo que mais de 5 mil eram aves. De janeiro até 19 de setembro de 2011, 5.072 animais foram levados ao centro para cuidados, sendo 4.478 aves. “Até o fim do ano, este número pode aumentar, pois o crime continua acontecendo”, disse o analista ambiental.

Fonte: Eduardo Carvalho/ Globo Natureza


12 de setembro de 2011 | nenhum comentário »

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS

Aves, sem penas ainda, estavam em caixas no porta-malas de um veículo.
Suspeito foi multado em R$ 70,5 mil e autuado pelo crime ambiental.

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Divulgação/PM)

Filhotes de papagaio ainda não têm nem penas (Foto: Divulgação/PM)

 

A Polícia Militar do distrito de Casa Verde, município de Nova Andradina, região leste de Mato Grosso do Sul, prendeu na manhã deste sábado (10), em uma estrada vicinal, um homem de 24 anos que transportava ilegalmente 141 filhotes de papagaio. As aves, sem penas ainda, estavam em caixas no porta-malas de um veículo. Um filhote foi encontrado morto.

Segundo a PM, o suspeito de tráfico de animais disse que comprou as aves por R$ 30 cada uma e que pretendia vendê-las em São Paulo. Após o flagrante, o homem foi autuado pela Polícia Militar Ambiental (PMA), que aplicou a multa de R$ 500 por animal, totalizando R$ 70,5 mil, pelo crime ambiental.

Os animais foram recolhidos e transferidos para o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), de Campo Grande. O suspeito foi preso e encaminhado a Delegacia de Polícia Civil da cidade, onde foi autuado. Segundo a polícia, ele já foi preso outras vezes pelo mesmo crime ambiental.

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Marcos Donzeli/Nova Notícias)

Filhotes estavam sendo em caixas no porta-malas de um carro (Foto: Marcos Donzeli/Nova Notícias)

 

Apreensões
De acordo com a PMA, os últimos quatro meses do ano representam um período crítico para o combate ao tráfico de filhotes de papagaio, já que a reprodução das aves ocorre justamente entre setembro e dezembro. Neste período, a unidade revela que reforça o trabalho preventivo nas propriedades rurais.

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Divulgação/PM)

Suspeito de tráfico de animais é preso com 141 filhotes de papagaio em MS (Foto: Divulgação/PM)

Fonte: Globo Natureza/ G1


13 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Cientistas testam e comparam inteligência de corvos e papagaios

Espécies resolveram problemas usando objetos como ferramentas.

Pesquisadores das universidades de Viena e Oxford testaram pássaros de algumas das espécies consideradas as mais inteligentes do planeta e comprovaram a habilidade dos animais em resolver complexos problemas.

Corvos-da-nova-caledônia e papagaios da Nova Zelândia foram submetidos a uma bateria de testes em que precisaram vencer desafios para ter acesso a comida.

Entre as situações criadas pelos cientistas estavam puxar um barbante para alcançar a recompensa, usar bolinhas de gude para empurrar a comida para fora de uma caixa e um gancho para abrir uma janela.

Corvos selvagens normalmente utilizam objetos para resolver tarefas do dia-a-dia, segundo cientistas.

Para os corvos, o mais difícil foi abrir a janela puxando um gancho.

Os pesquisadores afirmaram que isso não foi devido à dificuldade em entender que precisava puxá-lo, mas sim ao medo natural dos corvos de tocarem objetos desconhecidos.

Pelo mesmo motivo, o pássaro preferiu usar um objeto para empurrar a comida do que enfiar a cabeça na caixa.

O papagaio da Nova Zelândia também resolveu todos os problemas, apesar da espécie não costumar usar ferramentas na natureza.

A única tarefa em que teve dificuldades foi usar um graveto como ferramenta.

Cientistas dizem que isso se deve ao formado curvo do bico da ave.

Mesmo assim, o animal foi capaz de desenvolver uma técnica complexa, na qual usou a abertura na caixa, as patas e o bico para finalmente ter acesso à comida.

Os cientistas afirmam que a comparação entre a capacidade de resolver problemas destas aves revela como a evolução de diferenças de inteligência depende de cada espécie.

Papagaios da Nova Zelândia resolveram os problemas propostos pelos cientistas (Foto: BBC)

Papagaios da Nova Zelândia resolveram os problemas propostos pelos cientistas (Foto: BBC)

 

Corvo-da-nova-caledônia é habituado a ferramentas (Foto: BBC)

Corvo-da-nova-caledônia é habituado a ferramentas (Foto: BBC)

 

Fonte: Da BBC.


27 de maio de 2011 | nenhum comentário »

Brasileiro é flagrado em Lisboa com 30 ovos de aves amarrados ao corpo

Autoridades portuguesas devolveram o suspeito a Brasília.
Ovos não tinha documentação e ficaram numa incubadora em Portugal.

Um brasileiro foi flagrado pela alfândega no Aeroporto de Lisboa tentando entrar com 30 ovos de aves sem documentação. As autoridades locais o mandaram de volta ao Brasil e ele foi recebido pelo Ibama na madrugada desta quinta-feira (26) no Aeroporto de Brasília. Ele foi multado em R$ 65 mil por transporte ilegal de fauna e remessa de material genético ao exterior.

O suspeito ainda foi conduzido à Polícia Federal para prestar esclarecimentos e deve responder a inquérito criminal por tráfico internacional de fauna.

Segundo o Ibama, enquanto era multado, ele confessou o crime e disse que um cidadão português o esperava em Lisboa para receber os ovos, que seriam de papagaios. Contou ainda que recebeu parte do pagamento antecipadamente, e que o restante seria quitado após a entrega da “encomenda”.

O órgão ambiental descobriu que o suspeito tem familiares que já foram autuados por crimes contra fauna no Tocantins. No momento em que ele foi flagrado em Portugal, os ovos estavam presos à sua cintura, envolvidos numa meia-calça.

Os ovos foram levados para o Zoológico de Lisboa, onde ficarão numa incubadora. Enviá-los de volta ao Brasil imediatamente seria arriscado. As aves já nascidas é que devem devolvidas posteriormente.

Segundo o Ibama, qualquer remessa de fauna ao exterior sem autorização é infração grave. Brasil e Portugal são signatários de uma convenção internacional contra o tráfico de espécies ameaçadas.

O brasileiro tinha os ovos amarrados ao corpo. (Foto: Divulgação/Ibama)

O brasileiro tinha os ovos amarrados ao corpo. (Foto: Divulgação/Ibama)

 

Ovo desembrulhado. (Foto: Divulgação/Ibama)

Ovo desembrulhado. (Foto: Divulgação/Ibama)

 

Fonte: Globo Natureza, em São Paulo


8 de março de 2011 | nenhum comentário »

ONG tenta devolver papagaios ao habitat natural

Os 68 papagaios-verdadeiros abrigados em Juquitiba (72 km a sudoeste de SP) não conhecem sua mata natal. Eles foram retirados com poucos dias de vida dos ninhos em que nasceram, em setembro de 2006, em Mato Grosso do Sul. Fruto da ação de traficantes de animais.

A volta desses bichos para o local em que nasceram, consequência de uma operação inédita em todo o país, conduzida por uma ONG (Organização Não-Governamental), deve ocorrer em meados deste ano.
O que falta são recursos financeiros para o transporte.

“Poucas operações como essa ocorreram até agora no país. Pouca gente sabe o que ocorre depois das notícias de grandes apreensões”, diz Marcelo Rocha, presidente da SOS Fauna.

As cenas a seguir são fortes. Os 68 papagaios (Amazona aestiva) que sobreviveram estavam ao lado de outros 124 filhotinhos. Deste grupo, cinco morreram depois que estavam sendo cuidados pela equipe da ONG. Dos demais, distribuídos para alguns criadores com anuência do Ibama, não se têm mais notícias.
“Eles devem ter morrido”, afirma Rocha.

A um custo de R$ 1 por dia com cada papagaio -a conta, portanto, passa dos R$ 100 mil- uma verdadeira operação de guerra precisou ser montada para que esses bichos pudessem, quem sabe, voltar para casa.
De acordo com Rocha, várias instituições e pessoas físicas já ajudaram durante esse tempo. Ele diz ter recebido exclusivamente dinheiro privado. “As esferas de Estado nunca nos ajudaram.”

Retorno – Ainda no final de 2006, os 68 papagaios que continuavam vivos estavam com saúde, voando em viveiros no interior de São Paulo. Após, inclusive, a realização de estudos genéticos com os animais, que ajudaram a precisar de onde eles vieram, começou a se desenhar a operação de retorno.

“Eles serão recolocados na região de Nova Andradina, na propriedade de um fazendeiro que está sensibilizado pelo trabalho”, diz a bióloga Juliana Ferreira, que também está colaborando com a organização ambientalista paulista. “Durante todos estes anos, um dos trabalhos feitos foi o de ensinar eles a obterem alimento sozinhos.”

Tráfico intenso – Ao contrário do que pode parecer, a soltura dos bichos em Mato Grosso do Sul não é um momento que deve ser exaltado, dizem os ambientalistas. “É importante, claro, essa volta, mas esses papagaios nunca deveriam ter sido retirados dos locais onde eles estavam vivendo”, diz. Para Rocha, muito mais do que os papagaios, quem ganha é a biodiversidade do país. “Existe uma série de relações ecológicas que podem estar sendo perdidas sem esses animais na mata. Nem sabemos precisar quantas.”

Os 192 papagaios apreendidos, em 2006, na rodovia Castello Branco, pela polícia, são apenas uma pequena mostra do que é retirado das florestas de todo o país, estima Rocha. “Apenas 10% dos animais traficados são apreendidos. Se este número está na casa dos 700 por ano, só em São Paulo, mais de 6.000 animais devem entrar de forma ilegal na região metropolitana de São Paulo, o grande polo consumidor nacional.

Quando ocorrer, a volta dos papagaios para a mata é voluntária. Um grande viveiro é montado na mata, para uma ambientação. Depois ele é aberto e quem se sentir seguro para voar, voa.

the mechanic ipod

Fonte: Eduardo Geraque/ Folha.com