27 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Pesquisa descobre alterações no genoma do boto-vermelho, no AM

Ainda não é possível afirmar se alterações são causadas por poluição.
Estudos indicaram a presença de mercúrio e pesticida DDT.

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) conseguiram identificar modificações no genoma do boto-vermelho (Inia geoffrensis), também conhecido como boto-cor-de-rosa. A pesquisa foi realizada pelos laboratórios de Genética Animal (LGA) e de Mamíferos Aquáticos, ambos do Inpa. Os pesquisadores ainda não sabem se as alterações são causadas por poluição ambiental.

Os resultados da pesquisa fazem parte da dissertação de mestrado “Citogenética clássica e molecular do boto-vermelho Inia geoffrensis”, elaborada por Heide Luz Bonifácio, sob a orientação da pesquisadora Eliana Feldberg. O trabalho foi concluído em 2011 e contou também com o apoio da Petrobras Ambiental, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior (Capes) e a Associação Amigos do peixe-boi (Ampa).

Foram coletadas amostras de 27 animais, sendo 14 fêmeas e 13 machos distribuídos na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá (RDSM), próximo ao município de Tefé, a 523 Km a Oeste de Manaus, na cidade de São Gabriel da Cachoeira, a 852 Km da capital, Aruanã (GO), Rio Branco (AC) e nas proximidades de Manaus.

Segundo a pesquisadora Eliana Feldberg, o boto-vermelho é uma espécie do topo da cadeia alimentar e, por isso, pode acumular componentes tóxicos em seu organismo. Ela disse que estudos já indicaram a presença de mercúrio e do pesticida Dicloro-Difenil-Tricloroetano (DDT) em amostras de sangue e de tecido desta espécie.

De acordo com Heide Bonifácio, entre as duas espécies de golfinhos de rio da Amazônia, o boto-vermelho é a mais próxima aos ancestrais dos cetáceos, que constituem uma ordem de animais marinhos, porém pertencentes à classe dos mamíferos. “Isto significa que entender como o genoma está organizado possibilita compreender a evolução do animal, uma vez que as informações genéticas são compartilhadas com os ancestrais deles. Baseado em análises moleculares e morfológicas, o boto-vermelho é considerado uma espécie rara”, explicou Bonifácio.

Caça predatória

piracantinga (Foto: Divulgação/Ampa)

Carne de boto é usada na pesca de piracatinga (Foto: Divulgação/Ampa)

Um estudo divulgado em 2011, revelou que em dez anos a população de botos da Amazônia reduziu pela metade. Na região da cidade de Tefé, a 520 Km de Manaus, apontou que morre por ano uma quantidade de animais sete vezes maior que o limite permitido.

Outro dado apontou que o uso da carne de cada boto-vermelho para pesca pode render ao menos uma tonelada de piracatinga. Na região de Tefé, estima-se a pesca de 400 toneladas do pescado ao ano, sendo que grande parte da carga é enviada para a Colômbia.

 

 

Boto-cor-de-rosa (Foto: Divulgação/Ampa)

População do boto-cor-de-rosa está diminuindo (Foto: Divulgação/Ampa)

Fonte: G1, AM


24 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Mais de 12% de espécies de área do Pacífico estão ameaçadas, diz IUCN

Pesca predatória, destruição de habitat e El Niño seriam principais causas.
Fauna e flora estudadas estão no Golfo da Califórnia, Panamá e Costa Rica.

Mais de 12% das espécies marinhas, animais ou vegetais, da região tropical leste do Oceano Pacífico estão ameaçadas de extinção devido à pesca predatória, à destruição de seu habitat e ao impacto do El Niño, segundo um estudo da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

A investigação científica, primeira do tipo conduzido pela IUCN no Golfo da Califórnia, na costa do Panamá e da Costa Rica, além das cinco ilhas e arquipélagos, engloba toda a fauna e flora da região — peixes, mamíferos marinhos, tartarugas-marinhas, aves marinhas, corais, manguezais e algas. As zonas de maior risco são a entrada do Golfo da Califórnia a as costas do Panamá e da Costa Rica.

“Identificar espécies ameaçadas e as causas desta ameaça pode ajudar a definir as prioridades de conservação marinha na região”, afirmou Beth Polidoro, autora principal do estudo, enquanto Scott Henderson, coautor, acredita que “salvar espécies ameaçadas é a coisa mais importante que podemos fazer para proteger a saúde do oceano, necessária para o bem-estar de milhões de pessoas”.

Zona de proteção
A IUCN considera, ao final do relatório, que a criação de uma zona protegida em torno do atol de Clipperton — lponto localizado a mais de 2.500 km da costa dos EUA — deverá ser uma prioridade, assim como uma legislação para limitar a destruição de manguezais ao longo da costa do Panamá e da Costa Rica.

Nos últimos anos, pelo menos 20 espécies marinhas desapareceram no mundo, além de outros 133 grupos locais de espécies marinhas.

Dessa forma desapareceram espécies de peixes das Ilhas Galápagos durante a passagem do El Niño entre 1982 e 1983. Outrora abundante nas águas do sul da Califórnia e do Golfo da Califórnia, o peixe Totoaba e o bagre-gigante são considerados “criticamente ameaçados” devido à pesca predatória.

 

Fonte: Da France Presse


14 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Especialista diz que peixe da espécie dourado está ameaçada em MS

Pesquisa revelou que esta espécie está com difculdades de reprodução.
Prefeitura de Corumbá quer proibir a pesca desse tipo de peixe.

Especialista afirma que espécie de peixe Dourado está ameaçado (Foto: Reprodução/TV Morena)

Especialista afirma que espécie de peixe Dourado está ameaçado (Foto: Reprodução/TV Morena)

Um estudo feito nos rios no entorno de Corumbá, cidade a 444 quilômetros de Campo Grande, mostrou que a sobrevivência da espécie de peixe popularmente conhecida como dourado está ameaçada. A pesquisa mostrou que esses peixes estão cada vez menores e não estão se desenvolvendo como deveriam.

A análise foi coordenada pelo especialista em biologia pesqueira Thomaz Liparelli e começou depois de um alerta feito pelos pescadores profissionais e empresas de turismo. Eles observaram que o tamanho dos dourados fisgados começou a diminuir.

“No caso do dourado especificamente, estamos observando a captura excessiva de indivíduos de pequeno porte”, disse Liparelli, “Sentimos a necessidade de que tenhamos o início ou a primeira atividade nesse sentido, de coibir a pesca predatória”.

Segundo ele, o tamanho dos peixes capturados dão um alerta, a espécie está com dificuldades para se reproduzir.

A prefeitura de Corumbá enviou para a Câmara de Vereadores da cidade um projeto de lei que proíbe a pesca desse tipo de peixe durante um período que podechegar a cinco anos. “A cada ciclo reprodutivo é possível visualizar o resultado. Esperamos que dentro de três ciclos ou em média quatro anos, tenhamos algum resultado satisfatório, principalmente em relação ao tamanho dos exemplares e a ocorrência da espécie em pontos que até então estavam desaparecidos”, diz o especialista.

O projeto vai seguir para análise dos vereadores. Se for aprovado, a partir do ano que vem a pesca extrativa do dourado ficará proibida nos rios de Corumbá. A lei só não terá efeito sobre os ribeirinhos.

No rio Paraguai só será permitida a pesca esportiva, aquela em que o peixe é fisgado com petrechos especiais e depois é devolvido, sem ferimentos, para o rio.

Fonte: G1, MS


3 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Área do tamanho do México vira maior santuário mundial de tubarões

Ilhas Marshall criam área de preservação no Pacífico de quase 2 milhões de quilômetros quadrados.

O governo das Ilhas Marshall criou o maior santuário de tubarões no mundo, uma área oceânica de quase 2 milhões de quilômetros quadrados.

A república situada no Oceano Pacífico irá proibir a comercialização de produtos derivados de tubarões e a pesca de tubarões em suas águas.

As ilhas, onde moram 68 mil pessoas, têm no turismo um dos principais motores da sua economia.

Tubarões e animais que têm parentesco com a espécie, como arraias, estão sendo seriamente ameaçados por problemas como pesca predatória e destruição de seu habitat.

Cerca de um terço dos tubarões oceânicos integram a internacionalmente reconhecida lista vermelha de espécies ameaçadas.

Santuário
“Ao aprovar este projeto (a proteção aos tubarões), não poderíamos oferecer uma afirmação mais forte sobre a importância dos tubarões para nossa cultura, meio ambiente e economia”, afirmou o senador Tony deBrum, que apresentou o projeto de lei ao parlamento do país.

“Podemos ser uma pequena nação, mas nossas águas agora são o maior local de proteção para tubarões”, acrescentou.

Para que se tenha uma ideia, a área de proteção é equivalente à área de países como a Indonésia, o México ou a Arábia Saudita e é oito vezes maior do que a Grã-Bretanha.

A medida vai ampliar a área de proteção dos tubarões em todo mundo dos atuais 2,7 milhões de quilômetros quadrados para 4,6 milhões de quilômetros quadrados.

Pelos termos do projeto de lei, a pesca de tubarões e a comercialização de produtos derivados de tubarões serão proibidos e quaisquer animais que forem capturados acidentalmente, deverão ser soltos com vida.

Proibições
No santuário, que abrangerá boa parte do Oceano Pacífico, certos tipos de equipamento de pesca serão proibidos e quem transgredir estas medidas poderá pagar multas de até 200 mil libras (cerca de R$ 575,5 mil).

O governo marshallino elaborou a proposta juntamente com integrantes do Pew Environment Group, a organização ambiental americana que identificou as nações-arquipélago como mais capazes de oferecer grandes ”ganhos” em termos de conservação marinha, devido à vasta proporção de suas águas territoriais.

“Nós saudamos a República das Ilhas Marshall por colocar em prática a mais forte legislação para proteger tubarões que nós já vimos”, afirmou Matt Rand, diretor de conservação de tubarões da instituição.

Com a legislação pró-tubarões, as Ilhas Marshall seguem o caminho tomado por Palau, há dois anos, que, até agora, contava com o maior santuário mundial em defesa dos animais.

Desde então, outros países, como as Bahamas, adotaram medidas semelhantes.

Dúvidas
No mês passado, um grupo de oito países – entre eles México, Honduras e Maldivas – assinou uma declaração conjunta na qual se comprometeram a pressionar pela adoção de mais medidas de proteção aos tubarões em todo o mundo.

Como eles crescem e se reproduzem de forma relativamente lenta, os tubarões são particularmente vulneráveis a fatores como a pesca, seja ela acidental ou intencional.

As medidas de proteção aos tubarões também deverão ajudar a diversidade marinha como um todo, já que restringem os direitos de barcos pesqueiros e exigem maior controle dos navios que desembarcam na região.

Mas tanto nas Ilhas Marshall como em Palau e outros países, há dúvidas sobre a capacidade das autoridades para monitorar plenamente uma extensa camada do oceano.

Medidas restringem ação de pescadores na região. (Foto: Stuart Cove's Dive Bahamas / via BBC)

Medidas restringem ação de pescadores na região. (Foto: Stuart Cove's Dive Bahamas / via BBC)

Fonte: Da BBC


22 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Pesca predatória afeta reprodução de matrinxãs em MT, diz Sema

Pescadores têm usado grãos e sebo bovino para atrair os peixes.
Armadilhas no rio podem ter afetado o ciclo de reprodução da espécie.

Peixes Matrinxãs (Foto: Reprodução/TVCA)

Peixes estão reduzindo nos rios, dizem pescadores e pesquisadores (Foto: Reprodução/TVCA)

Fiscais da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e policiais ambientais realizaram operações no Rio Arinos, Bacia Hidrográfica do Amazonas, em Mato Grosso, e detectaram uma alteração no ciclo de reprodução dos peixes da espécie matrinxã. O peixe é muito apreciado na culinária local e tem sido capturado irregularmente por pescadores, que estão sendo multados.

Durante as operações ambientais, os fiscais constataram que muitos pescadores têm usado soja, milho e até sebo bovino para atrair os peixes para armadilhas nas margens dos rios usadas para capturar os peixes. As armadilhas feitas com barris grandes cheios de grãos e sebos atraem muitos peixes. Os policiais ambientais afirmam que a prática é ilegal e tem sido combatida por meio de fiscalizações. Acampamentos de pescadores foram fechados e armadilhas foram retiradas das margens dos rios.

Os ribeirinhos da região começaram a notar que esta prática tem deixado mais difícil encontrar o peixe. “Nós pegamos quatro matrinxãs em dois dias de pesca. Eles [os infratores] pegam 30 em meia hora”, reclamou o pescador Bento Mendonça.

Segundo o agente ambiental Jean Ferraz, as armadilhas podem ter afetado o ciclo de reprodução dos peixes matrinxãs. “Eles estão com a ova em estado bastante avançado de maturação e podem reproduzir antes do período de piracema [período de desova dos peixes]”, comentou o agente, ao abrir os matrinxãs encontrados nas armadilhas.

No ano passado, a piracema na Bacia Amazônica começou no dia 5 de outubro. A partir desta data é proibida a pesca nestes rios, inclusive na modalidade pesque e solte. A piracema é um processo natural que ocorre em ciclos anuais e consiste na migração das espécies rumo à cabeceira dos rios, buscando alimentos e condições adequadas para o desenvolvimento, principalmente das larvas e dos ovos.

Fonte: Do G1, MT


21 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Estudo aponta que um terço das arraias e tubarões estão ameaçados

Levantamento sobre espécies existentes no Brasil ainda é preliminar.
De 169 espécies, 2 desapareceram no país e 60 correm risco.

Levantamento feito pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente, com a ajuda de 50 especialistas, aponta que mais de um terço das espécies de tubarões e arraias existentes no Brasil estão ameaçadas.

O estudo é considerado preliminar porque ainda precisa ser validado por mais pesquisadores para então ser publicado em revista científica. Das 169 espécies analisadas, 2 foram consideradas regionalmente extintas e 60 encontram-se em alguma categoria de ameaça segundo critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Dessas 60 , 29 estão “criticamente em perigo” (CR), 7 “em Perigo” (EN) e 20 encontram-se na categoria “vulnerável” (VU). Apenas 31 foram classificadas como de “menor preocupação” (LC) e 16 como “quase ameaçada” (NT).

O número de espécies com “dados insuficientes” (DD) é de 59, o que, segundo o ICMBio, é um índice bastante alto e mostra que falta de informações sobre classificação e tamanho das populações desses animais, peixes cartilaginosos conhecidos cientificamente como elasmobrânquios.

A pesca excessiva, aponta o instituto, é um dos fatores principais que ameaçam os elasmobrânquios, já que muitas de suas espécies têm vida longa, mas baixa taxa de fecundidade, o que dificulta sua reposição natural.

Tubarão pescado ilegalmente apreendido em abril no Pará. (Foto: Divulgação/Ibama)

Tubarão pescado ilegalmente apreendido em abril no Pará. (Foto: Divulgação/Ibama)

Fonte: Globo Natureza, em São Paulo






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

outubro 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

27 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Pesquisa descobre alterações no genoma do boto-vermelho, no AM

Ainda não é possível afirmar se alterações são causadas por poluição.
Estudos indicaram a presença de mercúrio e pesticida DDT.

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) conseguiram identificar modificações no genoma do boto-vermelho (Inia geoffrensis), também conhecido como boto-cor-de-rosa. A pesquisa foi realizada pelos laboratórios de Genética Animal (LGA) e de Mamíferos Aquáticos, ambos do Inpa. Os pesquisadores ainda não sabem se as alterações são causadas por poluição ambiental.

Os resultados da pesquisa fazem parte da dissertação de mestrado “Citogenética clássica e molecular do boto-vermelho Inia geoffrensis”, elaborada por Heide Luz Bonifácio, sob a orientação da pesquisadora Eliana Feldberg. O trabalho foi concluído em 2011 e contou também com o apoio da Petrobras Ambiental, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoas de Nível Superior (Capes) e a Associação Amigos do peixe-boi (Ampa).

Foram coletadas amostras de 27 animais, sendo 14 fêmeas e 13 machos distribuídos na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá (RDSM), próximo ao município de Tefé, a 523 Km a Oeste de Manaus, na cidade de São Gabriel da Cachoeira, a 852 Km da capital, Aruanã (GO), Rio Branco (AC) e nas proximidades de Manaus.

Segundo a pesquisadora Eliana Feldberg, o boto-vermelho é uma espécie do topo da cadeia alimentar e, por isso, pode acumular componentes tóxicos em seu organismo. Ela disse que estudos já indicaram a presença de mercúrio e do pesticida Dicloro-Difenil-Tricloroetano (DDT) em amostras de sangue e de tecido desta espécie.

De acordo com Heide Bonifácio, entre as duas espécies de golfinhos de rio da Amazônia, o boto-vermelho é a mais próxima aos ancestrais dos cetáceos, que constituem uma ordem de animais marinhos, porém pertencentes à classe dos mamíferos. “Isto significa que entender como o genoma está organizado possibilita compreender a evolução do animal, uma vez que as informações genéticas são compartilhadas com os ancestrais deles. Baseado em análises moleculares e morfológicas, o boto-vermelho é considerado uma espécie rara”, explicou Bonifácio.

Caça predatória

piracantinga (Foto: Divulgação/Ampa)

Carne de boto é usada na pesca de piracatinga (Foto: Divulgação/Ampa)

Um estudo divulgado em 2011, revelou que em dez anos a população de botos da Amazônia reduziu pela metade. Na região da cidade de Tefé, a 520 Km de Manaus, apontou que morre por ano uma quantidade de animais sete vezes maior que o limite permitido.

Outro dado apontou que o uso da carne de cada boto-vermelho para pesca pode render ao menos uma tonelada de piracatinga. Na região de Tefé, estima-se a pesca de 400 toneladas do pescado ao ano, sendo que grande parte da carga é enviada para a Colômbia.

 

 

Boto-cor-de-rosa (Foto: Divulgação/Ampa)

População do boto-cor-de-rosa está diminuindo (Foto: Divulgação/Ampa)

Fonte: G1, AM


24 de fevereiro de 2012 | nenhum comentário »

Mais de 12% de espécies de área do Pacífico estão ameaçadas, diz IUCN

Pesca predatória, destruição de habitat e El Niño seriam principais causas.
Fauna e flora estudadas estão no Golfo da Califórnia, Panamá e Costa Rica.

Mais de 12% das espécies marinhas, animais ou vegetais, da região tropical leste do Oceano Pacífico estão ameaçadas de extinção devido à pesca predatória, à destruição de seu habitat e ao impacto do El Niño, segundo um estudo da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

A investigação científica, primeira do tipo conduzido pela IUCN no Golfo da Califórnia, na costa do Panamá e da Costa Rica, além das cinco ilhas e arquipélagos, engloba toda a fauna e flora da região — peixes, mamíferos marinhos, tartarugas-marinhas, aves marinhas, corais, manguezais e algas. As zonas de maior risco são a entrada do Golfo da Califórnia a as costas do Panamá e da Costa Rica.

“Identificar espécies ameaçadas e as causas desta ameaça pode ajudar a definir as prioridades de conservação marinha na região”, afirmou Beth Polidoro, autora principal do estudo, enquanto Scott Henderson, coautor, acredita que “salvar espécies ameaçadas é a coisa mais importante que podemos fazer para proteger a saúde do oceano, necessária para o bem-estar de milhões de pessoas”.

Zona de proteção
A IUCN considera, ao final do relatório, que a criação de uma zona protegida em torno do atol de Clipperton — lponto localizado a mais de 2.500 km da costa dos EUA — deverá ser uma prioridade, assim como uma legislação para limitar a destruição de manguezais ao longo da costa do Panamá e da Costa Rica.

Nos últimos anos, pelo menos 20 espécies marinhas desapareceram no mundo, além de outros 133 grupos locais de espécies marinhas.

Dessa forma desapareceram espécies de peixes das Ilhas Galápagos durante a passagem do El Niño entre 1982 e 1983. Outrora abundante nas águas do sul da Califórnia e do Golfo da Califórnia, o peixe Totoaba e o bagre-gigante são considerados “criticamente ameaçados” devido à pesca predatória.

 

Fonte: Da France Presse


14 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

Especialista diz que peixe da espécie dourado está ameaçada em MS

Pesquisa revelou que esta espécie está com difculdades de reprodução.
Prefeitura de Corumbá quer proibir a pesca desse tipo de peixe.

Especialista afirma que espécie de peixe Dourado está ameaçado (Foto: Reprodução/TV Morena)

Especialista afirma que espécie de peixe Dourado está ameaçado (Foto: Reprodução/TV Morena)

Um estudo feito nos rios no entorno de Corumbá, cidade a 444 quilômetros de Campo Grande, mostrou que a sobrevivência da espécie de peixe popularmente conhecida como dourado está ameaçada. A pesquisa mostrou que esses peixes estão cada vez menores e não estão se desenvolvendo como deveriam.

A análise foi coordenada pelo especialista em biologia pesqueira Thomaz Liparelli e começou depois de um alerta feito pelos pescadores profissionais e empresas de turismo. Eles observaram que o tamanho dos dourados fisgados começou a diminuir.

“No caso do dourado especificamente, estamos observando a captura excessiva de indivíduos de pequeno porte”, disse Liparelli, “Sentimos a necessidade de que tenhamos o início ou a primeira atividade nesse sentido, de coibir a pesca predatória”.

Segundo ele, o tamanho dos peixes capturados dão um alerta, a espécie está com dificuldades para se reproduzir.

A prefeitura de Corumbá enviou para a Câmara de Vereadores da cidade um projeto de lei que proíbe a pesca desse tipo de peixe durante um período que podechegar a cinco anos. “A cada ciclo reprodutivo é possível visualizar o resultado. Esperamos que dentro de três ciclos ou em média quatro anos, tenhamos algum resultado satisfatório, principalmente em relação ao tamanho dos exemplares e a ocorrência da espécie em pontos que até então estavam desaparecidos”, diz o especialista.

O projeto vai seguir para análise dos vereadores. Se for aprovado, a partir do ano que vem a pesca extrativa do dourado ficará proibida nos rios de Corumbá. A lei só não terá efeito sobre os ribeirinhos.

No rio Paraguai só será permitida a pesca esportiva, aquela em que o peixe é fisgado com petrechos especiais e depois é devolvido, sem ferimentos, para o rio.

Fonte: G1, MS


3 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Área do tamanho do México vira maior santuário mundial de tubarões

Ilhas Marshall criam área de preservação no Pacífico de quase 2 milhões de quilômetros quadrados.

O governo das Ilhas Marshall criou o maior santuário de tubarões no mundo, uma área oceânica de quase 2 milhões de quilômetros quadrados.

A república situada no Oceano Pacífico irá proibir a comercialização de produtos derivados de tubarões e a pesca de tubarões em suas águas.

As ilhas, onde moram 68 mil pessoas, têm no turismo um dos principais motores da sua economia.

Tubarões e animais que têm parentesco com a espécie, como arraias, estão sendo seriamente ameaçados por problemas como pesca predatória e destruição de seu habitat.

Cerca de um terço dos tubarões oceânicos integram a internacionalmente reconhecida lista vermelha de espécies ameaçadas.

Santuário
“Ao aprovar este projeto (a proteção aos tubarões), não poderíamos oferecer uma afirmação mais forte sobre a importância dos tubarões para nossa cultura, meio ambiente e economia”, afirmou o senador Tony deBrum, que apresentou o projeto de lei ao parlamento do país.

“Podemos ser uma pequena nação, mas nossas águas agora são o maior local de proteção para tubarões”, acrescentou.

Para que se tenha uma ideia, a área de proteção é equivalente à área de países como a Indonésia, o México ou a Arábia Saudita e é oito vezes maior do que a Grã-Bretanha.

A medida vai ampliar a área de proteção dos tubarões em todo mundo dos atuais 2,7 milhões de quilômetros quadrados para 4,6 milhões de quilômetros quadrados.

Pelos termos do projeto de lei, a pesca de tubarões e a comercialização de produtos derivados de tubarões serão proibidos e quaisquer animais que forem capturados acidentalmente, deverão ser soltos com vida.

Proibições
No santuário, que abrangerá boa parte do Oceano Pacífico, certos tipos de equipamento de pesca serão proibidos e quem transgredir estas medidas poderá pagar multas de até 200 mil libras (cerca de R$ 575,5 mil).

O governo marshallino elaborou a proposta juntamente com integrantes do Pew Environment Group, a organização ambiental americana que identificou as nações-arquipélago como mais capazes de oferecer grandes ”ganhos” em termos de conservação marinha, devido à vasta proporção de suas águas territoriais.

“Nós saudamos a República das Ilhas Marshall por colocar em prática a mais forte legislação para proteger tubarões que nós já vimos”, afirmou Matt Rand, diretor de conservação de tubarões da instituição.

Com a legislação pró-tubarões, as Ilhas Marshall seguem o caminho tomado por Palau, há dois anos, que, até agora, contava com o maior santuário mundial em defesa dos animais.

Desde então, outros países, como as Bahamas, adotaram medidas semelhantes.

Dúvidas
No mês passado, um grupo de oito países – entre eles México, Honduras e Maldivas – assinou uma declaração conjunta na qual se comprometeram a pressionar pela adoção de mais medidas de proteção aos tubarões em todo o mundo.

Como eles crescem e se reproduzem de forma relativamente lenta, os tubarões são particularmente vulneráveis a fatores como a pesca, seja ela acidental ou intencional.

As medidas de proteção aos tubarões também deverão ajudar a diversidade marinha como um todo, já que restringem os direitos de barcos pesqueiros e exigem maior controle dos navios que desembarcam na região.

Mas tanto nas Ilhas Marshall como em Palau e outros países, há dúvidas sobre a capacidade das autoridades para monitorar plenamente uma extensa camada do oceano.

Medidas restringem ação de pescadores na região. (Foto: Stuart Cove's Dive Bahamas / via BBC)

Medidas restringem ação de pescadores na região. (Foto: Stuart Cove's Dive Bahamas / via BBC)

Fonte: Da BBC


22 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

Pesca predatória afeta reprodução de matrinxãs em MT, diz Sema

Pescadores têm usado grãos e sebo bovino para atrair os peixes.
Armadilhas no rio podem ter afetado o ciclo de reprodução da espécie.

Peixes Matrinxãs (Foto: Reprodução/TVCA)

Peixes estão reduzindo nos rios, dizem pescadores e pesquisadores (Foto: Reprodução/TVCA)

Fiscais da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) e policiais ambientais realizaram operações no Rio Arinos, Bacia Hidrográfica do Amazonas, em Mato Grosso, e detectaram uma alteração no ciclo de reprodução dos peixes da espécie matrinxã. O peixe é muito apreciado na culinária local e tem sido capturado irregularmente por pescadores, que estão sendo multados.

Durante as operações ambientais, os fiscais constataram que muitos pescadores têm usado soja, milho e até sebo bovino para atrair os peixes para armadilhas nas margens dos rios usadas para capturar os peixes. As armadilhas feitas com barris grandes cheios de grãos e sebos atraem muitos peixes. Os policiais ambientais afirmam que a prática é ilegal e tem sido combatida por meio de fiscalizações. Acampamentos de pescadores foram fechados e armadilhas foram retiradas das margens dos rios.

Os ribeirinhos da região começaram a notar que esta prática tem deixado mais difícil encontrar o peixe. “Nós pegamos quatro matrinxãs em dois dias de pesca. Eles [os infratores] pegam 30 em meia hora”, reclamou o pescador Bento Mendonça.

Segundo o agente ambiental Jean Ferraz, as armadilhas podem ter afetado o ciclo de reprodução dos peixes matrinxãs. “Eles estão com a ova em estado bastante avançado de maturação e podem reproduzir antes do período de piracema [período de desova dos peixes]”, comentou o agente, ao abrir os matrinxãs encontrados nas armadilhas.

No ano passado, a piracema na Bacia Amazônica começou no dia 5 de outubro. A partir desta data é proibida a pesca nestes rios, inclusive na modalidade pesque e solte. A piracema é um processo natural que ocorre em ciclos anuais e consiste na migração das espécies rumo à cabeceira dos rios, buscando alimentos e condições adequadas para o desenvolvimento, principalmente das larvas e dos ovos.

Fonte: Do G1, MT


21 de junho de 2011 | nenhum comentário »

Estudo aponta que um terço das arraias e tubarões estão ameaçados

Levantamento sobre espécies existentes no Brasil ainda é preliminar.
De 169 espécies, 2 desapareceram no país e 60 correm risco.

Levantamento feito pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ligado ao Ministério do Meio Ambiente, com a ajuda de 50 especialistas, aponta que mais de um terço das espécies de tubarões e arraias existentes no Brasil estão ameaçadas.

O estudo é considerado preliminar porque ainda precisa ser validado por mais pesquisadores para então ser publicado em revista científica. Das 169 espécies analisadas, 2 foram consideradas regionalmente extintas e 60 encontram-se em alguma categoria de ameaça segundo critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Dessas 60 , 29 estão “criticamente em perigo” (CR), 7 “em Perigo” (EN) e 20 encontram-se na categoria “vulnerável” (VU). Apenas 31 foram classificadas como de “menor preocupação” (LC) e 16 como “quase ameaçada” (NT).

O número de espécies com “dados insuficientes” (DD) é de 59, o que, segundo o ICMBio, é um índice bastante alto e mostra que falta de informações sobre classificação e tamanho das populações desses animais, peixes cartilaginosos conhecidos cientificamente como elasmobrânquios.

A pesca excessiva, aponta o instituto, é um dos fatores principais que ameaçam os elasmobrânquios, já que muitas de suas espécies têm vida longa, mas baixa taxa de fecundidade, o que dificulta sua reposição natural.

Tubarão pescado ilegalmente apreendido em abril no Pará. (Foto: Divulgação/Ibama)

Tubarão pescado ilegalmente apreendido em abril no Pará. (Foto: Divulgação/Ibama)

Fonte: Globo Natureza, em São Paulo