5 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Onze tartarugas são encontradas mortas em Praia Grande/SP

Dez tartarugas-verde e uma tartaruga-de-pente foram encontradas mortas de domingo até esta terça-feira (3) nas praias do Canto do Forte, Guilhermina e Tupi, em Praia Grande, litoral de São Paulo.

Segundo o laudo da ONG Gremar (Resgate e Reabilitação de Animais Marinhos), para onde os animais foram encaminhados, no Guarujá, todas haviam ingerido lixo plástico, sendo essa a causa da morte de oito delas.

Das outras três tartarugas, duas morreram por ferimentos causados por redes de pesca e uma devido ao rompimento do casco após um choque com uma embarcação.

De acordo com o Grupamento de Guarda Costeira Municipal, neste ano já foram encontradas 60 tartarugas mortas nas praias da cidade.

“O principal motivo das mortes são a pesca acidental e a ingestão sacolas plásticas, que são confundidas com águas-vivas, principal alimento desses animais”, afirma Delfo Almeida Monsalvo, inspetor chefe da Guarda Costeira. 

Fonte: Felipe Caruso/ Folha.com






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

maio 2022
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

5 de outubro de 2011 | nenhum comentário »

Onze tartarugas são encontradas mortas em Praia Grande/SP

Dez tartarugas-verde e uma tartaruga-de-pente foram encontradas mortas de domingo até esta terça-feira (3) nas praias do Canto do Forte, Guilhermina e Tupi, em Praia Grande, litoral de São Paulo.

Segundo o laudo da ONG Gremar (Resgate e Reabilitação de Animais Marinhos), para onde os animais foram encaminhados, no Guarujá, todas haviam ingerido lixo plástico, sendo essa a causa da morte de oito delas.

Das outras três tartarugas, duas morreram por ferimentos causados por redes de pesca e uma devido ao rompimento do casco após um choque com uma embarcação.

De acordo com o Grupamento de Guarda Costeira Municipal, neste ano já foram encontradas 60 tartarugas mortas nas praias da cidade.

“O principal motivo das mortes são a pesca acidental e a ingestão sacolas plásticas, que são confundidas com águas-vivas, principal alimento desses animais”, afirma Delfo Almeida Monsalvo, inspetor chefe da Guarda Costeira. 

Fonte: Felipe Caruso/ Folha.com