5 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

UFSC coordena Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha

Até dezembro, será lançado o Portal Nacional da Biodiversidade Marinha, que vai divulgar os resultados de 25 projetos da rede.

O Brasil é um dos países que menos conhece e protege sua biodiversidade marinha. Isso não decorre da falta de pesquisadores qualificados na área, mas principalmente da desarticulação entre eles. Integrar mais de 25 projetos de pesquisa e extensão mediante a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha é uma das metas de um projeto apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

A rede consolida esforços regionais iniciados há mais de uma década, permitindo que grupos de pesquisa atuem de forma harmônica e padronizada. Ela é constituída por três núcleos principais – no Sul, Sudeste e Nordeste – e abarcará oito universidades, sejam federais ou estaduais. Todos os núcleos têm laboratórios, embarcações, equipamentos de mergulho e coleta, muitos deles comprados com recursos do edital Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (SISBIOTA), lançado pela Fundação em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, por meio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Ao longo de três anos, devem ser aplicados os quase R$ 3 milhões a serem repassados pelo SISBIOTA a quatro projetos coordenados por instituições catarinenses, entre eles a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha, cuja principal executora é a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Até dezembro, será lançado o Portal Nacional da Biodiversidade Marinha, que vai divulgar os resultados de 25 projetos da rede. “O portal está sendo desenvolvido e contará com informações sobre o projeto e o seu andamento, assim como muitas fotografias das expedições ao longo da costa brasileira e ilhas oceânicas”, diz o coordenador da rede, Sergio R. Floeter, do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC.

Remédios que vêm do mar – Outros objetivos da rede incluem conhecer o potencial farmacológico dos biomas marinhos do litoral sul e dar suporte científico a estratégias de conservação da biodiversidade marinha nacional. O Mar Territorial Brasileiro e a Zona Econômica Exclusiva do Brasil somam quase 4,5 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a mais da metade da superfície do País. O litoral concentra 70% da população e dá sustento a muitas famílias, porém a pesca excessiva e as mudanças climáticas ameaçam extinguir algumas espécies.

Ironicamente, o Brasil foi o primeiro a assinar a Convenção sobre Diversidade Biológica e formulou o Plano Nacional de Áreas Protegidas, para reduzir a taxa de perda de biodiversidade em áreas marinhas até 2012. A constituição da Rede Nacional em 2011 e os recursos do SISBIOTA assegurados pelo CNPq e pela Fapesc até 2013 tornam esta missão mais possível.

A primeira parcela, de R$50 mil, viabilizou a primeira reunião de trabalho da rede, em maio, durante o III Congresso Brasileiro de Biologia Marinha, em Natal (RN). “Foi um sucesso. Teve mais de 25 participantes, entre professores, pesquisadores e alunos de graduação e pós-graduação”, afirma o Prof. Floeter. Em agosto, a Fapesc deve liberar recursos para garantir a continuidade do projeto.

Fonte: Ascom da UFSC


11 de fevereiro de 2011 | nenhum comentário »

Baleia jubarte é libertada de rede de pescadores

Uma baleia jubarte foi salva por um grupo de seis mergulhadores em uma praia próxima à cidade de Los Cabos, movimentado balneário turístico no México.

A baleia estava presa há dias em uma rede de pescadores. A tarefa era arriscada já que um único golpe com a cauda poderia ser fatal.

“Ela estava estressada, se movia bastante, estava pedindo a nossa ajuda”, disse Marco Morales, um dos mergulhadores que participou do resgate.

A baleia jubarte media oitro metros de comprimento e pesava aproximadamente 30 toneladas. A operação durou cerca de meia hora.

Baleia jubarte liberta 1 (Foto: BBC)

Baleia estava presa há dias em rede de pescadores
no México. (Foto: BBC)

casino jack film downloads

Fonte: Globo Natureza


19 de maio de 2010 | nenhum comentário »

Rede Pró Fauna e Made in Forest

Como o IPEVS acredita que as entidades ambientalistas não governamentais desempenham importante papel na gestão democrática dos recursos naturais, aceitou o convite a ingressar na Rede Pró Fauna, um sistema computadorizado de informações sobre fauna silvestre no Estado do Paraná, baseado na organização de dados disponíveis.

Seus objetivos são:
* Gerenciamento eficiente de informações: organizar e unificar em um sistema informações disponíveis;

* Disponibilizar informações sobre fauna;

watch the and soon the darkness online

* Incentivar o estabelecimento de parcerias, bem como a interação e intercâmbio de informações.

Ainda nesta mesma linha o IPEVS também foi convidado a fazer seu cadastro na rede Made in Forest, rede esta formada por: ONGs, eco-empresas, prestadores de eco-serviços, instituições, universidades e pessoas focadas nas causas da sustentabilidade e meio-ambiente do planeta.

untitled

h1-mif

full movie download

watching due date online
Tags:, ,





Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

maio 2022
S T Q Q S S D
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

5 de agosto de 2011 | nenhum comentário »

UFSC coordena Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha

Até dezembro, será lançado o Portal Nacional da Biodiversidade Marinha, que vai divulgar os resultados de 25 projetos da rede.

O Brasil é um dos países que menos conhece e protege sua biodiversidade marinha. Isso não decorre da falta de pesquisadores qualificados na área, mas principalmente da desarticulação entre eles. Integrar mais de 25 projetos de pesquisa e extensão mediante a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha é uma das metas de um projeto apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc).

A rede consolida esforços regionais iniciados há mais de uma década, permitindo que grupos de pesquisa atuem de forma harmônica e padronizada. Ela é constituída por três núcleos principais – no Sul, Sudeste e Nordeste – e abarcará oito universidades, sejam federais ou estaduais. Todos os núcleos têm laboratórios, embarcações, equipamentos de mergulho e coleta, muitos deles comprados com recursos do edital Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (SISBIOTA), lançado pela Fundação em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, por meio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Ao longo de três anos, devem ser aplicados os quase R$ 3 milhões a serem repassados pelo SISBIOTA a quatro projetos coordenados por instituições catarinenses, entre eles a Rede Nacional de Pesquisa em Biodiversidade Marinha, cuja principal executora é a UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Até dezembro, será lançado o Portal Nacional da Biodiversidade Marinha, que vai divulgar os resultados de 25 projetos da rede. “O portal está sendo desenvolvido e contará com informações sobre o projeto e o seu andamento, assim como muitas fotografias das expedições ao longo da costa brasileira e ilhas oceânicas”, diz o coordenador da rede, Sergio R. Floeter, do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC.

Remédios que vêm do mar – Outros objetivos da rede incluem conhecer o potencial farmacológico dos biomas marinhos do litoral sul e dar suporte científico a estratégias de conservação da biodiversidade marinha nacional. O Mar Territorial Brasileiro e a Zona Econômica Exclusiva do Brasil somam quase 4,5 milhões de quilômetros quadrados, o equivalente a mais da metade da superfície do País. O litoral concentra 70% da população e dá sustento a muitas famílias, porém a pesca excessiva e as mudanças climáticas ameaçam extinguir algumas espécies.

Ironicamente, o Brasil foi o primeiro a assinar a Convenção sobre Diversidade Biológica e formulou o Plano Nacional de Áreas Protegidas, para reduzir a taxa de perda de biodiversidade em áreas marinhas até 2012. A constituição da Rede Nacional em 2011 e os recursos do SISBIOTA assegurados pelo CNPq e pela Fapesc até 2013 tornam esta missão mais possível.

A primeira parcela, de R$50 mil, viabilizou a primeira reunião de trabalho da rede, em maio, durante o III Congresso Brasileiro de Biologia Marinha, em Natal (RN). “Foi um sucesso. Teve mais de 25 participantes, entre professores, pesquisadores e alunos de graduação e pós-graduação”, afirma o Prof. Floeter. Em agosto, a Fapesc deve liberar recursos para garantir a continuidade do projeto.

Fonte: Ascom da UFSC


11 de fevereiro de 2011 | nenhum comentário »

Baleia jubarte é libertada de rede de pescadores

Uma baleia jubarte foi salva por um grupo de seis mergulhadores em uma praia próxima à cidade de Los Cabos, movimentado balneário turístico no México.

A baleia estava presa há dias em uma rede de pescadores. A tarefa era arriscada já que um único golpe com a cauda poderia ser fatal.

“Ela estava estressada, se movia bastante, estava pedindo a nossa ajuda”, disse Marco Morales, um dos mergulhadores que participou do resgate.

A baleia jubarte media oitro metros de comprimento e pesava aproximadamente 30 toneladas. A operação durou cerca de meia hora.

Baleia jubarte liberta 1 (Foto: BBC)

Baleia estava presa há dias em rede de pescadores
no México. (Foto: BBC)

casino jack film downloads

Fonte: Globo Natureza


19 de maio de 2010 | nenhum comentário »

Rede Pró Fauna e Made in Forest

Como o IPEVS acredita que as entidades ambientalistas não governamentais desempenham importante papel na gestão democrática dos recursos naturais, aceitou o convite a ingressar na Rede Pró Fauna, um sistema computadorizado de informações sobre fauna silvestre no Estado do Paraná, baseado na organização de dados disponíveis.

Seus objetivos são:
* Gerenciamento eficiente de informações: organizar e unificar em um sistema informações disponíveis;

* Disponibilizar informações sobre fauna;

watch the and soon the darkness online

* Incentivar o estabelecimento de parcerias, bem como a interação e intercâmbio de informações.

Ainda nesta mesma linha o IPEVS também foi convidado a fazer seu cadastro na rede Made in Forest, rede esta formada por: ONGs, eco-empresas, prestadores de eco-serviços, instituições, universidades e pessoas focadas nas causas da sustentabilidade e meio-ambiente do planeta.

untitled

h1-mif

full movie download

watching due date online
Tags:, ,