23 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

USP vai construir base de estudos sobre a Mata Atlântica na Serra do Mar

A Universidade de São Paulo (USP) pretende inaugurar até 2013 uma base científica de estudos sobre a Mata Atlântica na região da Serra do Mar, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Um dos objetivos do empreendimento é atrair pesquisadores estrangeiros interessados em estudar o bioma.

Construída sobre passarelas elevadas, de modo a reduzir o impacto ambiental, a unidade será, segundo a USP, a primeira base científica nesse modelo do país. Também serão instalados painéis solares e turbinas eólicas, para a geração de energia renovável para abastecer o edifício.

A unidade será construída em um terreno de 30 mil metros quadrados e deverá custar R$ 2,5 milhões. A área, doada ao Instituto de Biociências da USP em 1953, estava ociosa.

Fonte: Daniel Mello/ Agência Brasil


30 de dezembro de 2010 | nenhum comentário »

Parque da Serra do Mar é expandido

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA) anunciou a assinatura pelo governador do Estado de São Paulo, Alberto Goldman, de um decreto de expansão da área do Parque Estadual da Serra do Mar (PESM) dos atuais 315 mil para 332.290,20 hectares.

De acordo com a SMA, a medida é de grande relevância, pois os biomas da Mata Atlântica e da Serra do Mar são considerados patrimônios nacionais e estaduais.

A medida levou em consideração estudos da Procuradoria do Patrimônio Imobiliário e da Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo “José Gomes da Silva”. Juntos, os dois órgãos identificaram no entorno do Parque muitas áreas públicas, devolutas ou remanescentes de ações judiciais, de extremo valor ambiental, já incorporadas ou em processo de incorporação pela Fazenda do Estado de São Paulo.

Na prática, o decreto será cumprido em duas etapas. Na primeira, no ato da publicação, aumentará a área em 5.027,20 hectares, com terras que já pertencem ao patrimônio estadual. Os demais 12.263 hectares serão acrescentados à área do PESM conforme forem incorporadas pela Fazenda. Todas as áreas são públicas.

something borrowed download ipod

O decreto afeta áreas em 13 cidades: Cunha, Ubatuba, São Luiz do Paraitinga, Natividade da Serra, Paraibuna, São Sebastião, Miracatu, Pedro de Toledo, Salesópolis, Biritiba-Mirim, Bertioga, São Bernardo do Campo e São Paulo.

“Além da preservação da Mata Atlântica, estamos aproximando o PESM dos reservatórios de água da capital. Com o novo contorno, o PESM se aproxima de um dos lados da represa Billings”, disse Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo, secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

(Fonte: Agência Fapesp)


29 de junho de 2009 | nenhum comentário »

Desmatamento na Serra do Mar (PR) é denunciado

A biodiversidade da Serra do Mar do Paraná está sob ameaça. Esta semana, o site Alta Montanha (www.altamontanha.com), desenvolvido por um grupo de montanhistas do Estado, denunciou a presença constante de madeireiros e caçadores no Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange e nos parques estaduais do Pico Paraná, da Serra da Baitaca e do Marumbi.

“Há alguns dias, um colega montanhista (que por questões de segurança prefere não ser identificado, pois mora na região litorânea) estava no parque Saint-Hilaire, saiu um pouco de sua trilha normal e acabou chegando a um acampamento de madeireiros. Estes, quando o viram, fugiram. Porém, estavam armados e voltaram em seguida. O montanhista conseguiu ir embora sem ser novamente percebido, mas teve tempo de flagrar exploração ilegal de madeira”, conta o geógrafo, montanhista e diretor de escalada da Federação Paranaense de Montanhismo, Pedro Hauck.

O problema, segundo o também montanhista e responsável pelo site Alta Montanha, Hilton Benke, não é recente. É comum entre os montanhistas encontrar vestígios de caça e atividade extrativista na região da serra.

inside job online movie

“Encontramos várias trilhas paralelas abertas por caçadores e madeireiros, que muitas vezes nos confundem com policiais da Força Verde ou integrantes do IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e temem nossa presença. Alguns ativistas reclamam que os montanhistas estragam as montanhas ao realizarem caminhadas. Porém, somos nós que estamos flagrando a destruição da floresta”, afirma.

Os caçadores em atividade na Serra do Mar geralmente estão atrás de animais silvestres para comercialização, como o papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), ameaçado de extinção. Já os madeireiros buscam principalmente o palmito, imbuia, canela e peroba, árvores consideradas de crescimento lento.

“A maioria da população não sabe o que está acontecendo na Serra do Mar. Porém, se não alertarmos sobre o problema e se alguma coisa não for feita para solucioná-lo, logo não teremos mais montanhas. Há um ano e meio, chegamos até a encontrar uma pista de motocross na região da Serra do Mar”, comenta Benke.

Na opinião do montanhista Pedro Hauck, para que a caça e o extrativismo deixem de ser realizados no local é preciso que o parque nacional e os parques estaduais sejam realmente efetivados.

“Hoje, os parque existem apenas no papel. Não têm infraestrutura e contam com poucos funcionários. Com isso, não sabemos, por exemplo, se as pessoas que desenvolvem atividade extrativista atuam por conta própria ou se existem outras pessoas por trás”, declara.

O chefe do Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, Rogério Florenzano Júnior, recebeu a denúncia da existência do acampamento de madeireiros por parte do montanhista e garante que vem trabalhando em parceria com o Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde para combater atividades ilegais.

Já o IAP informa que mantém equipes de fiscalização dentro das unidades de conservação e que, para situações tidas como de maior gravidade, também conta com o apoio da Força Verde.

Segundo o capitão da Força Verde César Lestechen, o monitoramento a pé é feito de forma constante na Serra do Mar. Porém, a fiscalização na região é intensificada quando surgem denúncias.

A presença de caçadores e madeireiros, principalmente palmiteiros, na região litorânea, é conhecida. “No último fim de semana, prendemos caçadores e palmiteiros, assim como espingardas, em Guaratuba”, revela.
(Fonte: Parana-online)






Categorias

Tópicos recentes

Meta

 

agosto 2019
S T Q Q S S D
« mar    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

23 de novembro de 2011 | nenhum comentário »

USP vai construir base de estudos sobre a Mata Atlântica na Serra do Mar

A Universidade de São Paulo (USP) pretende inaugurar até 2013 uma base científica de estudos sobre a Mata Atlântica na região da Serra do Mar, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo. Um dos objetivos do empreendimento é atrair pesquisadores estrangeiros interessados em estudar o bioma.

Construída sobre passarelas elevadas, de modo a reduzir o impacto ambiental, a unidade será, segundo a USP, a primeira base científica nesse modelo do país. Também serão instalados painéis solares e turbinas eólicas, para a geração de energia renovável para abastecer o edifício.

A unidade será construída em um terreno de 30 mil metros quadrados e deverá custar R$ 2,5 milhões. A área, doada ao Instituto de Biociências da USP em 1953, estava ociosa.

Fonte: Daniel Mello/ Agência Brasil


30 de dezembro de 2010 | nenhum comentário »

Parque da Serra do Mar é expandido

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SMA) anunciou a assinatura pelo governador do Estado de São Paulo, Alberto Goldman, de um decreto de expansão da área do Parque Estadual da Serra do Mar (PESM) dos atuais 315 mil para 332.290,20 hectares.

De acordo com a SMA, a medida é de grande relevância, pois os biomas da Mata Atlântica e da Serra do Mar são considerados patrimônios nacionais e estaduais.

A medida levou em consideração estudos da Procuradoria do Patrimônio Imobiliário e da Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo “José Gomes da Silva”. Juntos, os dois órgãos identificaram no entorno do Parque muitas áreas públicas, devolutas ou remanescentes de ações judiciais, de extremo valor ambiental, já incorporadas ou em processo de incorporação pela Fazenda do Estado de São Paulo.

Na prática, o decreto será cumprido em duas etapas. Na primeira, no ato da publicação, aumentará a área em 5.027,20 hectares, com terras que já pertencem ao patrimônio estadual. Os demais 12.263 hectares serão acrescentados à área do PESM conforme forem incorporadas pela Fazenda. Todas as áreas são públicas.

something borrowed download ipod

O decreto afeta áreas em 13 cidades: Cunha, Ubatuba, São Luiz do Paraitinga, Natividade da Serra, Paraibuna, São Sebastião, Miracatu, Pedro de Toledo, Salesópolis, Biritiba-Mirim, Bertioga, São Bernardo do Campo e São Paulo.

“Além da preservação da Mata Atlântica, estamos aproximando o PESM dos reservatórios de água da capital. Com o novo contorno, o PESM se aproxima de um dos lados da represa Billings”, disse Pedro Ubiratan Escorel de Azevedo, secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

(Fonte: Agência Fapesp)


29 de junho de 2009 | nenhum comentário »

Desmatamento na Serra do Mar (PR) é denunciado

A biodiversidade da Serra do Mar do Paraná está sob ameaça. Esta semana, o site Alta Montanha (www.altamontanha.com), desenvolvido por um grupo de montanhistas do Estado, denunciou a presença constante de madeireiros e caçadores no Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange e nos parques estaduais do Pico Paraná, da Serra da Baitaca e do Marumbi.

“Há alguns dias, um colega montanhista (que por questões de segurança prefere não ser identificado, pois mora na região litorânea) estava no parque Saint-Hilaire, saiu um pouco de sua trilha normal e acabou chegando a um acampamento de madeireiros. Estes, quando o viram, fugiram. Porém, estavam armados e voltaram em seguida. O montanhista conseguiu ir embora sem ser novamente percebido, mas teve tempo de flagrar exploração ilegal de madeira”, conta o geógrafo, montanhista e diretor de escalada da Federação Paranaense de Montanhismo, Pedro Hauck.

O problema, segundo o também montanhista e responsável pelo site Alta Montanha, Hilton Benke, não é recente. É comum entre os montanhistas encontrar vestígios de caça e atividade extrativista na região da serra.

inside job online movie

“Encontramos várias trilhas paralelas abertas por caçadores e madeireiros, que muitas vezes nos confundem com policiais da Força Verde ou integrantes do IAP (Instituto Ambiental do Paraná) e temem nossa presença. Alguns ativistas reclamam que os montanhistas estragam as montanhas ao realizarem caminhadas. Porém, somos nós que estamos flagrando a destruição da floresta”, afirma.

Os caçadores em atividade na Serra do Mar geralmente estão atrás de animais silvestres para comercialização, como o papagaio-de-cara-roxa (Amazona brasiliensis), ameaçado de extinção. Já os madeireiros buscam principalmente o palmito, imbuia, canela e peroba, árvores consideradas de crescimento lento.

“A maioria da população não sabe o que está acontecendo na Serra do Mar. Porém, se não alertarmos sobre o problema e se alguma coisa não for feita para solucioná-lo, logo não teremos mais montanhas. Há um ano e meio, chegamos até a encontrar uma pista de motocross na região da Serra do Mar”, comenta Benke.

Na opinião do montanhista Pedro Hauck, para que a caça e o extrativismo deixem de ser realizados no local é preciso que o parque nacional e os parques estaduais sejam realmente efetivados.

“Hoje, os parque existem apenas no papel. Não têm infraestrutura e contam com poucos funcionários. Com isso, não sabemos, por exemplo, se as pessoas que desenvolvem atividade extrativista atuam por conta própria ou se existem outras pessoas por trás”, declara.

O chefe do Parque Nacional Saint-Hilaire/Lange, Rogério Florenzano Júnior, recebeu a denúncia da existência do acampamento de madeireiros por parte do montanhista e garante que vem trabalhando em parceria com o Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde para combater atividades ilegais.

Já o IAP informa que mantém equipes de fiscalização dentro das unidades de conservação e que, para situações tidas como de maior gravidade, também conta com o apoio da Força Verde.

Segundo o capitão da Força Verde César Lestechen, o monitoramento a pé é feito de forma constante na Serra do Mar. Porém, a fiscalização na região é intensificada quando surgem denúncias.

A presença de caçadores e madeireiros, principalmente palmiteiros, na região litorânea, é conhecida. “No último fim de semana, prendemos caçadores e palmiteiros, assim como espingardas, em Guaratuba”, revela.
(Fonte: Parana-online)